quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Nota da CNBB sobre a PEC 241

Nota da CNBB sobre a PEC 241

“Não fazer os pobres participar dos próprios bens é roubá-los e tirar-lhes a vida.” (São João Crisóstomo, século IV)

CNBB: Dom Leonardo, Secretário-Geral - Dom Sérgio, Presidente - Dom Murilo, Vice-Presidente

O Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB, reunido em Brasília-DF, dos dias 25 a 27 de outubro de 2016, manifesta sua posição a respeito da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/2016, de autoria do Poder Executivo que, após ter sido aprovada na Câmara Federal, segue para tramitação no Senado Federal.

Apresentada como fórmula para alcançar o equilíbrio dos gastos públicos, a PEC 241 limita, a partir de 2017, as despesas primárias do Estado – educação, saúde, infraestrutura, segurança, funcionalismo e outros – criando um teto para essas mesmas despesas, a ser aplicado nos próximos vinte anos. Significa, na prática, que nenhum aumento real de investimento nas áreas primárias poderá ser feito durante duas décadas. No entanto, ela não menciona nenhum teto para despesas financeiras, como, por exemplo, o pagamento dos juros da dívida pública. Por que esse tratamento diferenciado?

A PEC 241 é injusta e seletiva. Ela elege, para pagar a conta do descontrole dos gastos, os trabalhadores e os pobres, ou seja, aqueles que mais precisam do Estado para que seus direitos constitucionais sejam garantidos. Além disso, beneficia os detentores do capital financeiro, quando não coloca teto para o pagamento de juros, não taxa grandes fortunas e não propõe auditar a dívida pública.

A PEC 241 supervaloriza o mercado em detrimento do Estado. “O dinheiro deve servir e não governar! ” (Evangelii Gaudium, 58). Diante do risco de uma idolatria do mercado, a Doutrina Social da Igreja ressalta o limite e a incapacidade do mesmo em satisfazer as necessidades humanas que, por sua natureza, não são e não podem ser simples mercadorias (cf. Compêndio da Doutrina Social da Igreja, 349).

A PEC 241 afronta a Constituição Cidadã de 1988. Ao tratar dos artigos 198 e 212, que garantem um limite mínimo de investimento nas áreas de saúde e educação, ela desconsidera a ordem constitucional. A partir de 2018, o montante assegurado para estas áreas terá um novo critério de correção que será a inflação e não mais a receita corrente líquida, como prescreve a Constituição Federal.

É possível reverter o caminho de aprovação dessa PEC, que precisa ser debatida de forma ampla e democrática. A mobilização popular e a sociedade civil organizada são fundamentais para superação da crise econômica e política. Pesa, neste momento, sobre o Senado Federal, a responsabilidade de dialogar amplamente com a sociedade a respeito das consequências da PEC 241.

A CNBB continuará acompanhando esse processo, colocando-se à disposição para a busca de uma solução que garanta o direito de todos e não onere os mais pobres.

Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil, continue intercedendo pelo povo brasileiro. Deus nos abençoe!


Dom Sergio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB

Dom Murilo S. R. Krieger, SCJ
Arcebispo de São Salvador da Bahia
Vice-Presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner, OFM
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário-Geral da CNBB

Fonte: CNBB - 27 de outubro de 2016

Leia Mais:
Arcebispo de Salvador se revolta contra PEC 241

>> Última atualização: 30.10.2016 - 16h15 

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Arqueologia e política: um papiro cita Jerusalém, mas...

Arqueólogos israelenses publicaram um fragmento de um papiro que, segundo eles, é a mais antiga referência hebraica a Jerusalém fora da Bíblia – uma descoberta da qual o governo rapidamente se apropriou para listar como evidência da conexão judaica com a cidade santa.

O pedaço de papiro, de 11 cm por 2,5 cm, datado pela Autoridade de Antiguidades de Israel como sendo do século 7 a.C., foi apresentado em uma conferência de imprensa em Jerusalém logo após a UNESCO ter aprovado uma resolução que, segundo Israel, negava a ligação do judaísmo com a antiga cidade, segundo relata a Reuters nesta quarta-feira (26). Duas linhas do texto, em hebraico, sugerem que o fragmento era parte de um documento que detalhava o pagamento de impostos ou a transferência de bens para armazéns em Jerusalém. "Da serva do rei, de Na'arat, jarros de vinho, para Jerusalém", lê-se no papiro. As autoridades israelenses disseram que seus investigadores recuperaram o documento, descrito como "a mais antiga fonte extra-bíblica a mencionar Jerusalém em escrita hebraica", depois que ele havia sido saqueado de uma caverna por ladrões de antiguidades. ​Para o governo de Israel, o papiro é uma refutação à UNESCO, organização científica e cultural da ONU (continua).

Sobre o desentendimento de Israel com a UNESCO, confira aqui.

No site da IAA - Israel Antiquities Authority - leia sobre o papiro: A Rare Document Mentioning the Name of Jerusalem from the Time of the First Temple was Exposed.


Porém, Christopher A. Rollston, da Universidade George Washington, pede cautela quanto ao papiro. Que pode até ser antigo, mas, a escrita, segundo ele, deve ser moderna. Portanto, podemos estar diante de uma fraude...

Leia:

The New ‘Jerusalem’ Papyrus: Not so Fast…  - Rollston Epigraphy: 26 October 2016

Ele faz 10 considerações em seu post. Destaco algumas:
II. There are some palaeographic and orthographic anomalies and inconsistencies in this papyrus inscription that are concerning and may suggest that it is modern, not ancient. Thus, again, Caveat Eruditus.

VIII. In short, to those wishing to declare that the letters on this papyrus inscription are ancient, I would say: ‘Not so fast!’

IX. Ultimately, I believe that there is a fair chance that although the papyrus itself is ancient the ink letters are actually modern…that is, this inscription is something that I would classify as a possible modern forgery.

Leia Mais:
Arqueologia e política
Why Did the ‘Jerusalem Papyrus’ Come to Light Now?

 >> Última atualização: 27.10.2016 - 18h00

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Gerhard von Rad

É sempre bom lembrar: neste dia, em 1901, nascia Gerhard von Rad, um dos mais brilhantes biblistas do século XX.


Gerhard von Rad: Nürnberg: 21.10.1901 - Heidelberg: 31.10.1971


Confira no WorldCat a lista das obras de Gerhard von Rad em várias línguas.

Leia a biografia de Gerhard von Rad em Durchaus spannungsvoll. Leben und Werk des Alttestamentlers Gerhard von Rad (em alemão). Ou confira os resultados do Google para Gerhard von Rad.

E também: Bernard M. Levinson, Reading the Bible in Nazi Germany: Gerhard von Rad’s Attempt to Reclaim the Old Testament for the Church.

Como eu disse em entrevista de 2006, von Rad influenciou muito os meus estudos de Bíblia: A [minha] opção pelos estudos acadêmicos de Bíblia, porém, ocorreu, de maneira mais imediata, em Roma. Eu diria que fui influenciado especialmente por brilhantes colegas brasileiros que estudavam no PIB, e com os quais eu convivi no Colégio Pio Brasileiro, e por alguns professores da Gregoriana que me fizeram gostar de Bíblia, como G. Bernini de quem, se dizia, dormia com os livros de G. von Rad debaixo do travesseiro…

sábado, 15 de outubro de 2016

Messianismo entre judeus e cristãos

These studies form a substantial and impressive body... (Susan Pierce)

HORBURY, W. Messianism Among Jews and Christians. 2. ed. London: Bloomsbury T&T Clark, 2016, 480 p. - ISBN 9780567662743 [também para Kindle].


William Horbury, Messianism Among Jews and Christians



William Horbury considers the issue of messianism as it arises in Jewish and Christian tradition. Whilst Horbury's primary focus is the Herodian period and the New Testament, he presents a broader historical trajectory, looking back to the Apocrypha and pseudepigrapha, and onward to Judaism and Christianity in the Roman empire. Within this framework Horbury treats such central themes as messianism in the Apocrypha and pseudepigrapha, the Son of man and Pauline hopes for a new Jerusalem, and Jewish and Christian messianism in the second century.

Neglected topics are also given due consideration, including suffering and messianism in synagogue poetry, and the relation of Christian and Jewish messianism with conceptions of the church and of antichrist and with the cult of Christ and of the saints. Throughout, Horbury sets messianism in a broader religious and political context and explores its setting in religion and in the conflict of political theories. This new edition features a new extended introduction which updates and resituates the volume within the context of current scholarship.

William Horbury is Professor of Jewish and Early Christian Studies, University of Cambridge, UK.


Table of contents

Preface
Reflective Introduction
Introduction to first edition

The Second-Temple Period
1. Messianism in the Old Testament Apocrypha and Pseudepigrapha
2. The Gifts of God in Ezekiel the Tragedian
3. Herod's Temple and 'Herod's Days'

The New Testament
4. The Messianic Associations of 'The Son of Man'
5. The Twelve and the Phylarchs
6. Jerusalem in Pre-Pauline and Pauline Hope
7. The Aaronic Priesthood in the Epistle to the Hebrews
8. Septuagintal and New Testament Conceptions of the Church

Synagogue and the Church in the Roman Empire
9. Messianism among Jews and Christians in the Second Century
10. Suffering and Messianism in Yose ben Yose
11. Antichrist among Jews and Gentiles
12. The Cult of Christ and the Cult of the Saints

Index

Uma história dos Macabeus

ATKINSON, K. A History of the Hasmonean State: Josephus and Beyond. London: Bloomsbury T&T Clark, 2016, 208 p. - ISBN 9780567669032.


Kenneth Atkinson, A History of the Hasmonean State: Josephus and Beyond


Kenneth Atkinson tells the exciting story of the nine decades of the Hasmonean rule of Judea (152 - 63 BCE) by going beyond the accounts of the Hasmoneans in Josephus in order to bring together new evidence to reconstruct how the Hasmonean family transformed their kingdom into a state that lasted until the arrival of the Romans.

Atkinson reconstructs the relationships between the Hasmonean state and the rulers of the Seleucid and the Ptolemaic Empires, the Itureans, the Nabateans, the Parthians, the Armenians, the Cappadocians, and the Roman Republic. He draws on a variety of previously unused sources, including papyrological documentation, inscriptions, archaeological evidence, numismatics, Dead Sea Scrolls, pseudepigrapha, and textual sources from the Hellenistic to the Byzantine periods.

Atkinson also explores how Josephus's political and social situation in Flavian Rome affected his accounts of the Hasmoneans and why any study of the Hasmonean state must go beyond Josephus to gain a full appreciation of this unique historical period that shaped Second Temple Judaism, and created the conditions for the rise of the Herodian dynasty and the emergence of Christianity.

Kenneth Atkinson is Professor of History at the University of Northern Iowa, Cedar Falls, IA, USA.


Table of contents

Preface
Acknowledgements
Abbreviations
1. Introduction
2. The Foundation of the Hasmonean Dynasty
3. John Hyrcanus: His Role During Simon's Reign and his Consolidation of Political and Secular Powers
4. Judah Aristobulus: The Creation of the Hasmonean Monarchy
5. Alexander Jannaeus: A Period of Conquest and Expansion
6. Shelamzion Alexandra: A Hasmonean Golden Age
7. Pompey and the Hasmoneans: Hyrcanus II, Aristobulus II, and the End of the Hasmonean Monarchy
8. After the Roman Conquest
9. Conclusion: Josephus, Rome, and Hasmonean History
Bibliography: Primary Sources
Bibliography: Secondary Sources
Indexes


Leia um capítulo do livro na revista online The Bible and Interpretation - October 2016

A History of the Hasmonean State: Josephus and Beyond - By Kenneth Atkinson

Josephus cautiously avoided messianism in his history of the Hasmonean period. He appears to have been reluctant to document any Hasmonean history that involved the violent messianism of the type that had contributed to the outbreak of the First Jewish War. Instead, he stresses that the Hasmonean family’s rule had gone well until they had established a monarchy and allowed sectarian factions to influence politics. Josephus wrote his books partly to support the aristocracy, namely the rule of the Pharisees and their leaders. For Josephus, these groups represented caution and Roman aristocratic values. They were opposed to the religious zeal of the Zealots and related Jewish groups that had caused the rebellion against Rome. For Josephus, the priests and the aristocrats were the only legitimate Jewish leaders.

domingo, 9 de outubro de 2016

Morreu Jacob Neusner

O renomado pesquisador do judaísmo, Jacob Neusner, faleceu ontem, 8 de outubro de 2016, aos 84 anos de idade. Jacob Neusner era de Hartford, Connecticut, USA.

Veja no WorldCat a bibliografia de Jacob Neusner.


Jacob Neusner: 28.07.1932 - 08.10.2016


Scholar Jacob Neusner Dead at 84

Jacob Neusner, renowned scholar of rabbinic Judaism of the Mishnaic and Talmudic eras, passed away on Saturday, October 8, 2016, in Rhinebeck, NY. Born in Hartford, Connecticut, Neusner studies at Harvard University, the Jewish Theological Seminary of America, the University of Oxford, and Yale University.

Neusner is known for developing a humanistic and academic reading of the Jewish classical works, treating the religion in its social setting, as something a group of people do together, rather than as a set of beliefs and opinions.

Neusner was a pioneer in the application of the “form criticism” approach to Rabbinic texts. Much of his work consisted of de-constructing the prevailing approach viewing Rabbinic Judaism as a single religious movement within which the various Rabbinic texts were produced. In contrast, Neusner viewed each rabbinic document as an individual piece of evidence that can only shed light on the more localized forms of Judaism of each specific document’s place of origin and the specific Judaism of the author. His work “Judaism: The Evidence of the Mishnah” (Chicago, 1981; translated into Hebrew and Italian) is the classic statement of his work and the first of many comparable volumes on the other documents of the rabbinic canon.

Neusner taught at Bard College since 1994. He also taught at Columbia University, University of Wisconsin–Milwaukee, Brandeis University, Dartmouth College, Brown University, and the University of South Florida.

In addition to his scholarly activities, Neusner was involved in shaping Jewish Studies and Religious Studies in the American University. He sponsored a number of conferences and collaborative projects that drew different religions into conversation on the difference in religion, religion and society, religion and material culture, religion and economics, religion and altruism, and religion and tolerance.


Fonte: The Jewish Press - October 9th, 2016

Dom Sérgio da Rocha: cardeal

Dom Sérgio da Rocha, arcebispo de Brasília e atual presidente da CNBB, será nomeado cardeal no dia 19 de novembro de 2016. O anúncio foi feito hoje pelo papa Francisco.

Dom Sérgio foi meu aluno na PUC-Campinas e, alguns anos mais tarde, ao terminar seu doutorado, meu colega. Sérgio era Professor de Teologia Moral quando foi nomeado bispo em 2001.

Dom Sérgio da Rocha


Diz a página da CNBB:

O papa Francisco anunciou na manhã deste domingo, 9, a realização de um consistório para a criação de novos cardeais. O Brasil foi contemplado com a escolha do arcebispo de Brasília (DF) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Sergio da Rocha. A celebração acontece na véspera do fechamento da Porta Santa da Misericórdia. 

“Com alegria, anuncio que sábado, 19 de novembro, na véspera do fechamento da Porta Santa da Misericórdia, realizarei um Consistório para nomear 13 novos cardeais, de cinco continentes. Sua proveniência, de 11 nações, expressa a universalidade da Igreja que anuncia e testemunha a Boa Nova da Misericórdia de Deus em todos os cantos da terra. A inclusão dos novos cardeais na diocese de Roma manifesta também a inseparável relação existente entre a Sé de Pedro e as Igrejas particulares ao redor do mundo”, disse o papa.

Parabéns, Sérgio.


Leia Mais:
Dom Sérgio da Rocha: presidente da CNBB
Dom Sérgio da Rocha: arcebispo de Brasília
Dom Sérgio na página da Arquidiocese de Brasília

sábado, 1 de outubro de 2016

Biblical Studies Carnival 127

Seleção de postagens dos biblioblogs em setembro de 2016.

Biblical Studies Carnival September 2016

Trabalho feito por Randy McCracken, em seu blog Bible Study With Randy.

E há também The Run Up to #SBL2016 Carnival: Postings From (Almost) Every Continent. By Jim West.