sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Miqueias: um grito contra as injustiças sociais

Profeta Miqueias: um grito contra as injustiças sociais. Vida Pastoral, São Paulo, n. 311, 2016.

O número de setembro-outubro de 2016 da revista Vida Pastoral é mais um importante subsídio para o Mês da Bíblia. Leia a revista online ou faça o download em pdf.

Profeta Miqueias: um grito contra as injustiças sociais. Vida Pastoral, São Paulo, n. 311, 2016.


Diz o editorial:

A palavra profeta significa aquele que anuncia, que proclama a mensagem de outrem. Não no sentido comum de predizer o futuro, e sim como um artesão, ministro e artista da palavra a serviço do mandato divino. O profeta, por vocação, é o homem da palavra. Ele é um comunicador eloquente.

Na Bíblia o profeta é um arauto, um porta-voz a quem Deus confia uma mensagem, lhe autoriza a comunicação e garante sua veracidade. No entanto, não se trata de mero repetidor. Os profetas precisavam se empenhar para elaborar os oráculos com o suor da fronte, assim como faz todo artesão quando lapida a madeira para elaborar a obra de arte. Aos profetas é imprescindível o domínio da língua, daí a mensagem profética ser permeada de poesia. Deste modo, os profetas são também poetas.

Não há dúvidas de que, na história da humanidade, houve poucas linguagens tão fecundas quanto a linguagem dos profetas bíblicos. Veja-se, por exemplo, a força transformadora da expressão do profeta Miqueias, denunciando os poderosos de seu tempo que oprimiam os indefesos: “Vocês são gente que devora a carne do meu povo e arranca suas peles; quebra seus ossos e os faz em pedaços, como um cozido no caldeirão” (Mq 3,3). O profeta não tem medo de dizer a verdade, mas a sabe dizer com palavras acertadas.

O profeta não fala por si mesmo; se o fizer, é falso. Ele entrega todo o seu ser a serviço do alto, mas com os pés no chão da vida. Os olhos voltados para Deus e também para o mundo. O mundo com tudo que há de mais contraditório e de mais belo.

Mesmo diante de situações que pareceriam não ter saída, o profeta vê sinal de esperança. Seus olhos têm a luminosidade do alto. É um olhar de ternura, de misericórdia e de acolhida. Toda ação profética é banhada de contemplação, o que significa dizer que é um agir com discernimento. Uma ação iluminada pela oração. O profeta tem consciência de sua condição física: em seu corpo há dois ouvidos e uma boca. Por isso, antes da palavra, ele considera o silêncio. Seu ouvido afinado ouve o que Deus fala. Seus pés, sempre prontos para partir, ainda quando cansados, têm pressa em semear a Palavra consoladora.

Ao profeta importa que a vida seja mais. E sua palavra é um alerta para que ninguém se perca; ao contrário, encontre-se e viva feliz. O profeta denuncia o que não é de Deus. E anuncia o que é de Deus. Seus lábios pronunciam a doçura divina e acusa corajosamente tudo o que diminui a vida: “Ai daqueles que, deitados na cama, ficam planejando a injustiça e tramando o mal!” (Mq 2,1). Seu olhar irradia a paz, a concórdia, o amor sem medida. Suas mãos estão sempre prontas para abençoar, tocar e curar. Seus braços, sempre abertos para abraçar e proteger.


Artigos sobre Miqueias
  • Introdução ao livro do profeta Miqueias. Defesa da família: casa e terra - Maria Antônia Marques
  • Defesa da família: casa e terra. Uma leitura de Miqueias 2,1-3.6-11 - Equipe do Centro Bíblico Verbo
  • A profecia está a serviço de quem? Uma leitura de Miqueias 3,5-8 - Shigeyuki Nakanose

Leia Mais:
Mês da Bíblia 2016: o profeta Miqueias

3 comentários:

Lucas Corrêa disse...

Sobre a questão da relação entre os profetas de Israel e as causas sociais, é interessante ler o livro "A Justiça Social nos Profetas", de José L. Sicre.

airtonjo disse...

O livro do Sicre é excelente. Um dos melhores estudos nesta área. É resultado de um curso no PIB na década de 80. Está indicado nas sugestões bibliográficas sobre o mês da Bíblia em Mês da Bíblia 2016: o profeta Miqueias

Jesse Formiga disse...

Muito bom, está sendo um grande aprendizado pra mim na área teológica.Obrigado.

Postar um comentário