sexta-feira, 29 de agosto de 2014

A quem o crime aproveita?

Cui prodest scelus, is fecit - Aquele a quem o crime aproveita foi quem o cometeu. 


Marina abre o jogo e diz a que veio - Emir Sader: Blog do Emir 29/08/2014

Significativo o silêncio dos candidatos da oposição sobre política exterior, do Mercosul aos BRICS, passando por Unasul, CELAC, Banco do Sul, Conselho de Defesa Sul-Americano. De repente, talvez revelando excessiva confiança nas pesquisas, Marina lança os primeiros itens do seu programa, incluindo a política externa e seus desdobramentos.

Lança a ideia de baixar o perfil do Mercosul, velho sonho acalentado pelos entreguistas locais e pelos governos dos EUA.

Como contrapartida, o programa dos marinecos destaca a importância que daria a acordos bilaterais. Ninguém tem dúvida de que ela se refere primordialmente a algum tipo de tratado bilateral com os EUA, projeto do governo FHC que foi sepultado pelo governo Lula.

Pode-se imaginar as projeções dessa postura proposta pela Marina para outros temas, como Unasul, CELAC e BRICS. Significaria estender esse perfil baixo para essas outras instituições justamente no momento em que os BRICS fundaram novas instituições, que projetam um mundo multipolar, e o Mercosul e Unasul retomam uma dinâmica de fortalecimento.

É tudo o que os EUA gostariam: deslocar o Brasil, país chave nessas novas configurações de força no plano internacional, para voltar a ser um aliado subalterno deles e porta-voz das suas posições, hoje tão isoladas. Dar golpes mortais no Mersosul e na Unasul, enfraquecer as posições dos BRICS.

Não contente de ser guindada a candidata da direita brasileira, Marina assume também a representação do capital financeiro internacional e da agenda dos EUA.

Leia o texto completo.


Leia Mais:
Cui prodest? Cui bono?
O messianismo da terceira via é neoliberal

Nenhum comentário:

Postar um comentário