segunda-feira, 14 de março de 2011

A sociedade atual e a metafísica da destruição

Tragédias naturais expõem perda da noção de limite
Nas catástrofes atuais [como a do Japão - 11/03/2011], parece que vivemos um paradoxo: se, por um lado, temos um desenvolvimento vertiginoso dos meios de comunicação, por outro, a qualidade da reflexão sobre tais acontecimentos parece ter empobrecido, se comparamos com o tipo de debate gerado pelo terremoto de Lisboa, no século XVIII, que envolveu alguns dos principais pensadores da época. A humanidade está bordejando todos os limites perigosos do planeta Terra e se aproxima cada vez mais de áreas de riscos, como bordas de vulcões e regiões altamente sísmicas, construindo inclusive usinas nucleares nestas áreas. A idéia de limite se perdeu e a maioria das pessoas não parece muito preocupada com isso. A Terra e a natureza não são prioridades para a sociedade contemporânea. Propagandas de bancos, operadoras de cartões de crédito e empresas telefônicas fazem a apologia do mundo sem limites e sem fronteiras, do consumidor que pode tudo. Kant já refletia sobre nossos limites.

O artigo é de Marco Aurélio Weissheimer e foi publicado por Carta Maior em 12/03/2011.

Leia o texto completo.

Atualização: Japão: níveis de radiação disparam após incêndio e explosão em Fukushima - Folha: 15/03/2011 04h30


Leia Mais:
Terremoto no Japão 2011: Especial Folha
Fotos do terremoto que atingiu o Japão
Imagens de satélite mostram Japão antes e depois do terremoto do dia 11 de março de 2011
O Japão pode estar próximo de um acidente nuclear grave

Nenhum comentário:

Postar um comentário