sábado, 7 de dezembro de 2013

Gás de xisto no Brasil

Além da possibilidade de contaminação do Aquífero Guarani, críticos do fracking afirmam que essa opção é um "tiro no pé" da economia brasileira


Após leilão, cresce oposição à produção de gás de xisto no Brasil - Maurício Thuswohl: Carta Maior 03/12/2013

(...) a produção de gás de xisto [ou, no termo em inglês, shale gas] (...) ainda precisará vencer resistências na sociedade civil antes de se tornar uma opção energética viável no país. A produção, considerada altamente arriscada para o meio ambiente e com conseqüências sociais e econômicas nefastas que só agora começam a ser mensuradas em países como Estados Unidos, Argentina e França, sofre no Brasil a oposição de entidades representativas dos setores sindical, socioambiental e sanitário (...) A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária (Abes) questiona, sobretudo, o arriscado método de produção do gás de xisto, conhecido como fraturamento do solo ou, no termo em inglês, fracking: “O problema são as técnicas utilizadas para a extração do gás, é a metodologia que requer a fratura da rocha. Após explodir a rocha, é utilizada uma enorme quantidade de água com milhares de produtos químicos para liberar o gás. Não se conhece ainda ao certo o risco trazido pela injeção dessa água misturada no subsolo, o risco de se contaminar aquíferos freáticos. É isso o que a gente quer discutir, e que entende que deveria ter sido discutido antes do processo do leilão. Senão, acontece como na França: você começa, depois vê que tem impacto e proíbe. Para que isso?”, questiona Pauli.

Os métodos de extração do gás de xisto também são condenados pelos petroleiros: “A produção do gás e do petróleo de xisto é bastante perigosa, e o processo de fraturamento das rochas não é seguro. Injeta-se produtos químicos que podem contaminar os nossos rios e lagos, ameaçar a fauna e a flora. Nós temos o exemplo, na Argentina e no Texas (EUA), de mortandade de animais, de água da torneira pegando fogo”, enumera Emanuel Cancela (...) O  ex-secretário de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, Liszt Vieira (...), alerta que a exploração do gás de xisto pode jogar por terra parte do prestígio acumulado pelo Brasil nos últimos anos na seara ambiental. Uma das ameaças que teria impacto internacional, ressalta Liszt, seria a contaminação do Aquífero Guarani, já que 16 áreas arrematadas para exploração de gás de xisto estão situadas na Bacia do Paraná, exatamente em cima do aquífero.

“A contaminação do Aquífero Guarani, considerado o maior do mundo, é um risco concreto, e seria sem dúvida uma catástrofe ecológica de impacto internacional. A ANP autorizou o fraturamento do Folhelho Irati, no Paraná, mas essa rocha está situada a apenas centenas de metros abaixo do aquífero. Nós sabemos que pelo menos metade da água injetada no subsolo à grande pressão acaba retornando à superfície, carregada de metais pesados e centenas de aditivos químicos. Trata-se de um desastre anunciado”.

Leia o texto completo.

Observo que a minha região, Patos de Minas, pode estar ameaçada, pois estão pesquisando o gás de xisto por lá... Bem próximo do Rio Paranaíba, que pertence à Bacia do Paraná... Confira aqui e aqui.

A população desconhece os riscos, enquanto, por outro lado, os donos do poder e do dinheiro estão eufóricos...

Leia Mais:
Os riscos da exploração do gás de xisto

Nenhum comentário:

Postar um comentário