quarta-feira, 21 de maio de 2014

Uma crítica ao livro de Thomas Piketty

Os chamados problemas econômicos são, na realidade, problemas políticos, e por mais que se tente silenciar, a luta de classes continua sendo, como bem disse Karl Marx, o motor da história. Como essa luta de classes se realiza, e através de quais instrumentos, é o maior desafio da análise da realidade com a finalidade de alterá-la. Thomas Piketty deu um passo nessa direção, mas seus silêncios deveriam ser preenchidos...


O porquê das desigualdades: uma crítica do livro de Thomas Piketty - Vicenç Navarro: Carta Maior 17/05/2014

Mas o fato de ser um livro que despertou enorme interesse (eu o recomendo e também utilizo em minhas aulas) não exclui a necessidade de criticá-lo – não tanto por aquilo que o livro diz, mas pelo que não diz. Na realidade, o que ele não diz limita a compreensão e, portanto, a utilidade do livro. E vou direto ao ponto. O problema do livro é que parece não perceber que não é possível entender o mundo do capital sem entender o mundo do trabalho, nem tampouco como os dois se relacionam entre si. Aí está o ponto fraco do livro. O elevado crescimento do capital está diretamente relacionado ao estancamento e à diminuição dos salários. É o que Karl Marx chamou, e com razão, de exploração de classe – exploração que existe, ainda que você, leitor, não a descobrirá lendo os maiores meios de informação e persuasão.

Leia o texto.

Leia Mais:
Sobre a desigualdade no capitalismo: Francisco e Piketty
Francisco e Piketty sobre a desigualdade

Nenhum comentário:

Postar um comentário