sexta-feira, 3 de maio de 2013

A tragédia de um cristianismo arrogante


O problema mais grave neste episódio é que o fato expressa um tipo de cristianismo arrogante e prepotente que, sob certos aspectos, nos faz voltar à Idade Média e ao período da Santa Inquisição. Desta vez os protagonistas da arrogância e da prepotência não são os católicos, mas grupos ou pessoas do seguimento evangélico. Embora não faltem no atual catolicismo ultraconservador de direita, pessoas e grupos imbuídos da mesma arrogância e da mesma prepotência... Não vejo o mesmo empenho e o mesmo compromisso na luta contra a corrupção, contra o desvio de verbas públicas, especialmente da saúde, que terminam por matar tantas pessoas pobres e inocentes. Não vejo nenhum deputado evangélico, e nenhum padre e bispo católico obcecado por pecados sexuais, tendo a mesma postura de profetas como Amós que denunciava as "vacas de Basã” que moravam em palácios de luxo, oprimiam os fracos, maltratavam os necessitados e, com seus maridos, realizavam banquetes às custas dos mais pobres (4,1-3). Não vejo nenhum deles denunciando as maquinações de políticos, de latifundiários, do agronegócio etc. e que visam "comprar o fraco por dinheiro, o necessitado por um par de sandálias, e vender o refugo do trigo” (Am 8,6).

Leia o artigo de José Lisboa Moreira de Oliveira, A tragédia de um cristianismo arrogante, uma reflexão sobre o caso Marco Feliciano. Publicado na Adital.

Leia Mais:
Feliciano e os defensores da moral e dos bons costumes

Nenhum comentário:

Postar um comentário