sábado, 8 de dezembro de 2018

Guerras Híbridas

KORYBKO, A. Guerras Híbridas: das revoluções coloridas aos golpes. São Paulo: Expressão Popular, 2018,  174 p. - ISBN 9788577433284.


KORYBKO, A. Guerras Híbridas: das revoluções coloridas aos golpes. São Paulo: Expressão Popular, 2018

As Guerras Híbridas são conflitos identitários provocados por agentes externos, que exploram diferenças históricas, étnicas, religiosas, socioeconômicas e geográficas em países de importância geopolítica por meio da transição gradual das revoluções coloridas para a guerra não convencional, a fim de desestabilizar, controlar ou influenciar projetos de infraestrutura multipolares por meio de enfraquecimento do regime, troca do regime ou reorganização do regime.

Em suma, isso significa que países como os EUA se aproveitam de problemas identitários em um Estado-alvo a fim de mobilizar uma, algumas ou todas as questões identitárias mais comuns para provocar grandes movimentos de protesto, que podem então ser cooptados ou dirigidos por eles para atingir seus objetivos políticos. O eventual fracasso desses movimentos pode fazer com que alguns de seus participantes recorram ao terrorismo, à insurgência, à guerrilha e a outras formas de conflito não convencional contra o Estado. Na maioria das vezes, pelo menos no Hemisfério Oriental, esses fenômenos fabricados têm o efeito de dificultar a viabilização de projetos da China de implantação da nova Rota da Seda, coagindo o Estado-alvo a compromissos políticos ou mudanças de governo ou mesmo a uma secessão – que pode eventualmente levar a uma balcanização.


KORYBKO, A. Hybrid Wars: The Indirect Adaptive Approach To Regime Change. Moscow: Peoples’ Friendship University of Russia, 2015, 157 p. - ASIN: B014GA5SX8.

KORYBKO, A. Hybrid Wars: The Indirect Adaptive Approach To Regime Change. Moscow: Peoples’ Friendship University of Russia, 2015


Sputnik International’s political analyst and journalist, Andrew Korybko, just published his first book on “Hybrid Wars: The Indirect Adaptive Approach To Regime Change”. It was reviewed by the Diplomatic Academy of Russia and released with the assistance of the People’s Friendship University of Russia, where Andrew is a member of the expert council for the Institute of Strategic Research and Predictions. His detailed work proves that Color Revolutions are a new form of warfare engineered by the US, with everything from their organizational makeup to geopolitical application being guided by American strategists. But unlike earlier researchers who have touched upon the topic, Andrew takes his work even further and uses the latest examples of the War on Syria and EuroMaidan to argue that the US has deployed a second, more dangerous step to its regime change toolkit.

Hybrid Wars, as he labels them, are when the US meshes its Color Revolution and Unconventional Warfare strategies together to create a unified toolkit for carrying out regime change in targeted states. When a Color Revolution attempt fails, as it miserably did in Syria in 2011, the backup plan is to roll out an Unconventional War that builds directly upon the former’s social infrastructure and organizing methods. In the case of EuroMaidan, Andrew cites Western news sources such as Newsweek magazine, the Guardian, and Reuters in reminding everyone that in the days immediately prior to the coup’s successful completion, Western Ukraine was in full-scale rebellion against the central government and the stage was set for an Unconventional Syrian-esque War in the heart of Eastern Europe. Had it not been for the sudden overthrow of President Yanukovich, the US was prepared to take the country down the path of the Syrian scenario, which would have been its second full-fledged application of Hybrid War.

Andrew’s revolutionary research ultimately shows that it was the US, not Russia, which spearheaded the use of Hybrid Wars, and that given his proven findings, it’s irresponsible to even call Russia’s alleged involvement in the Ukrainian Crisis a ‘hybrid war’. In fact, the US is far ahead of any other country in practicing this new method of warfare, as no other state has attempted a Color Revolution thus far, let alone transitioned it into an Unconventional War when their initial regime change plans failed. While some many think that such occurrences are spontaneous and happenstance, Andrew documents how Hybrid Wars are not only created from the ground-up by the US, but how they’re specifically deployed in areas where they’d be most geostrategically advantageous for the promotion of its unipolar policies.

Thus, not only does Andrew describe the very essence of Hybrid Wars, but the final part of his book forecasts where he believes they may happen next. He introduces the groundbreaking concept of the Color Arc, a contiguous line of states stretching from Hungary to Kyrgyzstan and where the waging of Hybrid Wars would most seriously damage Russia’s national interests. This is the first time that Color Revolutions have ever been analyzed through a geopolitical prism, and it brings forth a completely different way of looking at this weapon’s utilization. This new paradigm is absolutely essential for understanding the US’ new approach to regime change and the form, both physical and geopolitical, it’s expected to take in the forthcoming years.

Andrew Korybko


Brasil é alvo de guerra híbrida, diz analista - Por Eleonora de Lucena e Rodolfo de Lucena - Tutameia: 9 de outubro de 2018

“Há uma Guerra Híbrida muito intensa sendo travada no Brasil neste momento e afeta todas os aspectos da vida de cada cidadão. Ao longo dos últimos dois anos, agentes externos vêm tentando muito sutilmente condicionar a população para voltá-la contra o Partido dos Trabalhadores, usando instrumentos como a Operação Lava Jato, apoiada pela NSA [agência norte-americana de inteligência]”, afirma o analista político norte-americano Andre Korybko, autor de Guerras Híbridas – Das Revoluções Coloridas aos Golpes, recém-lançado no Brasil pela Expressão Popular.

Em entrevista por e-mail ao Tutameia, Korybko, que vive em Moscou e se dedica ao estudo das estratégias do Estados Unidos na África e Eurásia, afirmou que os EUA são os principais propulsores desses movimentos, que consistem em desestabilizar governos a partir de grandes manifestações de massa. São “a fagulha que incendeia uma situação de conflito interno”, como diz a apresentação do livro. Podem se transformar em golpe ou mesmo guerras não convencionais –daí a expressão guerra híbrida.

Conselheiro do Institute for Strategic Studies and Predictions e jornalista na “Sputinik News”, ele também comentou a ascensão da candidatura de Jair Bolsonaro. Diz que os mentores externos da guerra híbrida no Brasil vinham há muito tempo moldando as condições sócio-políticas do país para facilitar o surgimento de um azarão que pudesse chegar ao poder e destruir tudo o que fora construído nos governos do Partido dos Trabalhadores.

A entrevista.

O que são guerras híbridas?

Desde o lançamento de meu livro, em 2015, ampliei minha definição para incluir o seguinte:

“As Guerras Híbridas são conflitos identitários provocados por agentes externos, que exploram diferenças históricas, étnicas, religiosas, socioeconômicas e geográficas em países de importância geopolítica por meio da transição gradual das revoluções coloridas para a guerra não convencional, a fim de desestabilizar, controlar ou influenciar projetos de infraestrutura multipolares por meio de enfraquecimento do regime, troca do regime ou reorganização do regime.”

Em suma, isso significa que países como os EUA se aproveitam de problemas identitários em um Estado-alvo a fim de mobilizar uma, algumas ou todas as questões identitárias mais comuns para provocar grandes movimentos de protesto, que podem então ser cooptados ou dirigidos por eles para atingir seus objetivos políticos. O eventual fracasso desses movimentos pode fazer com que alguns de seus participantes recorram ao terrorismo, à insurgência, à guerrilha e a outras formas de conflito não convencional contra o Estado. Na maioria das vezes, pelo menos no Hemisfério Oriental, esses fenômenos fabricados têm o efeito de dificultar a viabilização de projetos da China de implantação da nova Rota da Seda, coagindo o Estado-alvo a compromissos políticos ou mudanças de governo ou mesmo a uma secessão –que pode eventualmente levar a uma balcanização.

Seu livro descreve as Guerras Híbridas como “caos administrado”. Como isso é construído?

O estudo detalhado da sociedade de um estado-alvo e das tendências gerais da natureza humana (auxiliado por pesquisas antropológicas, sociológicas, psicológicas e outras) permite construir um quadro de como é o funcionamento “natural” daquela sociedade. Armados com esse conhecimento, os praticantes da Guerra Híbrida podem prever com precisão quais “botões apertar” por meio de provocações para obter respostas esperadas de seus alvos, tudo com a intenção de perturbar o status quo por processos locais de desestabilização manipulados por forças externas. Podem ser conflitos étnicos, movimentos de protesto (“Revoluções Coloridas”) ou a exacerbação de rivalidades regionais. O ponto principal é produzir o maior efeito com o mínimo de esforço e, então, explorar a evolução dos acontecimentos e a incerteza crescente a fim de realizar os planos políticos.

O livro descreve os EUA como propulsores desses movimentos. Por quê?

Por causa de sua hegemonia mundial –ainda que cadente–, os EUA têm interesses globais, e suas décadas de experiência operando em todos os continentes lhe deram uma compreensão profunda da situação doméstica de praticamente todos os países. Não só é, portanto, muito mais fácil para os EUA iniciar Guerras Híbridas como eu as descrevo, mas também –e mais importante—eles têm a motivação para fazê-lo. Que é o que falta a outras grandes potências em relação a ações em países fora de suas áreas de influência regionais.

O Brasil se tornou alvo da Guerra Híbrida após a descoberta do petróleo do pré-sal?

Na minha opinião, o Brasil se tornou um alvo desde a eleição de Lula e seu movimento em direção à multipolaridade, mas a subsequente descoberta das reservas de petróleo do pré-sal definitivamente acrescentou um novo ímpeto à Guerra Híbrida dos EUA no Brasil, embora apenas porque esses recursos seriam vendidos para a China. Se Lula tivesse fechado um acordo com os EUA para fornecer acesso irrestrito ao pré-sal e também permitisse que Washington aproveitasse essa vantagem para controlar o acesso da China ao mesmo, então os EUA poderiam não ter motivação para empreender uma Guerra Híbrida no Brasil, ou poderia ser atenuada ou adiada. Porém, por causa da posição independente de Lula sobre os depósitos do pré-sal e muitas outras questões, ele e sua sucessora foram vistos como alvos “legítimos” pelos EUA porque Washington temia que eles acelerassem seu declínio hegemônico no hemisfério se não fossem detidos o mais rapidamente possível.

O fato de o Brasil ter participado ativamente dos BRICS junto com a Rússia, a Índia, a China e a África do Sul também é uma das razões pelas quais ele foi alvo da Guerra Híbrida?

Sim, mas principalmente por causa do sentido simbólico dessa iniciativa, porque acredito que o movimento BRICS, apesar de ser uma plataforma muito promissora, não foi capaz de atingir seu pleno potencial por causa da rivalidade interna, manipulada pelos EUA, entre a China e a Índia. Isso prejudicou sua eficácia geral, mesmo antes da primeira fase da Guerra Híbrida no Brasil ter sido bem-sucedida em derrubar a presidenta Dilma. Sua destituição do cargo e o “golpe constitucional” contra o presidente sul-africano Zuma se combinaram para reduzir o BRICS ao tripartido original do RIC, que está profundamente dividido entre a China e a Índia (apesar das afirmações oficiais em contrário), com a Rússia assumindo papel de mediadora entre os dois. Para todos os efeitos, o BRICS não existe mais, exceto como um grupo que se reúne anualmente para conversar e, para muitos, uma lembrança de sonhos desfeitos.

Leia a entrevista completa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário