sábado, 29 de abril de 2017

Recursos para a crítica textual do Novo Testamento

Top Ten Essential Works in New Testament Textual Criticism - By Tommy Wasserman - Evangelical Textual Criticism: September 12, 2012


Estava observando a lista de estudos recomendados e achei que devia mencioná-la por ser valiosa. Apesar de ser de 2012. Mas leia também as recomendações dos comentaristas.


Veja ainda: Dave Black's New Testament Greek Portal. Especialmente a seção de Crítica Textual.


Leia Mais:
Crítica textual do NT: Método genealógico baseado na coerência

sábado, 22 de abril de 2017

Dia da Terra

Earth Day - April 22, 2017

22 de abril: Dia da Mãe Terra

adni18-tree-of-life
The Tree of Life

sexta-feira, 21 de abril de 2017

11º Congresso de Arqueologia do Antigo Oriente Médio

Na Ludwig-Maximilians-Universität de Munique, Alemanha. De 3 a 7 de abril de 2018.

11th International Congress on the Archaeology of the Ancient Near East - ICAANE

The Organizing Committee on behalf of the LMU invites all scholars working on subjects related to Near Eastern Archaeology to participate in the 11th International Congress on the Archaeology of the Ancient Near East (ICAANE), which will take place at the LMU Munich (Ludwig-Maximilians-Universität München) from 3–7 April 2018.

The 11th ICAANE will cover all aspects of the archaeology of the Near East, from prehistoric to Islamic times, from archaeological fieldwork to art historical, historical and philological studies, as well as Cultural Heritage.


The Programme is organized in eight sections and themes:

1. Mobility in the Ancient Near East

2. Images in Context

3. Archaeology as Cultural Heritage

4. Engendering Near Eastern Archaeology

5. Societal Contexts of Religion

6. Shaping the Living Space

7. Field Reports

8. Islamic Archaeology


Leia também aqui.

Projeto Fasti Congressuum

Uma página que divulga congressos sobre a Antiguidade. Criada por pesquisadores da área em universidades espanholas. A página está em espanhol, inglês e italiano.


Fasti Congressuum

Cada semana en algún lugar del mundo, se celebra un congreso, un seminario, un encuentro, una conferencia o un taller cuya temática está directamente relacionada con la Antigüedad. El interés que suscita este periodo en el mundo académico permite un intenso tráfico de ideas al que es difícil seguirle la pista. Fasti Congressuum nace con la intención de transformarse en una herramienta útil para profesionales, investigadores, estudiantes y curiosos al recopilar el mayor número posible de estos eventos en un único calendario con dos tipos de informaciones, las relativas a los Call for Papers y los propios congresos. Su temática se encuadra en los numerosos aspectos relacionados con la Antigüedad Clásica: Roma, Grecia, Egipto, Oriente, Historia, Protohistoria, Arqueología, Epigrafía, Numismática, Arte, Filología, Literatura, Filosofía, Legado, Topografía, Derecho, etc.


Leia um artigo sobre Fasti Congressuum

DUCE PASTOR, Elena et al. Renovando la difusión de call for papers y congresos de la antigüedad: Fasti Congressuum, una propuesta desde las humanidades digitales, Revista Digital Universitaria, 1 de diciembre de 2016, Vol. 17, Núm. 12.


Resumo do artigo

La falta de comunicación entre instituciones y países afecta a la difusión e internacionalización de la labor de los investigadores. Con vistas a solucionar este problema nace Fasti Congressuum, un proyecto internacional cuyo objetivo es la difusión gratuita de call for papers y congresos sobre la Antigüedad. La base del proyecto es el uso de las Humanidades Digitales, las redes sociales y todas las nuevas herramientas que nos permite crear una red de difusión efectiva, instantánea y global de los eventos científicos sobre la Antigüedad. En este artículo se presenta el proyecto Fasti Congressuum desde sus inicios, resultados obtenidos, crecimiento experimentado en apenas año y medio, y la aceptación del proyecto en el mundo académico.

sábado, 15 de abril de 2017

Nos passos de Jesus ou o Israel imaginado

Imagined Israel: The Problem of Pilgrimage in the Holy Land

By Michael A. Di Giovine
The Marginalia Review of Books
April 9, 2017


Christian pilgrimage to the Holy Land is a longstanding tradition; our earliest evidence comes from travelers in Late Antiquity such as Egeria and the Bordeaux pilgrim who journeyed to Jerusalem when Roman emperor Constantine legalized the religion. Since then, the sites associated with Jesus’ life have captivated the imaginaries of Crusaders, explorers, proto-archaeologists, and modern literary travelers such as Herman Melville and Mark Twain, and today is a multi-billion-dollar global industry.

The study of pilgrimage generally mirrors the sentiments of pilgrims themselves, in that it has been traditionally suffused with tensions stemming from a number of contradictory experiences travelers confront. How can they be modern if they are engaging in such an age-old, almost medieval tradition? Does it count as serious pilgrimage if they avail themselves of commercial experiences and ludic activities staged by the tourism industry? Why do they travel far distances to resolve issues in their home lives? Why do they publically perform such devotional practices if they feel that it is inherently a private, “interior journey” on which they are embarking? Do Protestants even recognize pilgrimage as a viable category, since most denominations (though not all) privilege direct and unmediated interaction with the Divine through prayer over the ritualized, materialistic, place-centered practices that mark Catholicism and Eastern Orthodoxy?

In this context, Hillary Kaell’s Walking Where Jesus Walked: American Christians and Holy Land Pilgrimage is a fascinating and sensitive look at Catholic and Evangelical Protestant travelers to the biblical origin of their faiths. While there are numerous studies on Holy Land pilgrimage in a variety of languages that focus on a diversity of time periods and demographics, Kaell’s is not only one of the first to center squarely on contemporary American travelers, but it also does so through the holistic approach of following pilgrims—whom she calls the “foot soldiers” of this profitable travel industry—before, during, and after the trip itself. Her work is based on ethnographic research—the qualitative bread-and-butter of anthropological inquiry—including participant observation (interacting with and observing her subjects while participating as a pilgrim), open-ended interviews, and some survey research. As a result, this well-organized and eminently readable monograph is punctuated by thick description and illuminating, often quite emotionally engaging interviews that bring its pilgrim voices to life.

The binary oppositions between ancient/modern, pilgrimage/tourism, religion/commercialism, public/private, interior/exterior, and Catholic/Protestant in Holy Land pilgrimage structure Kaell’s book. In particular, she argues that a common thread linking all of these dualities is the way that the actors negotiate a “problem of presence.” That is, how are Jesus and the biblical events of the past made present to these travelers? By voluntarily undertaking a “trip of a lifetime” (as many of her informants call it) to quite literally “walk where Jesus walked,” pilgrims are confronted with existential and ontological questions triggered by comparing their present experiences and future objectives with an idealized, imagined religious past. They therefore must work to resolve these issues. Traveling abroad and experiencing Otherness forces them to take stock of their lives at home; confronting other Christian denominations and religions (from Messianic Jews and Arab Christians to Jewish Israelis and Muslim Palestinians) obliges them to rethink taken-for-granted assumptions about religious pluralism. Moreover, encountering the directives of the tour’s spiritual leaders with their desire to take photographs and purchase souvenirs compels them to negotiate their notions of duty, kinship, age and gender. Indeed, these latter elements are central to Kaell’s analysis: a vast majority of these pilgrims are retired women (“middle-old,” they say), who frequently make sense of their actions by drawing on common gender stereotypes: that women are more spiritual than men, more inclined to shop, and bear a larger burden for transmitting religious faith to their family.

Leia o texto completo.


O livro


KAELL, H. Walking Where Jesus Walked: American Christians and Holy Land Pilgrimage. New York: New York University Press, 2014, 286 p. - ISBN 9781479831845.

KAELL, H. Walking Where Jesus Walked: American Christians and Holy Land Pilgrimage

Quem é Michael A. Di Giovine?

Michael A. Di Giovine is Assistant Professor of Anthropology at West Chester University and Honorary Fellow at the University of Wisconsin-Madison. The author of The Heritage-scape: UNESCO, World Heritage and Tourism and co-editor of The Seductions of Pilgrimage: Sacred Journeys Afar and Astray in the Western Religious Tradition, his research focuses on the intersection of pilgrimage, tourism and cultural heritage, particularly as it relates to the global cult of St. Padre Pio of Pietrelcina and UNESCO’s World Heritage program. A former tour operator, Michael is Convenor of the Anthropology of Tourism Interest Group at the American Anthropological Association, and co-editor of Lexington Books’ series, The Anthropology of Tourism: Heritage, Mobility and Society. Home Page: http://www.michaeldigiovine.com/


Deste autor, leia:


DI GIOVINE, M. A.; PICARD, D. The Seductions of Pilgrimage: Sacred Journeys Afar and Astray in the Western Religious Tradition. Revised ed. Abingdon: Routledge, 2016, 288 p. -ISBN 9781472440075.

The Seductions of Pilgrimage explores the simultaneously attractive and repellent, beguiling and alluring forms of seduction in pilgrimage. It focuses on the varied discursive, imaginative, and practical mechanisms of seduction that draw individual pilgrims to a pilgrimage site; the objects, places, and paradigms that pilgrims leave behind as they embark on their hyper-meaningful travel experience; and the often unforeseen elements that lead pilgrims off their desired course. Presenting the first comprehensive study of the role of seduction on individual pilgrims in the study of pilgrimage and tourism, it will appeal to scholars of anthropology, cultural geography, tourism, heritage, and religious studies.


DI GIOVINE, M. A.; PICARD, D. Tourism and the Power of Otherness: Seductions of Difference. Bristol: Channel View Publications, 2014, 208 p. - ISBN 9781845414153.

This book explores the paradoxes of Self–Other relations in the field of tourism. It particularly focuses on the 'power' of different forms of 'Otherness' to seduce and to disrupt, and, eventually, also to renew the social and cosmological orders of 'modern' culture and everyday life. Drawing on a series of ethnographic case studies, the contributors investigate the production, socialization and symbolic encompassment of different 'Others' as a political and also an economic resource to govern social life in the present. The volume provides a comparative inductive study on the modernist philosophical concepts of time, 'Otherness', and the self in practice, and relates it to contemporary tourism and mobility.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Pensando a economia antiga

Theorizing “the Ancient Economy”: Three Paradigms

By Thomas R. Blanton IV - Ancient Jew Review - April 12, 2017

Abbreviated version of a paper delivered at the Early Christianity and the Ancient Economy session; SBL Annual Meeting 2016.

It would seem that the study of “the ancient economy” is in a period of ferment. Three new SBL program units have been added since 2004 that treat aspects of the ancient economy: Early Christianity and the Ancient Economy, Economics in the Biblical World, and Poverty in the Biblical World. In the field of classical studies, the 2008 publication of The Cambridge Economic History of the Greco-Roman World has effectively ushered in a post-Finleyan era in the study of Greco-Roman economies by incorporating methods developed in the field of New Institutional Economics. In what follows, we examine representative samples of three emergent methodological trends: (1) the turn toward New Institutional Economics in studies of Greece and Rome; (2) Roland Boer’s model of the economy of ancient Israel; and (3) K. C. Hanson and Douglas Oakman’s social-scientific approach in New Testament studies. These models differ significantly from each other and are drawn from what are often treated as three distinct fields: classics, Hebrew Bible, and New Testament studies. It is precisely the differences between the models that are most illuminating, however, and juxtaposing them quickly reveals the emphases—and omissions—that are specific to and that characterize each model.

Leia o texto completo.

Leia Mais:
Douglas Oakman no Observatório Bíblico
Roland Boer no Observatório Bíblico
K. C. Hanson no Observatório Bíblico

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Jesus existiu mesmo?

 >> Atualizado em 20.04.2017 - 16h15

Assista no YouTube :

:. Jesus existiu? Especial Semana Santa, parte 1 - 12.04.2017
Atendendo a pedidos do pessoal que assiste ao canal e tentando dissipar as eternas dúvidas sobre o tema, começo uma minissérie de Semana Santa sobre as dúvidas a respeito da existência histórica de Jesus. Afinal, há alguma base por trás da tese que afirma que Jesus Cristo foi apenas um mito inventado pelos primeiros cristãos?

:. Textos sobre Jesus foram forjados? Especial Semana Santa, parte 2 - 14.04. 2017
Afinal, será que historiadores e cronistas não cristãos do século I d.C. chegaram a mencionar Jesus ou os textos que chegaram até nós são apenas fraude deslavada? Neste vídeo, vamos examinar em detalhes três exemplos dessas menções. O consenso entre os historiadores é que pelo menos duas delas são autênticas, o que indicaria que Jesus, embora não fosse nem de longe famoso ou importante naquele momento, era visto como um personagem real, e não como um mito. 

:. Paulo inventou o mito de Jesus? Especial Semana Santa, parte 3 - 15.04.2017
Será que os textos mais antigos do Novo Testamento, como as cartas do apóstolo Paulo e o Evangelho de Marcos, indicam que Jesus não foi um ser humano real, mas simplesmente um mito criado pelos primeiros cristãos como base para uma nova seita mística? Essa, em resumo, é a tese do livro "Nailed" (um trocadilho com as palavras em inglês para "pregado" e "resolvido"), escrito pelo historiador e ativista ateu americano David Fitzgerald. A obra de Fitzgerald é a primeira da corrente miticista (ou seja, dos historiadores que defendem que Jesus não foi uma pessoa real, mas apenas uma figura mítica) a chegar ao Brasil. Neste vídeo, explico os principais argumentos de Fitzgerald e conto por que, embora o autor tenha tentado fazer um trabalho sério, a tese dele não se sustenta nem de longe, na minha opinião -- e na opinião da imensa maioria dos historiadores do cristianismo primitivo.


Por Reinaldo José Lopes.


Veja também outros vídeos de Reinaldo José Lopes.

Leia Mais:
Natal
Jesus Histórico no Observatório Bíblico

sábado, 8 de abril de 2017

Nono Seminário Henóquico

9th Enoch Seminar, June 18-23, 2017: “From tôrāh to Torah: Variegated Notions of Torah from the First Temple Period to Late Antiquity”

Chairs: William M. Schniedewind (University of California at Los Angeles) and Jason M. Zurawski (University of Groningen), in collaboration with Gabriele Boccaccini (Director of the Enoch Seminar).

Date: June 18-23, 2017

Place: Monastero di Camaldoli, Camaldoli, Italy

Area of Focus:

The Enoch Seminar and the resultant volume will examine the diverse understandings of tôrāh, beginning with the texts of the Hebrew Bible through to the Second Temple period and late antiquity, moving beyond traditional paradigms such as the early usage of tôrāh as general instruction vs. the transition to nomos, as “law,” or the development of a “normative” notion of Torah (capitalization intentional) in the Second Temple period. Participants are encouraged to rethink our scholarly assumptions and preconceptions on the topic and tackle the questions anew in light of more critical philological and historical approaches. We seek to examine the various notions of tôrāh (and nomos) in all relevant literature, regardless of scholarly or denominational corpora, both within ancient Jewish/Judean traditions and in light of broader influences, whether Egyptian, Mesopotamian, Greek, Roman, Persian, etc. As this meeting follows and builds upon the work from the Fifth Nangeroni Meeting, “Second Temple Jewish Paideia in its Ancient Near Eastern and Hellenistic Contexts” (June/July 2015), discussions pertaining to the connections between tôrāh/Torah/nomos/dat and education, pedagogy, wisdom, etc., are especially encouraging. Our aim will be to discuss the variety of ways that tôrāh was defined and developed in the literature.


Visite: 4 Enoch: The Online Encyclopedia of Second Temple Judaism, and Christian and Islamic Origins

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Uma história do Novo Testamento em latim

HOUGHTON, H. A. G. The Latin New Testament: A Guide to its Early History, Texts, and Manuscripts. Oxford: Oxford University Press, 2016, 400 p. - ISBN 9780198744733. 

HOUGHTON, H. A. G. The Latin New Testament: A Guide to its Early History, Texts, and Manuscripts

 
O livro

This book provides a comprehensive introduction to the history and development of the Latin New Testament and a user’s guide to the resources available for research and further study. The first five chapters offer a new historical synthesis, bringing together evidence from Christian authors and biblical manuscripts from earliest times to the late Middle Ages. Each witness is considered in its chronological and geographical context, to build up the bigger picture of the transmission of the text. There are chapters introducing features of Latin biblical manuscripts and examining how the Latin tradition may serve as a witness for the Greek New Testament. In addition, each book of the New Testament is considered in turn, with details of the principal witnesses and features of particular textual interest. The three main scholarly editions of the Latin New Testament (the Vetus Latina edition, the Stuttgart Vulgate, and the Oxford Vulgate) are described in detail. Information is also given about other editions and resources, enabling researchers to understand the significance of different approaches and become aware of the latest developments. The Catalogue of Manuscripts gives full details of each manuscript used in the major editions, with bibliographical references and links to sets of digital images. The Appendices include concordances for the different ways in which manuscripts are cited in scholarly literature. An extensive reference bibliography of publications on the Latin New Testament is also supplied.


O sumário

Part I: History
1. From the Beginnings to the End of the Third Century
2. The Fourth Century and the Beginning of the Vulgate
3. Competing Texts: The Fifth to the Seventh Centuries
4. The Eighth and Ninth Centuries
5. The Tenth Century Onwards: Scholarship and Heresy
Part II: Texts
6. Editions and Resources
7. An Overview of the Text of the Latin New Testament
Part III
8. Features of Latin Biblical Manuscripts
9. Catalogue of Latin New Testament Manuscripts
Appendices
1. Concordances of Manuscript Sigla
2. Latin Prefaces, Prologues, and Capitula for the Books of the New Testament
Bibliography


O autor

H.A.G. Houghton is Reader in New Testament Textual Scholarship at the University of Birmingham, where he is also Deputy Director of the Institute for Textual Scholarship and Electronic Editing. He is one of the editors of the Gospel according to John and corresponding editor for the principal Pauline Epistles in the Vetus Latina series.


Download gratuito em pdf. Clique aqui.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Pedras, tabuinhas e rolos: quatro períodos da formação da Bíblia

Conferência Internacional no PIB - Pontifício Instituto Bíblico: 11-13 de maio de 2017

Stones, Tablets and Scrolls: Four Periods of the Formation of the Bible

Conferência Internacional no PIB - Stones, Tablets and Scrolls: Four Periods of the Formation of the Bible

Com 24 conferencistas:

Alice M. W. Hunt (University of Georgia, Athens, GA), Eckart Frahm (Yale University, New Haven, CT), Peter Dubovský (Pontifical Biblical Institute, Rome), Peter Machinist (Harvard University, Cambridge, MA), Jean Louis Ska (Pontifical Biblical Institute, Rome), Jeffrey Zorn (Cornell University, Ithaca, NY), Michael Jursa (Universität Wien), Hermann-Josef Stipp (Ludwig Maximilians-Universität, Munich), David Vanderhooft (Boston College, Chestnut Hill, MA), Erhard Blum (Universität Tübingen), Pierfrancesco Callieri (Università di Bologna, campus di Ravenna), Agustinus Gianto (Pontifical Biblical Institute, Rome), Eric Meyers (Duke University, Durham, NC), Diana Edelman (University of Oslo), Federico Giuntoli (Pontifical Biblical Institute, Rome), Israel Finkelstein (Tel Aviv University), Thomas Römer (Collège de France, Paris), Oren Tal (Tel Aviv University),  Joseph Sievers (Pontifical Biblical Institute, Rome), Barbara Schmitz (Universität Würzburg), Katell Berthelot (Centre National de la Recherche Scientifique, Aix-en-Provence), Henryk Drawnel (Katolicki Uniwersytet Lubelski, Lublin), Marcello Fidanzio (Facoltà di Teologia di Lugano) e Emanuel Tov (Hebrew University, Jerusalem)

Veja o programa em pdf clicando aqui.

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Escavando Meguido

Excavating Megiddo - By Eric H. Cline - The Bible and Interpretation - March 2017


Trecho de:

CLINE, E. H. Three Stones Make a Wall: The Story of Archaeology.  Princeton: Princeton University Press, 2017, 480 p. - ISBN 9780691166407.

sábado, 1 de abril de 2017

Análise crítica do uso da Bíblia na política

Tema de uma conferência:

The Bible in Politics

2-3 June, 2017 - St Mary's University, Waldegrave Drawing Room, Twickenham, London

The Bible in Politics

The Bible has, at some time at least, functioned as a transcendent authority for most, if not all, contemporary political ideologies. The 'Bible in Politics' conference will showcase some of the latest scholarship, in conversation with larger theoretical impulses in the Humanities. It will cover uses of the Bible in a variety of political traditions and issues in different geographical contexts, with a particular emphasis on contemporary uses and/or those and in the development of capitalist modernity.

Tema atual, pessoas interessantes.

Leia mais aqui.

Biblical Studies Carnival 133

Seleção de postagens dos biblioblogs em março de 2017.

Biblical Studies Carnival - Mad as a March Hare 2017 1/5

Trabalho feito por Jonathan Robinson em seu blog ξἐνος (xénos).

Obs.: são 5 posts. Os links para os outros estão no final de cada post.

quarta-feira, 29 de março de 2017

Aniversário de Finkelstein

Hoje o arqueólogo Israel Finkelstein está comemorando 68 anos de vida.

Parabéns, Professor Finkelstein!

Israel Finkelstein

Sobre o mais importante arqueólogo da Palestina na atualidade, suas pesquisas e publicações, confira aqui e aqui.

segunda-feira, 27 de março de 2017

Morreu Louis H. Feldman

Morreu anteontem, aos 90 anos, o renomado pesquisador da obra de Flávio Josefo, Louis H. Feldman (29 de outubro de 1926 - 25 de março de 2017).

Veja a bibliografia de Louis H. Feldman no WorldCat e na Amazon.

Louis H. Feldman: 29.10.1926-25.03.2017

Na Encyclopaedia Judaica, leio:

FELDMAN, LOUIS H. (1926– ), U.S. professor of classics and literature. Born in Hartford, Connecticut, Feldman received his undergraduate degree from Trinity College in 1946, and his master’s degree in 1947; his doctoral degree in classical philology is from Harvard University (1951).

He was a teaching fellow at Trinity in 1951 and 1952, then an instructor in classics in 1952 and 1953. He was an instructor at Hobart and William Smith Colleges from 1953 to 1955, then joined Yeshiva University of New York as an instructor in humanities and history. He was an assistant professor at Yeshiva University from 1956 to 1961, an associate professor from 1961, and he was appointed a professor of classics in 1966. He subsequently became the Abraham Wouk Family Professor of Classics and Literature.

Feldman served as associate editor of Classical Weekly from 1955 to 1957 and as managing editor of Classical World from 1957 to 1959.

Feldman is renowned as a scholar of Hellenistic civilization, specifically of the works of Josephus.


Fonte: Dorothy Bauhoff - Encyclopaedia Judaica, 2nd ed., 2007.


A lista de discussão H-Judaic diz dele:

H-Judaic is deeply saddened to learn [from Dr Edward Reichman and Menachem Butler] of the passing of Professor Louis Feldman (1926-2017), the Abraham Wouk Family Professor of Classics and Literature at Yeshiva University, where Prof. Feldman taught for some 60 years.  Prof. Feldman was recognized around the world as the "Dean" of Josephus scholars and contributed greatly to our understanding of Jewish life during the Hellenistic era. He published numerous books and hundreds of articles -- 243 are listed in RAMBI. He was a "scholar's scholar" -- a model of dedication to craft coupled with modesty and wide-ranging learning.

quinta-feira, 23 de março de 2017

A apocalíptica judaica e o Novo Testamento

REYNOLDS, B. E. ; STUCKENBRUCK, L. T.  (eds.) The Jewish Apocalyptic Tradition and the Shaping of New Testament Thought. Minneapolis: Fortress Press, 2017, 300 p. - ISBN 9781451492668.


The Jewish Apocalyptic Tradition and the Shaping of New Testament Thought



The contemporary study of Jewish apocalypticism today recognizes the wealth and diversity of ancient traditions concerned with the 'unveiling' of heavenly matters - understood to involve revealed wisdom, the revealed resolution of time, and revealed cosmology - in marked contrast to an earlier focus on eschatology as such. The shift in focus has had a more direct impact on the study of ancient 'pseudepigraphic' literature, however, than in New Testament studies, where the narrower focus on eschatological expectation remains dominant. In this Companion, an international team of scholars draws out the implications of the newest scholarship for the variety of New Testament writings. Each entry presses the boundaries of current discussion regarding the nature of apocalypticism in application to a particular New Testament author. The cumulative effect is to reveal, as never before, early Christianity, its Christology, cosmology, and eschatology, as expressions of tendencies in Second Temple Judaism.


Benjamin E. Reynolds is associate professor of New Testament at Tyndale University College in Toronto, Canada. He is author of The Apocalyptic Son of Man in the Gospel of John.

Loren T. Stuckenbruck is chair of New Testament and Second Temple Judaism at Evangelisch-Theologische Fakultat, Ludwig-Maximilians-Universitat, Munich. His numerous works include Angel Veneration and Christology: A Study in Early Judaism and in the Christology of the Apocalypse of John and a commentary on 1 Enoch 91–108 in the Commentaries in Early Jewish Literature series.

sexta-feira, 17 de março de 2017

Profetismo e Apocalíptica: Perspectivas e Interpretações

Pós-Graduação em Profetismo e Apocalíptica: Perspectivas e Interpretações

Profetismo e Apocalíptica: Perspectivas e Interpretações

Em 2017, a Escola de Teologia da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP) lança o curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Profetismo e Apocalíptica: Perspectivas e Interpretações.

Com uma proposta de discutir profetismo e apocalíptica numa perspectiva histórico-literária, considerando a relação dos textos com a cultura, a linguagem e a história, o curso será oferecido a distância, com aulas quinzenais, ao vivo. A presença do pós-graduando no Polo de Apoio Presencial será requerida apenas para a realização de avaliações e apresentação do trabalho final de curso.

Entre os docentes encontram-se nomes conhecidos da academia bíblica brasileira, como Paulo Augusto de Souza Nogueira, Marcelo da Silva Carneiro, Valtair Afonso Miranda, Paulo Roberto Garcia, Suely Xavier dos Santos e João Batista Ribeiro Santos, acompanhados por um grupo de jovens mestres e doutores dispostos a agregar mais provocações às leituras desses temas.

O curso de Pós-Graduação de Profetismo e Apocalíptica da Metodista é destinado a graduados em Teologia, Ciências da Religião, História e áreas afins, bem como a professores de Teologia, professores de Ciências da Religião, professores de História e estudiosos de literatura religiosa antiga com formação de nível superior.

As matrículas para a primeira turma do curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Profetismo e Apocalíptica: Perspectivas e Interpretações, com início das aulas previsto para março [as aulas começaram no dia 14, nova turma em maio], estão abertas. Mais informações na página do curso no Facebook.

Fontes: ABIB e página do curso no Facebook

Leia Mais:
Vale a pena ler os profetas hoje?
Apocalíptica: busca de um tempo sem fronteiras

ReBiblica - Revista Brasileira de Interpretação Bíblica

A Revista Brasileira de Interpretação Bíblica - ReBiblica - será lançada em 2017.

Revista Brasileira de Interpretação Bíblica - ReBiblica

A Revista Brasileira de Interpretação Bíblica - ReBiblica - nasceu de uma decisão conjunta dos professores-pesquisadores de Bíblia nos Programas de Estudos Pós-Graduados em Teologia e Ciências da Religião, afiliados à Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Teologia e Ciências da Religião (ANPTECRE). Durante o 5º Congresso Nacional da ANPTECRE (Curitiba - PR, de 9 a 11 de setembro de 2015), os professores-pesquisadores na área do estudo científico da Bíblia deliberaram encaminhar o pedido para a constituição de um Grupo de Trabalho permanente no campo da Bíblia nos congressos da ANPTECRE, bem como fundar um Periódico Científico de alto nível acadêmico, a fim de divulgar as pesquisas de estudo bíblico realizadas no Brasil.

ReBiblica é uma publicação multi-institucional, fruto do compromisso partilhado dos docentes das seguintes instituições:

. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) - Porto Alegre, RS (hospedeira do periódico)
. Faculdades EST - São Leopoldo, RS
. Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia (FAJE) - Belo Horizonte, MG
. Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) - Curitiba, PR
. Faculdades Batista do Paraná (FABAPAR) - Curitiba, PR
. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) - São Paulo, SP
. Universidade Metodista de São Paulo (UMESP) - São Bernardo do Campo, SP
. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) - Rio de Janeiro, RJ
. Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUCGO) - Goiânia, GO
. Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) - Recife, PE



Foco e Escopo

A Revista Brasileira de Interpretação Bíblica – ReBiblica – tem como objetivo divulgar a pesquisa bíblica realizada pelos professores doutores pesquisadores no campo da Bíblia, vinculados ou não a Programas de Pós-Graduação em Teologia e Ciências da Religião, nacionais e internacionais.

ReBiblica publica artigos sobre: hermenêutica bíblica, exegese bíblica, teologia bíblica, tradução do texto bíblico, leituras libertadoras da Bíblia, história e arqueologia do mundo bíblico. Também publica resenhas e recensões de livros relevantes para o estudo da Bíblia.

Como modo de divulgar e incentivar a pesquisa bíblica no Brasil, ReBiblica publica ainda resumos de teses doutorais sobre Bíblia defendidas nos PPGs de Teologia e Ciências da Religião. Trabalhos de doutorandos serão aceitos somente em parceria com um professor doutor.



Equipe Editorial

Editor
Cássio Murilo Dias da Silva, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) - RS, Brasil

Conselho editorial
Leonardo Agostini Fernandes, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) - Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Luiz Alexandre Solano Rossi, Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR, Brasil
Matthias Grenzer, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) - São Paulo, SP, Brasil
Valmor da Silva, Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUCGO) - Goiânia, GO, Brasil

Comitê científico
Gilvan Leite Araújo, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - SP
Flávio Schmitt, Faculdades EST, Brasil

Bolsista
Daniele Irassochio, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, PUCRS

Pentateuco: da formação à recepção

CARNEIRO, M. S. ; OTTERMAN, M. ; FIGUEIREDO, T. J. A. (orgs.) Pentateuco: da formação à recepção. São Paulo: Paulinas, 2016 - ISBN 9788535642070.

CARNEIRO, M. S. ; OTTERMAN, M. ; FIGUEIREDO, T. J. A. (orgs.) Pentateuco: da formação à recepção

Este livro é resultado do VII Congresso da ABIB (Associação Brasileira de Pesquisa Bíblia), realizado em 2016 na UMESP, com o tema: Pentateuco - da formação à recepção.

Os textos das conferências principais de Jean-Louis Ska (Itália) e Thomas Römer (Suíça/França) abordam questões fundamentais da formação do Pentateuco e dos papéis nele atribuídos a Moisés.

Os demais textos reproduzem conferências de pesquisadores de diferentes regiões e instituições no Brasil e em outros países da América Latina. Aqui encontramos recortes como análises literárias e interdisciplinares de determinados textos e temas, bem como questões da recepção do material, dentro e para além da cultura judaica.

A obra reflete a preocupação da ABIB em promover a pesquisa bíblica da maneira mais ampla possível, e cremos que a fomentará decisivamente, pois reflete o que há de mais atual e relevante nas pesquisas sobre o Pentateuco.

Os organizadores são: Marcelo da Silva Carneiro, Monika Otterman e Telmo José Amaral de Figueiredo.

terça-feira, 14 de março de 2017

Vault 7 e PortableApps

Quando o assunto é vigilância, todos estão na mira da CIA
 
:. O que é Vault 7?

WikiLeaks escancara como a CIA é o "Big Brother" dos seus dispositivos - Hardware.com.br: William R. Plaza criou 8/mar/2017 às 15h03

Dentre as agências de segurança, a NSA é sempre apontada como a “enxerida”, ainda mais após as revelações de Edward Snowden, e agora a CIA é citada no mesmo estilo Snowden, através de um imenso vazamento de documentos por parte do WikiLeaks. A organização diz que esse é o maior vazamento da história da CIA. Vault 7, esse é o nome atribuído a essa série de materiais que revelam as técnicas de vigilância global feito pela CIA em conluio com outras agências, como a britânica MI5. A primeira parte desse material, chamado de Year One, foi divulgado ontem pelo WikiLeaks. São quase 9 mil páginas que detalham os programas e ferramentas da CIA utilizados para coletar informações de milhões de pessoas, através de dispositivos como smartphones e SmartTVs. O WikiLeaks afirma que esses documentos vazados registram a atividade de espionagem cibernética da CIA realizado entre 2013 e 2016. Ex-hackers que trabalharam para o governo dos EUA, teriam sido os responsáveis por repassar os documentos a organização de Julian Assangle. O WikiLeaks também alerta que o fato de ex-funcionários terem acesso a esses arquivos sem autorização é uma prova que outros poderiam conhecer sua existência e por tanto podem estar cientes dos detalhes técnicos dessas ferramentas de espionagem, o que é um risco real para a segurança e privacidade (será que isso ainda existe?) dos usuários, já que poderia ser utilizada por outros hackers mundo afora. Após as revelações de Snowden, suspeitar que a CIA utiliza técnicas de vigilância não causa um espanto tão grande assim, porém, conhecer o poder que a agência tem é no mínimo assustador. Abaixo separei alguns dos pontos principais revelados no Year One. Vamos a eles!

PortableApps.com Platform 14.4
O que são aplicativos portáteis?

Aplicativos portáteis são programas gratuitos, a maioria de código aberto [open source], que podem ser executados em qualquer computador com Windows, sem a necessidade de instalação formal, ou com uma instalação simples que lhes permita serem diretamente executados a partir de um dispositivo portátil. Esses programas, quando devidamente preparados, não criam entradas no registro do Windows, sendo, dessa forma, muito prático fazer a sua instalação em um pen drive e ter o programa pronto para ser utilizado em qualquer micro.



:. Como os aplicativos portáteis são afetados pela vigilância da CIA?

Mitigating DLL Hijacks Revealed in Vault 7/Fine Dining With The PortableApps.com Platform - PortableApps.com: submitted by John T. Haller on March 13, 2017 - 10:57pm

Over the past few days, Wikileaks posted a series of documents purported to be from the CIA in a dump of files dubbed "Vault 7". Within those documents are references to a project called "Fine Dining" which details how a field agent can alter their own software on a portable device to include additional functionality to enable spying and other covert activities while appearing innocuous to those who happen to see the agent using their portable software. The process is detailed well in a Q&A by Sophos software.


List of Affected Software

The list of affected software includes VLC Player Portable, Irfan View, Chrome, Opera, Firefox, ClamWin, Kaspersky TDSS Killer, McAfee Stinger, Sophos Virus Removal Tool, Thunderbird, Opera Mail, Foxit Reader, LibreOffice, Prezi, BabelPad, Notepad++, Skype, Iperius Backup, Sandisk Secure Access, U3 Software, 2048, LBreakout2, 7-Zip Portable and Portable Linux CMD Prompt. Some PortableApps.com Launchers are also affected by these techniques.


How The Vulnerability Is Exploited

In most affected apps, the app itself is vulnerable. Thunderbird, for example, is vulnerable if you add a DLL in a specific location. Opera Mail is vulnerable to having one of its built-in DLLs replaced with something else. When the field agent's DLL is loaded by the base app, the DLL will then do whatever it is coded to do (copy files, listen in on network traffic, etc). The base app will continue working as usual while this occurs allowing the agent to play a game, check their email, or browse the web. The leaked documents detail which specific DLLs to use for each app.


How We Mitigate The Risk

Today's PortableApps.com Platform release adds a security module to scan for the specific techniques outlined above. Every DLL addition recommended in the leaked document is specifically scanned for by the platform before a vulnerable app is launched. This includes DLLs located alongside an AppNamePortable.exe launcher whether or not it is affected as some apps will load DLLs from there as well as their own path. DLLs listed in the leak as vulnerable to replacement within an affected app are securely SHA256 hashed by the platform and compared to the known hash for that version of the app's DLL.



PortableApps.com Platform 14.4: Fine Dining With Confidence - PortableApps.com: submitted by John T. Haller on March 13, 2017 - 10:16pm

PortableApps.com is proud to announce the PortableApps.com Platform 14.4 release. This release adds custom platform security to scan for and mitigate DLL hijacks in some vulnerable apps and launchers revealed in the "Fine Dining" leak as well as updates to two locales. As always it has a complete app store, automatic updater, easy app organization, fast app searching, proxy support, a great set of themes, portable fonts, and lots of other features to make it your favorite set of apps whether you're running from a portable drive, a cloud drive, or run locally! If you'd like to see more features and functionality keep coming, please read a personal appeal from PortableApps.com founder John T. Haller to help! You can also buy the platform and a suite of apps on the hardware-encrypted PortableApps.com Carbide or fast and affordable PortableApps.com Companion available in our hardware store. Read on for all the details... Existing Platform users can automatically update by clicking Help - Check for Updates.


New in 14.4

This release adds custom platform security to scan for and mitigate DLL hijacks in: 2048, BabelPad, ClamWin, Foxit, Google Chrome, Kaspersky TDSSKiller, LibreOffice, McAfee Stinger, Opera, Opera Mail, Skype, Thunderbird, and various launchers. These apps have been shown to load certain DLLs unsafely in the recent "Fine Dining" section of the Vault 7 leak and the platform now scans for both DLLs which should not be included as well as DLLs which can be replaced. The platform verifies the authenticity of the latter using secure SHA256 hashing. While these techniques are not currently known to spread malware via personal removable drives or cloud drives, now that these techniques have been publicized it could occur in the future, so we have added security mitigation now.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Francisco: 4 anos


Cinco grandes realizações dos primeiros 4 anos de Papa Francisco - IHU On-Line: 13/03/2017

É difícil acreditar, mas o Papa Francisco está chegando ao quarto aniversário de sua eleição ao papado em 13 de março. Em quatro anos, o pontífice já teve um impacto profundo na Igreja. Verdade seja dita, ele não mudou a postura da Igreja em relação ao controle de natalidade, ao celibato, a mulheres ordenadas ao sacerdócio e ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, mas tem transformando fundamentalmente como vemos a Igreja de cinco maneiras. O comentário é de Thomas Reese, jornalista e jesuíta, publicado por National Catholic Reporter, em 09/03/2017.


Five great achievements of Pope Francis' first four years - Thomas Reese: National Catholic Reporter - Mar. 9, 2017

It is hard to believe but Pope Francis is coming up on the fourth anniversary of his election as pope on March 13. In four years, the pope has had a profound impact on the church. True, he has not changed the church's position on birth control, celibacy, women priests and gay marriage, but he has fundamentally changed how we see the church in five ways.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Um novo quadro econômico para o cristianismo primitivo

BOER, R. ; PETTERSON, C. Time of Troubles: A New Economic Framework for Early Christianity. Minneapolis: Fortress Press, 2017, 320 p. - ISBN 9781506406312.

BOER, R. ; PETTERSON, C. Time of Troubles: A New Economic Framework for Early Christianity


Economic realities have been increasingly at the center of discussion of the New Testament and early church. Studies have tended to be either apologetic in tone, or haphazard with regard to economic theory, or both‒‒either imagining the ancients as involved in “primitive” economic relationships, or else projecting the modern capitalist preoccupation with markets and the enterprising individual back onto first-century realities. Roland Boer and Christina Petterson blaze a new trail, relying on the expansive work on the Roman economy of G. E. M. de Ste. Croix (who was relatively uninterested in the New Testament, however) and on the theoretical framework of the Régulation school. Theoretically flexible and responsive to historical data, Régulation theory gives appropriate regard to the centrality of agriculture in the ancient world and finds economic instability to be the norm, except for brief episodes of imposed stability. Boer and Petterson find the Roman world in crisis as slavery expands, transforming the agricultural economy so that slave estates could supply the needs of the polis. Successive chapters describe aspects of the economic crisis in the first century and turn at last to understand the ideological role played by nascent Christianity.

Roland Boer is Xin Ao Professor of Literature at Renmin University of China, and research professor at the University of Newcastle, Australia, and authored numerous books.

Christina Petterson is a postdoctoral research associate at the University of Newcastle.

Para compreender o Pentateuco

DOZEMAN, T. B. The Pentateuch: Introducing the Torah. Minneapolis: Fortress Press, 2017, 764 p. - ISBN 9781506423319.

Thomas B. Dozeman, The Pentateuch: Introducing the Torah

The Pentateuch is the heart of the Hebrew Bible and the foundational document of Judaism. It is also the focus of tremendous scholarly debate regarding the complex history of its composition. This history will be explored along with analysis of the historical background and ancient Near Eastern parallels for its primeval history, its ancestry narratives and laws, the theological purposes of its final redaction, and its diverse interpretation in communities today. This textbook introduces students to the contents of the Torah and orients them to the key interpretive questions and methods shaping contemporary scholarship, inviting readers into the work of interpretation today. Pedagogical features include images, maps, timelines, reading lists, and a glossary.

Thomas B. Dozeman is professor of Hebrew Bible at United Theological Seminary, Dayton, Ohio, and co-chair of the SBL Pentateuch Group. He is the author of a number of scholarly books and commentaries.

terça-feira, 7 de março de 2017

Para ler Francisco

Os fundamentos geopolíticos do Pontificado de Francisco. "O Papa é a única voz política com autoridade moral transversal" - IHU On-Line: 07.03.2017

O 1º Encontro Ibero-americano de Teologia contou com a voz de mulheres teólogas, estas grandes desconhecidas. Suas falas mostraram a cor e a presença que faltam à Igreja em todos os níveis. Dentre elas, estava a jovem teóloga argentina Emilce Cuda, que acaba de publicar 'Para leer a Francisco' (Manantial), que contribui trazendo os fundamentos geopolíticos do pontificado de Francisco.

A entrevista é de José Manuel Vidal, publicada por Religión Digital, em 04.03.2017.


Quem é Emilce Cuda?

Sou natural da Argentina, de Buenos Aires. Sou doutora em Teologia pela Universidade Pontifícia da Argentina e também sou professora, na Argentina, na Faculdade de Teologia da Universidade Católica. Além disso, sou professora em uma universidade pública, a UVA, como é chamada. E também na Univesidade Arturo Jauretche, uma universidade na conurbação de Buenos Aires, em uma região muito pobre.

Minha especialidade, na teologia, é a política. Trabalho há 30 anos como pesquisadora e estou aqui, no Boston College, há vários anos, em um intercâmbio, como professora na área de Ética e Política.

O Boston College tem uma organização chamada Catholic Theological Ethics in the World Church, que reúne teólogos eticistas católicos de todo o mundo. São 1000 teólogos e eu sou a responsável pela coordenação da América Latina e do Caribe. E também sou presidente da IPSA (Associação Internacional de Ciência Política), para a área da religião e política.

Acaba de publicar um livro

Acabei de publicar um livro sobre o papa, que não é uma biografia. É interessante fazer esta distinção porque a maioria dos livros que existem são biografias de Francisco, muitas delas muito boas. Mas este livro é uma tentativa de explicar a teologia e a política argentina, que esclarece muito o discurso do Papa (continua)

CULDA, E. Para leer a Francisco. Buenos Aires: Manantial, 2016

Emilce Cuda: "El Papa es la única voz política que tiene autoridad moral transversal" - Religión Digital: 04.03.2017

El pasado I Encuentro Iberoamericano de Teología contó con la voz de las mujeres teólogas, esas grandes desconocidas. Sus ponencias han mostrado el color y la presencia que falta en la Iglesia a todos los niveles. Entre ellas, intervino la joven teóloga argentina Emilce Cuda, que acaba de publicar 'Para leer a Francisco' (Manantial), que nos aporta las claves geopolíticas del pontificado de Francisco.

¿Quién es Emilce Cuda?

Soy de Argentina, de Buenos Aires. Soy doctora en Teología por la Universidad Pontificia de Argentina, y soy profesora también en Argentina en la Facultad de Teología de la Universidad Católica. Además, soy profesora en Universidad pública, la UVA, se llama. Y también en la Univesidad Jauretche que es una universidad del conurbano bonaerense en un asentamiento muy pobre.

Mi especialidad, dentro de la Teología, es la política. Trabajo hace 30 años como investigadora y estoy aquí, en Boston College, desde hace varios años. Hago intercambio como profesora en el área de Ética y Política.

Boston College tiene una organización que se llama Catholic Theological Ethics in the World Church, que significa teólogos eticistas católicos alrededor del mundo. Son 1000 teólogos, y yo estoy a cargo de la coordinación de Latinoamérica y el Caribe. Y también soy presidenta de IPSA (International Political Science Association), para el área de religión y política.

Y acabas de publicar un libro.

Acabo de publicar un libro sobre el Papa, que no es una biografía. Es interesante distinguirlo porque la mayoría de los libros que hay son biografías sobre Francisco, muy buenas muchas de ellas. Pero este libro es un intento de explicar la teología y la política argentina, que aclara mucho el discurso del Papa (continua)


O livro

CULDA, E. Para leer a Francisco. Buenos Aires: Manantial, 2016, 260 p. - ISBN 9789875002180.

Francisco, profeta y pastor, desenmascara las causas de la pobreza desacralizando estructuras injustas que han sido divinizadas, y llama a la misericordia como otro modo de justicia. Sus gestos atraen la mirada internacional sobre el pensamiento teológico, ético y político latinoamericano y argentino, y al mismo tiempo despiertan preguntas difíciles de responder. ¿Su crítica al “sistema” es teológica o política? ¿Su pensamiento es producto de las luchas históricas por la liberación antes que por la libertad? ¿Es su discurso Teología de la Liberación o anacronismo setentista? ¿La Teología del Pueblo es marxista o peronista? ¿Es posible una teología nacional y popular? ¿Qué entiende por categorías como igualdad, libertad, pueblo, pobre, trabajo, cultura, misión? ¿Es eficaz su exhortación apostólica entre un público no católico, no creyente y despolitizado? ¿Su voz, una autorictas político-moral transversal a las soberanías nacionales, genera conflicto de doble obediencia al interior de los Estados? ¿Entra Francisco en el debate de una agenda terminológica marcada por los medios hegemónicos o planta de manera soberana nuevos temas a debatir? Este libro no pretende dar respuestas sino herramientas para leer a Francisco desde el punto de partida de la teología, la filosofía y la política latinoamericana. Plantear que es importante no desconocer que su origen es argentino y latinoamericano, y que su formación jesuita es tanto clásica y moderna, como universal y concreta, permite ver que ahora Bergoglio es Francisco, el Papa de toda la Iglesia Católica, para todo el mundo, interpelando a creyentes y no creyentes.

segunda-feira, 6 de março de 2017

The Oriental Institute Open Access Publications

The Oriental Institute Open Access Publications

Including Both Digital Manifestations of Print Publications and Born Digital Publications

Starting in 2004, the Oriental Institute [of the University of Chicago] committed to digitizing all of its publications and making them available online, without charge. The minimum for each volume, old and new, current and forthcoming, will be a Portable Document Format (PDF) version following current resolution standards. New publications appear online at or near the time they appear in print. Older publications will be processed as time and funding permits. Several hundred volumes are now online.
Fonte: AWOL - 18.03.2016

sexta-feira, 3 de março de 2017

Biomas brasileiros e defesa da vida

:. “Admirar os biomas é contemplar a obra do criador”, afirma cardeal Sergio da Rocha

Como bem sabemos, a importância da Campanha da Fraternidade tem crescido a cada ano, repercutindo não apenas no interior das comunidades católicas, mas também nos diversos ambientes da sociedade, especialmente pela sua natureza e pela iminência dos assuntos abordados”. Foi com estas palavras que o arcebispo de Brasília e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Sergio da Rocha, abriu oficialmente a Campanha da Fraternidade 2017.

A cerimônia ocorreu na sede da entidade, nesta quarta-feira, 1º de março, em Brasília (DF). Com o tema “Fraternidade: biomas brasileiros e a defesa da vida”, este ano, a Campanha busca alertar para o cuidado e o cultivo dos biomas brasileiros: Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pampa, Pantanal e Amazônia. Além disso, enfatiza o respeito à vida e a cultura dos povos que neles habitam. O lema escolhido para iluminar as reflexões é “Cultivar e guardar a criação (Gn 2, 15)”.

Para dom Sergio, a temática é de extrema urgência. “Cada Campanha da Fraternidade quer nos ajudar a vivenciar a fraternidade em um campo específico da vida ou da realidade social brasileira que tem necessitado de maior atenção e empenho, e este ano o tema escolhido é de grande notoriedade”, enfatizou. Ainda de acordo com ele, é preciso que as pessoas conheçam os biomas a fundo para poderem “contemplar a beleza e a diversidade que estão estampados no próprio cartaz da Campanha da Fraternidade”.

Na mesa de abertura, dom Sergio disse ainda que não bastava apenas conhecer os biomas e que era preciso também refletir sobre a presença e sobre a ação humana nesses ambientes. Ele também ressaltou a valorização dos povos originários, que de acordo com ele são “verdadeiros guardiões dos biomas”. “Nós precisamos valorizar, defender a vida e a cultura desses povos, mas também somos motivados a refletir sobre as causas dos problemas que afetam os biomas como, por exemplo, o desmatamento, a poluição da natureza e das nascentes. Necessitamos também refletir sobre a ação de cada um de nós e nossas posturas nos biomas onde estamos inseridos”, disse.

Por último, o bispo destacou que pode haver um certo estranhamento por parte das pessoas em relação à Igreja ter escolhido este assunto para a Campanha, mas segundo ele, ninguém pode assistir passivamente à destruição de um bioma ou de sua própria casa, da Casa Comum. “O assunto de fato não pode ser descuidado, não pode ser deixado para depois, ele necessita da atenção e dos esforços de todos. O tema tem sim muito a ver com a fé em Cristo, com a fé no criador, com a palavra de Deus, e admirar os biomas é contemplar a obra do criador”, finalizou.

O presidente da Frente Parlamentar Ambientalista, deputado federal Alessandro Molon, compôs a mesa da cerimônia e, em sua fala, agradeceu pela escolha do tema por parte da Igreja no Brasil, considerando a iniciativa um serviço de extrema importância para o país e para a proteção do meio ambiente... (continua)

Fonte: CNBB

Campanha da Fraternidade 2017: biomas brasileiros e a defesa da vida


:. Degradação da natureza e agravamento da pobreza são frutos do sistema de produção, de consumo e de especulação que impera. Entrevista especial com Ivo Poletto - IHU On-Line: 03.03.2017
Biomas brasileiros e a defesa da vida é o tema da Campanha da Fraternidade (CF) deste ano. Não é a primeira vez que a dimensão socioambiental da vida é abordada, lembra o filósofo e cientista social Ivo Poletto. Em 2007, a temática foi Fraternidade e Amazônia; em 2011, a temática enfrentou as mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global.

Em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line, Poletto lembra que na primeira Campanha não foi fácil mobilizar as pessoas em favor da Amazônia, pois era vista como uma realidade distante. “Foi neste ano, com certeza, que nasceu a reivindicação em favor de uma CF que encarasse a realidade de todos os biomas do país”, avalia.

Poletto considera que a escolha do tema de 2017 se relaciona “com o avanço da consciência de muitos cristãos/ãs e, de modo especial, os animados pelas pastorais sociais, pela Cáritas e pelo Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social”. Isso decorre do fato de que “todos os biomas estão sendo afetados por ações humanas e precisam, por isso, de uma atenção cuidadosa e de práticas que ajudem a Terra a recuperar as suas características originais”. Há outro motivo, que é “o insistente convite do papa Francisco a todas as pessoas – de modo especial na sua encíclica Laudato Si' – sobre o cuidado da casa comum – para que se deem conta de como a vida está ameaçada no planeta Terra e de como é urgente a mudança estrutural do sistema econômico dominante e do estilo de vida dos que estão envolvidos no produtivismo e no consumismo”.

O tema não é fácil de tratar, reconhece Poletto. “Na maior parte das vezes, a visão eclesial esteve centrada no ser humano, no seu direito a um ambiente saudável. Tem sido difícil superar o antropocentrismo, justificado até mesmo por leituras do Gênesis, em que a narrativa da Criação afirmaria o ser humano como centro, como destinatário de tudo que Deus fez”, afirma. “Não é correto dizer que a humanidade enfrenta duas crises, a social e a ambiental. Só há uma crise, de caráter socioambiental. Tanto a degradação da natureza quanto o agravamento da pobreza são frutos do sistema de produção, de consumo e de especulação que domina a terra e as pessoas.”

Ivo Poletto é filósofo e cientista social. Trabalha atualmente como assessor educacional no Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social, que articula movimentos, entidades e pastorais sociais em torno da defesa dos direitos sociais da população afetada pelas mudanças climáticas provocadas pelo aquecimento global. Entre 1975 e 1992, foi o 1º secretário executivo da Comissão Pastoral da Terra; de 1993 a 2002, foi assessor da Cáritas Brasileira; em 2003 e 2004, foi membro da Equipe de Mobilização Social do Programa Fome Zero, do governo federal – sobre esse período, escreveu o livro Brasil: oportunidades perdidas – Meus dois anos no Governo Lula (Editora Garamond, 2005). Confira a entrevista.


:. Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida - IHU On-Line: 24.02.2017
"A Campanha da Fraternidade 2017 nos ajuda a entender mais profundamente o sentido da Quaresma, que é um tempo forte de mudança de vida e de preparação para a Páscoa: passagem para a Vida Nova em Cristo, vida de amor verdadeiro, baseado na gratuidade e na busca de radicalidade. Sem esse amor verdadeiro não há Fraternidade (ou Irmandade)", escreve Marcos Sassatelli, frade dominicano, doutor em Filosofia (USP) e em Teologia Moral (Assunção - SP) e professor aposentado de Filosofia (UFG)


:. Campanha pelos biomas brasileiros - IHU On-Line: 10.02.2017
"O Brasil em sua vasta dimensão territorial possui seis biomas: a Amazônia, a Caatinga, o Cerrado, a Mata Atlântica, o Pantanal e o Pampa. Cada determinação se caracteriza, pois, pela dinâmica de semelhança que forma o ecossistema, isto é, pela similaridade de vegetação, de clima e formação histórica", escreve Felipe Augusto Ferreira Feijão, estudante de Filosofia Faculdade Católica de Fortaleza (FCF).


:. Cerrado. O pai das águas do Brasil e a cumeeira da América do Sul - Revista IHU On-Line n. 382 - 28.11.2011
Considerado o celeiro do mundo e o berço das águas do Brasil, o Cerrado brasileiro desfruta de uma biodiversidade ainda pouco conhecida por muitos brasileiros e brasileiras. A IHU On-Line desta semana dá continuidade à série referente aos diferentes biomas brasileiros. A revista já abordou os biomas Floresta Amazônica, o Pampa, o Pantanal e a Floresta de Araucária. Buscando conhecer um pouco mais a cumeeira da América do Sul e o pai das águas do Brasil, vários pesquisadores e pesquisadoras contribuem nesta edição.


:. SOS Cerrado - Site do fotógrafo Carlos Terrana

> Os biomas brasileiros e a teia da vida - Evento IHU: 15 de março a 14 de junho de 2017. Clique aqui

quarta-feira, 1 de março de 2017

Biblical Studies Carnival 132

Seleção de postagens dos biblioblogs em fevereiro de 2017.

February 2017 Biblical Studies Carnival

Trabalho feito por Jacob J. Prahlow em seu blog Pursuing Veritas.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Lista de livros gratuitos do Projeto ICI da SBL

Quem ainda não conhece o Projeto ICI da SBL, leia meu post de 12 de novembro de 2010: Download de livros de Bíblia no Projeto ICI da SBL.

Onde também está o link para o download dos livros.

Aqui só quero anotar que há, hoje, na página do Projeto ICI quase 600 livros gratuitos, em pdf, disponíveis para download.

E são obras de publicação recente e temas relevantes para os estudos bíblicos.

Confira.

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Declaração do Primeiro Encontro Ibero-americano de Teologia

Urge, pois, uma teologia profética, que dessacralize os falsos deuses

Declaração do Primeiro Encontro Ibero-Americano de Teologia

Durante vários dias, teólogas e teólogos católicos de Ibero-América nos reunimos em Boston, Estados Unidos da América, com espírito ecumênico, inter-religioso, intercultural, integrador e solidário. A vocação eclesial nos leva a pensar, pesquisar, aprender, ensinar e a comunicar a riqueza da fé cristã, na Igreja e na sociedade. Partilhamos a vida, a oração, a Eucaristia, a reflexão e o diálogo, para fazer um discernimento, em comum, dos novos sinais dos tempos de nossa época global. Agora, queremos partilhar alguns frutos do nosso trabalho, com a comunidade eclesial e o público em geral.

Reconhecemos, com júbilo e alegria, que vivemos um momento favorável no desenvolvimento da teologia e na vida da Igreja, em geral. Cremos que vivemos um kairós eclesial a partir dos processos iniciados pelo Bispo de Roma, Francisco, primeiro pontífice proveniente da América Latina. Seus impulsos de renovação evangélica, expressos na necessidade de uma reforma, tanto das mentalidades como das estruturas da instituição eclesial em perspectiva sinodal, nos animam a nos perguntar por onde passa Deus em nossa história e que realidades se opõem a Ele. Nosso discernimento nos permitiu descobrir traços e sinais de uma história comum, a partir dos quais queremos olhar os desafios presentes e futuros desta época global em que vivemos. Assim, enfatizamos a importância de ver, a partir da Palavra de Deus proclamada na Igreja, a situação sociopolítica e econômica de nossos países, como um lugar teológico fundamental, na qual a Igreja está chamada a inserir-se para acompanhar, como Povo Deus, os povos deste mundo.

Por isso, queremos discernir nossa presença como pessoas de fé, a partir da questão social desta época, caracterizada, no campo socioeconômico, pela existência de relações e sistemas de exclusão e iniquidade; no campo sociocultural, pela necessidade de ir do pluricultural ao intercultural; e, no âmbito sociopolítico, pela urgência de consolidar o sistema democrático republicano e as formas emergentes da sociedade civil, que proponham um olhar mais humano deste mundo. Neste contexto, reafirmamos nossa opção pelos pobres e excluídos.

Continua...

Em espanhol: Declaración de Boston del I Encuentro Iberoamericano de Teología

Leia Mais:
Primeiro encontro ibero-americano de Teologia
Gustavo Gutiérrez: “O compromisso com o pobre não pode evitar a denúncia das causas da pobreza”

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Carlo Martini entre Palavra e Profecia


Martini, entre Palavra e profecia. Um fio dourado o une a Francisco. Entrevista com Marco Garzonio - IHU On-Line: 17.02.2017

Carlo Maria Martini em 1963 quando começou a lecionar no Bíblico

“A recuperação da herança espiritual do cardeal Martini deve ter uma chave pessoal, deve tocar a nossa consciência para depois sermos, com maior convicção, testemunhas do Evangelho. E, certamente, nunca devemos fazer dele um ‘santinho’: seria trair a sua memória.” Marco Garzonio, jornalista do Corriere della Sera, presidente da Fundação Ambrosianeum, certamente é uma das pessoas que foram mais próximas e que mais estudaram a figura do biblista, arcebispo de Milão de 1979 a 2002.

No dia 31 de agosto de 2012, Martini falecia no Aloisianum de Gallarate (Varese): Garzonio estava à beira do leito do bispo. E, a partir do quarto do terceiro andar daquela residência dos jesuítas, começa o filme de Ermanno Olmi, intitulado Vedete, sono uno di voi [Vejam, sou um de vocês], cujo roteiro foi escrito a quatro mãos pelo diretor e pelo jornalista.

Trata-se de uma das inúmeras iniciativas que se desenvolvem nestes dias em Milão por ocasião do 90º aniversário de nascimento de Martini, que ocorreu no dia 15 de fevereiro de 1927.

A reportagem é de Gianni Borsa, publicada por Servizio Informazione Religiosa (SIR), 15-02-2017.
Carlo Maria Martini (1927-2012)

Martini, tra Parola e profezia. Garzonio: il “filo rosso” con Bergoglio - Gianni Borsa: Servizio Informazione Religiosa (SIR) - 15 febbraio 2017
  
Milano dedica all’arcivescovo-biblista numerose iniziative in occasione del 90° della nascita. Il presidente della Fondazione Ambrosianeum, molto vicino al cardinale, ne ripercorre il magistero, sottolineando le “corrispondenze” con papa Francesco

“Il recupero dell’eredità spirituale del cardinale Martini deve avere una chiave personale, deve toccare la nostra coscienza per poi essere, con maggior convinzione, testimoni del Vangelo. E, di certo, non dobbiamo mai farne un ‘santino’: sarebbe tradirne la memoria”. Marco Garzonio, giornalista del “Corriere della Sera”, presidente della Fondazione Ambrosianeum, è certamente una delle persone che sono state più vicine e che più ha studiato la figura del biblista, arcivescovo di Milano dal 1979 al 2002. Il 31 agosto 2012 Martini si spegneva all’Aloisianum di Gallarate (Varese): Garzonio era al capezzale del vescovo. E dalla stanza al terzo piano di quella residenza dei Gesuiti prende avvio il film di Ermanno Olmi, intitolato “Vedete, sono uno di voi”, la cui sceneggiatura è scritta a quattro mani dal regista e dal giornalista. Si tratta di una delle numerose iniziative che si svolgono in questi giorni nel capoluogo lombardo in occasione dei 90 anni dalla nascita di Martini, avvenuta il 15 febbraio 1927.


Leia Mais:
Diálogos Noturnos, de Carlo Martini, em português
O testamento de Martini
A travessia de Carlo Martini, biblista
Fondazione Carlo Maria Martini

Francisco e Trump

Com Trump, Papa Francisco tem um problema na América - IHU On-Line: 18.02.2017

Nos últimos meses, o ataque contra o papa retomou vigor. Liderado por parte do clero dos Estados Unidos. Assim, a eleição do novo presidente está redesenhando as relações de poder na Igreja.

Bem antes de se tornar o primeiro conselheiro e estrategista-chefe de Donald Trump, Steve Bannon havia exposto a sua visão de mundo – o “sangrento conflito” necessário para preservar o Ocidente judaico-cristão, uma islamofobia que se descolore na supremacia branca, a denúncia do “capitalismo clientelista” de Washington e das finanças globais, um misto de desconfiança e admiração pela “cleptocracia” putiniana, a emergência de um tea party global, a sintonia com Marine Le Pen, Nigel, Farage e os movimentos de direita europeus – em uma videoconferência com o Vaticano.

O ano era 2014, e o então diretor do Breitbart News interveio via Skype em um congresso do Dignitatis Humanae Institute, think tank conservador cujo comitê consultivo é presidido pelo cardeal estadunidense Raymond Leo Burke, chefe da oposição curial ao Papa Francisco.

A reportagem é de Jacopo Scaramuzzi, publicada na revista Pagina 99, 11-02-2017.



Ora con Trump papa Francesco ha un problema in America - Jacopo Scaramuzzi - Pagina 99 - 13 febbraio 2017

La fronda contro il Papa ha ripreso vigore. Capeggiata da parte del clero Usa. Così l’elezione di Trump ridisegnan i rapporti di potere nella Chiesa

Ben prima di diventare il primo consigliere e stratega in capo di Donald Trump, Steve Bannon aveva esposto la sua visione del mondo – il «sanguinoso conflitto» necessario per preservare l’Occidente giudaico-cristiano, un’islamofobia che trascolora nel suprematismo bianco, la denuncia del «capitalismo clientelare» di Washington e della finanza globale, un misto di diffidenza e ammirazione per la «cleptocrazia» putiniana, l’emergere di un tea party globale, la sintonia con Marine Le Pen, Nigel Farage e i movimenti di destra europei – in video-collegamento con il Vaticano. Correva l’anno 2014 e l’allora direttore di Breitbart News intervenne via skype a un convegno dell’istituto Dignitatis Humanae, think tank conservatore il cui comitato consultivo è presieduto dal cardinale statunitense Raymond Leo Burke, capofila dell’opposizione curiale a Papa Francesco.

Jorge Mario Bergoglio e Donald Trump sono agli antipodi. Sono due politici scaltri, sanno che si dovranno parlare, forse già quando il presidente Usa verrà in Italia a maggio per il G7 di Taormina, sono consapevoli che potranno trovare terreni di incontro, come la porta che entrambi tengono aperta alla Russia e la speranza di un appeasement in Medio Oriente. Dalla personalità che Trump sceglierà come ambasciatore presso la Santa Sede (girano i nomi del falco Newt Gingrich, del rivale alle primarie repubblicane Ben Carson, di Benjamin Harnwell, «il tizio più sveglio che c’è a Roma», copyright Steve Bannon) si capirà come Trump vuole impostare i rapporti col Palazzo apostolico. Le distanze, di certo, sono enormi, se non incolmabili. E se Giovanni XXIII e Paolo VI, negli anni Sessanta, avevano un problema con l’Unione Sovietica che affrontarono con la Ostpolitik, ora, come ha scritto lo storico Massimo Faggioli, il primo Papa latinoamericano della storia ha un problema di Westpolitik.


Leia Mais:
Acadêmicos contra Trump
Diante de Donald, o imperador, o Papa Francisco está mais sozinho. Artigo de Massimo Faggioli
Prossegue a guerra suja dos ultraconservadores contra o Papa com um vídeo de uma música satírica

A formação do cânon bíblico

MCDONALD, L. M. The Formation of the Biblical Canon: 2 volumes. London: Bloomsbury T&T Clark, 2017, ... p. - ISBN 9780567669339.

MCDONALD, L. M. The Formation of the Biblical Canon: 2 volumes
Lee Martin McDonald provides a magisterial overview of the development of the biblical canon -- the emergence of the list of individual texts that constitutes the Christian bible. In these two volumes -- in sum more than double the length of his previous works on this subject -- McDonald presents his most in-depth overview to date. McDonald shows students and researchers how the list of texts that constitute 'the bible' was once far more fluid than it is today and guides readers through the minefield of different texts, different versions, and the different lists of texts considered 'canonical' that abounded in antiquity. Questions of the origin and transmission of texts are introduced as well as consideration of innovations in the presentation of texts, collections of documents, archaeological finds and Church councils.

In the first volume McDonald reexamines issues of canon formation once considered settled, and sets the range of texts that make up the Hebrew Bible (or Old Testament) in their broader context. Each individual text is discussed, as are the cultural, political and historical situations surrounding them. The second volume considers the New Testament, and the range of so-called 'apocryphal' gospels that were written in early centuries, and used by many Christian groups before the canon was closed. Comprehensive appendices showing various canon lists for both Old and New Testaments and for the bible as as a whole are also included.

Lee Martin McDonald is President Emeritus and Professor of New Testament at Acadia Divinity College, Acadia University, Canada. He is also President of the Institute for Biblical Research.

A religião persa na época aquemênida

HENKELMAN, W. F.; REDARD, C. (eds.) Persian Religion in the Achaemenid Period / La Religion Perse A L'Epoque Achemenide. Wiesbaden: Harrassowitz, 2017, 576 p. - ISBN 9783447106474.
HENKELMAN, W. F.; REDARD, C. (eds.) Persian Religion in the Achaemenid Period / La Religion Perse A L'Epoque Achemenide

Including twelve English, French, and German papers originally presented at a colloquium convened by Jean Kellens at the College de France (2013), this volume addresses a range of issues relating to Persian religion at the time of the Achaemenid Empire (550-330 BCE). Moving away from the reductive question whether the Achaemenid kings were Zoroastrians or not, the contributors have tried to focus either on newly identified or recently published sources (Central Asian archaeological finds, Elamite texts and seal impressions from the Persepolis Fortification Archive, Aramaic texts from Bactria, the Persepolis Bronze Plaque), or on current (and ongoing) debates such as the question of the spread of the so-called long liturgy to western Iran. In doing, different perspectives are chosen: whereas some have stressed the Iranian or Indo-Iranian tradition, others have pointed out the importance of the Elamite and Assyro-Babylonian contexts. At the same time, the volume shows a broad agreement in its insistence on the essential position of primary sources, problematic as they may be, and on the important role the Achaemenid rulers and the imperial project played in the evolution of Iranian religion.

Thomas Thompson: sobre mitos e seus contextos

On Myths and Their Contexts: An Issue of Contemporary Theology? A Response to Jeffrey Morrow

By Thomas L. Thompson - Professor emeritus, University of Copenhagen

The Bible and Interpretation: January 2017

This essay is written in direct response to Jeffrey Morrow’s article and should be read with Morrow’s paper in hand (...) In his recent contribution to this forum, entitled “On Biblical Scholarship and Bias,” Morrow begins his discussion with reference to a lecture of Joseph Ratzinger from 1988, dealing with the contemporary crisis he understood modern biblical scholarship to be facing at the time. Specifically, Ratzinger’s interest was in “unconscious philosophical presuppositions”, which, in a papal address of 2010, he described more simply as a “bias” of current biblical scholarship. 

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Eric Cline: uma introdução à história da arqueologia

CLINE, E. H. Three Stones Make a Wall: The Story of Archaeology.  Princeton: Princeton University Press, 2017, 480 p. - ISBN 9780691166407.

CLINE, E. H. Three Stones Make a Wall:The Story of Archaeology
    
In 1922, Howard Carter peered into Tutankhamun's tomb for the first time, the only light coming from the candle in his outstretched hand. Urged to tell what he was seeing through the small opening he had cut in the door to the tomb, the Egyptologist famously replied, "I see wonderful things." Carter's fabulous discovery is just one of the many spellbinding stories told in Three Stones Make a Wall.

Written by Eric Cline, an archaeologist with more than thirty seasons of excavation experience, Three Stones Make a Wall traces the history of archaeology from an amateur pursuit to the cutting-edge science it is today by taking the reader on a tour of major archaeological sites and discoveries, from Pompeii to Petra, Troy to the Terracotta Warriors, and Mycenae to Megiddo and Masada. Cline brings to life the personalities behind these digs, including Heinrich Schliemann, the former businessman who excavated Troy, and Mary Leakey, whose discoveries advanced our understanding of human origins. The discovery of the peoples and civilizations of the past is presented in vivid detail, from the Hittites and Minoans to the Inca, Aztec, and Moche. Along the way, the book addresses the questions archaeologists are asked most often: How do you know where to dig? How are excavations actually done? How do you know how old something is? Who gets to keep what is found?

Taking readers from the pioneering digs of the eighteenth century to the exciting new discoveries being made today, Three Stones Make a Wall is a lively and essential introduction to the story of archaeology.

Sobre o autor:
Eric H. Cline is professor of classics and anthropology and director of the Capitol Archaeological Institute at George Washington University. An active archaeologist, he has excavated and surveyed in Greece, Crete, Cyprus, Egypt, Israel, Jordan, and the United States. His many books include 1177 B.C.: The Year Civilization Collapsed (Princeton).

Descoberta a 12ª gruta de Qumran

Mas sem manuscritos, que devem ter sido retirados do local em meados do século XX.


Hebrew University Archaeologists Find 12th Dead Sea Scrolls Cave

08/02/2017

Hebrew University archaeologist Dr. Oren Gutfeld: "This is one of the most exciting archaeological discoveries, and the most important in the last 60 years, in the caves of Qumran."

Excavations in a cave on the cliffs west of Qumran, near the northwestern shore of the Dead Sea, prove that Dead Sea scrolls from the Second Temple period were hidden in the cave, and were looted by Bedouins in the middle of the last century. With the discovery of this cave, scholars now suggest that it should be numbered as Cave 12. [Photo links below]

The surprising discovery, representing a milestone in Dead Sea Scroll research, was made by Dr. Oren Gutfeld and Ahiad Ovadia from the Hebrew University of Jerusalem’s Institute of Archaeology, with the collaboration of Dr. Randall Price and students from Liberty University in Virginia, USA.

The excavators are the first in over 60 years to discover a new scroll cave and to properly excavate it.

The excavation was supported by the Civil Administration of Judea and Samaria, by the Israel Nature and Parks Authority, and the Israel Antiquities Authority (IAA), and is a part of the new “Operation Scroll” launched at the IAA by its Director-General, Mr. Israel Hasson, to undertake systematic surveys and to excavate the caves in the Judean Desert.

Excavation of the cave revealed that at one time it contained Dead Sea scrolls. Numerous storage jars and lids from the Second Temple period were found hidden in niches along the walls of the cave and deep inside a long tunnel at its rear. The jars were all broken and their contents removed, and the discovery towards the end of the excavation of a pair of iron pickaxe heads from the 1950s (stored within the tunnel for later use) proves the cave was looted.

Until now, it was believed that only 11 caves had contained scrolls. With the discovery of this cave, scholars have now suggested that it would be numbered as Cave 12. Like Cave 8, in which scroll jars but no scrolls were found, this cave will receive the designation Q12 (the Q=Qumran standing in front of the number to indicate no scrolls were found).

Continua... 

E há fotos no final do texto.

Sobre a descoberta das 11 primeiras grutas, leia aqui.