sábado, 22 de fevereiro de 2014

O mercado virou gente, um dos nossos

O que de pior poderia acontecer ao Brasil nesse momento seria reduzir a eleição de outubro a uma gincana para a escolha do melhor amigo dos mercados (...) Ao lado de um Presidente da República escolhido pelo voto direto, teríamos um presidente da republica do dinheiro. Com autonomia, e dotado de ferramentas calibradas e com abrangência suficiente para induzir e condicionar o destino do desenvolvimento, os limites da democracia, a sorte da sociedade.

Leia: Quem dá mais? - Saul Leblon: Carta Maior: 21/02/2014

Leia Mais:
O deus mercado e seus oráculos

Nenhum comentário:

Postar um comentário