terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Descoberta em Minas gravura mais antiga das Américas

Foi descoberta na região de Belo Horizonte, Minas Gerais, a gravura rupestre mais antiga das Américas.

No texto publicado pela Folha.com em 23/02/2012, Reinaldo José Lopes e Cláudio Ângelo dizem:

Pesquisadores da USP estavam se preparando para arrumar as malas e encerrar seu trabalho na Lapa do Santo, um sítio arqueológico a 60 km de Belo Horizonte, quando toparam com a gravura estilizada no leito de rocha. Não era exatamente uma Mona Lisa: cabeça em forma de C, mãos com três dedos e um enorme pênis ereto compunham a figura de 30 cm. Mas a imagem, descobriram os cientistas, é a mais antiga gravura do continente americano, e um dos mais antigos exemplos de arte das Américas, com pelo menos 10,5 mil anos de idade. "Foi uma sorte enorme e uma surpresa absoluta", diz Walter Alves Neves, bioantropólogo do Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos da USP e líder do grupo responsável pelo achado (...) A gravura da Lapa do Santo foi achada 3 cm abaixo de uma fogueira, e o carvão desse fogo pode ser datado pelo carbono-14. Daí é que vem a idade mínima de 10,5 mil anos, embora outros métodos sugiram que ela pode chegar, na verdade, a 12 mil anos. É o período em que os primeiros seres humanos estavam chegando ao Brasil (...) Neves conta que, de brincadeira, o grupo apelidou a figura de "Taradinho", em referência a seu falo ereto. Figuras do tipo, bem como cenas de sexo e até de parto, aparecem em outros exemplares de arte antiga no interior brasileiro, em especial no Nordeste. E o mesmo estilo, aliás, pode ser encontrado nos próprios paredões calcários da Lapa do Santo (...) A descoberta está descrita em artigo na revista científica "PLoS One".

Leia o texto completo e veja também os links para fotos e desenhos.

O sítio arqueológico da Lapa do Santo fica numa propriedade rural, a Fazenda Cauaia, na zona rural de Matozinhos, e se soma a vários outros que reforçam a relevância de Minas nesse campo.

Em 1975 foi descoberto em uma gruta na região de Lagoa Santa o crânio de Luzia. Na época, o local era objeto de estudo de uma missão científica e foi o biólogo, arqueólogo e antropólogo Walter Neves, o descobridor do petróglifo de 10 mil anos, que apelidou o crânio de Luzia (...) Exames revelaram que Luzia, por sua vez, é o fóssil mais antigo das Américas, com cerca de 11,5 mil anos. A mulher estava na faixa dos 20 anos quando morreu, tinha 1,5m de altura e possuía traços negros. Em 1999, pesquisadores da Universidade de Manchester, na Inglaterra, fizeram a reconstituição do rosto da mulher, tendo como base o crânio encontrado em Minas Gerais (Pinturas rupestres encontradas na Grande BH animam pesquisadores - Estado de Minas: 24/02/2012)


O Abstract do artigo publicado na PLoS One diz:

Background
Most investigations regarding the First Americans have primarily focused on four themes: when the New World was settled by humans; where they came from; how many migrations or colonization pulses from elsewhere were involved in the process; and what kinds of subsistence patterns and material culture they developed during the first millennia of colonization. Little is known, however, about the symbolic world of the first humans who settled the New World, because artistic manifestations either as rock-art, ornaments, and portable art objects dated to the Pleistocene/Holocene transition are exceedingly rare in the Americas.

Methodology/Principal Findings
Here we report a pecked anthropomorphic figure engraved in the bedrock of Lapa do Santo, an archaeological site located in Central Brazil. The horizontal projection of the radiocarbon ages obtained at the north profile suggests a minimum age of 9,370±40 BP, (cal BP 10,700 to 10,500) for the petroglyph that is further supported by optically stimulated luminescence (OSL) dates from sediment in the same stratigraphic unit, located between two ages from 11.7±0.8 ka BP to 9.9±0.7 ka BP.

Conclusions
These data allow us to suggest that the anthropomorphic figure is the oldest reliably dated figurative petroglyph ever found in the New World, indicating that cultural variability during the Pleistocene/Holocene boundary in South America was not restricted to stone tools and subsistence, but also encompassed the symbolic dimension.


Leia Mais:
:: Gravura rupestre mais antiga das Américas descoberta no Brasil
:: Pinturas rupestres encontradas na Grande BH animam pesquisadores
:: Oldest petroglyph in the Americas found in Brazil (10.000 years b.p.): Explorator 14.45 - February 26, 2012 [vários links para publicações em inglês]
:: Rock Art at the Pleistocene/Holocene Boundary in Eastern South America: Walter A. Neves, Astolfo G. M. Araujo, Danilo V. Bernardo, Renato Kipnis e James K. Feathers - PLoS One: February 22, 2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário