sexta-feira, 29 de março de 2013

Os dez anos da invasão do Iraque


Leia as análises do especial de Carta Maior:

Os dez anos da invasão do Iraque



Em 2003 escrevi em minha página:

O estudioso do mundo bíblico não pode ficar alheio ao grave conflito que acontece hoje no Oriente Médio...

E acrescentei uma citação de Paul Virilio:
"Acredito que a 'guerra preventiva' é uma forma de crime contra a humanidade. Ela não será a primeira batalha de uma 3ª Guerra Mundial, mas o primeiro passo para uma espécie de guerra civil globalizada (...) É uma ameaça verdadeira contra a humanidade", diz Paul Virilio, 70, urbanista e filósofo francês, em entrevista à Folha.com de 06.04.2003.

E em 2006, quando fui escolhido o biblioblogueiro do mês de setembro, em uma entrevista feita por um colega norte-americano, reafirmei:

O estudioso do mundo bíblico não pode ficar alheio aos graves conflitos que acontecem hoje no mundo. É espantoso que um biblista consiga “tirar água de pedra” quando está analisando um texto bíblico, mas seja incapaz de sair de sua “torre de marfim” para a “torre de Babel” do mundo atual e dialogar com a pluralidade das culturas e das linguagens. No caso dos atuais conflitos do Oriente Médio, o silêncio dos biblistas sobre o que acontece ali é o resultado de uma cumplicidade com aqueles que estão matando multidões de seres humanos para sustentar os excessos do consumismo capitalista. O biblista é um privilegiado por sua formação e pelos instrumentos de análise ao seu alcance: como ele pode viver no mundo atual como se ele não existisse? Não vejo inocentes nesta situação…


Nenhum comentário:

Postar um comentário