sábado, 22 de setembro de 2018

Estudos Bíblicos: Fome e alimento na Bíblia

Fome e alimento na Bíblia - Estudos Bíblicos 137, Jan/Mar 2018

Fome e alimento na Bíblia - Estudos Bíblicos 137, Jan/Mar 2018

Fabrizio Zandonadi Catenassi. Reclamando "de barriga cheia": o maná e as codornizes em Qibrot-hatta'awah (Nm 11,4-35)

Luiz Alexandre Solano Rossi. Entre a fome e o desespero: análise bíblico-teológica de Neemias 5,1-5

Júlio Paulo Tavares Mantovani Zabatiero. Comprai e comei; comprai, sem dinheiro e sem pagar, vinho e leite (Is 55,1-2)

Rogério Goldoni Silveira. O SENHOR dá pão para os famintos: estudo do Salmo 146

Patrícia Zaganin Rosa Martins. Deus visitou o seu povo dando-lhe pão: A luta pela sobrevivência no livro de Rute

Flávio Henrique de Oliveira Silva. O Pão nosso de cada dia dá-nos hoje: observações à luz do Evangelho de Mateus

Ildo Perondi. As refeições de Jesus em Lucas

Cristina Aleixo Simões. As refeições entre as primeiras comunidades cristãs

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Talmud online

Para quem tem interesse no Talmud, lembro que a tradução de Adin Steinsaltz está online em hebraico e inglês no site Sefaria.

Sobre isso dois artigos, em inglês, podem ser lidos:

:: Online library sets Talmud ‘free’ with full, no-charge translations - By Ben Sales - 8 February 2017 - The Times of Israel
For centuries, studying a page of the Talmud has come with a bevy of barriers to entry. Written mostly in Aramaic, the Talmud in its most commonly printed form also lacks punctuation or vowels, let alone translation. Its premier explanatory commentary, composed by the medieval sage Rashi, is usually printed in an obscure Hebrew typeface read almost exclusively by religious, learned Jews. Even then, scholars can still spend hours figuring out what the text means. And that’s not to mention the Talmud’s size and cost: 37 full volumes, called tractates, take up an entire shelf of a library and can cost several thousand dollars. Now, a website hopes to build on these earlier breakthroughs and break all the barriers at once. Sefaria, a website founded in 2013 that aims to put the seemingly infinite Jewish canon online for free, has published an acclaimed translation of the Talmud in English. The translation, which includes explanatory notes in relatively plain language, was started by Rabbi Adin Steinsaltz in 1965 and is considered by many to be the best in its class (...) The translation’s publication was made possible by a multimillion-dollar deal with the Steinsaltz edition’s publishers, Milta and Koren Publishers Jerusalem, and financed by the William Davidson Foundation, a family charity. The edition will be known as The William Davidson Talmud.


:: The Babylonian Talmud Is Now Available Free Online in English and Hebrew - By Yair Rosenberg - February 7, 2017 - Tablet
One of the most accessible Hebrew and English translations of the Babylonian Talmud is going open source. Today, Sefaria, an online nonprofit bringing traditional Jewish texts to the internet, announced that it will be posting the entire compendium with the crisp bilingual translation of Jerusalem polymath Rabbi Adin Steinsaltz Even-Yisrael. A multi-decade scholarly effort first published in Israel, the Hebrew Steinsaltz Talmud has long been a print staple of the beit midrash, while the English edition has been distributed by Random House and Koren Publishers. Now, however, both translations will be available to anyone with an internet connection, thanks to a grant from the William Davidson Foundation.


Quem é Adin Steinsaltz? Confira aqui, aqui e aqui.

Observo que o site Sefaria está também disponível em aplicativos gratuitos para Android e iOS.

domingo, 16 de setembro de 2018

A Bíblia desenterrada de Finkelstein e Silberman em nova edição

É isto que os autores deste livro pretendem contar: “A história do antigo Israel e o nascimento de suas escrituras sagradas a partir de uma nova perspectiva, uma perspectiva arqueológica”. Os autores pretendem separar história de lenda. Enfim, declaram, seu propósito não é simplesmente desmontar conhecimentos ou crenças, mas partilhar as mais recentes percepções arqueológicas “não apenas sobre o quando, mas também sobre o porquê a Bíblia foi escrita, e porque ela permanece tão poderosa ainda hoje”.


FINKELSTEIN, I. ; SILBERMAN, N. A. A Bíblia desenterrada: A nova visão arqueológica do antigo Israel e das origens dos seus textos sagrados. Petrópolis: Vozes, 2018, 392 p. - ISBN 9788532658074.

FINKELSTEIN, I. ; SILBERMAN, N. A. A Bíblia desenterrada: A nova visão arqueológica do antigo Israel e das origens dos seus textos sagrados. Petrópolis: Vozes, 2018, 392 p.

Esta obra, um marco na História de Israel, que fora lançada em português em 2003 [A Bíblia não tinha razão. São Paulo: A Girafa, 2003, 515 p. – ISBN 8589876187], e está esgotada, recebe agora nova edição pela Vozes, certamente bem mais cuidada e com título muito mais adequado. Eu a utilizo, desde seu lançamento em inglês, em 2001, como bibliografia básica em meu curso de História de Israel.

Recomendo a leitura de minha resenha do original em inglês:

FINKELSTEIN, I. ; SILBERMAN, N. A. The Bible Unearthed. Archaeology’s New Vision of Ancient Israel and the Origin of Its Sacred Texts. New York: The Free Press, 2001, xii + 385 p. – ISBN 9780684869124

Leia Mais:
The Bible Unearthed em DVD: agora no Brasil
Israel Finkelstein
Neil Asher Silberman

sábado, 15 de setembro de 2018

Expedition: revista online do Penn Museum

 
Expedition - Volume 55 / Issue 2 - 2013

Since 1958, Expedition has been published as the members' magazine of the Penn Museum. Here you can find a complete online archive of nearly 2,000 articles published in Expedition up to last year. Special issues focus on themes, current excavations, research projects, or upcoming exhibitions. To explore the Museum's other digital content, visit The Digital Penn Museum.

domingo, 9 de setembro de 2018

Jogo Real de Ur

O Jogo Real de Ur foi encontrado nas escavações feitas na cidade mesopotâmica de Ur pelo arqueólogo britânico Sir Leonard Woolley na década de vinte do século passado. Um dos tabuleiros encontra-se no Museu Britânico, em Londres, desde 1928. Foi datado como sendo de aproximadamente 2500 a.C. e pertence à cultura suméria.

Jogo Real de Ur - The Royal Game of Ur  (The British Museum)


:: Jogo Real de Ur - The Royal Game of Ur: Play Store (Android)
Há mais de uma opção. Testei este jogo aqui.  Após entrar no jogo, clique no ponto de exclamação  para ver um tutorial de como jogar.

:: Jogo Real de Ur: LuduScience
Site em português de Portugal. Além de breve apresentação, as regras podem ser baixadas em formato pdf. Confira, no menu, outros jogos antigos em "Jogos tradicionais".

:: The Royal Game of Ur: The British Museum
Site do Museu Britânico. Apresentação do jogo, descrição da descoberta, imagens do jogo, bibliografia. Em inglês.

:: The Royal Game of Ur: Board and Pieces
Site sobre jogos abstratos. História da descoberta do jogo e explicação detalhada, com desenhos, de como jogar. Há, neste site, uma bibliografia. Em inglês.

:: Royal Game of Ur – Game of 20 Squares: Ancient Games
Site de Eli Gurevich. História do jogo e explicação de como jogar. Há também um blog sobre jogos antigos. Em inglês.

:: The Rules of the Royal Game of Ur: Masters Traditional Games
Traz as regras do jogo e suas variações, discutindo duas ou três possibilidades. Há regras para vários jogos tradicionais de tabuleiro aqui. Confira também a página Ancient & Historical Board Games. Em inglês.

:: Deciphering the world's oldest rule book - Irving Finkel: The British Museum
Vídeo em inglês, com legendas em português, no qual o curador do Museu Britânico Irving Finkel conta como encontrou e traduziu as regras do Jogo Real de Ur. Publicado em 23 de novembro de 2015.

:: Tom Scott vs Irving Finkel: The Royal Game of Ur: The British Museum
Vídeo em inglês, com legendas em português, onde podemos ver Irving Finkel e Tom Scott jogando o Jogo Real de Ur no Museu Britânico. Publicado em 28 de abril de 2017.

:: Irving Finkel, On the Rules for the Royal Game of Ur: Academia.edu
Sobre as regras do Jogo Real de Ur: texto do livro de FINKEL , I. Ancient Board Games in Perspective: Papers from the 1990 British Museum Colloquium. London: British Museum Press, 2007, 352 p.  ISBN 9780714111537. Confira o livro na Amazon aqui. O texto está disponível para download em Academia.edu. É bastante técnico, porém. Em inglês.

:: 126 imagens do Jogo Real de Ur: Blog de Dmitriy Skiryuk (Дмитрий Скирюк)
Estas imagens estão no blog de Dmitriy Skiryuk, um reconstrutor russo de jogos. As legendas podem ser traduzidas do russo para o português com o auxílio do Google Tradutor.

:: BELL, R. C. Board and Table Games from Many Civilizations. Mineola, NY: Dover Publications, 2012, 464 p. - ISBN 9780486238555
Um livro muito elogiado sobre jogos de tabuleiro. Em inglês.

Leia Mais:
Histórias de criação e dilúvio na antiga Mesopotâmia
Histórias do Antigo Oriente Médio: uma bibliografia

segunda-feira, 3 de setembro de 2018

Desdemocracia e epistemicídio

A agenda neoliberal impôs-se como uma nova forma de governamentalidade normativa, que estende a lógica do capital ao mundo inteiro, instalando a pós-democracia ou desdemocracia. O que vimos, entre inertes e revoltados na noite de 2 de setembro de 2018, aqui no Brasil, foi a concretização do epistemicídio em seu estágio mais primitivo e violento.

Museu Nacional - Rio de Janeiro - 02/09/2018

O Brasil sem Brasil: emblema da tragédia do Museu Nacional - por Rosane Borges: CartaCapital — 03/09/2018


A tragédia que se abateu sobre o Museu Nacional, a instituição científica mais antiga do Brasil, foi a peça que estava faltando para dar sentido à engrenagem de destruição do país da qual somos, simultaneamente, ferramentas e operadores (in)voluntários. 

A agenda neoliberal impôs-se como uma nova forma de governamentalidade normativa, que estende a lógica do capital ao mundo inteiro, instalando a pós-democracia ou desdemocracia, nas palavras dos especialistas no assunto, Pierre Dardot e Christian Laval.

DARDOT, P. ; LAVAL, C. A nova razão do mundo: Ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016


Com a balada altissonante do neoliberalismo, retorna-se ao capitalismo em seu estado bruto, em sua vida nua; destrói-se e confisca-se direitos adquiridos (relembremos o que o STF fez com a CLT, abrindo as porteiras para a terceirização indiscriminada); hasteia-se a bandeira da terra arrasada para que todos saibamos que não há mais saída, restando-nos a triste constatação de que vivemos (e viveremos) por nossa própria conta.

Para quem ainda não tinha entendido a morfologia da destruição à brasileira, a anedótica pergunta “Quer que eu desenhe?” mostrou sua face. E o desenho foi pintado, ou melhor, filmado em nossas telas ao vivo e em cores de fogo, convertendo-nos em testemunhas oculares, telespectadores desesperados,  céticos em relação ao que víamos.               

A carbonização do Museu Nacional desponta como um emblema real e simbólico do que a regressão neoliberal representa. Responsável por abrigar parte significativa do nosso patrimônio científico, histórico e artístico (em torno de 23 milhões de peças lá estavam abrigadas), o Museu vinha agonizando já algum tempo, emitindo sinais de que (sobre)vivia numa atmosfera de deterioração que pressagiava um iminente colapso.

Leia o texto completo*.


* A lista de obras destruídas pelo incêndio do Museu Nacional citada no artigo pode não ser correta. Confira aqui e aqui.

sábado, 1 de setembro de 2018

Para compreender Francisco

:: A Igreja, Francisco e as resistências. Entrevista com Daniele Menozzi - IHU Online: 01/09/2018

- De que modo Francisco entende a relação entre Igreja e sociedade? E como ele manifesta isso no seu pontificado?

Parece-me que o núcleo fundamental da posição de Francisco em relação à sociedade contemporânea consiste na percepção de que a relação entre a Igreja e as pessoas não pode ser deduzida a partir de uma doutrina estabelecida a priori e considerada válida em todos os tempos e em todos os lugares. Isso não significa que a Igreja caia no relativismo, como consideram os tradicionalistas que se opõem veementemente ao pontífice. A Igreja tem o Evangelho como ponto de referência inevitável e absoluto.

Mas Bergoglio entendeu que o Evangelho só pode ser compreendido e comunicado no devir da história. A pretensão de estar fora e acima da história, como a Igreja fez nos últimos dois séculos, significou a sua renúncia a se colocar em sintonia com o mundo contemporâneo. Em suma, são os sinais dos tempos que permitem entender quais são os traços da mensagem evangélica que interceptam, em uma determinada situação histórica, as perguntas profundas dos seres humanos.

O Papa Francisco captou que, na condição da sociedade atual, a misericórdia representa o núcleo profundo do Evangelho que encontra ressonância em uma vida coletiva marcada pela difusão, em nível planetário, de problemas dramáticos: a crescente pobreza material; as iminentes ameaças de guerra, até mesmo nucleares; as estreitas respostas nacionalistas às grandes ondas migratórias; uma organização econômica marcada pela idolatria do lucro; uma degradação ambiental aparentemente incontrolável.

A opinião é do historiador italiano Daniele Menozzi, professor da Scuola Normale Superiore di Pisa, estudioso do papado moderno e contemporâneo, em entrevista concedida a Lorenzo Prezzi e publicada em Settimana News, 30/08/2018.


Original italiano:

:: La Chiesa, Francesco, le resistenze - Settimana News: 30/08/2018

In che modo Francesco comprende il rapporto tra Chiesa e società? E come lo manifesta nel suo pontificato?

Mi pare che il nucleo fondamentale della posizione di Francesco verso la società contemporanea consista nella percezione che il rapporto tra la Chiesa e gli uomini non può essere dedotto da una dottrina stabilita a priori e ritenuta valida in ogni tempo e in ogni luogo. Questo non significa che la Chiesa cada nel relativismo, come ritengono i tradizionalisti che si oppongono strenuamente al pontefice. La Chiesa ha come punto di riferimento ineludibile e assoluto il Vangelo.

Ma Bergoglio ha capito che il Vangelo può essere compreso e comunicato solo nel divenire della storia. La pretesa di stare al di fuori e al di sopra della storia, come la Chiesa ha fatto negli ultimi due secoli, ha significato una sua rinuncia a porsi in sintonia con il mondo coevo. Sono insomma i segni dei tempi che permettono di capire quali siano i tratti del messaggio evangelico che intercettano, in una determinata situazione storica, le domande profonde degli uomini.

Papa Francesco ha colto che, nella condizione della società odierna, la misericordia rappresenta il nucleo profondo del Vangelo che trova risonanza in una vita collettiva segnata dalla diffusione, a livello planetario, di drammatici problemi: la crescente povertà materiale; le incombenti minacce di guerra, anche nucleare; le grette risposte nazionalistiche alle grandi ondate migratorie; un’organizzazione economica segnata dall’idolatria del profitto; un degrado ambientale apparentemente inarrestabile.


Leia a entrevista completa.


Leia Mais:
Para entender o caso Viganò
Francisco no Observatório Bíblico

Biblical Studies Carnival 150

Seleção de postagens dos biblioblogs em agosto de 2018.

Biblical Studies Carnival 150

Trabalho feito por Kevin Turner em seu blog Monday Morning Theologian.

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Os profetas maiores na pesquisa recente

Estou estudando, nos últimos meses, com meus alunos do Segundo Ano de Teologia do CEARP, os livros de Isaías, Jeremias e Ezequiel. Um dos livros que tenho utilizado para acompanhar as tendências da pesquisa na área é:

HAUSER, A. J. (ed.) Recent Research on the Major Prophets. Sheffield: Sheffield Phoenix Press, 2008,  xiv + 389 p. - ISBN 9781906055134

HAUSER, A. J. (ed.) Recent Research on the Major Prophets. Sheffield: Sheffield Phoenix Press, 2008


Given the many new methods and approaches for interpreting biblical literature that have appeared in the past several decades, it is hardly surprising that our understanding of the prophets Isaiah, Jeremiah and Ezekiel has expanded and diversified at a rapid pace. Historical-critical understandings and perspectives have been challenged and often dramatically altered. New approaches, such as social-scientific criticism, rhetorical criticism, feminist criticism, reader response criticism, literary analysis, anthropological analysis, structuralist criticism, ideological criticism, and deconstructionist criticism have both challenged old approaches and shed new light on the texts being studied. In this volume, Alan Hauser presents eleven articles, each with an extensive bibliography, that survey the variety and depth of recent and contemporary scholarship on these three prophets. Five of them are new to this volume. All are written by experts in each area of scholarship, including Marvin Sweeney, Paul Kim, Roy Melugin, Robert P. Carroll, Peter Diamond, Katheryn Pfisterer Darr and Risa Levitt Kohn. Hauser introduces the volume with a comprehensive summary and overview of the articles.


Recomendo o livro, embora publicado em 2008, por duas razões:

. está disponível gratuitamente no Projeto ICI da SBL. Observe o preço na Amazon e avalie se vale a pena.

. a bibliografia acadêmica sobre os profetas Isaías, Jeremias e Ezequiel, em língua portuguesa, é escassa e, quando chega, é com muito atraso.


Pode-se consultar também:

:: Todos os seminários do PIB para professores de Bíblia - Observatório Bíblico: 9 de março de 2018

O primeiro seminário, em janeiro de 2012, foi sobre o profetismo, com destaque para Isaías e Jeremias. Leia o diário do seminário feito por Cássio Murilo Dias da Silva. E há material de estudo disponível para download.


:: O blog Biblical Studies journal alerts

Traz links para os mais recentes números de algumas importantes revistas acadêmicas de Bíblia, inclusive a Currents in Biblical Research, onde Alan J. Hauser, organizador do livro acima, é editor.

Leia Mais:
Literatura Profética 2018

Para entender o caso Viganò

:: Ex-núncio nos EUA, Viganò: ''O papa deve renunciar'' - Andrea Tornielli: IHU Online - 27/08/2018

O diplomata vaticano publicou um documento sobre o caso do cardeal homossexual McCarrick com acusações contra a cúpula vaticana dos últimos 20 anos.

As autoridades da Santa Sé tinham conhecimento, desde o ano 2000, da existência de acusações contra o arcebispo Theodore McCarrik, promovido no fim daquele ano a arcebispo de Washington e criado cardeal por João Paulo II no ano seguinte: era sabido que o prelado convidava seus seminaristas para dormir com ele na casa de praia. É o que afirma um documento de 11 páginas assinado por Carlo Maria Viganò, ex-secretário do Governatorato e ex-núncio apostólico nos Estados Unidos, que foi afastado do Vaticano e enviado para a sede diplomática de Washington em 2011. O texto do Viganò está repleto de datas e de circunstâncias, e é claramente dirigido contra o Papa Francisco, do qual o ex-núncio pede a renúncia, porque, na sua opinião, teria removido as sanções existentes contra McCarrick após o conclave de 2013. O documento repropõe, detalhando-os, boatos e informações que já circularam pelo menos nos últimos dois meses na galáxia midiática antipapal e tradicionalista norte-americana e europeia, tentando descarregar toda a responsabilidade sobre os ombros do atual pontífice.


:: L’ex nunzio negli Usa Viganò: “Il Papa si deve dimettere” - Andrea Tornielli: Vatican Insider - 26/08/2018

Il diplomatico vaticano ha reso pubblico un documento sul caso del cardinale omosessuale McCarrick con accuse contro i vertici vaticani degli ultimi vent’anni

Le autorità della Santa Sede erano a conoscenza fin dal 2000 dell’esistenza di accuse contro l’arcivescovo Theodore McCarrick, promosso alla fine di quell’anno arcivescovo di Washington e creato cardinale da Giovanni Paolo II l’anno successivo: era noto che il prelato invitava i suoi seminaristi a dormire con lui nella casa al mare. È quanto si legge in un documento di 11 pagine firmato da Carlo Maria Viganò, ex segretario del Governatorato ed ex nunzio apostolico negli Stati Uniti, che venne allontanato dal Vaticano e inviato nella sede diplomatica di Washington nel 2011. Il testo di Viganò è zeppo di date e di circostanze, ed è chiaramente indirizzato contro Papa Francesco, del quale l’ex nunzio chiede le dimissioni perché a suo dire avrebbe tolto delle sanzioni esistenti contro MacCarrick dopo il conclave del 2013. Il documento ripropone, circostanziando le voci e informazioni già circolate almeno negli ultimi due mesi nella galassia mediatica antipapale e tradizionalista americana ed europea, cercando di attribuire ogni responsabilità sulle spalle dell’attuale Pontefice.

 

:: O catolicismo nos Estados Unidos e a tentativa de golpe contra Francisco. Artigo de Massimo Faggioli - IHU Online - 28/08/2018

Na sua carta de 20 de agosto a todo o povo de Deus, Francisco identificou no clericalismo a verdadeira chaga da Igreja: prova disso é a tentativa de golpe de Estado do fim de semana, com o memorial publicado pelo ex-núncio nos Estados Unidos, Carlo Maria Viganò. A manobra foi estudada minuciosamente tanto nos tempos quanto nos modos – especialmente olhando para os jornalistas hostis a Francisco que se prestaram a isso – e fracassou, pelo menos quanto à tentativa de empurrar o papa a renunciar. Mas, para entender o que está acontecendo na Igreja, este momento deve ser analisado na rota entre os Estados Unidos e o Vaticano.

(...)

Além dessa convergência entre a agenda pessoal de Viganò e a agenda ideológica do mundo estadunidense e anglo-saxão hostil a Francisco, o outro elemento-chave para compreender a operação e o motivo pelo qual ela fracassou é a transição de um certo tipo de catolicismo conservador para outro nos Estados Unidos.

Observando as publicações e os artigos de jovens jornalistas e intelectuais da nova geração de católicos estadunidenses (nascidos nos anos 1980-1990), é perceptível como eles não representam mais o catolicismo neoconservador “das antigas” (um nome acima de todos: George Weigel), aquele que chegou ao poder com o Partido Republicano, especialmente com George W. Bush em 2000 e nos Estados Unidos pós-11 de setembro de 2001.

Mas hoje a nova geração de católicos estadunidenses de direita (tanto leigos quanto padres e seminaristas, mas também alguns bispos) interpreta um catolicismo teologicamente neo-ortodoxo, moralmente neointegralista, politicamente antiliberal e anti-internacionalista, esteticamente neomedieval.

É o catolicismo cada vez mais visível na revista-farol da reação conservadora à teologia liberal, First Things, na qual as duas tendências e as divergências entre si são visíveis. Nessa transição de um tipo de conservadorismo católico para outro, nota-se uma diferença de ênfases nas críticas ao Papa Francisco. Ambos são muito críticos à teologia do Papa Francisco. A nova ala extremista e neointegralista, que lembra em alguns aspectos a Action Française de Charles Maurras nos anos 1920 (condenada por Pio XI), não hesita em identificar no Papa Francisco um papa herege ou não católico. Mas a velha geração de católicos neoconservadores não está disposta a arruinar a Igreja a fim de se livrar do Papa Francisco: e foi aí que faltou o apoio à operação Viganò.

O ataque ao Papa Francisco do último fim de semana também deve ser lido dentro da luta pela supremacia dentro do catolicismo estadunidense conservador, entre a velha escola neoconservadora e o novo integralismo medievalista. O ataque contra o Papa Francisco fracassou, mas não está claro o que acontecerá com a cultura católica conservadora nos Estados Unidos: se ela recuará para um neoconservadorismo que ainda mantém algum sentido das instituições (eclesiásticas ou não), ou se tomará o caminho de um jacobinismo católico que não tem medo de flertar com a ideia de um novo cisma do Ocidente.


:: Il cattolicesimo negli Stati Uniti e il tentato golpe contro Francesco - Massimo Faggioli: HuffPost.it - 27/08/2018
Nella sua lettera del 20 agosto a tutto il popolo di Dio, Francesco ha identificato nel clericalismo la vera piaga della chiesa: ne dà conferma il tentato colpo di stato del fine settimana, con il memoriale pubblicato dall'ex nunzio negli Stati Uniti, Carlo Maria Viganò. La manovra è stata studiata a tavolino sia nei tempi sia nei modi – specialmente guardando ai giornalisti ostili a Francesco che si sono prestati - ed è fallita, almeno quanto al tentativo di spingere il papa alle dimissioni. Ma per capire quanto sta succedendo nella chiesa, questo momento va analizzato sulla rotta tra Stati Uniti e Vaticano.

(...)

C'è poi un secondo elemento dell'operazione. Oltre a questa convergenza tra l'agenda personale di Viganò e l'agenda ideologica del mondo americano e anglosassone ostile a Francesco, l'altro elemento chiave per comprendere l'operazione e il motivo per cui è fallita è la transizione da un certo tipo di cattolicesimo conservatore a un altro negli Stati Uniti. Osservando le pubblicazioni e gli articoli di giovani giornalisti e intellettuali della nuova generazione di cattolici americani (nati negli anni ottanta-novanta) è percepibile come essi non rappresentino più il cattolicesimo neo-conservatore vecchia scuola (un nome per tutti, George Weigel), quello arrivato al potere col Partito repubblicano, specialmente con George W. Bush nel 2000 e nell'America post-11 settembre 2001. Ma oggi la nuova generazione di cattolici americani di destra (sia laici, sia preti e seminaristi, ma anche qualche vescovo) interpreta un cattolicesimo teologicamente neo-ortodosso, moralmente neo-integralista, politicamente anti-liberale e anti-internazionalista, esteticamente neo-medievale.

È il cattolicesimo sempre più visibile nella rivista-faro della reazione conservatrice alla teologia liberal, First Things, nella quale le due tendenze e le divergenze tra loro sono visibili. In questa transizione da un tipo di conservatorismo cattolico a un altro si nota una differenza di accenti nelle critiche a papa Francesco. Entrambi sono molto critici della teologia di papa Francesco. La nuova frangia oltranzista e neo-integralista, che ricorda per certi aspetti l'Action Francaise di Charles Maurras negli anni venti del secolo scorso (condannata da Pio XI), non si fa remore di identificare in papa Francesco un papa eretico o non cattolico. Ma la vecchia generazione di cattolici neo-conservatori non è disposta a fare macerie della chiesa pur di liberarsi di papa Francesco: ed è qui che è mancato il supporto all'operazione Viganò.

L'attacco a papa Francesco dello scorso fine settimana va letto anche all'interno della lotta per la supremazia all'interno del cattolicesimo americano conservatore, tra vecchia scuola neo-conservatrice e nuovo integralismo medievalista. L'attacco a papa Francesco è fallito, ma non è chiaro cosa sarà della cultura cattolica conservatrice negli Stati Uniti: se tornerà sui passi di un neo-conservatorismo che conserva ancora un qualche senso delle istituzioni (ecclesiastiche e non), oppure se prenderà la via di un giacobinismo cattolico che non ha paura di flirtare con l'idea di un nuovo scisma d'Occidente.


Leia Mais:
Francisco no Observatório Bíblico
Francisco no Twitter

terça-feira, 21 de agosto de 2018

A Revista Brasileira de Interpretação Bíblica está online

O amigo e colega Cássio Murilo Dias da Silva enviou-me, da PUCRS, a notícia de que acaba de ser lançado o primeiro fascículo da Revista Brasileira de Interpretação Bíblica - ReBiblica

Revista Brasileira de Interpretação Bíblica - ReBiblica

Revista Brasileira de Interpretação Bíblica, v. 1, n. 1 (2018): Pesquisa bíblica no Brasil: um mosaico de desafios

Eis o texto do Cássio Murilo:

Revista Brasileira de Interpretação Bíblica: um novo periódico científico

Em setembro de 2015, os professores de Bíblia nos programas de pós-graduação de Teologia e/ou Ciências da Religião de todo o Brasil, reuniram-se, durante o congresso da Associação Nacional dos Programas de Teologia e Ciências da Religião - ANPTECRE, para partilhar experiências e traçar planos de trabalho e colaboração. Era sentida por todos a falta de uma revista para publicar artigos científicos de maior envergadura no campo da pesquisa bíblica. Diante disso, os presentes propuseram-se a fundar uma revista em formato digital para promover o avanço do estudo acadêmico da Bíblia no Brasil. Este novo periódico recebeu o nome de ReBiblica. Além de ser a abreviação de Revista Brasileira de Interpretação Bíblica, este nome é também um jogo de palavras com a frase Re Biblica, que em latim é usada para definir as “Ciências Bíblicas”, isto é, o estudo da Bíblia nas suas mais diversas perspectivas: linguísticas, literárias, histórico-geográfico-culturais e teológicas.

Após três anos de trabalho, foi lançado o primeiro fascículo deste novo periódico científico, com um panorama dos estudos bíblicos no Brasil. Professores com as mais diversas formações acadêmicas e linhas de pesquisa (exegese, teologia bíblica, história, arqueologia, crítica textual, tradução, hermenêutica latino-americana) oferecem um amplo leque de perspectivas e abordagens, de conhecimentos e questionamentos.

De algum modo, os artigos deste primeiro fascículo têm como denominador comum a temática do “desafio”: alguns apresentam e discutem questões desafiadoras para a exegese e a teologia bíblicas; outros trazem à luz desafios propostos pelos textos analisados.


Os artigos do fascículo de lançamento são:

Cássio Murilo Dias da Silva - Uma nova agenda para repensar a inspiração

Luiz José Dietrich - A descolonização da Bíblia, da “Palavra de Deus”: O desafio primeiro e urgente para uma teologia descolonial

Erhard S. Gerstenberger - Armut und Armentheologie in den Psalmen: Sozialgeschichtliche Auslegung und Befreiungstheologie [Pobreza e teologia dos pobres nos Salmos. Interpretação histórico-social e Teologia da Libertação]

Leonardo Pessoa da Silva Pinto - As Origens dos Livros de Samuel: Status Quaestionis

Edson de Faria Francisco - O Livro de Oseias no Antigo Testamento Interlinear Hebraico-Português, v. 3: Profetas Posteriores. Apontamentos sobre dificuldades textuais

Flávio Schmitt - No poder do Espírito: Miqueias 3,8

Jaldemir Vitório - Consolar: missão profética no exílio. A ação do Dêutero-Isaías junto aos israelitas na Babilônia

Cesar Motta Rios - A humilhação do povo judeu no Pretório de Pilatos: Estudo exegético de Mateus 27,27-31

Fabrizio Zandonadi Catenassi, Vicente Artuso e Ildo Perondi - A unção de Betânia no contexto da traição de Jesus (Marcos 14,1-11): Aspectos de estilo e narratividade

Rivaldave Paz Torquato - “Ele estava perdido e foi encontrado!”: A compaixão do Pai como atitude fundamental em Lc 15

O desejo dos professores que iniciaram o projeto do periódico é que ReBiblica seja um espaço de discussão e de partilha das pesquisas acadêmicas sobre a Bíblia.

Leia Mais:
Uma nova revista bíblica: ReBIblica
ReBiblica - Revista Brasileira de Interpretação Bíblica

Novo blog: Bible Software and Interpretation

Bible Software and Interpretation. Por Glenn L. Weaver, professor de Bíblia e desenvolvedor de conteúdo para o BibleWorks.


Sobre o blog:

O blog se propõe apresentar um panorama do que programas eletrônicos podem oferecer para os intérpretes dos textos bíblicos, sem transcurar seus limites. É importante refletir como o uso de software afeta a interpretação dos textos bíblicos e, ainda, como a interpretação provavelmente mudará no futuro por causa do uso de software.

Diz ele:

Bible software is a common tool used by scholars, professors, pastors, missionaries, translators, students, and laypersons worldwide. Yet to this point there has been little written about how the use of software affects the Bible study process for good or for bad. Most writings have been sales pitches, reviews, or blog posts about individual program features. What is lacking is an overview of what software can provide for the interpreter, what are its limitations, and how the use of software affects interpretation and how interpretation is likely to change in the future because of the use of software. This blog is a small attempt to fill this knowledge gap.

Veja também o blog Biblical Studies and Technological Tools.

sábado, 18 de agosto de 2018

O Pentateuco e a OHDtr podem ter sido escritos na época helenística

Um artigo interessante.

Os estudiosos, em sua maioria, defendem a época persa como termo final para a escrita do Pentateuco e da Obra Histórica Deuteronomista (OHDtr).

Neste artigo, entretanto, Robert K. Gnuse, professor da Loyola University New Orleans, descreve a posição de alguns estudiosos da Escola de Copenhague que apontam a época helenística para a escrita do Pentateuco e da OHDtr. Diz Gnuse que estes autores precisam ser levados a sério, pois podem estar indicando corretamente o rumo da pesquisa futura sobre o Antigo Testamento.


GNUSE, R. K. A Hellenistic First Testament: The Views of Minimalist Scholars. Biblical Theology Bulletin, volume 48, n. 3, p. 115-132, 2018.

Biblical Theology Bulletin, volume 48, n. 3, 2018


Um Primeiro Testamento helenístico: as perspectivas de alguns estudiosos minimalistas

Gnuse diz no resumo:

This article summarizes the views of six significant “minimalist” scholars and others, who theorize that the Primary History in the First Testament was generated in the Hellenistic Era after 300 bce . Some critique of their views is provided combined with a theoretic counter-response. The purpose of this article is primarily to expose the American audience to the writings of the “Copenhagen School” of biblical studies.

Este artigo resume as visões de seis estudiosos “minimalistas” e outros, que propõem que a História Primária no Primeiro Testamento [do Gênesis até Segundo Reis] foi produzida na Era Helenística, após 300 a.C. É oferecida alguma crítica de seus pontos de vista, combinada com uma contrarresposta teórica. O objetivo deste artigo é principalmente explicar para o público norte-americano os escritos da “Escola de Copenhague” de estudos bíblicos.


Ele explica na conclusão:

I have been involved in this discussion over the past twenty years. I have suggested that Greek narratives do lie behind some of the narratives in the biblical text, which implies for some accounts a very late Persian era origin and for other accounts a Hellenistic era origin (...). Because of my own research, I am sympathetic to the “minimalist” viewpoint, especially those ideas suggested by Lemche and Thompson, who admit the existence of biblical narratives prior to the Hellenistic era. I, however, assume that those narratives are more expansive than they are willing to acknowledge. I am fascinated by the views of Gmirkin, Niesiolowski-Spano, and Wadjenbaum. I am not convinced, as are they, that the Primary History is completely a Hellenistic creation. Nor am I convinced by all of their arguments. But ultimately the point that I wish to make is that the scholarship of these authors must be taken seriously in the future and not facilely dismissed, as is too often the case on this side of the Atlantic. They may represent the future of critical studies in the First Testament.

Eu estive envolvido nesta discussão nos últimos vinte anos. Sugeri que as narrativas gregas estão por trás de algumas das narrativas no texto bíblico, o que implica, para alguns relatos, uma origem da era persa muito tardia e, para outros relatos, uma origem da era helenística (...). Devido à minha própria pesquisa, sou simpático ao ponto de vista “minimalista”, especialmente aqueles sugeridos por Lemche e Thompson, que admitem a existência de narrativas bíblicas anteriores à era helenística. Eu, no entanto, assumo que essas narrativas são mais extensas do que eles estão dispostos a reconhecer. Eu sou fascinado pelas visões de Gmirkin, Niesiolowski-Spano e Wadjenbaum. Não estou convencido, como eles, de que a História Primária é completamente uma criação helenística. Nem estou convencido de todos os seus argumentos. Mas, em última análise, o que defendo aqui é a ideia de que a erudição desses autores deve ser levada a sério no futuro e não deve ser ignorada, como acontece com muita frequência neste lado do Atlântico. Eles podem representar o futuro dos estudos acadêmicos sobre o Primeiro Testamento.


Gnuse expõe e avalia as posições de Giovanni Garbini, Niels Peter Lemche, Thomas L. Thompson, Russell Gmirkin, Lukasz Niesiolowski-Spano e Philippe Wajdenbaum. Além destes seis autores, ele cita outros que abordam o assunto muito rapidamente ou que ainda defendem uma época persa para a escrita destes textos, como John Strange, Thomas Bolin, Flemming Nielsen, Jan-Wim Wesselius, K. Stott, Daniel Hawk, Gerhard Larsson, Emanuel Pfoh, Etienne Nodet e Philippe Guillaume.

 Robert K. Gnuse


Eu falaria ainda de Philip R. Davies, que também aborda o assunto. Ele afirma no capítulo 5 de seu In Search of 'Ancient Israel': Foi durante os Períodos Persa e Helenístico que a literatura bíblica deve ter sido composta, e é na sociedade desta época que nós devemos agora procurar pelas precondições que permitiram e motivaram a geração deste construto ideológico que é o Israel bíblico (p. 72). Tenho uma resenha do livro de Philip R. Davies, que pode ser lida aqui.

Sobre alguns destes autores da Escola de Copenhague, recomendo meu artigo Pode uma ‘História de Israel’ ser escrita? E os artigos sobre O Contexto da Obra Histórica Deuteronomista e A História de Israel no debate atual.


Leia Mais:
Os minimalistas na Ayrton's Biblical Page e no Observatório Bíblico

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Luta de classes no Novo Testamento

MYLES, R. J. (ed.) Class Struggle in the New Testament. Lexington Books/Fortress Academic. Em breve

Class Struggle in the New Testament engages the political and economic realities of the first century to unmask the mediation of class through several New Testament texts and traditions. Essays span a range of subfields, presenting class struggle as the motor force of history by responding to recent debates, historical data, and new evidence on the political-economic world of Jesus, Paul, and the Gospels. Chapters address collective struggles in the Gospels, the Roman military and class, the usefulness of categories like peasant, retainer, and middling groups for understanding the world of Jesus, the class basis behind the origin of archangels, the Gospels as products of elite culture, the implication of capitalist ideology upon biblical interpretation, and the New Testament’s use of slavery metaphors, populist features, and gifting practices. The book will become a definitive reference point for future discussion.

Sumário
  1. Class Struggle in the New Testament! (Robert J. Myles)
  2. Jesus, the Temple, and the Crowd: A Way Less Traveled (Neil Elliott)
  3. Romans Go Home? The Military as a Site of Class Struggle in the Roman East and New Testament (Christopher B. Zeichmann)
  4. Peasant Plucking in Mark: Conceptual and Material Issues (Alan H. Cadwallader)
  5. IVDAEA DEVICTA: The Gospels as Imperial “Captive Literature” (Robyn Faith Walsh)
  6. Fishing for Entrepreneurs in the Sea of Galilee? Unmasking Neoliberal Ideology in Biblical Interpretation (Robert J. Myles)
  7. Hand of the Master: Of Slaveholders and the Slave-Relation (Roland Boer and Christina Petterson)
  8. Populist Features in the Gospel of Matthew (Bruce Worthington)
  9. Troubling the Retainer Class in Antiquity (Sarah E. Rollens)
  10. Rethinking Pauline Gift and Social Functions: Class Struggle in Early Christianity? (Taylor Weaver)
  11. The Origin of Archangels: Ideological Mystification of Nobility (Deane Galbraith)
  12. Christian Origins and the Specter of Class: Locating Class Struggle in the New Testament Today (James G. Crossley)

Robert Myles is Lecturer in New Testament and Religion at Murdoch University in Perth, Western Australia.

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Dos direitos das mulheres sobre a terra, segundo o Deuteronômio

Dois artigos:

:: The Land Rights of Women in Deuteronomy - By Don C. Benjamin - The Bible and Interpretation, August 2016

An important function of levirate marriage -- requiring women without husbands or heirs to delegate their land rights to guardians – is to protect the rights of elite males by limiting the number of women exercising their land rights independently. Therefore, the primary intention of Instructions on Widows (Deut 25:5-10) is not to provide widows with children, but to put their land back into production.


:: The Impact of Sargon & Enheduanna on Land Rights in Deuteronomy Preliminary Report - By Don C. Benjamin - The Bible and Interpretation, July 2018

Continuing work in my long-ago Deuteronomy and City Life (1983) and my recent Social World of Deuteronomy: a new feminist commentary (2015) and Land Rights of Women in Deuteronomy (2017), here I propose that Birth Stories of Moses parallel Birth Stories of Sargon to compare the way land rights were distributed in Akkad by Sargon and the woman Enheduanna with the way Moses and the women in Deuteronomy distributed land rights in ancient Israel. This paradigm suggests that the intention of Deuteronomy is to describe a utopia, where ownership, administrative and use rights are responsibly distributed as instructions on the maqom sanctuary (12: 2-28), tithing (14:22–29), pilgrimaging (16:1–17) and unresolved killings (19:1–13) reflect.


Como observa Jim Davila, este segundo artigo, de julho de 2018, começa oferecendo um bom panorama do que os estudiosos andam falando sobre o Livro do Deuteronômio. Por isso o recomendo.


Dois livros:

BENJAMIN, D. C. The Social World of Deuteronomy: A New Feminist Commentary. Eugene, OR: Cascade Books, 2015, 298 p. - ISBN 9781498228701 [ebook: 2018]

BENJAMIN, D. C. The Social World of Deuteronomy: A New Feminist Commentary. Eugene, OR: Cascade Books, 2015

The book of Deuteronomy is not an orphan. It belongs to a diverse family of legal traditions and cultures in the world of the Bible. The Social World of Deuteronomy: A New Feminist Commentary brings these traditions and cultures to life, and uses them to enrich our understanding and appreciation of Deuteronomy today. Benjamin uses social-scientific criticism to reconstruct the social institutions where Deuteronomy developed, and those that appear in its traditions. He uses feminist criticism to better understand and appreciate how powerful elite males in Deuteronomy view not only the women, mothers, wives, and widows in their households but also their powerless children, liminal people, slaves, prisoners, outsiders, livestock, and nature. Benjamin also uses feminist criticism to describe important aspects of the daily lives of these often overlooked peoples in ancient Israel. How the elite males in Deuteronomy view the women and other members of their households seldom reflects the underlying reality of how these women and others function.


:: BENJAMIN, D. C. (ed.) The Oxford Handbook of Deuteronomy. New York: Oxford University Press - Em breve

With some 30 chapters by scholars from Europe and the Americas.


Don C. Benjamin teaches Biblical and Near Eastern Studies at Arizona State University, Tempe, AZ, USA.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Mês da Bíblia 2018: Livro da Sabedoria

Com o tema “Para que n’Ele nossos povos tenham vida” e o lema “A Sabedoria é um espírito amigo do ser humano” (Sb 1,6), o Mês da Bíblia 2018 traz como proposta de estudo o Livro da Sabedoria.

:: Mês da Bíblia 2018: Para que n'Ele nossos povos tenham vida: Sabedoria 1,1-6,21. Brasília: CNBB, 2018.
Mês da Bíblia 2018: Para que n'Ele nossos povos tenham vida: Sabedoria 1,1-6,21. Brasília: CNBB, 2018.


:: SAB Mês da Bíblia 2018 - A Sabedoria é um espírito amigo do ser humano. São Paulo: Paulinas, 2018, 64 p. - ISBN 9788535643725.

SAB Mês da Bíblia 2018 - A Sabedoria é um espírito amigo do ser humano. São Paulo: Paulinas, 2018


:: CENTRO BÍBLICO VERBO A Sabedoria é um Espírito Amigo do Ser Humano (Sb 1,6): Caminho para a justiça e a vida. São Paulo: Paulus, 2018, 144 p. - ISBN 9788534947404.

CENTRO BÍBLICO VERBO A Sabedoria é um Espírito Amigo do Ser Humano (Sb 1,6): Caminho para a justiça e a vida. São Paulo: Paulus, 2018


:: CEBI-MG Livro da Sabedoria: chave de ouro encerrando a 1a Aliança. São Leopoldo: CEBI, 2018, 96 p.
CEBI-MG Livro da Sabedoria: chave de ouro encerrando a 1a. Aliança. São Leopoldo: CEBI, 2018


:: Estudo do Livro da Sabedoria – para o “Mês da Bíblia” - Maria Aparecida de Cicco - Blog da Catequese - 4 de junho de 2018


Leia mais sobre o Mês da Bíblia e sua história aqui.


Leia Mais:
Mês da Bíblia no Observatório Bíblico

sábado, 4 de agosto de 2018

Evangelhos dominicais e festivos refletidos em grupos

GONZAGA DO PRADO, J. L. Os evangelhos dominicais e festivos refletidos em grupos. Petrópolis: Vozes, 2017, 512 p. - ISBN 9788532653598.

GONZAGA DO PRADO, J. L. Os evangelhos dominicais e festivos refletidos em grupos. Petrópolis: Vozes, 2017


Esta obra visa colaborar na formação de grupos de leitura, reflexão e meditação dos Evangelhos. Esses grupos são o primeiro passo para a formação das comunidades, unidades menores que, unidas em redes, formam a Igreja.


José Luiz Gonzaga do Prado é Mestre em S. Escritura pelo Pontifício Instituto Bíblico, Roma. Professor de Bíblia na Faculdade Católica de Pouso Alegre, MG. Participa do grupo dos Biblistas Mineiros.

Karl Marx, 200 anos

Karl Marx, 200 anos. Do capitalismo industrial às lógicas do mundo em rede

Este é o tema de capa da Revista IHU On-Line, edição 525, 30 de julho de 2018.

Karl Marx, 200 anos. Do capitalismo industrial às lógicas do mundo em rede

Como sobrevivem os homens?

Os homens sobrevivem nas histórias que deles se contam.

Quando um homem morre, sua história é tudo o que ele tem. Ele será lembrado por isso. Através de sua história, o homem pode viver para sempre.

Man meets his end, his story is all he has. He will be remembered by it. Through his history man can live forever.


Grendel, 2007 - Dirigido por Nick Lyon

Visite: Beowulf Resources

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Biblical Studies Carnival 149

Seleção de postagens dos biblioblogs em julho de 2018.

Biblical Studies Carnival 149 Has Come to Town!

Trabalho feito por Karen R. Keen em seu blog.

terça-feira, 31 de julho de 2018

A vida dos judaítas exilados na Babilônia

Judean Life in Babylonia - By Dr. Laurie Pearce - TheTorah.com

Após a conquista de Judá em 586 a.C., Nabucodonosor deportou muitos judaítas para a Babilônia. Como era a vida deles no exílio? Eles foram assimilados ou não? Que língua (s) eles falavam e que práticas religiosas eles mantiveram? Qual era a sua posição social e econômica? Registros babilônicos nos permitem vislumbrar a vida de alguns dos deportados.


Upon the conquest of Judah, Nebuchadnezzar deported many Judeans to Babylonia. What was their life like there? Were they assimilated, or did they stand out? What language(s) did they speak and what religious practices did they maintain? What was their social and economic standing? Babylonian records allow us glimpses into the lives of some of the deportees.


A Dra. Laurie Pearce é Professora de acádico no Departamento de Estudos do Oriente Médio, Universidade da Califórnia, Berkeley, USA.

Dr. Laurie Pearce is a Lecturer in Akkadian in the Department of Near Eastern Studies, University of California, Berkeley.

Ezequiel: sacerdote israelita e intelectual babilônico

Ezekiel: A Jewish Priest and a Babylonian Intellectual - By Dr. Laurie Pearce - TheTorah.com

Ezequiel, um sacerdote nascido, criado e educado em Judá, viveu e profetizou grande parte de sua vida adulta na Babilônia em contato com eruditos e escribas especialistas em cuneiforme. O uso que Ezequiel faz das palavras tomadas do acádico, suas alusões a obras-primas da literatura cuneiforme, como a Epopeia de Gilgámesh, e sua compreensão da cosmologia babilônica, tudo isso atesta sua inserção bastante significativa no ambiente cultural da Babilônia.

Ezekiel, a priest born, raised, and educated in Judah, lived and prophesied much of his adult life in Babylonia in contact with cuneiform scholars and scribes. Ezekiel’s use of Akkadian loanwords, his allusions to masterpieces of cuneiform literature (such as the Gilgamesh Epic), and his understanding of Babylonian cosmology all attest to his rather complete integration into the cultural milieu of Babylon.


A Dra. Laurie Pearce é Professora de acádico no Departamento de Estudos do Oriente Médio, Universidade da Califórnia, Berkeley, USA.

Dr. Laurie Pearce is a Lecturer in Akkadian in the Department of Near Eastern Studies, University of California, Berkeley.

domingo, 29 de julho de 2018

Recursos para aprender hebraico

Alguns recursos na Play Store (Android) e no YouTube. Testados em 28.07.2018.
Biblia Hebraica Stuttgartensia

1. Na Play Store (Android)

. Hebrew Bible Reader - Matt Robertson

Bíblia Hebraica completa. Usa a fonte SBL, que pode ser redimensionada. Traduz a palavra para o inglês quando se toca no texto.

Baseada no projeto Open Scriptures, uma plataforma para o desenvolvimento de dados escriturísticos abertos e suas aplicações. O texto do projeto é baseado no Westminster Leningrad Codex.

A reader's edition of the Hebrew Bible / Hebrew Old Testament.

Text:
- full text of the Hebrew Bible (OHB)
- glosses: quickly displays glosses for a word by touching it.

Design:
- uses latest Android Material Design principles
- resizeable text
- uses the SBL Hebrew font
- quickly resume reading where you left off with one click from the home screen


. Alef Bet Wheel - Jewish Interactive

Alef Bet Wheel é uma ferramenta fácil de usar para aprender o alfabeto hebraico e sons de vogais hebraicas. Gire a roda e ouça todas as letras. Gire a roda interior e divirta-se misturando as letras hebraicas com as diferentes vogais hebraicas. Este aplicativo é ideal para as primeiras tentativas de leitura em hebraico.

Alef Bet Wheel is an easy-to-use tool to learn the Hebrew alphabet and Hebrew vowel sounds. Spin the wheel and hear all the letters. Turn the inside wheel (the Magen David) and have fun blending the Hebrew letters with the different Hebrew vowels. This app is ideal for early Hebrew reading skills.


. Write It! Hebrew - Jernung

Aplicativo de reconhecimento de escrita em hebraico. Ensina a escrever o alfabeto.

Write It! Hebrew is the first writing recognition app for Hebrew! Try our writing recognition and you'll never want to go back to tracing apps.


. Nemo Hebraico - Nemo Apps

Nemo é projetado para que você comece falando as palavras mais úteis em hebraico imediatamente. Cada palavra em hebraico é pronunciada com clareza em áudio de alta qualidade por um falante nativo. Todo o áudio é baixado para seu dispositivo e fica disponível offline ou em modo avião. Domine seu sotaque com o "Estúdio de Pronúncia". É só gravar você mesmo dizendo uma frase e depois ouvir sua voz junto com a voz do professor. Depois tente novamente. Nemo não é construído em torno de lições de tipo algum. É para ser compreendido através do dia, sempre que você tiver alguns minutos livres. Este app para aprender hebraico está disponível inteiramente em português e outros 10 idiomas. Nemo tem como alvo as palavras e frases usadas com maior frequência em conversação. Para iniciantes, preparamos as listas "Se For Aprender Só 10 Coisas", "Se For Aprender Só 50 Coisas" e "Se For Aprender Só 100 Coisas". Estudantes intermediários podem avançar para um curso das palavras de maior frequência necessárias para viagem. Estudantes avançados se beneficiarão mais da tecnologia do "Estúdio de Pronúncia" para corrigir seu sotaque estrangeiro.


. Google Tradutor e Traduzir Voz (Tradutor)

O "Google Tradutor" faz quase tudo, mas não traduz voz para o hebraico. Só escrita. O "Traduzir Voz", da HawsoftMob, é bom para a tradução de voz do hebraico. Uma dica pode ser vista em Os 11 melhores aplicativos para tradução (Android e iOS) -  26/09/2017.

Antigo Testamento Interlinear Hebraico-Português


2. No YouTube

. Basic Biblical Hebrew Vocabulary - Michal Shmuel

Vocabulário básico do hebraico bíblico em 30 vídeos - Pronúncia de vocabulário básico do hebraico bíblico com tradução em inglês e o plural dos substantivos. São 451 palavras. Veja as palavras no slide e ouça sua pronúncia. Por Michal Shmuel.

Pronunciation of basic biblical Hebrew vocabulary - 451 words and the plural forms of nouns. The arrangement of the words corresponds to eTeacher's Biblical Hebrew Course A. See the Hebrew words on the slide and hear their pronunciation by Michal Shmuel.


. Aprenda Hebraico -  frases hebraicas básicas em inglês e hebraico - Eko Languages

Frases de hebraico moderno. Escrita sem vogais. Pronunciadas em inglês e hebraico.

Leia Mais:
Noções de Hebraico Bíblico
Língua Hebraica Bíblica 2018

sábado, 21 de julho de 2018

Slides de Qumran por Philip Davies

Philip Davies’ Qumran Slide Collection (1970-71) now available

Qumran (1970-71). Fr. Roland de Vaux demonstrating how clothing was laundered at Qumran, where items were washed and patted dry on flat stone.  From the collection of Professor Philip Davies, Emeritus Professor at the University of Sheffield

DQCAAS is extremely grateful to the late Prof. Philip R. Davies for generously making available to us his slide collection of Qumran. These slides were taken in 1970-71 when he was a doctoral student in Jerusalem, working on the Dead Sea Scrolls, and Travelling Scholar at the British School of Archaeology in Jerusalem (now the Kenyon Institute). These slides include a remarkable picture of Fr. Roland de Vaux explaining how the people of Qumran washed their laundry.

Philip Davies, Emeritus Professor at Sheffield University and Chair of the Palestine Exploration Fund, was one of our key supporters.  He is a towering figure in the study of the Dead Sea Scrolls, and author of a book that engages with the archaeology of the site of Qumran and its environs: Qumran (Cities of the Biblical World; Guildford: Lutterworth Press/Grand Rapids: Eerdmans, 1982). He was co-founder and director of Sheffield Academic Press and founding editor of the Journal for the Study of the Old Testament, and Professor Emeritus of Sheffield University, were he worked since 1975.

Philip laid out the slides on the Palestine Exploration Fund lightbox on 13 September, 2017, as shown in this image taken by Sandra Jacobs, DQCAAS Network Facilitator and Researcher. Philip died peacefully at home on 31 May, 2018, as he dearly wished, after being diagnosed with cancer, which was terminal, only two weeks earlier. He had successfully fought off a previous cancer in 2016, and was at the time this photograph taken and through to May unaware of being ill and happily looking forward to retirement from the PEF, with all kinds of ideas for future projects and more time for other things. His contribution to and enthusiasm for DQCAAS as been very much appreciated, and we are really sorry he could not see it flower further.

Leia Mais:
Os essênios: a racionalização da solidariedade

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Sobre o significado dos Manuscritos do Mar Morto

Não há melhor momento para refletirmos sobre o significado dos Manuscritos do Mar Morto do que agora, logo após  a celebração do 70º aniversário de sua descoberta.

Mas quantas pessoas podem realmente explicar o que os Manuscritos do Mar Morto são e o que eles significam para nós?


A reflection on the significance of the Dead Sea Scrolls - By Lawrence H. Schiffman - The Jerusalem Report: July 23, 2018

What better time to reflect on the significance of the Dead Sea Scrolls than now, soon after celebrating their 70th anniversary? This corpus of ancient manuscripts has awakened immense interest, spawned an entire new field of scholarship, and reshaped our understanding of biblical studies, the history of Judaism and the background of Christianity. The scrolls have been at the center of their share of intrigue, legal action and even humor. Exhibits such as that taking place right now in Denver, under the auspices of the Israel Antiquities Authority (IAA), are more than ample evidence of the tremendous interest in the scrolls. But how many people can actually explain what the scrolls are and what they should mean to us?

Leia Mais:
Manuscritos do Mar Morto no Observatório Bíblico
Os essênios: a racionalização da solidariedade

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Reunião dos Biblistas Mineiros em 2018

No dia 9 deste mês de julho os Biblistas Mineiros estiveram reunidos na FAJE - Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia -, em Belo Horizonte, MG, debatendo sobre o próximo número da revista Estudos Bíblicos.

O assunto principal foi a definição da temática que estará em estudo pelo grupo nos próximos dois anos, resultando em um número da revista em 2020.

Como não pude estar presente, retomo aqui alguns pontos do relato de nosso Coordenador/Secretário Telmo José Amaral de Figueiredo.

Estavam presentes:
  • Cyril Suresh Periyasamy
  • Gilmar Ferreira da Silva
  • Jacir de Freitas Faria
  • Jaldemir Vitório
  • Johan Konings
  • José Luiz Gonzaga do Prado
  • Marcus Aurélio Mareano
  • Maria de Lourdes Augusta
  • Neuza Silveira de Souza
  • Solange Maria do Carmo
  • Telmo José Amaral de Figueiredo
  • Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa
  • Zuleica Aparecida Silvano

Ausências justificadas:
  • Airton José da Silva
  • Cássio Murilo Dias da Silva
  • Elisabete Corazza
  • Jackson Câmara Silva
  • Luiz Felipe Xavier
  • Pascal Peuzé
  • Rocío Mariscal


Temática a ser estudada para um número de Estudos Bíblicos em 2020: Eclesiologia Bíblica

Título proposto para o próximo número da revista e de nosso estudo: Igreja: o que é?

Propostas de estudos para os Biblistas Mineiros:
  • Igreja: da elite à ralé – evolução de um conceito: José Luiz Gonzaga do Prado & Tereza Virgínia Ribeiro Barbosa
  • Discurso eclesiológico de Mateus 18: Jaldemir Vitório
  • A Igreja segundo Paulo (Rm, 1Cor): Zuleica Aparecida Silvano
  • A Igreja que Paulo não pensou – Cartas Pastorais: Neuza Silveira de Souza
  • A Igreja em Atos: Maria de Lourdes Augusta
  • Espírito Santo e Igreja: Gilmar Ferreira da Silva
  • Projetos de Comunidade no pós-exílio: Jacir de Freitas Faria
  • A Comunidade Joanina: Johan Konings
  • Igreja: Povo Sacerdotal (1Pd 2,4-10): Telmo José Amaral de Figueiredo
  • A Mulher no Segundo Testamento: Solange do Carmo
  • As Sete Igrejas do Apocalipse: Marcus Aurélio Mareano
  • A Sinagoga e a Comunidade Cristã da Casa: Airton José da Silva

Além disso foram debatidos outros assuntos:

:: Sobre o número da Estudos Bíblicos de 2018
Transformar o nosso número de Estudos Bíblicos deste ano em livro. Quem sabe torná-lo disponível em formato e-book e/ou pdf ancorado em um site de uma faculdade. Telmo ficou encarregado de fazer gestões nesse sentido junto à Paulinas Editora para uma possível publicação em 2019.


:: Notícias sobre a revista Estudos Bíblicos
Diz o editor responsável por Estudos Bíblicos, Ludovico Garmus, da Vozes:
Fiquem tranquilos quanto ao QUALIS da Revista Estudos Bíblicos. Estamos trabalhando para implantá-lo em 2019. Tenho consciência da urgência e dos anseios dos colaboradores (...) Queremos chegar ao menos ao nível B1, com qualidade. Vamos necessitar da colaboração do Conselho Editorial e dos Coordenadores dos grupos regionais que preparam os números. Em 2019 a Revista passa a ser semestral, com cerca de 250 a 300 páginas por número.

Os membros do grupo comentaram esta notícia.

A questão é se desejamos ou não que a revista Estudos Bíblicos se enquadre nos critérios da CAPES. Se isso ocorrer, o caráter de nosso grupo poderá ser alterado.

Quais são os critérios da CAPES?

As exigências da CAPES para um periódico B1 são: a) periodicidade; b) chamada aberta para artigos; c) estar em um portal on-line; d) conter, ao menos, oito artigos por número; e) ser no mínimo semestral; f) contar com o sistema de avaliação cega dos artigos submetidos para publicação e g) ter um “fator de impacto”, ou seja, ser citada.

Os pareceristas são uma das questões mais complicadas no caso de revistas classificadas pelo QUALIS, uma vez que trabalham sem remuneração e os prazos são curtos.

A revista deve ser aberta e contar com a avaliação cega. Isso significa que a revista deverá aceitar artigos de estudiosos fora dos Grupos Regionais da Estudos Bíblicos.

Por outro lado, constata-se que muitos colegas necessitam escrever artigos para revistas de nível QUALIS. Isso está pressionando a revista Estudos Bíblicos.

A revista Estudos Bíblicos tem uma forte característica ecumênica e preocupação explícita com a realidade eclesial, social e cultural em que vivemos no país e no restante da América Latina. Isso são qualidades que não podemos perder nesta publicação. Ou seja, a revista é feita para os autores ou para os leitores? Nossa preocupação é que o povo mais simples possa abordar a Bíblia de uma maneira mais séria.

O ideal seria que a revista pudesse preservar esse seu caráter, mesmo assumindo as formalidades para que atinja o nível B1 ou B2.

Enfim, o grupo dos Biblistas Mineiros opta por prosseguir com os objetivos originais de Estudos Bíblicos. Afinal ela é uma das poucas revistas que ainda mantém um diálogo com um público não especializado em Ciências Bíblicas.

Que a busca da indexação pelo QUALIS não comprometa esse escopo. Do contrário, o nosso grupo perderá sua razão de ser.


:: Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB) – Notícias
VIII Congresso Internacional de Pesquisa Bíblica:
. Data: 27 a 30 agosto de 2018
. Local: Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba
. Tema: Paulo: contextos e leituras


:: Seminário do PIB para professores de Bíblia em 2019
Confira aqui.


:: Congresso Internacional de Estudos Bíblicos em Buenos Aires
Em comemoração ao 80o aniversário da Revista Bíblica, os membros da Associação Bíblica Argentina e outros colegas de vários países latino-americanos estão organizando o Congresso Internacional de Estudos Bíblicos, que acontecerá nos dias 16 a 19 de julho de 2019, em Buenos Aires, Argentina. O tema geral do congresso é “A exegese na América Latina 80 anos depois”, tendo como motivação bíblica o texto de Dt 8,2: “Recorda-te de todo o caminho que o Senhor, teu Deus, te fez atravessar”.

Seus objetivos consistem em:
  • Que os biblistas latino-americanos se vinculem em uma rede
  • Que recuperem e prolonguem a tradição bíblica da América Latina na recepção criativa
  • Tornar visível esta contribuição para a Igreja e a Academia em geral
  • Que reconheçam a contribuição da Revista Bíblica e a adotem como espaço de intercâmbio científico, comunicação e trabalho comum

Programa completo no site da ABIB.


:: Publicações recentes de integrantes do grupo dos Biblistas Mineiros
  • Johan Konings; Isidoro Mazzarolo: Atos dos Apóstolos: o caminho da Palavra. São Paulo: Edições Loyola, 2017. 128 p. (Coleção: “A Bíblia Passo a Passo”)
  • José Luiz Gonzaga do Prado: Os Evangelhos Dominicais e Festivos Refletidos em Grupos. Petrópolis: Editora Vozes, 2017. 512 p.
  • Solange Maria do Carmo: Catequese em pauta. São Paulo: Paulus Editora, 2017. e-Book
  • Serviço de Animação Bíblica - SAB: Mês da Bíblia 2018: Para que n’Ele nossos povos tenham vida – Livro da Sabedoria. São Paulo: Paulinas Editora, 2018.
  • Gilvander Luís Moreira (Org.): Livro da Sabedoria: chave de ouro, encerrando a 1a Aliança. Belo Horizonte (MG): CEBI-MG, 2018.
  • Johan Konings: João. Comentário Bíblico Latino-americano. São Paulo: Fonte Editorial, 2018. 558 p. Trata-se de uma 3a edição totalmente atualizada e ampliada.


:: Outras notícias na área bíblica
  • O renomado exegeta alemão, especializado em João, o jesuíta Johannes Beutler, estará em agosto no Brasil participando do IV Simpósio Internacional do Programa de Estudos Pós-Graduados em Teologia da PUC-SP
  • Dia 17 de agosto haverá o encontro do Grupo de Reflexão Bíblico-Catequética (GREBICAT) e instituições - CNBB, que tem como tema o MÊS DA BÍBLIA DE 2019 sobre a Primeira Carta de João. Quem produzirá o subsídio oficial da CNBB para esta ocasião será o colega Claudio Vianey da UNICAP
  • Saiu pela Paulinas Editora o livro com a tese de doutorado de José Tolentino Mendonça, biblista português, que consiste em uma análise de Lc 7,36-50, contendo um apanhado geral deste evangelho. O título da obra é: A construção de Jesus: a dinâmica narrativa de Lucas.
  • Também deste autor português sairá, em breve, o livro O elogio da sede, que contém o retiro espiritual ministrado por José Tolentino ao Papa Francisco e membros da Cúria romana
  • No campo da pragmalinguística, sairá em 2019 o livro de Massimo Grilli, Maurizio Guidi e Elzbieta M. Obara, sob o título: Comunicação e pragmática na exegese bíblica. Massimo Grilli virá ao Brasil em 2019 para o lançamento desta obra
  • Saiu, também, mais um livro de Luiz Alexandre Solano Rossi, que é o organizador, pela Paulinas Editora, sob o título: O livro da Sabedoria: justiça e sabedoria como estilo de vida (Coleção: “Pão da Palavra”)
  • O Serviço de Animação Bíblica - SAB lançou o já consagrado Curso Bíblia em Comunidade - Primeiro Nível - Visão Global da Bíblia: pela internet. Apresentado em 4 disciplinas, distribuídas em 9 módulos. Disponível on-line 24hs. A duração é de 20 meses pelo sistema Ensino à Distância (EAD).
  • O novo coordenador regional da Federação Bíblica Católica - FEBIC - para América Latina e Caribe é Jesus Antonio Weisesee Hetter. E a coordenadora do Cone Sul é Wilma Mancuello González, natural do Paraguai, religiosa claretiana, doutora em exegese bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma (defesa em 2016, sobre Provérbios 31,1-9).  No próximo ano, a FEBIC comemora 50 anos de existência. Para celebrar essa data, haverá um congresso para os membros dessa associação entre os dias 23 a 26 de abril de 2019, em Roma. O tema central desse congresso será: Bíblia e vida: inspiração bíblica da vida pastoral e da missão da Igreja. O primeiro dia será sobre: Bíblia e Missão; o segundo sobre Bíblia e Cultura e o último Bíblia e Pastoral.

A próxima reunião anual dos Biblistas Mineiros será em 8 de julho de 2019, das 9:00 às 16:00 horas, na FAJE, em Belo Horizonte.

segunda-feira, 9 de julho de 2018

PIB amplia áreas de especialização no curso de Bíblia

Vejo com otimismo a ampliação de áreas de especialização que está sendo implementada pelo Pontifício Instituto Bíblico (PIB) no Currículo de Mestrado em Bíblia a partir do ano acadêmico 2018-19.

Passei o ano de 2017 "morando" na antiga Mesopotâmia para escrever um artigo para a revista Estudos Bíblicos [veja aqui e aqui]. E pude sentir, mais uma vez, como nós, que trabalhamos com a Bíblia Hebraica, somos mal preparados em arqueologia e história do Antigo Oriente Médio.


Curriculum per la Licenza in S. Escrittura
A partire dall’anno accademico 2018-19, il curriculum per la Licenza in S. Scrittura avrà una sezione specialistica che, oltre al tradizionale indirizzo esegetico che si focalizza sul testo biblico, offre allo studente la possibilità di una specializzazione alternativa tra due altri indizzi: un percorso che si concentra sul contesto biblico ed un altro che si concentra sullo studio approfondito dell’ermeneutica e della storia delle interpretazioni. [cf. schema qui di seguito]

Curriculum for the Licentiate in S. Scripture
Beginning from the 2018-19 academic year, the curriculum for the Licentiate in S. Scripture will be comprised of not only  the traditional exegetical focus on the biblical text, but will also offer the student the possibility of an alternative emphasis: 1) either a specialization that focuses on the biblical context, or 2) another that focuses on the in-depth study of hermeneutics and the history of Bible interpretations. [cf. scheme below]


Percorso I - È quello in vigore dal 1973, che rimane il percorso principale e conserva la sua validità. Si focalizza sul testo biblico:
  • 2 corsi/seminari di esegesi AT [ECTS 10]
  • 2 corsi/seminari di esegesi NT [ECTS 10]
  • Un seminario senza elaborato scritto [ECTS 5]
  • Un seminario con elaborato scritto [ECTS 5 + 10 per elaborato scritto]
  • Tesi di Licenza [ECTS 30]


Percorso II - Si concentra sullo studio del contesto biblico, dando allo studente una conoscenza più approfondita delle lingue bibliche, dell’archeologia, della storia e delle religioni del Vicino Oriente Antico e del mondo greco-romano:
  • 4 corsi/seminari speciali nel campo delle lingue, della storia, dell’archeologia e delle religioni del VOA e del mondo greco romano [ECTS 20]
  • Un seminario senza elaborato scritto [ECTS 5]
  • Un seminario con elaborato scritto [ECTS 5 + 10 per elaborato scritto]
  • Tesi di Licenza [ECTS 30]


Percorso III - Si concentra sullo studio approfondito dell’ermeneutica e della storia delle interpretazioni della Bibbia in diversi contesti religiosi e in periodi storici e aree geografiche differenti (Wirkungsgeschichte), in modo da creare potenzialmente un ponte tra esegesi, teologia ed esperienza umana di Dio:
  • 4 corsi/seminari speciali nel campo della storia dell’esegesi, dell’ermeneutica e della teologia biblica [ECTS 20]
  • Un seminario senza elaborato scritto [ECTS 5]
  • Un seminario con elaborato scritto [ECTS 5 + 10 per elaborato scritto]
  • Tesi di Licenza [ECTS 30]

Seminário do PIB para professores de Bíblia em 2019

Sobre a iniciativa, leia aqui.

Sobre o seminário de 2019:
:: Tema: A obra lucana - Evangelho de Lucas e Atos dos Apóstolos
:: Data: 21-25 de janeiro de 2019
:: Coordenador: Professor  Dean Béchard
:: Inscrição: até 10 de outubro de 2018


No site do PIB se lê em italiano [ou English]:

Seminario 2019: dal 21 al 25 gennaio 2019 

Tema del seminario:  L’opera lucana (Vangelo di Luca e Atti degli Apostoli)

Il prossimo Seminario di aggiornamento per Docenti di Sacra Scrittura avrà luogo dal 21 al 25 gennaio 2019 e sarà diretto dal Prof. Dean Béchard.

Rispettando l'alternanza tra Antico e Nuovo Testamento, oggetto del seminario saranno i due scritti neotestamentari che compongono l’opera lucana (Vangelo di Luca e Atti degli Apostoli).

Come negli anni precedenti, il Seminario prevede delle lezioni magistrali al mattino e sedute pomeridiane di approfondimento. Queste ultime saranno o in forma seminariale o in forma di lezioni frontali.


Lezioni del mattino (programma previsto):

:. In una mattinata introduttiva, ci saranno due interventi che si focalizzeranno su aspetti metodologici:
. Approcci sincronico/co-testuali (Prof. Massimo Grilli);
. Approcci diacronico-contestuali (Prof. Santiago Guijarro Oporto).

:. Le tematiche del giorno seguente saranno di carattere più teologico:
. La Tipologia profetica nel vangelo di Luca (Prof. Jean-Noël Aletti);
. La ripresa dell’AT nel Vangelo di Luca (Prof. Matteo Crimella).

:. Mercoledì, 23 gennaio, il prof. Christopher Tuckett terrà due lezioni su: Luca e la tradizione sinottica e Luca e la fonte “Q”.

:.  Il giorno seguente, il prof. Daniel Marguerat tratterà della storiografia lucana e il prof. Anthony Giambrone dell’Ecclesiologia negli Atti.

:. Le lezioni del mattino di venerdì saranno dedicate alle figure di Pietro e Paolo:
. La figura di Pietro nell’opera lucana (prof. Antonio Landi)
. La figura di Paolo nel libro degli Atti (prof. Luke Macnamara)

:. Concluderanno il seminario (venerdì pomeriggio) due interventi dei proff. Steven Mason e Dean Béchard, che tratteranno rispettivamente:
. Luca-Atti e la storiografia contemporanea;
. Luca l'autore reale e implicito.


Sedute pomeridiane (in forma seminariale o di lezioni frontali):

:.  Alcuni fra i Docenti che hanno tenuto le lezioni al mattino presenteranno dei temi di approfondimento (Proff. Guijarro Oporto, Crimella, Landi, Mason).

:. Ad essi si aggiungeranno altri docenti che affronteranno ulteriori tematiche specifiche dell’opera lucana:
. Carlo Broccardo (L’insegnamento “poco dogmatico” di Gesù. Un esempio da Lc 15–16);
. Pedro Cabello Morales (Povertà e ricchezza in Luca-Atti);
. Matjaz Celarc (I “sommari” negli Atti);
. Andrés Garcia Serrano (Vangelo dell'infanzia: Lc 1-2);
. Alessandro Gennari (Il peirasmos in Luca);
. Michel Kamanzi (Racconto della Passione in Luca e Giovanni);
. Roland Meynet (La composizione del vangelo di Luca);
. Henry Pattarumadathil (Luca, Matteo e la fonte Q);
. Sunil Cliffard Ranjar(Discorso della pianura: Lc 6);
. Lorenzo Rossi (L’uso della synkrisis nell’opera lucana).

Il programma dettagliato della settimana, che terrà conto anche del numero degli iscritti, sarà disponibile alla fine di ottobre (dopo la chiusura delle iscrizioni).


Iscrizioni

Chi fosse interessato è pregato di dare la propria adesione entro il 10 ottobre 2018, inviando una e-mail all’indirizzo: pibsegr@biblico.it

Ai partecipanti viene chiesto un contributo di € 120.

Per gli iscritti all’associazione ex-alunni PIB il contributo sarà invece di € 100.

Tale contributo potrà essere versato all’inizio del seminario. Non è necessario inviare alcuna somma al momento dell’iscrizione; si chiede però gentilmente di inviare la propria adesione solo se realmente si prevede di partecipare, proprio perché l’organizzazione finale della settimana dipenderà anche dal numero dei partecipanti.

Per ulteriori informazioni rivolgersi a: Segretario Generale PIB (pibsegr@biblico.it)


Leia Mais:
Todos os seminários do PIB para professores de Bíblia