domingo, 31 de julho de 2011

Resenhas na RBL - 28.07.2011

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Scott A. Ellington
Risking Truth: Reshaping the World through Prayers of Lament
Reviewed by Philip E. Satterthwaite

Andreas Hahn
Canon Hebraeorum-Canon Ecclesiae: Zur deuterokanonischen Frage im Rahmen der Begründung alttestamentlicher Schriftkanonizität in neuerer römisch-katholischer Dogmatik
Reviewed by Mark Elliott

K. L. Noll and Brooks Schramm, eds.
Raising Up a Faithful Exegete: Essays in Honor of Richard D. Nelson
Reviewed by Kent Harold Richards

B. J. Oropeza, C. K. Robertson, and Douglas C. Mohrmann, eds.
Jesus and Paul: Global Perspectives in Honor of James D. G. Dunn for His Seventieth Birthday
Reviewed by Bernard Ukwuegbu

Yoon-Man Park
Mark's Memory Resources and the Controversy Stories (Mark 2:1-3:6): An Application of the Frame Theory of Cognitive Science to the Markan Oral-Aural Narrative
Reviewed by James D. G. Dunn

Henning Graf Reventlow
History of Biblical Interpretation, Vol. 3: Renaissance, Reformation, Humanism
Reviewed by A. K. M. Adam

Henning Graf Reventlow
History of Biblical Interpretation, Vol. 3: Renaissance, Reformation, Humanism; and Vol. 4: From the Englightenment to the Twentieth Century
Reviewed by John F. A. Sawyer

Matthew Sleeman
Geography and the Ascension Narrative in Acts
Reviewed by Steve Walton

Michael G. Wechsler, ed.
The Arabic Translation and Commentary of Yefet ben 'Eli the Karaite on the Book of Esther: Edition, Translation, and Introduction
Reviewed by John Kaltner

Timothy M. Willis
Leviticus
Reviewed by Christophe Nihan

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Resenhas na RBL - 22.07.2011

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Duane L. Christensen
Nahum: A New Translation with Introduction and Commentary
Reviewed by Donatella Scaiola

Pierre Gibert
L'invention critique de la Bible, XVe-XVIIIe Siècle: L'invention moderne de la critique du texte biblique
Reviewed by Jeffrey L. Morrow

Jo Ann Hackett
A Basic Introduction to Biblical Hebrew
Reviewed by George Athas

Ronald Hendel
Reading Genesis: Ten Methods
Reviewed by Matthias Millard

Dirk J. Human and Gert J. Steyn, eds.
Psalms and Hebrews: Studies in Reception
Reviewed by Steve Moyise

Walter C. Kaiser Jr.
Recovering the Unity of the Bible: One Continuous Story, Plan, and Purpose
Reviewed by Joel Stephen Williams

Ross Shepard Kraemer
Unreliable Witnesses: Religion, Gender, and History in the Greco-Roman Mediterranean
Reviewed by Gail Streete

Tremper Longman III
How to Read Exodus
Reviewed by Wolfgang Oswald

Maynard Paul Maidman
Nuzi Texts and Their Uses as Historical Evidence
Reviewed by Christopher Metcalf

Andreas Wagner
Gottes Körper: Zur alttestamentlichen Vorstellung der Menschengestaltigkeit Gottes
Reviewed by Mark W. Hamilton

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Alguns comentários do Livro do Êxodo

Sobre métodos de leitura

In the scholarly discourse, at least in Europe, the question of the historicity of the exodus plays only a minor role. Most research is not done on the question “whether the history is true or not”; the majority of works investigate the history of tradition of various aspects of the book of Exodus or its redactional history or its narrative structure or its different theological objectives (Wolfgang Oswald, University of Tübingen, Tübingen, Germany).

No meio acadêmico, pelo menos na Europa, a questão da historicidade do êxodo tem pouca importância. As obras, em sua maioria, não tentam definir se o êxodo do Egito foi um fato histórico ou não, mas pesquisam a história da tradição de vários aspectos do livro do Êxodo ou a sua história redacional ou sua estrutura narrativa ou seus diferentes objetivos teológicos, explica Wolfgang Oswald, da Universidade de Tübingen, Tübingen, Alemanha, na RBL).


Um bom livro sobre seis métodos de leitura do Livro do Êxodo pode ser:

:: DOZEMAN, T. B. (ed.) Methods for Exodus. Cambridge: Cambridge University Press, 2010, xiv + 254 p. - ISBN 9780521710015.

Este livro explica aos leitores como usar, com proveito, seis diferentes métodos na interpretação do livro do Êxodo:
. Dennis T. Olson escreve sobre a Leitura Literária e Retórica (Literary and Rhetorical Criticism), privilegiando uma abordagem centrada no texto em oposição a uma abordagem centrada no leitor ou no autor
. Kenton L. Sparks observa o texto a partir de seu Gênero Literário (Genre Criticism)
. Suzanne Boorer escreve sobre a Crítica das Fontes e da Redação (Source and Redaction Criticism)
. Jorge Pixley propõe uma Leitura Libertadora (Liberation Criticism), mostrando, na linha da Teologia da Libertação latino-americana, como o contexto do leitor marca fortemente a interpretação do texto bíblico
. Naomi Steinberg trabalha a Leitura Feminista (Feminist Criticism)
. Gale Yee explica como funciona a Leitura Pós-Colonial (Postcolonial Biblical Criticism)
Cada autor explica o surgimento e desenvolvimento do método usado e, em seguida, o aplica aos textos de Ex 1-2 e 19-20. Cada capítulo termina com uma bibliografia que indica ao leitor como aprender mais sobre o assunto. Thomas B. Dozeman, o organizador da obra, escreve o capítulo introdutório, onde explica a proposta do livro.

Este é o quarto volume da coleção Métodos de Interpretação Bíblica, publicada pela editora da Universidade de Cambridge. Os três primeiros volumes tratam de métodos para a leitura de Lucas (organizador: Joel B. Green), de Mateus (organizador: Mark Allan Powell) e dos Salmos (organizadora: Esther Marie Menn).

Resenha de Methods for Exodus: escrita por Brian D. Russell, do Asbury Theological Seminary, Orlando, Flórida, e publicada na RBL (Review of Biblical Literature) em 20/05/2011.

Methods for Exodus is a textbook on biblical methodology. The book introduces readers to six distinct methodologies that aid in the interpretation of the book of Exodus: literary and rhetorical, genre, source and redaction, liberation, feminist, and postcolonial criticisms. Describing each methodology, the volume also explores how the different methods relate to and complement one another. Each chapter includes a summary of the hermeneutical presuppositions of a particular method with a summary of the impact of the method on the interpretation of the book of Exodus. In addition, Exodus 1-2 and 19-20 are used to illustrate the application of each method to specific texts. The book is unique in offering a broad methodological discussion with all illustrations centered on the book of Exodus.

Methods for Exodus, edited by Thomas B. Dozeman, is the fourth volume in the series Methods in Biblical Interpretation. Earlier volumes include Methods for Luke, edited by Joel B. Green; Methods for Matthew, edited by Mark Allan Powell, and Methods for the Psalms, edited by Esther Marie Menn. The Methods in Biblical Interpretation series from Cambridge University Press seeks to introduce students and general readers of the Bible to six distinct hermeneutical approaches to the Hebrew Scriptures and the New Testament.

Review by Brian D. Russell, Asbury Theological Seminary, Orlando, Florida, RBL, published 05/20/2011.


Comentários

:: CHILDS, B. S. The Book of Exodus: A Critical, Theological Commentary. Louisville, KY: Westminster John Knox Press, [1974] 2004 , xxvi + 662 p. - ISBN 9780664229689

. Em espanhol: El libro del Éxodo: comentario crítico y teológico. Estella (Navarra): Verbo Divino, 2003, 632 p. - ISBN 9788481693997

Taking a pioneering approach to commentary writing, Brevard Childs gives an entirely original treatment to the book of Exodus. Apart from the philological notes and translation, this commentary of The Old Testament Library, includes a form-critical section, looking at the growth of the tradition in its previous stages; a consideration of the meaning of the text in its present form; and a consideration of its meaning in its total Old Testament context.

Coleção: The Old Testament Library.

Uma observação: este comentário, apesar de antigo, é sempre citado, por ser considerado um clássico. It's dated, but a classic in many respects.

Brevard Springs Childs (1923-2007) was Sterling Professor of Divinity and Fellow of Davenport College at Yale Divinity School in New Haven, Connecticut.


:: DOZEMAN, T. B. Exodus. Grand Rapids, MI: Eerdmans, 2009, xix + 868 p. - ISBN 9780802826176

In this volume Thomas B. Dozeman presents a fresh translation of the Hebrew text of Exodus along with a careful, critical interpretation of its central themes, literary structure, and history of composition. He explores two related themes in the formation of the book of Exodus: the identity of Yahweh, the God of Israel, and the authority of Moses, the leader of the Israelite people. Dozeman clarifies the multiple literary genres within the text, identifies only two separate authors in the book’s composition [P and Non-P: this Non-P History was written in the late exilic or early postexilic period and at many points presumes the Deuteronomistic History. Here and elsewhere Dozeman’s approach depends largely on the works of John Van Seters, whose positions he frequently employs], and highlights the rich insights that arise from the comparative study of the ancient Near Eastern literary tradition. Dozeman provides an extensive introduction in which he discusses the development of pentateuchal studies in recent decades, with special attention to German criticism. The genre of the narrative as a whole he defines as “salvation history. He dates the book to the late exilic period at the earliest.

Coleção: Eerdmans Critical Commentary.

Reviews by Frank H. Polak, RBL, published 09/16/2010, and by Wolfgang Oswald, RBL, published 12/24/2010.

Thomas B. Dozeman is Professor of Hebrew Bible at United Theological Seminary in Dayton, Ohio.


:: HOUTMAN, C. Exodus I-III. Leuven: Peeters, 1993-2000
. Volume 1: Chapters 1-7, 1993, 554 p. - ISBN 9789042924673
. Volume 2: Chapters 8-19, 1996, 466 p. - ISBN 9789042920064
. Volume 3: Chapters 20-40, 2000, xiv + 737 p. - ISBN 9789042908055

With the appearance of its final volume in English [translated by Sierd Woudstra], Cornelis Houtman's monumental, three-volume commentary on Exodus reaches a wider audience than could its Dutch original. The bibliography has been updated to produce a fairly full state of the field for the fin du millénaire. This Exodus passes well the prime test of any commentary: utility. The reader will find a full and clear discussion of almost any question (s)he might raise. Not only matters of original meaning, but also the history of interpretation are addressed (...) So magisterial and useful a volume requires no approbation and is immune to cavil. The reviewer can only congratulate Houtman on the completion of a Herculean labor (da resenha de William H. C. Propp ao volume 3)

Coleção: Historical Commentary on the Old Testament

Visualização no Google Books

Review - volume 3 - by William H. C. Propp, RBL, published 12/5/2001.

Uma observação: um quarto volume foi publicado em 2002, com índices e atualização bibliográfica. Veja:

HOUTMAN, C. Exodus, Volume 4 Supplement. Leuven: Peeters, 2002, viii + 70 p. - ISBN 9789042911260

This volume is the supplement to the three volumes C. Houtman wrote on Exodus. It contains the indexes to his commentary which are designed to provide easier access to the wide range of subjects touched on than would be possible solely through consulting tables of contents. They are intended as starting points to put the user on the track of further information found in the many references in the text itself. The index of Hebrew words and phrases contains an overview of almost all the terms used in Exodus. Omitted are prepositions and some pronouns and particles. Personal and geographical names are included in the index of subjects. He also took the opportunity to make many bibliographical additions, especially of recent literature.

Cornelis Houtman is Professor Emeritus of Old Testament at Kampen Theological University, The Netherlands


:: MEYERS, C. Exodus. New York: Cambridge University Press, 2005, xxiii + 311 p. - ISBN 9780521807814

This commentary views Exodus as a cultural document (see Jan Assmann), preserving the collective memories of the Israelites and relating them to the major institutions and beliefs that emerged by the end of the time of the Hebrew Bible. It is intended to help the reader follow the story line of Exodus, understand its socio-cultural context, appreciate its literary features, recognize its major themes and values, and also note its interpretive and moral problems. Carol Meyers explains important concepts and terms as expressed in the Hebrew original so that those who know Hebrew as well as those who don't will be able to follow the text.

Coleção: New Cambridge Bible Commentary.

Review by Christoph Dohmen, RBL, published 10/15/2006.

Carol Meyers is Professor of Religion at Duke University, Durham, NC.


:: PROPP, W. H. C. Exodus 1-18: A New Translation with Introduction and Commentary. New Haven: Yale University Press, 1999, xl + 680 p. - ISBN 9780300139389

"Exodus" is the heart of the Hebrew Bible, the defining moment in Israel's birth as a people, the dramatic triumph of their God. Yahweh, Pharaoh, Moses, Aaron, the Hebrew slaves, the plagues, the parting of the Red Sea - these larger-than-life characters and epoch-making events capture the imagination of everyone from biblical scholars to moviemakers. However, the meaning and significance, the beauty and nuance, of this captivating biblical book are lost unless we have a world-class Scripture scholar to open our eyes to its riches. In "Exodus 1-18", William H. C. Propp translates the original text in all its grandeur, then provides a masterful exploration and analysis of the book's first eighteen chapters. Here the fate of the Hebrew slaves hangs in the balance of the dramatic conflict between the God of Israel and the Pharaoh of Egypt. From the discovery of Moses in a basket made of bulrushes to the story of the Burning Bush, from the ten plagues visited upon Egypt by God to water from the rock and quail and manna from the skies, "Exodus" is filled with the miraculous and the dramatic. Doubleday is proud to be publishing the long-awaited first of two volumes of the "The Anchor Yale Bible Commentaries" on "Exodus". Exhaustive, meticulous, and brilliantly researched, Propp's "Exodus 1-18" is well worth the wait, exceeding expectations and meeting the reader's every need.

Coleção: The Anchor Yale Bible Commentaries.

Review by David Palmer, RBL, published 11/06/2000.

William Henry Covici Propp is Professor of History and Judaic Studies at the University of California, San Diego.


:: PROPP, W. H. C. Exodus 19-40: A New Translation with Introduction and Commentary. New Haven: Yale University Press, 2006, xxx + 865 p. - ISBN 9780300139396

The long-awaited conclusion of William H. C. Propp's masterful study of Exodus, this informative, clearly written commentary provides a new perspective on Israelite culture and on the role of ritual, law, and covenant in biblical religion."Exodus 19-40" sets a new standard in biblical scholarship. Thorough and up-to-date, it is the first commentary on Exodus to include critical textual evidence from the recently edited "Dead Sea Scrolls". Informed by Propp's deep understanding of ancient cultural mores and religious traditions, it casts new light on the Israelites' arrival at Sinai, their entry into a covenant with God, their reception of the Law, their worship of the golden calf, and their reconciliation to God.The incisive commentary on the building of the Holy Tabernacle - God's wilderness abode - is supplemented by numerous illustrations that clarify the biblical text. Propp extends the scope and relevance of this major work in five appendices that discuss the literary formation of the Torah, the historicity of the Exodus tradition, the origins of Israelite monotheism, the Exodus theme in the Bible, and the future of Old Testament scholarship. By taking an anthropological rather than strictly theological approach, Propp places familiar stories within a fresh context. The result is a fully accessible guide to one of the most important and best known books of the Bible.

Coleção: The Anchor Yale Bible Commentaries.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Big Linux 11.04 RC2: disponível para download

Saiu em 28 de junho de 2011 a nova versão do Big Linux: 11.04 RC2. Está bem estável, moderna e bonita. Experimentei ontem com um Live DVD e gostei. Tem um pouco mais de 1GB.

Big Linux é uma distribuição Linux criada e mantida por Bruno Gonçalves Araujo e colaboradores.

Big Linux 11.04 RC2: Brazilian distribution based on Debian, Ubuntu; Architecture i386; Desktop: KDE, Xfce; Category: Desktop; Live DVD, with support for hard disk install. Languages: en, pt_br.

Download :
. Link: http://biglinux.c3sl.ufpr.br/iso/biglinux-28-06-2011.iso
. Link alternativo: http://debian.pop-sc.rnp.br/mirror/biglinux/iso/biglinux-28-06-2011.iso
. Tamanho: 1060 MB, mas alguns programas identificam-no como 1GB. Gravar em DVD ou pen drive.
. MD5Sum: aacd9d83acf4ecc1e6ed04388b325bc6


Diz, no Fórum, o BigBruno:
Bom, com atrasos como já é de se esperar está disponível para download o RC2. Como podem notar, apesar de ter tentado por muito tempo não superar a barreira dos 700 MB isso estava limitando muito o meu trabalho, nesse RC2 teria que retirar ainda mais programas, então como não iria caber mesmo em um CD diversos programas foram adicionados, temos: wine, inkscape, blender, chromium, firefox, thunderbird, amsn, emesene, empathy, jogos... Pela primeira vez um iso que não precisou ter a parte de ajuda (doc e man) removidos e também ocorreu uma redução no tamanho dos blocos para compactação, de 256k para 128k, isso torna o uso do Live DVD ou do Pendrive mais rápido.


Links úteis:

:: Fórum Big Linux

:: Big Linux 11.04 RC2 no Fórum - links para download aqui

:: DistroWatch: Big Linux

:: Mini-review do Big Linux 4.2 - Carlos E. Morimoto em 6 de maio de 2009 às 15h38

:: Mais informações sobre Linux?

terça-feira, 19 de julho de 2011

Mês da Bíblia 2011: Ex 15,22-18,27 - Dois

Continuação do post anterior.

>> O Pentateuco

:: DA SILVA, A. J. O Pentateuco no Observatório Bíblico e na Ayrton's Biblical Page. Julho de 2011.
Resultado da busca personalizada do Google nas páginas do blog e do site.

:: DOZEMAN, T. B.; SCHMID, K. (eds.) A Farewell to the Yahwist? The Composition of the Pentateuch in Recent European Interpretation. Atlanta: Society of Biblical Literature, 2006, viii + 198 p. - ISBN 9781589831636. Free download here - disponível online aqui.
Since the “assured results” of scholarship are rarely certain, it should come as no surprise that the classical formulation of the Documentary Hypothesis has yet again been called into question. A growing consensus in Europe argues that the larger blocks of pentateuchal tradition, especially the stories of the patriarchs and Moses, were not redactionally linked before the Priestly Code, as the J hypothesis suggests, but existed side by side as two independent, rival myths of Israel’s origins. This volume makes available both the most recent European scholarship on the Pentateuch and its critical discussion, providing a helpful resource and fostering further dialogue between North American and European interpreters. The contributors are Erhard Blum, David M. Carr, Thomas B. Dozeman, Jan Christian Gertz, Christoph Levin, Albert de Pury, Thomas Christian Roemer, Konrad Schmid, and John Van Seters.

:: SCHWANTES, M. et al. Pentateuco. RIBLA, Petrópolis/São Leopoldo, n. 23, 1996/1. Disponível online, em espanhol, aqui.
El presente número de la Revista de Interpretación Bíblica Latinoamericana trata de abarcar todo el Pentateuco en sus principales problemas y temas, en una perspectiva latinoamericana. Los ensayos buscan ubicarse dentro de los actuales debates sobre el Pentateuco, reflejando el estado actual de la cuestión. En este sentido, este número se sitúa en el ámbito de los actuales problemas y temas en debate. Cf. neste número da RIBLA: SOUSA, Ágabo Borges de, “Experiencias de la caminata. Éxodo 15-18”: 23 (1996:1) 88-98.

:: SKA, J.-L. Introdução à leitura do Pentateuco: chaves para a interpretação dos cinco primeiros livros da Bíblia. São Paulo: Loyola, 2003, 304 p. - ISBN 8515024527
O objetivo do livro é orientar o leitor no difícil mundo do Pentateuco. A confusão reinante hoje no campo da origem e data do Pentateuco exige opções drásticas para alcançar essa meta. Este livro prepara o leitor para as controvérsias atuais e lhe fornece os instrumentos indispensáveis para uma leitura crítica do Pentateuco.


>> O Êxodo do Egito

:: DA SILVA, A. J. A história de Israel na pesquisa atual. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 71, p. 62-74, 2001 (texto online)
A “História de Israel” está mudando. O consenso existente até meados da década de 70 do século XX foi rompido. A paráfrase racionalista do texto bíblico que constituía a base dos manuais de “História de Israel” não é mais aceita. A seqüência patriarcas, José do Egito, escravidão, êxodo, conquista da terra, confederação tribal, império davídico-salomônico, divisão entre norte e sul, exílio e volta para a terra está despedaçada.

:: DA SILVA, A. J. A História de Israel no Debate Atual. Ayrton's Biblical Page, 2011.
Este artigo quer traçar um panorama destas mudanças pelas quais vem passando a ‘História de Israel’ nos últimos trinta e tantos anos, apontar as dificuldades que a crise vem criando e propor algumas pistas de leitura para os interessados no assunto.

:: DA SILVA, A. J. As Origens de Israel. Ayrton's Biblical Page, 2011.
Um apanhado das várias hipóteses sobre as origens de Israel. Pois não existe problema da história bíblica que seja mais difícil do que a reconstrução do processo histórico pelo qual as Doze Tribos do antigo Israel se estabeleceram na Palestina e norte da Transjordânia. De fato, a narrativa bíblica enfatiza os poderosos atos de Iahweh que liberta o povo do Egito, o conduz pelo deserto e lhe dá a terra, informando-nos, deste modo, sobre a visão e os objetivos teológicos dos narradores de séculos depois, mas ocultando-nos as circunstâncias econômicas, sociais e políticas em que se deu o surgimento de Israel.

:: DA SILVA, A. J. O Êxodo do Egito: da Bíblia à arqueologia. Post publicado no Observatório Bíblico em 20 de abril de 2008
Moisés pode não ter existido, sugere pesquisa arqueológica - Reinaldo José Lopes - Do G1, em São Paulo: 20/04/2008 - 09h00. Escavações e inscrições mostram que povo de Israel se originou dentro da Palestina. História sobre libertação do Egito teria influência de interesses políticos posteriores. Leia... eu também estou por lá!

:: DA SILVA, A. J. O Êxodo do Egito no Observatório Bíblico e na Ayrton's Biblical Page. Julho de 2011.
Resultado da busca personalizada do Google nas páginas do blog e do site.

:: DA SILVA, A. J. O Pentateuco e a História de Israel. In: TRASFERETTI, J.; LOPES GONÇALVES, P. S. (orgs.) Teologia na Pós-Modernidade: Abordagens epistemológica, sistemática e teórico-prática. São Paulo: Paulinas, [2003] 2007, 496 p. - ISBN 853561110X, p. 173-215.
Este livro tem três partes: uma epistemológica, outra sistemática e uma terceira sobre questões disputadas. Na primeira parte, buscou-se definir filosófica e sociologicamente a pós-modernidade. Na segunda, foram desenvolvidos temas dos tratados das áreas de Teologia Fundamental, Bíblia, Antropologia Teológica, Teologia Moral e Eclesiologia. Na terceira, foram explicitadas as questões disputadas na atualidade: a relação entre cristianismo e religiões não-cristãs, a pastoral universitária, a espiritualidade cristã, os desafios ao estudo da religião e o agir moral na atualidade. Os colaboradores, Manfredo Araújo de Oliveira, Luiz Roberto Benedetti, Félix Alejandro Pastor e Ney de Souza, na primeira parte; João Batista Libânio, Airton José da Silva, Pedro Carlos Cipolini, Paulo Sérgio Lopes Gonçalves e Sérgio da Rocha, na segunda parte; Mário de França Miranda, Maria Clara Lucchetti Bingemer, José Trasferetti, Pablo Barrera e Érico João Hammes, na terceira, garantem a qualidade do conjunto e oferecem uma leitura variada, sob certos aspectos polêmica, dos temas abordados.

:: FARIA, J. de F. (org.) História de Israel e as pesquisas mais recentes. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003, 181 p. - ISBN 8532628281
Este livro reúne o trabalho de cinco exegetas do grupo "Biblistas Mineiros" que pesquisaram acerca da História de Israel contada nos textos bíblicos e recuperada igualmente através da arqueologia e de documentos extra-bíblicos. São reflexões que incluem a possibilidade de se ler a História de Israel sob outros enfoques e de se falar não de História, mas de Histórias de Israel. O livro sugere ainda o repensar da historiografia sobre o assunto e retoma a história bíblica de Israel pelo viés da profecia e faz uma releitura desta história em forma de oração nos Salmos. Os autores: Jacir de Freitas Faria, Romi Auth, Airton José da Silva, Johan Konings e Jaldemir Vitório.

:: FINKELSTEIN, I.; SILBERMAN, N. A. A Bíblia não tinha razão [tradução de The Bible Unearthed: Archaeology's New Vision of Ancient Israel and the Origin of Its Sacred Texts]. São Paulo: A Girafa, 2003, 515 p. - ISBN 8589876187
Este aclamado livro [o significado do título em inglês é: A Bíblia Desenterrada: Uma Nova Visão Arqueológica do Antigo Israel e da Origem de seus Textos Sagrados], publicado em 13 línguas (dados de 2011), foi pensado como um instrumento para que o leitor leigo, mas interessado no assunto, possa ter acesso a um panorama atualizado do que seus autores acreditam ser evidências arqueológicas e históricas indispensáveis para uma nova compreensão do nascimento do antigo Israel e a emergência de seus textos históricos sagrados.

:: LIVERANI, M. Para além da Bíblia: História antiga de Israel. São Paulo: Loyola/Paulus, 2008, 544 p. - ISBN 9788515035557
As historias do antigo Israel sempre foram concebidas como uma espécie de paráfrase da narrativa bíblica. Esta obra de Mario Liverani, porém, é uma tentativa de reescrita da história de Israel que leva em consideração os resultados da crítica textual e literária, as contribuições da arqueologia e da epigrafia e que foi desenvolvida segundo os critérios da moderna metodologia historiográfica. Desta perspectiva resultam duas histórias: uma história normal dos dois pequenos reinos de Israel e Judá, semelhante àquelas de tantos outros pequenos reinos da região. E uma história inventada, construída pelos judaítas durante e após o exílio babilônico, que projetam no seu passado os problemas e as esperanças de sua época.

Mês da Bíblia 2011: Ex 15,22-18,27 - Um

Setembro é o Mês da Bíblia [para os católicos - para os evangélicos o Dia da Bíblia é, no Brasil, o segundo domingo de dezembro].

O Mês da Bíblia surgiu há 40 anos [1971] por ocasião do 50º aniversário da Arquidiocese de Belo Horizonte. Desde então tem destacado a importância da leitura, do estudo e da contemplação das Sagradas Escrituras. Na verdade, o Mês da Bíblia contribuiu muito para o desenvolvimento da Pastoral Bíblica no âmbito paroquial e diocesano... Em 2011, o texto proposto para ser aprofundado no estudo bíblico é Ex 15,22-18,27. Sobre as razões desta escolha, leia aqui e aqui.

Leia mais sobre o Mês da Bíblia e sua história aqui e aqui.

Observo que a bibliografia foi dividida em dois posts: Um - que é este aqui - e Dois.


Pequena bibliografia sobre o Livro do Êxodo, o Pentateuco e o Êxodo do Egito

>> O Livro do Êxodo

:: BALANCIN, E. M.; STORNIOLO, I. Como ler o livro do Êxodo: o caminho para a liberdade. 9. ed. São Paulo: Paulus, 1997, 64 p. - ISBN 8534901953
O livro do Êxodo exige do leitor uma tomada de posição porque trata de um conflito de interesses: um grupo humano quer sua liberdade (hebreus), mas a estrutura social em que vive (Egito) não lhe permite outra alternativa. Essa alternativa é impedida porque tal estrutura é criada e mantida por um grupo (Faraó) que detém o controle à custa da exploração e opressão. Diante disso, como encontrar o caminho para a liberdade? De que lado está Deus?

:: BERLEJUNG, A.; FREVEL, C. (orgs.) Dicionário de termos teológicos fundamentais do Antigo e do Novo Testamento. São Paulo: Loyola/Paulus, 2011, 536 p. - ISBN 9788515037872, verbete Êxodo.
Traduzido do original alemão de 2006, este dicionário comenta os termos, os conceitos e os temas centrais do Antigo e Novo Testamentos. É o mais atualizado do gênero em língua portuguesa. O verbete sobre o êxodo foi escrito por Ernst Axel Knauf, da Universidade de Berna, Suíça, e por Jürgen Zangenberg, da Universidade de Tilburg, Países Baixos.

:: BÍBLIA-GENTE Círculos bíblicos sobre o livro do Êxodo: números 1-4, setembro de 2011. Paulus/Centro Bíblico Verbo: São Paulo, 2011
A Paulus, em parceria com o Centro Bíblico Verbo, apresenta 4 círculos bíblicos para o Mês da Bíblia 2011 no folheto “Bíblia-Gente”. Com isso o leitor conhecerá mais o livro do Êxodo. Faça o download dos 4 arquivos em formato PDF e celebre em sua comunidade. O download pode ser feito também no Centro Bíblico Verbo.

:: CENTRO BÍBLICO VERBO A caminhada no deserto: entendendo o livro do Êxodo 15,22-18,27. São Paulo: Paulus, 2011, 112 p. - ISBN 9788534928045
O livro é a mais recente publicação da coleção "Do povo para o povo", que brotou da necessidade de socializar, numa linguagem simples e acessível, as descobertas da pesquisa bíblica. A equipe do Centro Bíblico Verbo tem por objetivo formar multiplicadores da Palavra e ter um texto elaborado a partir da experiência do povo. Por isso, a obra propõe elementos para entendermos o contexto em que os textos de Êxodo foram escritos, servindo de reflexão em encontros ou cursos bíblicos, oferecendo às pessoas e comunidades um roteiro simples com fundamentação bíblica para assuntos importantes na Pastoral. A leitura divide-se em cinco encontros. Cada um traz orientações sobre o tema proposto, situando, comentando e aprofundando o texto sugerido para os debates.

:: CNBB Travessia: passo a passo, o caminho se faz - Ex 15,22-18,27. Brasília: CNBB, 2011, 88 p. - ISBN 9788579720864
Este livro apresenta subsídios para estudo, reflexão, oração e prática para o mês da Bíblia de 2011. Foi pensado como material de apoio, isto é, traz elementos informativos a serem desenvolvidos posteriormente e indica também roteiros práticos, que podem orientar grupos de reflexão e leitura orante sobre o assunto. O tema do mês da Bíblia de 2011 é “Travessia: passo a passo, o caminho se faz”. Essa travessia segue o roteiro apresentado em Ex 15,22-18,27. A escolha se justifica, pois o êxodo e a caminhada são realidades vividas no dia a dia do povo de Deus. Também nós estamos em contínuo movimento de vencer etapas e realizar projetos.

:: COMISSÃO EPISCOPAL PARA A ANIMAÇÃO BÍBLICO-CATEQUÉTICA A Cartilha da Caminhada: Mês da Bíblia 2011 (Êxodo 15-18). Catequese e Bíblia - 25 de abril de 2011
Subsídio da Comissão Bíblico-Catequética da CNBB, que vai orientar as comunidades, círculos bíblicos e catequese nos seus encontros do mês da Bíblia de 2011.

:: DA SILVA, V. Deus ouve o clamor do povo: teologia do êxodo. São Paulo: Paulinas, 2010, 113 p.
O Êxodo, ou seja, a libertação dos hebreus da escravidão do Egito, considerado o gesto fundador do Povo de Deus, é, para Valmor da Silva, antes de tudo, um fato histórico, que precisa ser entendido no seu contexto político, social, econômico e étnico. Por isso a obra começa mostrando o que há por trás do acontecimento, desde a história de José do Egito até a saída do povo, cujo clamor foi ouvido por Deus, que lhe proporcionou um grande profeta e legislador, Moisés, que opera grandes prodígios, torna-se mediador da Aliança e é capaz de conduzir o povo através do deserto para a terra prometida. O Êxodo tornou-se assim o paradigma da relação libertadora de Deus com o povo e passa a ser objeto de sucessivas releituras e inúmeras aplicações, tanto no Primeiro como no Segundo, ou novo Testamento, se considerarmos a novidade trazida por Jesus. O livro termina com uma explicação detalhada do que foi a Teologia da Libertação nas suas origens, como resultado da Teologia da Revolução, e em que sentido, a consideração de novos sujeitos lhe imprime hoje novas orientações. Uma bibliografia selecionada permite aprofundar os pontos centrais da obra.

:: DOZEMAN, T. B. Exodus. Grand Rapids, MI: Eerdmans, 2009, 888 p. - ISBN 9780802826176
In this volume Thomas B. Dozeman presents a fresh translation of the Hebrew text of Exodus along with a careful, critical interpretation of its central themes, literary structure, and history of composition. He explores two related themes in the formation of the book of Exodus: the identity of Yahweh, the God of Israel, and the authority of Moses, the leader of the Israelite people. Dozeman clarifies the multiple literary genres within the text, identifies only two separate authors in the book’s composition, and highlights the rich insights that arise from the comparative study of the ancient Near Eastern literary tradition. Also treating the influence of Exodus in the history of Jewish and Christian interpretation, Dozeman’s comprehensive commentary will be welcomed by Old Testament scholars. Resenhas na RBL por Frank H. Polak, publicada em 16/09/2010, e por Wolfgang Oswald, publicada em 24/12/2010.

:: LOPES, M. Deus liberta escravos e faz nascer um povo novo: Êxodo 15 a 18. São Leopoldo: CEBI/Paulus, 2011, 74 p. - ISBN 9788577331284
Hoje, há muita gente que sai em busca de trabalho e conforto em países desenvolvidos, às vezes clandestinamente, caindo nas armadilhas das máfias do tráfico de seres humanos, do trabalho escravo, da prostituição obrigada, da mais perversa escravidão humana. O caminho da libertação se faz dentro deste processo de saída. É caminho de humanização, de resgate da dignidade, de sentido para a vida, de sonho coletivo, garante Mercedes Lopes.

:: MESTERS, C.; OROFINO, F. A Caminhada do Povo de Deus. Os desafios da travessia: Ex 15-18. São Leopoldo: CEBI, 2011, 48 p. - ISBN 9788577331253
Caminhada era a palavra mais usada pelos primeiros cristãos para designar o movimento suscitado por Jesus. Não se tratava de uma caminhada qualquer, mas sim de uma travessia: sair de uma situação de opressão e de não vida para uma vida plena. O livro traz oito círculos bíblicos sobre Ex 15,22-18,27, texto que reúne alguns episódios da caminhada dos israelitas em sua busca da terra.

:: PIXLEY, G. V., Êxodo. São Paulo: Paulus, 1987, 252 p. - ISBN 8505006224 [o livro em português está esgotado, mas o original espanhol está disponível online aqui]
O autor aborda o êxodo, neste comentário, em permanente relação com a realidade latino-americana. Tem presente a ciência bíblica e, ao mesmo tempo, as experiências do povo que luta por sua libertação.

:: SAB Aproximai-vos da presença do Senhor (Ex 16,9): Mês da Bíblia 2011. São Paulo: Paulinas, 2011, 56 p.
Subsídio pastoral para o Mês da Bíblia 2011, produzido pelo Serviço de Animação Bíblica (SAB), este texto está dividido em quatro encontros e uma celebração final. Seu objetivo é facilitar o estudo dos textos de Ex 15,22-18,27 em círculos bíblicos, nas pastorais ou por pessoas interessadas em acompanhar as atividades do mês de setembro, escutando e aprofundando a Palavra. Neste ano, a CNBB propõe uma ligação entre o Ex 15,22-18,27 e o estudo da Iniciação Cristã. Por isso, a proposta deste livro é estudar simultaneamente os textos escolhidos do Livro do Êxodo e relacioná-los com passagens que tratam da mesma temática no Novo Testamento, a fim de refletir sobre alguns pontos da Iniciação Cristã, como os sacramentos ou a vivência em comunidade.

:: SCHWANTES, M. et al. A memória popular do êxodo. 2. ed. Estudos Bíblicos, Petrópolis, n. 16, 1996, 84 p.
Este número 16 da revista Estudos Bíblicos sugere uma leitura do êxodo a partir de sua origem e desenvolvimento na memória popular. O êxodo é memorial de libertação na qual se revela a presença e o nome de Iahweh: o Deus dos pais, o Deus dos hebreus, o Deus presente é aquele que liberta da escravidão e assegura um novo modelo igualitário de vida das tribos. Artigos de Milton Schwantes, Hans Alfred Trein, Ana Flora Anderson e Gilberto Gorgulho, Carlos Arthur Dreher, Sandro Gallazzi, José Comblin. Duas recensões escritas por Ludovico Garmus: J. Severino Croatto, Êxodo: uma hermenêutica da liberdade e George V. Pixley, Êxodo.

:: VAN IERSEL, B.; WEILER, A. et al. Êxodo: paradigma sempre atual. Concilium, Petrópolis, n. 209, 1987, 144 p.
O tema do Êxodo é tratado em quatro seções: I. Dados bíblicos (artigos de Rita Burns, Erich Zenger e Jay Casey); II. Wirkungsgeschichte [= História da Recepção] (artigos de Pinchas Lapide, John Newton, Anton Weiler e Wesley Kort); III. Movimentos contemporâneos (artigos de Enrique Dussel, Josiah Young e Dianne Bergant); IV. Avaliação e conclusão hermenêutica (artigos de Gregory Baum, David Tracy e José Severino Croatto).

:: VV.AA. Animação Bíblica da Pastoral: passo a passo a travessia se faz. Vida Pastoral, São Paulo, n. 280, setembro-outubro de 2011, 64 p.
A revista Vida Pastoral de setembro-outubro de 2011 - ano 52 - n. 280, traz 4 textos sobre Ex 15,22-18,27. Pode-se fazer o download deste número da Vida Pastoral, que está disponível na Internet, no site da Paulus/Paulinos, em formato pdf. Os textos foram escritos pela Equipe do Centro Bíblico Verbo, destacando-se os nomes de Maria Antônia Marques e Shigeyuki Nakanose. Observo aqui que os artigos são versões um pouco mais resumidas de 4 dos 6 textos que foram publicados pelo mesmo Centro Bíblico Verbo no livro A caminhada no deserto: entendendo o livro do Êxodo 15,22-18,27. São Paulo: Paulus, 2011, 112 p.- ISBN 9788534928045.

Leia Mais
Mês da Bíblia 2011: Ex 15,22-18,27 - Dois
Mês da Bíblia 2011: subsídios apresentados pelos alunos

domingo, 17 de julho de 2011

Recuperação das entrevistas dos biblioblogueiros

John F. Hobbins, em seu biblioblog Ancient Hebrew Poetry, anuncia hoje, no post Links to the Biblioblogs.com 2009 Interview Archive, que começou a recuperar os links de todas as entrevistas dos biblioblogueiros publicadas, entre 2005 e 2009, no site, atualmente desativado, Biblioblogs.com, [parte do conteúdo pode ser visto no arquivo da Wayback Machine].

Ótima notícia.

Eu já havia recuperado e publicado no Observatório Bíblico, em 20 de novembro de 2010, a minha entrevista: Biblioblogueiro do Mês: Setembro de 2006.

John Hobbins faz algumas considerações interessantes:
  • This post is the first of a series in which I will resurrect interviews which first appeared on the now defunct site of biblioblogs.com - Este post é o primeiro de uma série na qual eu recuperarei as entrevistas que apareceram no agora desativado site Biblioblogs.com
  • A gripe I will air right away: it is sad that some biblical bloggers, when they hang up their skates, delete their past blogging from the internet. One of the consequences of blog-deletion is that links to posts and comments on the deleted blog no longer work - Um desabafo que eu quero fazer já: é triste que alguns biblioblogueiros, quando "penduram as chuteiras", apaguem seus antigos blogs da Internet. Uma das consequências da exclusão de um blog é que os links para posts e comentários no blog excluído ficam quebrados em outras páginas
  • The biblioblog.com collection of interviews (December 2005 - July 2009) throws a retrospective spotlight on the intersection of blogging and biblical studies - A coleção de entrevistas de Biblioblogs.com (dezembro de 2005 a julho de 2009) ilumina, em retrospectiva, a intersecção entre o blogar e os estudos bíblicos
  • It was Mark Goodacre and Steve Caruso - Caruso is the blogger and librarian extraordinaire who is doing more than anyone else of late to index and catalogue biblioblogdom - who reminded me of the need to make the archive available - Foram Mark Goodacre e Steve Caruso que me lembraram da necessidade de tornar o arquivo de Biblioblogs.com disponível. Caruso é o blogueiro e bibliotecário extraordinário que está indexando e catalogando a biblioblogosfera, de um modo que ninguém jamais fez...

Resenhas na RBL - 14.07.2011

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Alicia J. Batten
Friendship and Benefaction in James
Reviewed by Oda Wischmeyer

Michael W. Duggan
The Consuming Fire: A Christian Guide to the Old Testament
Reviewed by Wilhelm J. Wessels

Steven J. Friesen, Daniel N. Schowalter, and James C. Walters, eds.
Corinth in Context: Comparative Studies on Religion and Society
Reviewed by Dennis E. Smith

Marianne Bjelland Kartzow
Gossip and Gender: Othering of Speech in the Pastoral Epistles
Reviewed by Korinna Zamfir

Jerome Murphy-O'Connor
Keys to Second Corinthians: Revisiting the Major Issues
Reviewed by Victor Paul Furnish
Reviewed by vanThanh Nguyen

David S. Powers
Muhammad Is Not the Father of Any of Your Men: The Making of the Last Prophet
Reviewed by Joel Stephen Williams

Christopher Rollston
Writing and Literacy in the World of Ancient Israel: Epigraphic Evidence from the Iron Age
Reviewed by Johannes Schnocks
Reviewed by Ian Young

Robert L. Webb and Duane F. Watson, eds.
Reading Second Peter with New Eyes: Methodological Reassessments of the Letter of Second Peter
Reviewed by David K. Burge

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Resenhas na RBL - 10.07.2011

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Amar Annus and Alan Lenzi
Ludlul Bel Nemeqi: The Standard Babylonian Poem of the Righteous Sufferer
Reviewed by Christopher A. Rollston

Willis Barnstone
The Restored New Testament: A New Translation with Commentary, Including the Gnostic Gospels Thomas, Mary, and Judas
Reviewed by Marvin J. Hudson

Rowan A. Greer
Theodore of Mopsuestia: Commentary on the Minor Pauline Epistles
Reviewed by Frederick G. McLeod

David G. Horrell, Cherryl Hunt, Christopher Southgate, and Francesca Stavrakopoulou, eds.
Ecological Hermeneutics: Biblical, Historical and Theological Perspectives
Reviewed by Russell Pregeant

Matthew W. Mitchell
Abortion and the Apostolate: A Study in Pauline Conversion, Rhetoric, and Scholarship
Reviewed by William S. Campbell

John J. Ranieri
Disturbing Revelation: Leo Strauss, Eric Voegelin, and the Bible
Reviewed by George Heyman

Sandra L. Richter
The Epic of Eden: A Christian Entry into the Old Testament
Reviewed by Russell Meek
Reviewed by Stephen Moyise

Richard G. Smith
The Fate of Justice and Righteousness during David's Reign: Narrative Ethics and Rereading the Court History According to 2 Samuel 8:15-20:26
Reviewed by Walter Dietrich

Einar Thomassen, ed.
Canon and Canonicity: The Formation and Use of Scripture
Reviewed by Donatella Scaiola

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Joseph Moingt: o presente e o futuro do catolicismo

Joseph Moingt : un sage dans l’Église
Le P. Joseph Moingt a beau avoir 95 ans, il ne s'arrête pas de penser à son Église, l'Église catholique romaine. Découvrez les bonnes feuilles de son dernier livre Croire quand même, libre entretien sur le présent et le futur du catholicisme. L’homme qui venait de Dieu et Dieu qui vient à l’homme, publiés dans la prestigieuse collection « Cogitatio fidei » des éditions du Cerf, ont fait de Joseph Moingt un des grands théologiens catholiques du XXe siècle et une référence pour les catholiques d’ouverture. Dans un livre d’entretien mené par Karim Mahmoud-Vintam, Croire quand même (Temps présent), le penseur jésuite, aujourd’hui âgé de 95 ans, prend le temps de développer sa vision apaisée d’un catholicisme actuel. Spécialiste de christologie, qu’il enseigna longtemps dans les facultés jésuites, il a acquis la conviction que si l’on ne tourne par son regard sur l’homme, tout rapport au Christ est vain. "Le chrétien doit garder sa foi, non pour sauver la religion ou l’institution qui lui est liée mais pour sauver une certaine idée de l’homme dont l’idée de Dieu est le garant." Dans un texte très lisible, Joseph Moingt s’applique à dédramatiser ce qui tourmente aujourd’hui nombre de fidèles: divisions internes, maladresses de l’institution. Il appelle à dissocier la foi des concepts de croyance et de religion. À ceux qui "trouvent les traditions dogmatiques de l’Église incompréhensibles", cet éternel chercheur conseille "de ne pas s’en encombrer et de se contenter de lire et d’étudier les Évangiles, qui présentent aussi des difficultés, mais d’une autre nature". Au soir d’une vie bien remplie, un sage nous offre de découvrir un catholicisme serein et déculpabilisant...

Extraits...

Par Philippe Clanché - Témoignage Chrétien: 2 décembre 2010


Joseph Moingt: um sábio na Igreja
Mesmo tendo 95 anos, o padre Joseph Moingt não para de pensar na sua Igreja, a Igreja Católica Romana. Descubra as belas páginas do seu último livro Croire quand même : Libres entretiens sur le présent et le futur du catholicisme (Crer apesar de tudo: conversa livre sobre o presente e o futuro do catolicismo). L'homme qui venait de Dieu (O homem que vinha de Deus) e Dieu qui vient à l'homme (Deus que vem ao homem), publicados na prestigiada coleção "Cogitatio fidei" das Éditions du Cerf [foram publicados no Brasil pela Loyola], fizeram de Joseph Moingt um dos grandes teólogos católicos do século XX e uma referência para os católicos abertos. Em um livro-entrevista de Karim Mahmoud-Vintam, Croire quand même (Ed. Temps Présent), o pensador jesuíta, hoje com 95 anos, desenvolve com calma a sua visão reconfortante de um catolicismo atual. Especialista em cristologia, tendo lecionado por muito tempo nas faculdades jesuítas, ele adquiriu a convicção de que se não voltarmos o olhar ao homem, toda relação com Cristo é vã. "O cristão deve conservar a sua fé, não para salvar a religião ou a instituição que lhe é relacionada, mas para salvar uma certa ideia do homem da qual a ideia de Deus é garantia". Em um texto muito acessível, Joseph Moingt busca desdramatizar aquilo que atormenta hoje muitos fiéis: divisões internas, equívocos da instituição. Ele convida a dissociar a fé dos conceitos de crença e de religião. Àqueles que consideram "as tradições dogmáticas da Igreja incompreensíveis", esse incansável pesquisador aconselha a "não carregar esse peso e a se contentar em ler e em estudar os Evangelhos, que também apresentam dificuldades, mas de outra natureza". Ao entardecer de uma vida plena, esse ensaio nos oferece a possibilidade de descobrir um catolicismo sereno e desculpabilizante.

Eis alguns trechos do livro...

Fonte: Notícias: IHU On-Line: 17/07/2011


Joseph Moingt, jésuite, est né en 1915 à Salbris (Loir-et-Cher). Après les études habituelles de philosophie et de théologie à la Compagnie de Jésus, il a suivi l'École Pratique des Hautes Études et a soutenu une thèse de théologie à l'Institut Catholique de Paris. Il a enseigné la théologie successivement à la Faculté jésuite de Lyon-Fourvière, à l'Institut Catholique de Paris et aux Facultés de Philosophie et de Théologie de la Compagnie de Jésus à Paris (Centre Sèvres). Il a dirigé la revue Recherches de Science religieuse de 1968 à 1997. Livres de l'Auteur...

Joseph Moingt: nascido em 1915, foi sucessivamente professor de teologia na Faculdade Jesuíta de Lyon-Fourvière, no Institut Catholique de Paris e nas Faculdades de Filosofia e Teologia da Companhia de Jesus em Paris (Centre Sèvres). Dirigiu a revista Recherches de Science Religieuse de 1968 a 1997.

MOINGT, J. Croire quand même: Libres entretiens sur le présent et le futur du catholicisme. Paris: Temps Présent, 2010, 243 p. - ISBN 9782916842103.

Présentation de l'éditeur
Fuite des fidèles, dissensions internes, tarissement du clergé, conflits d'autorité, méfiance envers la science théologique et biblique, remises en ordre et mesures de restauration, rapports distendus entre Rome, les Eglises locales et les communautés de fidèles, etc. Telles sont, en vrac et en gros, les questions vitales qui me furent posées et qui seront agitées dans ce livre. Questions périlleuses, parce qu'elles mettent en cause des structures organiques, questions surtout troublantes pour la foi de notre temps. j'ai accepté néanmoins d'en traiter parce qu'elles me sont familières et me hantent. Beaucoup de fidèles hésitent à rester dans l'Eglise ou à la quitter, comme tant d'autres l'ont déjà fait, ce qui revient souvent, pour eux, à se demander s'ils vont lutter pour garder une fiai vivante ou la laisser s'en aller par fidélité à leurs propres exigences de vérité. Le titre donné à ces entretiens, Croire quand même, exprime le message, de compréhension et d'encouragement, que ce livre voudrait porter à ses lecteurs.

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Jornadas Teológicas do Cone Sul e Brasil

Teólogos se reformulam diante de temas emergentes
As Jornadas Teológicas do Cone Sul e Brasil se concluirão amanhã (15) com propostas que buscam ajudar a Igreja Católica a se reformular frente a novos temas como a atual crise institucional e a outros não abordados pelo Concílio Vaticano II. Pelo menos 200 participantes argentinos, brasileiros, uruguaios, paraguaios e chilenos refletiram durante três jornadas consecutivas em torno de temáticas atuais que a Igreja necessita se reformular para buscar uma solução à crise institucional. Em dez mesas de trabalho, os participantes debateram os questionamentos atuais sobre Deus, a religião nas universidades, a relação da teologia com as Ciências Sociais e Naturais, a compreensão do nome e a natureza, a postura teológica indígena e a participação da mulher. Roberto Urbina, Secretário Geral da atividade, antecipou que as conclusões se centrarão principalmente na vigência do Concílio Vaticano e no diálogo entre a teologia e a ciência, conversa que durante anos tem sido "distante, longe e às vezes fechada”. "A teologia tem que se abrir pelo menos para escutar e acolher as interpelações que faz a ciência. Tem que levar em conta suas apresentações, conhecê-las, entendê-las e desde aí ver o que diz a teologia. Não são caminhos paralelos”, sustentou. Urbina comentou também que a inclusão da mulher e dos povos originários neste debate são temas que não fazem parte do último Concílio, mas que "hoje é necessário que se incorporem entre os diálogos da Igreja”.

Por Orlando Milesi - Adital: 14/07/2011

Teólogos se replantean ante temas emergentes
Las Jornadas Teológicas del Cono Sur y Brasil concluirán mañana (15) con propuestas que buscan ayudar a la Iglesia Católica a replantearse frente a nuevos temas como la actual crisis institucional y a otros no abordados por el Concilio Vaticano II. Unos doscientos participantes argentinos, brasileros, uruguayos, paraguayos y chilenos, reflexionaron durante tres jornadas consecutivas en torno a las temáticas actuales que la Iglesia necesita replantearse para buscar una solución a la crisis institucional. En diez mesas de trabajo, los participantes debatieron los cuestionamientos actuales sobre Dios, la religión en las universidades, la relación de la teología con las Ciencias Sociales y Naturales, la comprensión del hombre y la naturaleza, la postura teológica indígena y la participación de la mujer. Roberto Urbina, Secretario General de la actividad anticipó que las conclusiones se centrarán principalmente en la vigencia del Concilio Vaticano, y el diálogo entre la teología y la ciencia conversación que durante años ha sido "distante, lejana y a veces cerrada”. "La teología tiene que abrirse por lo menos a escuchar y acoger las interpelaciones que hace la ciencia. Hay que tomar en cuenta sus planteamientos, conocerlos, entenderlos y desde ahí ver lo que dice la teología. No son caminos paralelos”, sostuvo. Urbina comentó, asimismo, que la inclusión de la mujer y los pueblos originarios en este debate son temas que no forman parte del último Concilio, pero que "hoy es necesario que se incorporen entre los diálogos de la Iglesia”.

Por Orlando Milesi - Adital: 14/07/2011


Leia Mais:
A recepção do Vaticano II na América Latina
Jornadas e Congresso de Teologia - Adital

Bíblia e Memória Cultural: Davies e Hendel em diálogo

Dois artigos, publicados na revista The Bible and Interpretation, que valem a pena para quem trabalha com História de Israel:

:: Biblical History and Cultural Memory - Por Philip R. Davies, Professor Emérito da Universidade de Sheffield, Reino Unido - Abril de 2009

:: Cultural Memory and the Hebrew Bible - Por Ronald Hendel, Professor de Bíblia Hebraica e Estudos Judaicos, Universidade da Califórnia, Berkeley, USA - Julho de 2011

Os dois artigos trabalham o conceito de memória cultural [confira um bom texto em PDF: Cultural Memory, no site de Ronald Hendel] em relação com a Bíblia Hebraica e a história bíblica.

Memória cultural costuma ser definida como a memória que está ligada à tradição e que é transmitida de uma geração para outra. Ela está primeiramente apenas no imaginário, mas passa a ser reconhecida e aceita pela memória coletiva que é responsável pela identidade de um grupo. A memória cultural trabalha reconstruindo cenas que cada sociedade considera necessárias, segundo sua situação particular e presente. A Mnemohistória, por exemplo, abandona o foco sobre o passado, centrando-se na forma como esse passado é lembrado no momento presente e afirmando que o passado pode ser remodelado, inventado e reconstruído. O passado, segundo esta perspectiva, é mutável, admitindo novas leituras a partir do presente.


Leia Mais:
Philip R. Davies: Memories of Ancient Israel

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Todos os artigos de Comblin em Estudos Bíblicos

O número 109 da revista Estudos Bíblicos - janeiro/março de 2011 - foi elaborado pelo grupo do Rio de Janeiro. O tema é Tolerância e intolerância religiosa. Diz Carlos Frederico Schalepfer no editorial: "Neste número da revista Estudos Bíblicos dedicamos nossa reflexão à questão da (in)tolerância na Bíblia, procurando contribuir nesta formação continuada da tolerância em nossas vidas".

São 6 artigos, uma recensão é uma lista com todos os artigos publicados na Estudos Bíblicos por José Comblin, falecido em março de 2011. A lista foi elaborada por Ludovico Garmus, editor responsável pela Estudos Bíblicos na Vozes. Diz Garmus sobre Comblin:
Como exegeta [Nota: a tese de doutorado de Comblin em Lovaina tratou do Apocalipse: La Liturgie de la Nouvelle Jérusalem (Apoc 21:1-22:5) . ETL 29 (1953) - Cf. também na BnF] foi um dos inspiradores do Comentário Bíblico de caráter ecumênico, ligado à Teologia da Libertação, publicado pela Editora Vozes (RJ), Imprensa Metodista (SP) e Editora Sinodal (RS) e comentou as Epístolas aos Efésios, aos Colossenses, a Filêmon, aos Filipenses e a Segunda Carta aos Coríntios [atualmente este comentário está sendo reeditado pela Loyola]. Foi também um dos fundadores da revista Estudos Bíblicos, integrando o Conselho da mesma revista e foi um assíduo colaborador (...) Abaixo trazemos a lista dos artigos com que enriqueceu a publicação de nossa revista Estudos Bíblicos [o modo de citar os 22 artigos foi ligeiramente modificado por mim].

1984
. A mensagem da epístola de São Paulo a Filêmon. Petrópolis, n. 2, p. 50-70.

1986
. A oração profética. Petrópolis, n. 10, p. 28-44.

1987
. Jesus Profeta. 3. ed. Petrópolis, n. 4, p. 41-59.
. Paulo e a mensagem de liberdade. Petrópolis, n. 14, p. 64-70.

1988
. O Êxodo na teologia paulina. Petrópolis, n. 16, p. 76-80.
. O batismo do ministro da rainha da Etiópia. Petrópolis, n. 17, p. 63-68.
. Os escravos e o Evangelho de Paulo. Petrópolis, n. 17, p. 69-75.

1990
. A composição sociológica da comunidade de Filipos. Petrópolis, n. 25, p. 34-42.
. As linhas básicas do Evangelho segundo Mateus. Petrópolis, n. 26, p. 9-18.
. Justiça e lei no Evangelho segundo Mateus. Petrópolis, n. 26, p. 19-27.
. A romaria no Novo Testamento. Petrópolis, n. 28, p. 33-41.

1993
. O caminho da sabedoria. Petrópolis, n. 37, p. 9-17.
. Jesus conselheiro. Petrópolis, n. 37, p. 40-47.

1995
. A fome e a Bíblia. Petrópolis, n. 46, p. 25-32.

1998
. Apocalíptica judaica - Apocalíptica cristã. Petrópolis, n. 59, p. 37-42.
. O Apocalipse de João e o fim do mundo. Petrópolis, n. 59, p. 44-52.

1999
. A cristologia do Evangelho segundo Marcos. Petrópolis, n. 64, p. 36-42.

2001
. A ressurreição nos Atos dos Apóstolos. Petrópolis, n. 70, p. 65-72

2003
. Cidadania, lei e liberdade. Petrópolis, n. 79, p. 101-110.

2005
. Corporeidade e Bíblia. Petrópolis, n. 87, p. 57-64.

2007
. A Bíblia e o compromisso social. Petrópolis, n. 95, p. 9-16.

2008
. Ler a Bíblia. Petrópolis, n. 100, p. 26-32.


Leia Mais:
Publicações de José Comblin: WorldCat, Paulus, Cultura, Amazon.com

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Morreu o teólogo Felix Pastor (1933-2011)

Leio em Notícias: IHU On-Line de 12/07/2011:

Morreu Felix Pastor, padre jesuíta e professor de teologia
Morreu ontem, dia 11 de julho, no Rio de Janeiro, Felix Alejandro Pastor Piñero, 78 anos, padre jesuíta, professor emérito da Pontifícia Universidade Gregoriana, Roma. Conhecido como Padre Pastor, ele viveu muitas décadas no Colégio Pio Brasileiro, em Roma, tendo orientado uma multidão de estudantes brasileiros de teologia nas suas teses de doutorado. Todos os anos, durante o período de férias na Europa, ele vinha para o Rio de Janeiro, onde dava aulas no Curso de Teologia da PUC-Rio. Na última quinta-feira, ele chegou ao RIo para ministrar o seu curso. Ele morreu, repentinamente, na Residência Padre Leonel Franca, dos padres jesuítas que trabalham na PUC-Rio.

Pastor foi meu professor na Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma. Estudei Trindade com ele, na graduação, na década de 70. Foi um trabalho danado para ele nos fazer entender Karl Rahner e outros teólogos alemães nas páginas do Mysterium Salutis. Mas ele foi paciente conosco. Como nas aulas as ideias não ficavam suficientemente claras para nossos poucos conhecimentos dos pressupostos destes teólogos, criamos, com ele, em casa, um seminário sobre a disciplina, onde discutíamos com mais vagar teorias tão complexas para nós.

Entretanto, Pastor foi mais do que meu professor: morávamos na mesma casa, no Colégio Pio Brasileiro. Convivi com ele durante 6 anos, de 1970 a 1976. Pastor foi um grande amigo. Especialmente durante os meus 3 anos de mestrado gostávamos muito de trocar ideias.
Felix Pastor (1933-2011)

Teve uma época em que andamos de "cara virada" um para o outro: ele queria que eu fizesse pós-graduação em uma das áreas da Teologia Sistemática e eu queria - e fiz - pós-graduação em Bíblia. Como ele era orientador de estudos na casa, sua insistência me causou alguns transtornos. Mas essa frieza durou pouco, pois, em pouco tempo, nós nos tornamos muito mais amigos do que antes. Nos meus dois últimos anos em Roma, ele, como responsável pela biblioteca do Pio Brasileiro, me pediu para indicar os livros da área bíblica que deveriam ser comprados. O que fiz com muito prazer, "rato de biblioteca" que sempre fui. Ia, com o funcionário da biblioteca, meu amigo Juarez, às livrarias e enchíamos uma van de livros de Bíblia para a biblioteca do Pio. Dava gosto.

Por pura coincidência, no dia 11, segunda-feira, passei o dia todo na Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, em Belo Horizonte, a FAJE. Estava na reunião anual dos Biblistas Mineiros, examinando, com uma dúzia de colegas, os artigos de nosso próximo número da revista Estudos Bíblicos, que sairá em 2012.

Descanse em paz, ilustre professor.


Transcrevo, a seguir, a nota de Paulo Fernando Carneiro de Andrade, teólogo, professor na PUC-Rio sobre a morte de Pastor. Também publicada por Notícias: IHU On-Line, ontem, dia 12 de julho de 2011.

Pe Felix Alejandro Pastor sj por Paulo Fernando Carneiro de Andrade
Faleceu dia 11 de junho no Rio o Pe Felix Alejandro Pastor sj. Nascido em 1933 na Galícia, fez os votos religiosos na Companhia de Jesus em 1950. Junto com outros jesuítas espanhóis foi destinado ao Brasil, aonde chegou jovem e fez seus estudos, tendo sido ordenado em 1963. Possuindo notável vocação teológica após seu doutorado foi chamado a ser Professor da Pontifícia Universidade Gregoriana e Diretor de Estudos do Colégio Pio Brasileiro em Roma. Durante décadas alternou suas funções em Roma com a participação, durante as férias do verão europeu, nas atividades de ensino no Departamento de Teologia da PUC - Rio, ministrando disciplinas de pós Graduação e mesmo de graduação. Distinguia-se por sua erudição e sólido conhecimento teológico, por um profundo amor a Igreja e um trato afável com os estudantes e colegas, muitos dos quais se tornaram amigos por toda a vida. Autor de uma obra teológica vasta e consistente dirigiu mais de 150 teses de doutorado, tendo sido formador de um grande número de teólogos e teológas brasileiros, muitos dos quais foram chamados ao episcopado e mesmo ao cardinalato como D. Scherer de São Paulo. Sua contribuição para a Igreja do Brasil é inestimável. Pe. Pastor tinha especial afeição pelo Rio de Janeiro. Chegou de Roma quinta feira dia 7 de julho para lecionar um seminário na Pós-Graduação da PUC-Rio entre os meses de agosto e setembro. Sua morte deu-se no dia em que se abria o 24º Congresso da SOTER onde se encontram vários de seus orientandos e provocou grande consternação.


Transcrevo também o texto, mais longo e detalhado, de Faustino Teixeira, publicado no Amai-vos, em Notícias: IHU On-Line e também no blog do Faustino, Diálogos, em 12/07/2011:

Felix Pastor, orientador e amigo (1933-2011)

"Nós, teólogos brasileiros, perdemos no dia 11 de julho um grande mestre e amigo. Deixou-nos o padre Felix Pastor, que tinha recém chegado de Roma para a sua temporada no Rio de Janeiro, onde também lecionava. Não há como lembrar de sua presença senão com alegria e saudade e hoje, em especial, muita saudade. Foram inúmeros teólogos brasileiros e latino-americanos que passamos por sua competente e atenta orientação. Impressionante a sua capacidade de doação e a argúcia de seu método. Foi alguém que abriu as portas da Pontifícia Universidade Gregoriana para muitos dos teólogos pesquisadores que se encontram hoje atuando em Universidades e Institutos Teológicos no Brasil e tantas outras localidades. Como bem acentuou o cardeal Aloísio Lorscheider, no prefácio de obra em sua homenagem, Pastor 'é um benemérito da Igreja universal e, de modo especial, da Igreja que está no Brasil. A Igreja do Brasil deve muito a este sacerdote zeloso e dedicado. Várias gerações passaram por suas mãos' (O mistério e a história. São Paulo: Loyola, 2003). Tive em particular essa alegria de poder conviver de perto com esse grande mestre. Um contato que começou quando era estudante do mestrado em teologia na PUC-RJ, numa época de grande florescimento da teologia, marcada pela presença de muitos jovens estudantes leigos.

Tinha nascido no período a idéia de trazer Felix Pastor para ajudar no ensino e na orientação dos estudantes de teologia. Sua vinda foi celebrada por todos, e assim nasceu uma parceria maravilhosa. A cada ano, Pastor dedicava um semestre ao ensino na Gregoriana e o outro na PUC-RJ. Essa presença no Brasil foi geradora de muitas vocações teológicas. Muitos de nós, seus alunos na PUC, fomos recebidos por ele com afeto e alegria na Gregoriana, para os estudos doutorais. E isso também foi favorecido pela grande sensibilidade de Pastor aos temas candentes da teologia latino-americana, como a teologia da libertação, as comunidades eclesiais de base e as pastorais sociais. Estávamos diante de um teólogo apaixonado pelo tema do Reino e da História.

Num de seus livros, dedicados a esta questão, dizia com segurança: 'Descobrindo a unidade teológica da história dos homens, criados a participar da salvação escatológica, a Teologia da Libertação descobre a unidade profunda do temporal e do espiritual, do escatológico e do histórico, do individual e do comunitário, do religioso e do político'. A teologia para ele estava diante de uma tarefa nova e fundamental: armar sua tenda na história dos humanos, sem perder jamais, a sedução do Mistério. A salvação deixa de ser uma questão extra-terrena e passa a ocupar o cenário das lutas do dia-a-dia: 'A salvação cristã inclui a realidade do homem novo e da nova terra, em que habita a justiça. Postular a sua realização e lutar pelo seu advento não é uma usurpação prometeica, mas uma exigência da ética cristã'. Esse foi o aprendizado que dele recebemos, e que foi decisivo para as nossas trajetórias.

Pastor foi também um grande teólogo, possuidor de invejável cultura teológica, mas que não ficava restrita a esse campo do saber.

Impressionava sua abertura ao universo da literatura, do cinema e da arte em geral. Sua paixão teológica voltava-se, de modo particular, para dois grandes clássicos da teologia: Agostinho e Paul Tillich. A eles dedicou inúmeros cursos, conferências e muitos artigos, publicados em periódicos reconhecidos internacionalmente. Admirava igualmente Karl Rahner, e com grande maestria nos ajudava a desvendar as difíceis e sedutoras entranhas desse grande teólogo alemão. Não me esqueço de suas brilhantes e instigantes intervenções no seminário em torno do Curso fundamental da fé, de Karl Rahner, dado na Gregoriana. Foram aulas que abriram horizontes inesperados para reflexões futuras.

Nascido na Galícia, em 25 de fevereiro de 1933, entrou para a Companhia de Jesus em novembro de 1950. Os estudos de filosofia foram realizados na Universidade de Comillas, a partir de 1954, depois de formação em Letras Clássicas, Humanidades e Retórica no Colégio de Salamanca. Veio em seguida, em 1957, a destinação missionária para o Brasil, instalando-se na Província Jesuítica Goiano-Mineira, na época do padre João Bosco Penido Burnier. O noviciado foi realizado em Itaici, São Paulo, e os trabalhos pedagógicos no Colégio Loyola de Belo Horizonte. Os estudos de teologia iniciaram-se em 1960, no Colégio Máximo Cristo Rei, em São Leopoldo (RS), tendo prosseguimento na Alemanha, na Faculdade de Teologia da Hochschule Sankt-Georgen (Frankfurt/Main), onde concluiu seu bacharelado, em 1962. Sua ordenação presbiteral aconteceu em 27 de agosto de 1963, na catedral de Frankfurt. Motivado pelo então provincial, Marcelo de Azevedo, foi cursar o doutorado em teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana (Roma), na época do evento conciliar. A conclusão do doutorado ocorreu em junho de 1967, com tese orientada por Donatien Mollat (SJ), versando sobre tema eclesiológico em E. Schweizer. Sua tese foi publicada em 1968 na prestigiosa coleção Analecta Gregoriana (vol. 168 – La eclesiología Juanea según E.Schweizer). A partir de outubro de 1967 ficou responsável pela direção espiritual do Colégio Pio Brasileiro, em Roma. E também a partir desse ano iniciou suas atividades acadêmicas na Gregoriana.

Dentre suas inúmeras publicações, destacam-se os livros: Existência e Evangelho (1973), O reino e a história (1982), Semântica do Mistério (1982) e a Lógica do inefável (1986 e 1989). No campo do ensino, dedicou-se em particular aos temas relacionados à Eclesiologia, ao Tratado de Deus e outras questões teológicas e ecumênicas. Merece destaque sua atenção à problemática teológica latino-americana, como bem destacado por Maria Clara L. Bingemer e Paulo Fernando Carneiro de Andrade: 'Sua ligação com a América Latina e com a teologia produzida deste lado do mundo, juntamente com sua sensibilidade social e seu profundo sentido de justiça, fizeram igualmente do Pe. Pastor um exímio especialista e agudo crítico da teologia latino-americana, tendo ministrado cursos, publicado vários trabalhos e orientado diversas teses sobre o tema da relação entre Teologia e Práxis, e sobre as tendências mais atuais da teologia do continente'.

Pude também encontrar nele um importante apoio em momento delicado de meu retorno ao Brasil, quando titubeava o processo de autorização canônica para o meu retorno à PUC-RJ. Ele veio prontamente em minha defesa, junto com Juan Alfaro, desanuviando os sombrios horizontes. Essa é uma marca importante na personalidade de Felix Pastor: o profundo respeito pela reflexão de seus orientandos. Mesmo que não partilhasse inteiramente das posições teológicas de seus alunos, incentivava a reflexão mantendo sempre acesa a imprescindível chama do direito à liberdade de expressão. É um dos exemplos mais bonitos que pude verificar nessa trajetória de caminhada comum e que busco manter vivo na experiência com meus alunos.

O toque decisivo de sua atuação estava no dom da orientação acadêmica. É difícil encontrar um orientador com tamanha capacidade de desbravar caminhos e horizontes. As dificuldades trazidas por seus orientandos ganhavam com ele sempre uma solução precisa. Os alunos entravam em seu gabinete preocupados com o destino de seu trabalho e saíam sorridentes com as soluções encaminhadas. Era sobretudo um grande pedagogo, com impressionante experiência nesse campo de apoio, presença e orientação dos alunos. E essa prática vinha amparada por muitos anos de experiência com a análise psicanalítica. Seus cursos de metodologia ficam guardados na memória. Trouxe essa experiência em aulas memoráveis, sobretudo na PUC-RJ, mas também em outros centros de estudo como a Faculdades dos Jesuítas (FAJE) e a Universidade Federal de Juiz de Fora, onde também esteve presente algumas vezes para falar de sua experiência de orientação acadêmica.

É difícil precisar o número exato de seus orientandos no mestrado e no doutorado. Foram, certamente, mais de 350 estudantes que passaram por essa rica experiência. No âmbito do doutorado, foram mais de 90 teses por ele orientadas, das quais cerca de 55 de alunos brasileiros. Entre alguns dos doutores que passaram por sua orientação: Álvaro Barreiro e Alfonso Garcia Rúbio (1972-1973), Mário de França Miranda (1973-1974), Carlos Palacio (1975-1976), Juan A.R. de Gopegui (1976-1977), Ênio José da Costa Brito (1978-1979), Valdeli Carvalho da Costa (1980-1981), Faustino Teixeira e Antônio Jose de Almeida (1985-1986), Alexander Otten e Vitor G. Feller (1986-1987), Elias Leone, Maria Clara L. Bingemer e Paulo Fernando Carneiro de Andrade (1988-1989), Afonso Murad (1991-1992), Paulo Sérgio Lopes Gonçalves (1996-1997), Laudelino José Neto (1997-1998), Antônio Reges Brasil (2000-2001), Marcial Maçaneiro e Paulo César Barros (2000-2001) e muitos outros.

O bonito é perceber que ele deixou entre nós um exemplo vivo de paixão e testemunho, de maravilhosa abertura ao Mistério sempre maior. Dele guardamos o carinho e o largo sorriso, de um orientador, mas sobretudo um amigo sempre presente. Eu estava particularmente feliz ao poder reencontrar-me com ele num simpósio internacional de teologia, previsto para acontecer em setembro de 2011 na PUC-RJ. Não contava os dias para esse encontro. Infelizmente, esse diálogo ficou adiado para mais adiante. Fico com a bela imagem de sua presença amiga, regada pela alegria de encontros maravilhosos, tanto no Brasil como na Itália. Seguindo uma pista de Walter Rauschenbusch, Pastor deixa-nos como herança 'a graça de ter um coração valente, para que possamos caminhar por esta estrada com a cabeça levantada e com um sorriso no rosto'”.


Leia Mais:
Padre Felix Pastor: Teologia hoje e Sempre - Maria Lucia Gomes de Matos, em Amai-vos

terça-feira, 12 de julho de 2011

O que é um biblioblog?

O que é um biblioblog? O que é um blog sobre estudos bíblicos? O que caracteriza um blog como biblioblog? Quem deve ser chamado de biblioblogueiro e quem não deve?

Um biblioblog é um blog que trata de estudos acadêmicos da Bíblia. A biblioblog is a blog which promotes academic study of the Bible. Ou, dito de outro modo, é um blog que tem como foco principal pesquisas bíblicas realizadas, geralmente, por exegetas.

Leia primeiro: Jim Davila fala sobre os biblioblogs no século XXI e SBL 2010: considerações e links interessantes

Contudo a discussão sobre o que é um biblioblog não tem fim. Confira Briga de foice no escuro e What is a Biblioblog? [observe as datas dos posts!]

Mas, sendo a vez, sendo a hora,
Um biblioblogueiro
entende,
atende,
toma tento,
avança,
peleja
e faz!

Veja uma amostra do mais recente banzé-de-cuia sobre o assunto:

:: Who/What Is A Biblioblogger? - Posted on July 10, 2011, 2011 by Scott Bailey

:: Who/What is Biblioblogger? (via Scotteriology) - Posted on 10 July 10, 2011 by Jim West

:: So, Let’s Discuss What a “Biblioblog” Is - Posted on July 10, 2011 by Steve Caruso

:: The New Criteria To Be A Biblioblog - Posted on July 10, 2011 by Rod of Alexandria

:: What is a Biblioblog? - Posted on July 10, 2011 by James F. McGrath

:: Once more, what makes a biblioblogger? - Posted on July 11, 2011 by Chris Brady

:: (Possible) Bibliobloggers and #ManlyMen Discuss Biblioblogging and Bullying - Posted on July 11, 2011 by James F. McGrath

:: What Is a ‘Biblioblog’? The Discussion Continues - Posted on July 11, 2011 by Tom Verenna

sábado, 9 de julho de 2011

Israel Finkelstein e colegas: o "problema de Jerusalém"

Artigo de Israel Finkelstein, Ido Koch e Oded Lipschits, da Universidade de Tel Aviv, Israel, sobre o espinhoso problema arqueológico de Jerusalém na Idade do Ferro.

Problema complexo mesmo, pois escavações em grande escala no Monte do Templo não são possíveis. Eles defendem, no artigo, que Jerusalém, entre os séculos X e VIII AEC e, depois, na Época Helenística (a partir do século IV AEC) era um pequeno povoado, mas hoje difícil de ser explorado, pois ficava no que chamamos de Monte do Templo e cujos vestígios foram destruídos por Herodes Magno (37-4 AEC) quando este mandou construir a grande esplanada no local.

O artigo, que foi publicado em The Journal of Hebrew Scriptures, – Volume 11, Article 12, em 2011, é:

FINKELSTEIN, I; KOCH, I.; LIPSCHITS, O. The Mound on the Mount: A Possible Solution to the “Problem with Jerusalem”

Diz o abstract:
Following Knauf's suggestion (2000), the article raises the possibility that in most periods in the second and first millennia BCE the main built-up area of Jerusalem was limited to a mound on the Temple Mount. This mound, which may have covered an area of five hectares and more, was boxed-in under the Herodian platform. At these periods activity in the City of David ridge was restricted to the area near the Gihon spring. In the Iron IIB and late Hellenistic Periods the fortified settlement expanded simultaneously to both the City of David ridge and the southwestern hill. In these two periods there was no need to fortify the western side of the City of David, as this line ran in the middle of the city.

Ou seja: seguindo a sugestão de Ernst Axel Knauf, da Universidade de Berna, Suíça [2000: Jerusalem in the Late Bronze and Early Iron Ages: A Proposal. Tel Aviv 27: 75–90], o artigo levanta a possibilidade de que na maior parte dos segundo e primeiro milênios AEC a principal área construída de Jerusalém se limitava a uma colina no Monte do Templo. Esta área, que pode ter coberto pouco mais de cinco hectares, está sob a esplanada construída por Herodes. Nestes períodos, vida ativa poderia ser detectada na área próxima da fonte Gihon. No Idade do Ferro IIB [X-VIII séculos AEC] e na Era Helenística o povoado fortificado se expandiu simultaneamente para a Cidade de Davi e para o cume da colina sudoeste. Nestes dois períodos não havia necessidade de fortificar o lado ocidental da Cidade de Davi [os autores estão usando o termo "cidade de Davi" em seu significado arqueológico mais comum: that is, the ridge to the south of the Temple Mount and west of the Kidron Valley, also known as the southeastern hill].

O artigo explica ainda que não há solução definitiva para o caso, e o que os autores querem é apenas colocar a sua proposta em debate:
The theory of “the mound on the Mount” cannot be proven without excavations on the Temple Mount or its eastern slope — something that is not feasible in the foreseen future. Indeed, Na’aman (1996: 18-19) stated that since “the area of Jerusalem's public buildings is under the Temple Mount and cannot be examined, the most important area for investigation, and the one to which the biblical histories of David and Solomon mainly refer, remains terra incognita”, and Knauf (2000: 87) maintained that “Abdi-Khepa's and David's Jerusalem lies buried under the Herodian through-Islamic structures of the Temple Mount, thus formulating a hypothesis which cannot be tested or refuted archaeologically.” We too regard our reconstruction below as no more than a hypothesis. In other words, for clear reasons — the inability to check our hypothesis in the field — we cannot present a well-based solution for the “problem with Jerusalem.” Rather, our goal in this paper is to put this theory on the table of scholarly discussion.


Leia Mais:
Israel Finkelstein
Oded Lipschits
Arqueologia em Jerusalém