quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Como anda a história antiga de Israel no Brasil?

Um livro interessante que acabei de folhear:

POZZER, K. M. P. et al. (orgs.) Um outro mundo antigo. São Paulo: Annablume, 2013, 338 p. - ISBN 9788539105632.

Recomendo especialmente a leitura de  A História Antiga de Israel e os Novos Horizontes de Pesquisa, capítulo escrito por Josué Berlesi, da Universidade Federal do Pará, e Emanuel Pfoh, da Universidade de Buenos Aires.

Um pequeno trecho:

Os manuais de “História de Israel” têm sido, durante muito tempo, uma paráfrase racionalista do texto bíblico. De fato, grande parte da historiografia sobre essa temática foi conduzida por religiosos (...) Dentro e fora da academia a história dos antigos israelitas era vista como a evolução de um único grupo, ou seja, aceitava-se a sequência: patriarcas, escravidão no Egito, êxodo, conquista da Palestina, confederação das 12 tribos, monarquia davídico-salomônica, divisão entre reino do norte e do sul, exílio e volta para a terra. Acreditava-se que todas essas etapas estavam em conformidade com as evidências arqueológicas e fontes extra-bíblicas, de tal modo, houve um razoável consenso sobre a história de Israel até meados da década de 70 do século XX (...) Uma mudança significativa só veio a ocorrer, de fato, a partir da década de 1990, com a criação do Seminário Europeu sobre Metodologia Histórica. O grupo de pesquisadores que possibilitou o surgimento do referido seminário se uniu em torno das frustrações referentes ao debate sobre o Israel antigo. A partir de então, tem sido conduzida uma profunda revisão deste tema, de modo que os resultados obtidos até o presente momento colocam em xeque o paradigma tradicional da história antiga de Israel. Dentro do mencionado seminário destacou-se um grupo de pesquisadores que ficaram conhecidos como Escola de Copenhague ou minimalistas, os quais, gradativamente, adquiriram notoriedade internacional. Apesar destas significativas mudanças no âmbito historiográfico internacional, os estudos sobre a história de Israel levados a cabo no Brasil se encontram afastados do recente debate referente a essa temática. Isso se deve, sobretudo, ao fato de que em nosso país...

Após explicarem algumas das causas, constatam os autores:

No tocante especificamente ao Brasil, pode-se dizer que o antigo Israel continua sendo interpretado como uma unidade que se forma fora da Palestina e, em fase posterior, a conquista militarmente, evoluindo de uma confederação tribal até uma monarquia e assim por diante. Uma hipótese que explica a preservação desse olhar tradicional sobre a história do Israel antigo reside, possivelmente, no sentimento religioso que dominou a historiografia acerca deste tema, a partir da qual, muitas vezes confundiu-se e ainda confunde-se o relato bíblico com a história de Israel. Essa visão tradicional só passou a ser combatida, com maior energia, há pouco mais de uma década até mesmo nos centros acadêmicos mais avançados.


Este livro está disponível online em Academia.edu.


Saiba mais sobre Josué Berlesi aqui e aqui e sobre Emanuel Pfoh aqui.


Leia Mais:
A história de Israel na pesquisa atual

Nenhum comentário:

Postar um comentário