sexta-feira, 10 de julho de 2015

Francisco no Encontro Mundial dos Movimentos Populares

Que o clamor dos excluídos seja escutado na América Latina e em toda a terra.

"A justa distribuição dos frutos da terra e do trabalho humano não é mera filantropia. É um dever moral. Para os cristãos, o encargo é ainda mais forte: é um mandamento. Trata-se de devolver aos pobres e às pessoas o que lhes pertence. O destino universal dos bens não é um adorno retórico da doutrina social da Igreja. É uma realidade anterior à propriedade privada. A propriedade, sobretudo quando afeta os recursos naturais, deve estar sempre em função das necessidades das pessoas. E estas necessidades não se limitam ao consumo. Não basta deixar cair algumas gotas, quando os pobres agitam este copo que, por si só, nunca derrama. Os planos de assistência que acodem a certas emergências deveriam ser pensados apenas como respostas transitórias. Nunca poderão substituir a verdadeira inclusão: a inclusão que dá o trabalho digno, livre, criativo, participativo e solidário", afirmou o Papa Francisco, num discurso considerado por lideranças dos movimentos populares como 'irretocável", proferido no Encontro Mundial dos Movimentos Populares, em Santa Cruz de la Sierra, no dia 09.07.2015.

Segundo o Papa, "os movimentos populares têm um papel essencial, não apenas exigindo e reclamando, mas fundamentalmente criando. Vós sois poetas sociais: criadores de trabalho, construtores de casas, produtores de alimentos, sobretudo para os descartados pelo mercado global".

Leia o discurso de Francisco.


Fonte: "Esta economia mata. Precisamos e queremos uma mudança de estruturas", afirma o Papa Francisco - Notícias: IHU On-Line 10.07.2015


Leia Mais:
Movimientos Populares
Encontro Mundial de Movimentos Populares tem início em Santa Cruz, Bolívia 
Inicia-se o II Encontro de Movimentos Sociais e Populares, promovido pelo Papa Francisco e Evo Morales
Carta dos Excluídos aos Excluídos
Francisco: comprometido com o povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário