quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Os profetas maiores na pesquisa recente

Estou estudando, nos últimos meses, com meus alunos do Segundo Ano de Teologia do CEARP, os livros de Isaías, Jeremias e Ezequiel. Um dos livros que tenho utilizado para acompanhar as tendências da pesquisa na área é:

HAUSER, A. J. (ed.) Recent Research on the Major Prophets. Sheffield: Sheffield Phoenix Press, 2008,  xiv + 389 p. - ISBN 9781906055134

HAUSER, A. J. (ed.) Recent Research on the Major Prophets. Sheffield: Sheffield Phoenix Press, 2008


Given the many new methods and approaches for interpreting biblical literature that have appeared in the past several decades, it is hardly surprising that our understanding of the prophets Isaiah, Jeremiah and Ezekiel has expanded and diversified at a rapid pace. Historical-critical understandings and perspectives have been challenged and often dramatically altered. New approaches, such as social-scientific criticism, rhetorical criticism, feminist criticism, reader response criticism, literary analysis, anthropological analysis, structuralist criticism, ideological criticism, and deconstructionist criticism have both challenged old approaches and shed new light on the texts being studied. In this volume, Alan Hauser presents eleven articles, each with an extensive bibliography, that survey the variety and depth of recent and contemporary scholarship on these three prophets. Five of them are new to this volume. All are written by experts in each area of scholarship, including Marvin Sweeney, Paul Kim, Roy Melugin, Robert P. Carroll, Peter Diamond, Katheryn Pfisterer Darr and Risa Levitt Kohn. Hauser introduces the volume with a comprehensive summary and overview of the articles.


Recomendo o livro, embora publicado em 2008, por duas razões:

. está disponível gratuitamente no Projeto ICI da SBL. Observe o preço na Amazon e avalie se vale a pena.

. a bibliografia acadêmica sobre os profetas Isaías, Jeremias e Ezequiel, em língua portuguesa, é escassa e, quando chega, é com muito atraso.


Pode-se consultar também:

:: Todos os seminários do PIB para professores de Bíblia - Observatório Bíblico: 9 de março de 2018

O primeiro seminário, em janeiro de 2012, foi sobre o profetismo, com destaque para Isaías e Jeremias. Leia o diário do seminário feito por Cássio Murilo Dias da Silva. E há material de estudo disponível para download.


:: O blog Biblical Studies journal alerts

Traz links para os mais recentes números de algumas importantes revistas acadêmicas de Bíblia, inclusive a Currents in Biblical Research, onde Alan J. Hauser, organizador do livro acima, é editor.

Leia Mais:
Literatura Profética 2018

Para entender o caso Viganò

:: Ex-núncio nos EUA, Viganò: ''O papa deve renunciar'' - Andrea Tornielli: IHU Online - 27/08/2018

O diplomata vaticano publicou um documento sobre o caso do cardeal homossexual McCarrick com acusações contra a cúpula vaticana dos últimos 20 anos.

As autoridades da Santa Sé tinham conhecimento, desde o ano 2000, da existência de acusações contra o arcebispo Theodore McCarrik, promovido no fim daquele ano a arcebispo de Washington e criado cardeal por João Paulo II no ano seguinte: era sabido que o prelado convidava seus seminaristas para dormir com ele na casa de praia. É o que afirma um documento de 11 páginas assinado por Carlo Maria Viganò, ex-secretário do Governatorato e ex-núncio apostólico nos Estados Unidos, que foi afastado do Vaticano e enviado para a sede diplomática de Washington em 2011. O texto do Viganò está repleto de datas e de circunstâncias, e é claramente dirigido contra o Papa Francisco, do qual o ex-núncio pede a renúncia, porque, na sua opinião, teria removido as sanções existentes contra McCarrick após o conclave de 2013. O documento repropõe, detalhando-os, boatos e informações que já circularam pelo menos nos últimos dois meses na galáxia midiática antipapal e tradicionalista norte-americana e europeia, tentando descarregar toda a responsabilidade sobre os ombros do atual pontífice.


:: L’ex nunzio negli Usa Viganò: “Il Papa si deve dimettere” - Andrea Tornielli: Vatican Insider - 26/08/2018

Il diplomatico vaticano ha reso pubblico un documento sul caso del cardinale omosessuale McCarrick con accuse contro i vertici vaticani degli ultimi vent’anni

Le autorità della Santa Sede erano a conoscenza fin dal 2000 dell’esistenza di accuse contro l’arcivescovo Theodore McCarrick, promosso alla fine di quell’anno arcivescovo di Washington e creato cardinale da Giovanni Paolo II l’anno successivo: era noto che il prelato invitava i suoi seminaristi a dormire con lui nella casa al mare. È quanto si legge in un documento di 11 pagine firmato da Carlo Maria Viganò, ex segretario del Governatorato ed ex nunzio apostolico negli Stati Uniti, che venne allontanato dal Vaticano e inviato nella sede diplomatica di Washington nel 2011. Il testo di Viganò è zeppo di date e di circostanze, ed è chiaramente indirizzato contro Papa Francesco, del quale l’ex nunzio chiede le dimissioni perché a suo dire avrebbe tolto delle sanzioni esistenti contro MacCarrick dopo il conclave del 2013. Il documento ripropone, circostanziando le voci e informazioni già circolate almeno negli ultimi due mesi nella galassia mediatica antipapale e tradizionalista americana ed europea, cercando di attribuire ogni responsabilità sulle spalle dell’attuale Pontefice.

 

:: O catolicismo nos Estados Unidos e a tentativa de golpe contra Francisco. Artigo de Massimo Faggioli - IHU Online - 28/08/2018

Na sua carta de 20 de agosto a todo o povo de Deus, Francisco identificou no clericalismo a verdadeira chaga da Igreja: prova disso é a tentativa de golpe de Estado do fim de semana, com o memorial publicado pelo ex-núncio nos Estados Unidos, Carlo Maria Viganò. A manobra foi estudada minuciosamente tanto nos tempos quanto nos modos – especialmente olhando para os jornalistas hostis a Francisco que se prestaram a isso – e fracassou, pelo menos quanto à tentativa de empurrar o papa a renunciar. Mas, para entender o que está acontecendo na Igreja, este momento deve ser analisado na rota entre os Estados Unidos e o Vaticano.

(...)

Além dessa convergência entre a agenda pessoal de Viganò e a agenda ideológica do mundo estadunidense e anglo-saxão hostil a Francisco, o outro elemento-chave para compreender a operação e o motivo pelo qual ela fracassou é a transição de um certo tipo de catolicismo conservador para outro nos Estados Unidos.

Observando as publicações e os artigos de jovens jornalistas e intelectuais da nova geração de católicos estadunidenses (nascidos nos anos 1980-1990), é perceptível como eles não representam mais o catolicismo neoconservador “das antigas” (um nome acima de todos: George Weigel), aquele que chegou ao poder com o Partido Republicano, especialmente com George W. Bush em 2000 e nos Estados Unidos pós-11 de setembro de 2001.

Mas hoje a nova geração de católicos estadunidenses de direita (tanto leigos quanto padres e seminaristas, mas também alguns bispos) interpreta um catolicismo teologicamente neo-ortodoxo, moralmente neointegralista, politicamente antiliberal e anti-internacionalista, esteticamente neomedieval.

É o catolicismo cada vez mais visível na revista-farol da reação conservadora à teologia liberal, First Things, na qual as duas tendências e as divergências entre si são visíveis. Nessa transição de um tipo de conservadorismo católico para outro, nota-se uma diferença de ênfases nas críticas ao Papa Francisco. Ambos são muito críticos à teologia do Papa Francisco. A nova ala extremista e neointegralista, que lembra em alguns aspectos a Action Française de Charles Maurras nos anos 1920 (condenada por Pio XI), não hesita em identificar no Papa Francisco um papa herege ou não católico. Mas a velha geração de católicos neoconservadores não está disposta a arruinar a Igreja a fim de se livrar do Papa Francisco: e foi aí que faltou o apoio à operação Viganò.

O ataque ao Papa Francisco do último fim de semana também deve ser lido dentro da luta pela supremacia dentro do catolicismo estadunidense conservador, entre a velha escola neoconservadora e o novo integralismo medievalista. O ataque contra o Papa Francisco fracassou, mas não está claro o que acontecerá com a cultura católica conservadora nos Estados Unidos: se ela recuará para um neoconservadorismo que ainda mantém algum sentido das instituições (eclesiásticas ou não), ou se tomará o caminho de um jacobinismo católico que não tem medo de flertar com a ideia de um novo cisma do Ocidente.


:: Il cattolicesimo negli Stati Uniti e il tentato golpe contro Francesco - Massimo Faggioli: HuffPost.it - 27/08/2018
Nella sua lettera del 20 agosto a tutto il popolo di Dio, Francesco ha identificato nel clericalismo la vera piaga della chiesa: ne dà conferma il tentato colpo di stato del fine settimana, con il memoriale pubblicato dall'ex nunzio negli Stati Uniti, Carlo Maria Viganò. La manovra è stata studiata a tavolino sia nei tempi sia nei modi – specialmente guardando ai giornalisti ostili a Francesco che si sono prestati - ed è fallita, almeno quanto al tentativo di spingere il papa alle dimissioni. Ma per capire quanto sta succedendo nella chiesa, questo momento va analizzato sulla rotta tra Stati Uniti e Vaticano.

(...)

C'è poi un secondo elemento dell'operazione. Oltre a questa convergenza tra l'agenda personale di Viganò e l'agenda ideologica del mondo americano e anglosassone ostile a Francesco, l'altro elemento chiave per comprendere l'operazione e il motivo per cui è fallita è la transizione da un certo tipo di cattolicesimo conservatore a un altro negli Stati Uniti. Osservando le pubblicazioni e gli articoli di giovani giornalisti e intellettuali della nuova generazione di cattolici americani (nati negli anni ottanta-novanta) è percepibile come essi non rappresentino più il cattolicesimo neo-conservatore vecchia scuola (un nome per tutti, George Weigel), quello arrivato al potere col Partito repubblicano, specialmente con George W. Bush nel 2000 e nell'America post-11 settembre 2001. Ma oggi la nuova generazione di cattolici americani di destra (sia laici, sia preti e seminaristi, ma anche qualche vescovo) interpreta un cattolicesimo teologicamente neo-ortodosso, moralmente neo-integralista, politicamente anti-liberale e anti-internazionalista, esteticamente neo-medievale.

È il cattolicesimo sempre più visibile nella rivista-faro della reazione conservatrice alla teologia liberal, First Things, nella quale le due tendenze e le divergenze tra loro sono visibili. In questa transizione da un tipo di conservatorismo cattolico a un altro si nota una differenza di accenti nelle critiche a papa Francesco. Entrambi sono molto critici della teologia di papa Francesco. La nuova frangia oltranzista e neo-integralista, che ricorda per certi aspetti l'Action Francaise di Charles Maurras negli anni venti del secolo scorso (condannata da Pio XI), non si fa remore di identificare in papa Francesco un papa eretico o non cattolico. Ma la vecchia generazione di cattolici neo-conservatori non è disposta a fare macerie della chiesa pur di liberarsi di papa Francesco: ed è qui che è mancato il supporto all'operazione Viganò.

L'attacco a papa Francesco dello scorso fine settimana va letto anche all'interno della lotta per la supremazia all'interno del cattolicesimo americano conservatore, tra vecchia scuola neo-conservatrice e nuovo integralismo medievalista. L'attacco a papa Francesco è fallito, ma non è chiaro cosa sarà della cultura cattolica conservatrice negli Stati Uniti: se tornerà sui passi di un neo-conservatorismo che conserva ancora un qualche senso delle istituzioni (ecclesiastiche e non), oppure se prenderà la via di un giacobinismo cattolico che non ha paura di flirtare con l'idea di un nuovo scisma d'Occidente.


Leia Mais:
Francisco no Observatório Bíblico
Francisco no Twitter

terça-feira, 21 de agosto de 2018

A Revista Brasileira de Interpretação Bíblica está online

O amigo e colega Cássio Murilo Dias da Silva enviou-me, da PUCRS, a notícia de que acaba de ser lançado o primeiro fascículo da Revista Brasileira de Interpretação Bíblica - ReBiblica

Revista Brasileira de Interpretação Bíblica - ReBiblica

Revista Brasileira de Interpretação Bíblica, v. 1, n. 1 (2018): Pesquisa bíblica no Brasil: um mosaico de desafios

Eis o texto do Cássio Murilo:

Revista Brasileira de Interpretação Bíblica: um novo periódico científico

Em setembro de 2015, os professores de Bíblia nos programas de pós-graduação de Teologia e/ou Ciências da Religião de todo o Brasil, reuniram-se, durante o congresso da Associação Nacional dos Programas de Teologia e Ciências da Religião - ANPTECRE, para partilhar experiências e traçar planos de trabalho e colaboração. Era sentida por todos a falta de uma revista para publicar artigos científicos de maior envergadura no campo da pesquisa bíblica. Diante disso, os presentes propuseram-se a fundar uma revista em formato digital para promover o avanço do estudo acadêmico da Bíblia no Brasil. Este novo periódico recebeu o nome de ReBiblica. Além de ser a abreviação de Revista Brasileira de Interpretação Bíblica, este nome é também um jogo de palavras com a frase Re Biblica, que em latim é usada para definir as “Ciências Bíblicas”, isto é, o estudo da Bíblia nas suas mais diversas perspectivas: linguísticas, literárias, histórico-geográfico-culturais e teológicas.

Após três anos de trabalho, foi lançado o primeiro fascículo deste novo periódico científico, com um panorama dos estudos bíblicos no Brasil. Professores com as mais diversas formações acadêmicas e linhas de pesquisa (exegese, teologia bíblica, história, arqueologia, crítica textual, tradução, hermenêutica latino-americana) oferecem um amplo leque de perspectivas e abordagens, de conhecimentos e questionamentos.

De algum modo, os artigos deste primeiro fascículo têm como denominador comum a temática do “desafio”: alguns apresentam e discutem questões desafiadoras para a exegese e a teologia bíblicas; outros trazem à luz desafios propostos pelos textos analisados.


Os artigos do fascículo de lançamento são:

Cássio Murilo Dias da Silva - Uma nova agenda para repensar a inspiração

Luiz José Dietrich - A descolonização da Bíblia, da “Palavra de Deus”: O desafio primeiro e urgente para uma teologia descolonial

Erhard S. Gerstenberger - Armut und Armentheologie in den Psalmen: Sozialgeschichtliche Auslegung und Befreiungstheologie [Pobreza e teologia dos pobres nos Salmos. Interpretação histórico-social e Teologia da Libertação]

Leonardo Pessoa da Silva Pinto - As Origens dos Livros de Samuel: Status Quaestionis

Edson de Faria Francisco - O Livro de Oseias no Antigo Testamento Interlinear Hebraico-Português, v. 3: Profetas Posteriores. Apontamentos sobre dificuldades textuais

Flávio Schmitt - No poder do Espírito: Miqueias 3,8

Jaldemir Vitório - Consolar: missão profética no exílio. A ação do Dêutero-Isaías junto aos israelitas na Babilônia

Cesar Motta Rios - A humilhação do povo judeu no Pretório de Pilatos: Estudo exegético de Mateus 27,27-31

Fabrizio Zandonadi Catenassi, Vicente Artuso e Ildo Perondi - A unção de Betânia no contexto da traição de Jesus (Marcos 14,1-11): Aspectos de estilo e narratividade

Rivaldave Paz Torquato - “Ele estava perdido e foi encontrado!”: A compaixão do Pai como atitude fundamental em Lc 15

O desejo dos professores que iniciaram o projeto do periódico é que ReBiblica seja um espaço de discussão e de partilha das pesquisas acadêmicas sobre a Bíblia.

Leia Mais:
Uma nova revista bíblica: ReBIblica
ReBiblica - Revista Brasileira de Interpretação Bíblica

Novo blog: Bible Software and Interpretation

Bible Software and Interpretation. Por Glenn L. Weaver, professor de Bíblia e desenvolvedor de conteúdo para o BibleWorks.


Sobre o blog:

O blog se propõe apresentar um panorama do que programas eletrônicos podem oferecer para os intérpretes dos textos bíblicos, sem transcurar seus limites. É importante refletir como o uso de software afeta a interpretação dos textos bíblicos e, ainda, como a interpretação provavelmente mudará no futuro por causa do uso de software.

Diz ele:

Bible software is a common tool used by scholars, professors, pastors, missionaries, translators, students, and laypersons worldwide. Yet to this point there has been little written about how the use of software affects the Bible study process for good or for bad. Most writings have been sales pitches, reviews, or blog posts about individual program features. What is lacking is an overview of what software can provide for the interpreter, what are its limitations, and how the use of software affects interpretation and how interpretation is likely to change in the future because of the use of software. This blog is a small attempt to fill this knowledge gap.

Veja também o blog Biblical Studies and Technological Tools.

sábado, 18 de agosto de 2018

O Pentateuco e a OHDtr podem ter sido escritos na época helenística

Um artigo interessante.

Os estudiosos, em sua maioria, defendem a época persa como termo final para a escrita do Pentateuco e da Obra Histórica Deuteronomista (OHDtr).

Neste artigo, entretanto, Robert K. Gnuse, professor da Loyola University New Orleans, descreve a posição de alguns estudiosos da Escola de Copenhague que apontam a época helenística para a escrita do Pentateuco e da OHDtr. Diz Gnuse que estes autores precisam ser levados a sério, pois podem estar indicando corretamente o rumo da pesquisa futura sobre o Antigo Testamento.


GNUSE, R. K. A Hellenistic First Testament: The Views of Minimalist Scholars. Biblical Theology Bulletin, volume 48, n. 3, p. 115-132, 2018.

Biblical Theology Bulletin, volume 48, n. 3, 2018


Um Primeiro Testamento helenístico: as perspectivas de alguns estudiosos minimalistas

Gnuse diz no resumo:

This article summarizes the views of six significant “minimalist” scholars and others, who theorize that the Primary History in the First Testament was generated in the Hellenistic Era after 300 bce . Some critique of their views is provided combined with a theoretic counter-response. The purpose of this article is primarily to expose the American audience to the writings of the “Copenhagen School” of biblical studies.

Este artigo resume as visões de seis estudiosos “minimalistas” e outros, que propõem que a História Primária no Primeiro Testamento [do Gênesis até Segundo Reis] foi produzida na Era Helenística, após 300 a.C. É oferecida alguma crítica de seus pontos de vista, combinada com uma contrarresposta teórica. O objetivo deste artigo é principalmente explicar para o público norte-americano os escritos da “Escola de Copenhague” de estudos bíblicos.


Ele explica na conclusão:

I have been involved in this discussion over the past twenty years. I have suggested that Greek narratives do lie behind some of the narratives in the biblical text, which implies for some accounts a very late Persian era origin and for other accounts a Hellenistic era origin (...). Because of my own research, I am sympathetic to the “minimalist” viewpoint, especially those ideas suggested by Lemche and Thompson, who admit the existence of biblical narratives prior to the Hellenistic era. I, however, assume that those narratives are more expansive than they are willing to acknowledge. I am fascinated by the views of Gmirkin, Niesiolowski-Spano, and Wadjenbaum. I am not convinced, as are they, that the Primary History is completely a Hellenistic creation. Nor am I convinced by all of their arguments. But ultimately the point that I wish to make is that the scholarship of these authors must be taken seriously in the future and not facilely dismissed, as is too often the case on this side of the Atlantic. They may represent the future of critical studies in the First Testament.

Eu estive envolvido nesta discussão nos últimos vinte anos. Sugeri que as narrativas gregas estão por trás de algumas das narrativas no texto bíblico, o que implica, para alguns relatos, uma origem da era persa muito tardia e, para outros relatos, uma origem da era helenística (...). Devido à minha própria pesquisa, sou simpático ao ponto de vista “minimalista”, especialmente aqueles sugeridos por Lemche e Thompson, que admitem a existência de narrativas bíblicas anteriores à era helenística. Eu, no entanto, assumo que essas narrativas são mais extensas do que eles estão dispostos a reconhecer. Eu sou fascinado pelas visões de Gmirkin, Niesiolowski-Spano e Wadjenbaum. Não estou convencido, como eles, de que a História Primária é completamente uma criação helenística. Nem estou convencido de todos os seus argumentos. Mas, em última análise, o que defendo aqui é a ideia de que a erudição desses autores deve ser levada a sério no futuro e não deve ser ignorada, como acontece com muita frequência neste lado do Atlântico. Eles podem representar o futuro dos estudos acadêmicos sobre o Primeiro Testamento.


Gnuse expõe e avalia as posições de Giovanni Garbini, Niels Peter Lemche, Thomas L. Thompson, Russell Gmirkin, Lukasz Niesiolowski-Spano e Philippe Wajdenbaum. Além destes seis autores, ele cita outros que abordam o assunto muito rapidamente ou que ainda defendem uma época persa para a escrita destes textos, como John Strange, Thomas Bolin, Flemming Nielsen, Jan-Wim Wesselius, K. Stott, Daniel Hawk, Gerhard Larsson, Emanuel Pfoh, Etienne Nodet e Philippe Guillaume.

 Robert K. Gnuse


Eu falaria ainda de Philip R. Davies, que também aborda o assunto. Ele afirma no capítulo 5 de seu In Search of 'Ancient Israel': Foi durante os Períodos Persa e Helenístico que a literatura bíblica deve ter sido composta, e é na sociedade desta época que nós devemos agora procurar pelas precondições que permitiram e motivaram a geração deste construto ideológico que é o Israel bíblico (p. 72). Tenho uma resenha do livro de Philip R. Davies, que pode ser lida aqui.

Sobre alguns destes autores da Escola de Copenhague, recomendo meu artigo Pode uma ‘História de Israel’ ser escrita? E os artigos sobre O Contexto da Obra Histórica Deuteronomista e A História de Israel no debate atual.


Leia Mais:
Os minimalistas na Ayrton's Biblical Page e no Observatório Bíblico

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Luta de classes no Novo Testamento

MYLES, R. J. (ed.) Class Struggle in the New Testament. Lexington Books/Fortress Academic. Em breve

Class Struggle in the New Testament engages the political and economic realities of the first century to unmask the mediation of class through several New Testament texts and traditions. Essays span a range of subfields, presenting class struggle as the motor force of history by responding to recent debates, historical data, and new evidence on the political-economic world of Jesus, Paul, and the Gospels. Chapters address collective struggles in the Gospels, the Roman military and class, the usefulness of categories like peasant, retainer, and middling groups for understanding the world of Jesus, the class basis behind the origin of archangels, the Gospels as products of elite culture, the implication of capitalist ideology upon biblical interpretation, and the New Testament’s use of slavery metaphors, populist features, and gifting practices. The book will become a definitive reference point for future discussion.

Sumário
  1. Class Struggle in the New Testament! (Robert J. Myles)
  2. Jesus, the Temple, and the Crowd: A Way Less Traveled (Neil Elliott)
  3. Romans Go Home? The Military as a Site of Class Struggle in the Roman East and New Testament (Christopher B. Zeichmann)
  4. Peasant Plucking in Mark: Conceptual and Material Issues (Alan H. Cadwallader)
  5. IVDAEA DEVICTA: The Gospels as Imperial “Captive Literature” (Robyn Faith Walsh)
  6. Fishing for Entrepreneurs in the Sea of Galilee? Unmasking Neoliberal Ideology in Biblical Interpretation (Robert J. Myles)
  7. Hand of the Master: Of Slaveholders and the Slave-Relation (Roland Boer and Christina Petterson)
  8. Populist Features in the Gospel of Matthew (Bruce Worthington)
  9. Troubling the Retainer Class in Antiquity (Sarah E. Rollens)
  10. Rethinking Pauline Gift and Social Functions: Class Struggle in Early Christianity? (Taylor Weaver)
  11. The Origin of Archangels: Ideological Mystification of Nobility (Deane Galbraith)
  12. Christian Origins and the Specter of Class: Locating Class Struggle in the New Testament Today (James G. Crossley)

Robert Myles is Lecturer in New Testament and Religion at Murdoch University in Perth, Western Australia.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Dos direitos das mulheres sobre a terra, segundo o Deuteronômio

Dois artigos:

:: The Land Rights of Women in Deuteronomy - By Don C. Benjamin - The Bible and Interpretation, August 2016

An important function of levirate marriage -- requiring women without husbands or heirs to delegate their land rights to guardians – is to protect the rights of elite males by limiting the number of women exercising their land rights independently. Therefore, the primary intention of Instructions on Widows (Deut 25:5-10) is not to provide widows with children, but to put their land back into production.


:: The Impact of Sargon & Enheduanna on Land Rights in Deuteronomy Preliminary Report - By Don C. Benjamin - The Bible and Interpretation, July 2018

Continuing work in my long-ago Deuteronomy and City Life (1983) and my recent Social World of Deuteronomy: a new feminist commentary (2015) and Land Rights of Women in Deuteronomy (2017), here I propose that Birth Stories of Moses parallel Birth Stories of Sargon to compare the way land rights were distributed in Akkad by Sargon and the woman Enheduanna with the way Moses and the women in Deuteronomy distributed land rights in ancient Israel. This paradigm suggests that the intention of Deuteronomy is to describe a utopia, where ownership, administrative and use rights are responsibly distributed as instructions on the maqom sanctuary (12: 2-28), tithing (14:22–29), pilgrimaging (16:1–17) and unresolved killings (19:1–13) reflect.


Como observa Jim Davila, este segundo artigo, de julho de 2018, começa oferecendo um bom panorama do que os estudiosos andam falando sobre o Livro do Deuteronômio. Por isso o recomendo.


Dois livros:

BENJAMIN, D. C. The Social World of Deuteronomy: A New Feminist Commentary. Eugene, OR: Cascade Books, 2015, 298 p. - ISBN 9781498228701 [ebook: 2018]

BENJAMIN, D. C. The Social World of Deuteronomy: A New Feminist Commentary. Eugene, OR: Cascade Books, 2015

The book of Deuteronomy is not an orphan. It belongs to a diverse family of legal traditions and cultures in the world of the Bible. The Social World of Deuteronomy: A New Feminist Commentary brings these traditions and cultures to life, and uses them to enrich our understanding and appreciation of Deuteronomy today. Benjamin uses social-scientific criticism to reconstruct the social institutions where Deuteronomy developed, and those that appear in its traditions. He uses feminist criticism to better understand and appreciate how powerful elite males in Deuteronomy view not only the women, mothers, wives, and widows in their households but also their powerless children, liminal people, slaves, prisoners, outsiders, livestock, and nature. Benjamin also uses feminist criticism to describe important aspects of the daily lives of these often overlooked peoples in ancient Israel. How the elite males in Deuteronomy view the women and other members of their households seldom reflects the underlying reality of how these women and others function.


:: BENJAMIN, D. C. (ed.) The Oxford Handbook of Deuteronomy. New York: Oxford University Press - Em breve

With some 30 chapters by scholars from Europe and the Americas.


Don C. Benjamin teaches Biblical and Near Eastern Studies at Arizona State University, Tempe, AZ, USA.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Mês da Bíblia 2018: Livro da Sabedoria

Com o tema “Para que n’Ele nossos povos tenham vida” e o lema “A Sabedoria é um espírito amigo do ser humano” (Sb 1,6), o Mês da Bíblia 2018 traz como proposta de estudo o Livro da Sabedoria.

:: Mês da Bíblia 2018: Para que n'Ele nossos povos tenham vida: Sabedoria 1,1-6,21. Brasília: CNBB, 2018.
Mês da Bíblia 2018: Para que n'Ele nossos povos tenham vida: Sabedoria 1,1-6,21. Brasília: CNBB, 2018.


:: SAB Mês da Bíblia 2018 - A Sabedoria é um espírito amigo do ser humano. São Paulo: Paulinas, 2018, 64 p. - ISBN 9788535643725.

SAB Mês da Bíblia 2018 - A Sabedoria é um espírito amigo do ser humano. São Paulo: Paulinas, 2018


:: CENTRO BÍBLICO VERBO A Sabedoria é um Espírito Amigo do Ser Humano (Sb 1,6): Caminho para a justiça e a vida. São Paulo: Paulus, 2018, 144 p. - ISBN 9788534947404.

CENTRO BÍBLICO VERBO A Sabedoria é um Espírito Amigo do Ser Humano (Sb 1,6): Caminho para a justiça e a vida. São Paulo: Paulus, 2018


:: CEBI-MG Livro da Sabedoria: chave de ouro encerrando a 1a Aliança. São Leopoldo: CEBI, 2018, 96 p.
CEBI-MG Livro da Sabedoria: chave de ouro encerrando a 1a. Aliança. São Leopoldo: CEBI, 2018


:: Estudo do Livro da Sabedoria – para o “Mês da Bíblia” - Maria Aparecida de Cicco - Blog da Catequese - 4 de junho de 2018


Leia mais sobre o Mês da Bíblia e sua história aqui.


Leia Mais:
Mês da Bíblia no Observatório Bíblico

sábado, 4 de agosto de 2018

Evangelhos dominicais e festivos refletidos em grupos

GONZAGA DO PRADO, J. L. Os evangelhos dominicais e festivos refletidos em grupos. Petrópolis: Vozes, 2017, 512 p. - ISBN 9788532653598.

GONZAGA DO PRADO, J. L. Os evangelhos dominicais e festivos refletidos em grupos. Petrópolis: Vozes, 2017


Esta obra visa colaborar na formação de grupos de leitura, reflexão e meditação dos Evangelhos. Esses grupos são o primeiro passo para a formação das comunidades, unidades menores que, unidas em redes, formam a Igreja.


José Luiz Gonzaga do Prado é Mestre em S. Escritura pelo Pontifício Instituto Bíblico, Roma. Professor de Bíblia na Faculdade Católica de Pouso Alegre, MG. Participa do grupo dos Biblistas Mineiros.

Karl Marx, 200 anos

Karl Marx, 200 anos. Do capitalismo industrial às lógicas do mundo em rede

Este é o tema de capa da Revista IHU On-Line, edição 525, 30 de julho de 2018.

Karl Marx, 200 anos. Do capitalismo industrial às lógicas do mundo em rede

Como sobrevivem os homens?

Os homens sobrevivem nas histórias que deles se contam.

Quando um homem morre, sua história é tudo o que ele tem. Ele será lembrado por isso. Através de sua história, o homem pode viver para sempre.

Man meets his end, his story is all he has. He will be remembered by it. Through his history man can live forever.


Grendel, 2007 - Dirigido por Nick Lyon

Visite: Beowulf Resources

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Biblical Studies Carnival 149

Seleção de postagens dos biblioblogs em julho de 2018.

Biblical Studies Carnival 149 Has Come to Town!

Trabalho feito por Karen R. Keen em seu blog.