quinta-feira, 25 de julho de 2013

O possível modelo político de Francisco

Chi rilegga le quattro opzioni qui elencate potrà avere dei dubbi sulla loro bontà di fondo, specialmente se ha spirito un po' conservatore; potrà avere dei dubbi sulla loro percorribilità storica - ci vorrebbe un pontificato ben lungo; potrà avere dei dubbi che siano pensieri così seri a limitare l'empito umano del Pontefice; ma non potrà avere dubbi sul fatto che questo gesuita diventato Papa non è solo «tanto bono» e sorridente.


A cultura de governo do papa: entre senso de realidade e conflitos evitados - Giuseppe De Rita: Corriere della Sera - 23/07/2013, em Notícias: IHU On-Line 25/07/2013

Que cultura política e de governo o Papa Francisco expressa? A pergunta se intensificou nas últimas semanas, também com referência aos seus banhos de multidão em Lampedusa e no Rio: à apreciação geral da sua capacidade relacional, acompanharam-se algumas dúvidas sobre os perigos do excesso de relação direta com o povo, talvez sem uma adequada cultura de governança. Como ex-aluno dos jesuítas, eu reagi pensando que tal carência é improvável em um jesuíta, especialmente quando percorreu uma complexa carreira eclesial. Então, fui ler os textos do cardeal Bergoglio em matéria sociopolítica, originados da difícil evolução das Igrejas sul-americanas. E neles captei quatro opções "de governo" de notável densidade e atualidade.

. A primeira opção é por uma aderência simples e feroz à realidade, colocando em segundo plano o valor das ideias, dos projetos e dos programas

. A segunda opção é o privilégio a ser dado ao tempo com relação ao espaço, "porque o tempo inicia processos, e o espaço os cristaliza"

. A terceira opção é a de que "a unidade é superior ao conflito", e que a composição das coisas deve ser preferida à segmentação das dialéticas sociais

. A quarta é inovadora, relativa à cultura de governo: se governa através de um "modelo poliédrico, que na unidade mantém a originalidade das parcialidades individuais"

Quem reler as quatro opções aqui listadas poderá ter dúvidas sobre a sua bondade de fundo, especialmente se tiver um espírito um pouco conservador; poderá ter dúvidas sobre a sua viabilidade histórica (seria preciso um pontificado bem longo); poderá ter dúvidas de que são pensamentos tão sérios que limitam o ímpeto humano do pontífice; mas não poderá ter dúvidas sobre o fato de que esse jesuíta que se tornou papa não é apenas "tão bom" e sorridente.

Leia o texto completo.


Tra senso di realtà e conflitti evitati: la cultura di governo del PapaGiuseppe De Rita: Corriere della Sera - 23 luglio 2013

Quale cultura politica e di governo esprime papa Francesco? La domanda si è intensificata nelle ultime settimane, anche in riferimento ai suoi bagni di folla a Lampedusa e a Rio: all'apprezzamento generale della sua capacità relazionale si sono accompagnati alcuni dubbi sui pericoli di troppo diretto rapporto con il popolo, senza magari un'adeguata cultura di governance. Da antico allievo dei gesuiti ho reagito pensando che tale carenza è improbabile in un gesuita, specialmente se ha percorso una complessa carriera ecclesiale. Mi sono quindi andato a leggere i testi del cardinale Bergoglio in materia sociopolitica, originati dall'evoluzione difficile delle chiese sudamericane. E ne ho colto quattro opzioni «di governo» di notevole spessore ed attualità.

. La prima opzione è per un'aderenza semplice e spietata alla realtà, mettendo in secondo piano il valore delle idee, dei progetti e dei programmi

. La seconda opzione è il privilegio da dare al tempo rispetto allo spazio, «perché il tempo inizia processi e lo spazio li cristallizza»

. La terza opzione è quella che «l'unità è superiore al conflitto», e che la composizione delle cose va preferita alla segmentazione delle dialettiche sociali

. La quarta, quella relativa alla cultura di governo: si governa attraverso un «modello a poliedro, che nell'unità mantiene l'originalità delle singole parzialità».

Nenhum comentário:

Postar um comentário