terça-feira, 30 de março de 2010

Entre o templo e os escribas, fico com os profetas

O professor, historiador e editor Jaime Pinsky escreveu um belíssimo texto sobre a Páscoa: O sentido universal da Páscoa judaica.

Que vale a pena reproduzir aqui. Além disso, cabe também como comemoração de minha postagem #2000 no Observatório Bíblico [It is also a celebration of my post #2000 in the Observatório Bíblico]...

O artigo foi publicado ontem, dia 29/03/2010 na Folha de São Paulo [link só para assinantes do jornal]. E reproduzido por Notícias - IHU On-Line: 29/03/2010, onde o encontrei, e outros, como a Professora Claúdia Andréa Prata Ferreira em seu blog Estudos Bíblicos. Eis o artigo:

O calendário registra nesta semana a Páscoa dos judeus e a dos cristãos. Ambas as comemorações tiveram a mesma origem, afastaram-se e negaram-se ao longo da história e tendem a aproximar-se novamente.

O reconhecimento da origem judaica de Jesus, agora um fato religioso indiscutível, diminuiu bastante o número daqueles que apregoavam distância e até hostilidade entre os seguidores das duas religiões.

Resquícios da Idade Média (quando se pregava, em púlpitos de igrejas, massacres contra os judeus pelo fato de estes, supostamente, beberem sangue de garotos católicos em suas ceias de Pessach, a páscoa judaica) fazem parte de um passado que quase ninguém quer reviver.

Até a velha malhação do Judas, como metáfora do judeu supostamente traidor, mudou o seu caráter. Agora os Judas de sábado de aleluia são traidores mais reais, facilmente encontráveis no mundo político.

Os judeus fazem hoje à noite uma ceia de Pessach, e tradicionalmente se diz que ela registra "a saída dos judeus do Egito", comandados por Moisés, há uns 35 séculos.

Entretanto, não foram encontradas evidências da ida ou mesmo da presença do povo hebreu no Egito, nesse período, mesmo porque ainda não havia um povo hebreu. É difícil, portanto, falar de sua saída.

Com certeza poderíamos considerar a travessia (do Egito para a Terra Prometida, da escravidão para a liberdade) um mito de criação, desses que todos os povos, nações, religiões e etnias têm.

Claro que havia um grande movimento de povos do deserto atrás do grande oásis que era o Egito, irrigado e fertilizado pelo Nilo. Por vezes eles se integravam e se diluíam entre a população egípcia, por vezes eram expulsos quando seu trabalho não mais era necessário, como ocorre com imigrantes de países pobres em nações mais desenvolvidas.

Esses povos devem ter aprendido muito com a civilização egípcia, da qual levaram cultura material e simbólica para outros lugares, como a então terra de Canaã.

Algumas tribos com esse histórico desenvolveram língua própria, cultura específica e unificaram-se em um reino, lá pelo ano 1000 a.C., sob o comando de Saul, Davi e Salomão, este poderoso o suficiente para construir o Templo de Jerusalém.

Desmandos do poder e injustiças sociais enfraqueceram as monarquias (que haviam se dividido em Israel e Judá) e propiciaram o surgimento dos chamados profetas sociais - Amós e Isaías, entre outros -, que inovaram pregando o monoteísmo ético, conjunto de valores que passaram a fazer parte do patrimônio cultural da humanidade e se encontram na própria base do judaísmo (assim como do cristianismo).

Aí voltamos para o Pessach e nos perguntamos por que essa é uma comemoração milenar.

Alguns responderão com o judaísmo institucional, que lamenta até hoje a destruição do Templo de Jerusalém e do poder monárquico, do qual os sacerdotes eram uma espécie de funcionário religioso.

Outros acenam com o judaísmo dos escribas, a letra da lei e dos seus intérpretes, que exigem rituais imutáveis.

Quem não os seguir literalmente vai "acertar suas contas com Deus nesta ou em outra vida". Esse tipo de judaísmo considera razoável uma dicotomia entre a vida cotidiana e o ritual religioso, bastando seguir este com propriedade para que os pecados, eventualmente ocorridos naquela, sejam absolvidos sem maiores problemas. E os rabis milagreiros, além dos místicos sábios, estariam aí para nos explicar "a" verdade.

O problema é que a intermediação entre o judeu e seu Deus é a negação da essência do judaísmo (o monoteísmo ético), que busca igualar todos os homens e os estimula a ler e compreender o que leram, exatamente para ter acesso à palavra divina.

Entre o templo e os escribas, fico com os profetas.

Um povo é um grupo com a consciência de um passado comum. Não é fundamental que o passado comum tenha realmente existido, basta a consciência da existência dele: ao escolher a herança judaica, cada indivíduo passa a ser depositário de um universo de valores.

Não interessa se há 3.000 anos seus ancestrais já eram judeus, não importa se ele é descendente de cázaros judaizados durante a Idade Média ou de ucranianos convertidos após 1648.

Não vem ao caso se optou por seu judaísmo há um ano ou uma semana. O importante não é a origem étnica, nem a lamentação pelo templo destruído e muito menos a prática de rituais mecanicamente executados.

A grande travessia, aquela que marcou a humanidade, foi a de um mundo aético para um mundo ético, de um olhar para si mesmo para um olhar para o outro, de uma existência solitária para uma existência solidária.

Sim, Pessach é uma travessia. Que só tem sentido se for feita na companhia de todos os irmãos de raça, a raça humana.

Sobre o autor:
Jaime Pinksy é historiador, editor e professor aposentado da Unicamp. Doutor e livre docente pela USP. Foi também professor na Unesp (Assis) e na USP. Colaborou na criação das revistas Debate & Crítica, Contexto, Anais de História e Religião e Sociedade. Concebeu e dirige a Editora Contexto . Concebeu e dirigiu a Editora da Unicamp. Foi colaborador das editoras Brasiliense, Global e Atual. Autor, co-autor ou organizador de mais de duas dezenas de livros, entre os quais História da Cidadania, As primeiras civilizações, O Brasil tem futuro? e Origens do Nacionalismo Judaico (informações colhidas no site de Jaime Pinsky).

Resenhas na RBL: 25.03.2010

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Kenneth E. Bailey
The Cross and the Prodigal: Luke 15 through the Eyes of Middle Eastern Peasants
Reviewed by Robert O'Toole

Craig G. Bartholomew
Ecclesiastes
Reviewed by Richard Schultz

Manfred T. Brauch
Abusing Scripture: The Consequences of Misreading the Bible
Reviewed by Michael D. Matlock

Brendan Byrne
A Costly Freedom: A Theological Reading of Mark's Gospel
Reviewed by Sean Kealy

Duane L. Christensen
Nahum: A New Translation with Introduction and Commentary
Reviewed by Klaas Spronk

Sarah Coakley and Charles M. Stang, eds.
Re-thinking Dionysius the Areopagite
Reviewed by Ilaria L. E. Ramelli

Gary N. Knoppers and Kenneth A. Ristau, eds.
Community Identity in Judean Historiography: Biblical and Comparative Perspectives
Reviewed by Rainer Kessler

R. W. L. Moberly
The Theology of the Book of Genesis
Reviewed by Brian D. Russell

Stanley E. Porter and Mark J. Boda, eds.
Translating the New Testament: Text, Translation, Theology
Reviewed by Douglas Moo

John M. Steele, ed.
Calendars and Years: Astronomy and Time in the Ancient Near East
Reviewed by Mladen Popovic

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

segunda-feira, 29 de março de 2010

Aniversário de Israel Finkelstein

E por falar em arqueologia [post anterior, sobre o C-14]...

Hoje o arqueólogo Israel Finkelstein está comemorando 61 anos de vida.

Parabéns, Professor Finkelstein!

Sobre o mais importante arqueólogo da Palestina na atualidade, suas pesquisas e publicações, cf. aqui.

Novo método não destrutivo de datação por C-14

"Cientistas apresentam novo método de datação por carbono 14 [Como funciona a datação por Carbono 14?] que poderia ser usado para avaliar objetos históricos (...) A famosa análise que determina a idade de artefatos antigos é muitas vezes rejeitada por museus e historiadores porque exige que um pedaço da peça seja removido. O novo método, apresentado na terça feira [23 de março de 2010] durante o 239º Encontro Nacional da Sociedade Americana de Química (ACS) em São Francisco, dispensa essa e outras etapas que destroem parte da amostra. Ele foi criado por uma equipe liderada pelo Dr. Marvin Rowe, professor emérito da Universidade Texas A&M. A datação de carbono convencional estima a idade de artefatos baseado na taxa de decaimento do isótopo radioativo carbono-14 – uma variante do carbono que existe em todos os seres vivos. Isso significa que todo material de origem animal ou vegetal (como tecidos, ossos, couro) pode ser datado por meio desse método. O primeiro passo é remover uma amostra dos objetos que será tratada com um ácido forte e uma base forte e, em seguida, queimada em uma pequena câmara de vidro. Esse processo irá produzir o gás dióxido de carbono cujo carbono 14 será analisado. Cientistas então comparam a quantidade do isótopo encontrada na amostra com a quantidade de C-14 que estaria presente na atmosfera de um período específico da historia. Na nova técnica do dr. Rowe, chamado de 'datação de carbono não destrutiva', o artefato é colocado em uma câmara especial com um plasma (um gás eletricamente carregado). De forma lenta e suave, este gás oxida a superfície do objeto e produz carbono 14 para análise sem danificá-lo. Isso significa que o objeto não é mutilado. Os pesquisadores usaram o método para analisar cerca de 20 substâncias orgânicas que já haviam passado pela análise antiga, entre elas madeira, couro, pelo de coelho, um osso com carne mumificada e um tecido egípcio de 1.350 anos. Todos os resultados bateram com aqueles da datação convencional. Tanto o método antigo como o novo podem estimar objetos de até 50 mil anos. Como a câmara de vidro pode ser feita para acomodar grandes objetos, os pesquisadores estão entusiasmados com o método, que pode ser adotado para analisar objetos dos quais não é possível retirar freqüentes amostras..."

Fonte: Paula Rothman - INFO Online - 26 de março de 2010 - 09h44


New method could revolutionize dating of ancient treasures
"Scientists today described development of a new method to determine the age of ancient mummies, old artwork, and other relics without causing damage to these treasures of global cultural heritage. Reporting at the 239th National Meeting of the American Chemical Society (ACS), they said it could allow scientific analysis of hundreds of artifacts that until now were off limits because museums and private collectors did not want the objects damaged. 'This technique stands to revolutionize radiocarbon dating,' said Marvin Rowe, Ph.D., who led the research team. 'It expands the possibility for analyzing extensive museum collections that have previously been off limits because of their rarity or intrinsic value and the destructive nature of the current method of radiocarbon dating' (...) Rowe explained that the new method is a form of radiocarbon dating, the archaeologist's standard tool to estimate the age of an object by measuring its content of naturally-occurring radioactive carbon. A professor emeritus at Texas A&M University College Station, Rowe teaches at a branch of the university in Qatar. Traditional carbon dating involves removing and burning small samples of the object. Although it sometimes requires taking minute samples of an object, even that damage may be unacceptable for some artifacts. The new method does not involve removing a sample of the object. Conventional carbon dating estimates the age of an artifact based on its content of carbon-14 (C-14), a naturally occurring, radioactive form of carbon. Comparing the C-14 levels in the object to levels of C-14 expected in the atmosphere for a particular historic period allows scientists to estimate the age of an artifact. Both the conventional and new carbon dating methods can determine the age of objects as far back as 45,000 to 50,000 years, Rowe said. In conventional dating methods, scientists remove a small sample from an object, such as a cloth or bone fragment. Then they treat the sample with a strong acid and a strong base and finally burn the sample in a small glass chamber to produce carbon dioxide gas to analyze its C-14 content. Rowe's new method, called 'non-destructive carbon dating,' eliminates sampling, the destructive acid-base washes, and burning. In the new method, scientists place an entire artifact in a special chamber with a plasma, an electrically charged gas similar to gases used in big-screen plasma television displays. The gas slowly and gently oxidizes the surface of the object to produce carbon dioxide for C-14 analysis without damaging the surface, he said. Rowe and his colleagues used the technique to analyze the ages of about 20 different organic substances, including wood, charcoal, leather, rabbit hair, a bone with mummified flesh attached, and a 1,350-year-old Egyptian weaving. The results match those of conventional carbon dating techniques, they say (...) The scientists are currently refining the technique..."

Fonte: EurekAlert! - March 23, 2010

Mais links para esta notícia podem ser encontrados em Explorator 12.49, de 28 de março de 2010, na seção Other Items of Interest.

sábado, 27 de março de 2010

Como bloquear janelas pop-up de publicidade

>> Última atualização: 20.08.2013 - 15h30

Pop-up é uma janela extra que se abre automaticamente, ou não, no navegador, quando você visita uma página web ou acessa um link específico. O recurso pop-up é utilizado pelos criadores de sites para oferecer alguma informação útil, mas, o que incomoda é que são muito utilizadas como meio de propaganda [advertising]. E podem também ser criadas como instrumento para golpes e para apresentação de softwares perigosos.

Mas há um modo fácil de evitar janelas pop-up com ads (de "advertising" = publicidade).

:: Em geral, todas as versões mais recentes dos navegadores possuem bloqueadores nativos de pop-ups, que podem ser ativados ou desativados no menu. O problema é que nem sempre funcionam muito bem. A seguir, algumas sugestões:

:: No Firefox, pouco importa se em sistemas Windows ou Linux, é só usar os complementos [add-ons] Adblock Plus e NoScript. Com configurações corretas [no Adblock Plus clique em Configurações e ative o filtro EasyList (USA)], as propagandas não passam. Mas lembre-se de que há dezenas de filtros à disposição do usuário. Confira Known Adblock Plus Subscriptions. Já o NoScript protege o Firefox de códigos maliciosos. Veja também outros complementos na categoria Privacidade e segurança.

:: No Internet Explorer use a extensão Adblock Plus. No Internet Explorer 8 pode-se usar o IE7Pro. Para configurar, clique em Configuração > Geral e Complementos e ative as opções de "Funções Básicas", "Bloqueador de Anúncios" e "Scripts & Plugins". E em Filtragem de Conteúdo marque as opções "Ativar o Filtro de Anúncios" e "Ativar regras de filtragem padronizada". A barra de ferramentas, novidade que veio na versão 2.4.8, lançada em 22 de março de 2010, pode ser desativada, se o usuário desejar, no menu do navegador, como o IE8, clicando em Exibir > Barras de Ferramentas > Grab Pro, mas deixando desmarcados, neste ponto, os três complementos listados, para que não sejam desativados. Pode-se experimentar também o AdFender. Confira, além disso, para outras opções, Best Free Add-ins for Internet Explorer e Probably the Best Free Security List in the World - Browser Security


:: No Google Chrome use extensões como AdBlock, Adblock Plus e ScriptSafe.

:: Para outros navegadores, como Opera e Safari, não possuo conhecimento suficiente para opinar. Mas sei que o Opera é apreciado por seus fãs também por incorporar nativamente bloqueadores de publicidade [ads]. Extensões com boa avaliação dos usuários? Tente aqui, onde vejo o AdBlock e o Adblock Plus.

:: E o Safari? Dê uma olhada em Safari Adblock Extension, do site Pimp My Safari. Explicações sobre o uso de plugins no Safari podem ser lidas, em português, no tutorial Incrementando o Safari, escrito por Marco Andrei Kichalowsky em 16 de abril de 2009, lembrando, porém, que a matéria já é um pouco antiga...


Leia Mais:
How to Harden Your Browser Against Malware and Privacy Concerns [várias recomendações úteis e atualizadas do site Gizmo's Freeware]

sexta-feira, 26 de março de 2010

Programas gratuitos para estudos bíblicos

No Gizmo's Freeware Reviews você pode ver:

Best Free Bible Study Software


Ou seja: Os melhores programas gratuitos para o estudo da Bíblia.

Talvez sejam os melhores, talvez não, mas vale a pena ler também os comentários, onde há uma grande variedade de opções.

Leia Mais:
Resenhas de softwares para estudos bíblicos - 6 de fevereiro de 2010

quinta-feira, 25 de março de 2010

O Blogumus parou de funcionar? Veja a solução

Quem está usando a nuvem de marcadores [labels] conhecida como Blogumus - a flash animated label cloud for Blogger - deve ter notado que o widget parou de funcionar recentemente.

Pelo menos nos blogs do Blogger.

Encontrei hoje a solução no OCPortugal, o blog do OCP, no post Blogumus: como reparar.



>> Atualização: 02.02.2014 - 21h00

O blog OCPortugal foi removido, não existe mais. 

Tente o post Nuvem de Tags Animada para Blogger, do blog Como fazer um site

E como este também pode desaparecer, faça o download de swfobject.js e nuvemtags.swf e os instale em algum servidor - que os permita - e providencie para que não evaporem... 

Como recomendado no final do post!

quarta-feira, 24 de março de 2010

Para entender o Oriente Médio, segundo Robert Fisk

Para entender o Oriente Médio… tente algumas leituras
Várias vezes por ano, leitores pedem-me “uma lista de leituras” de livros sobre o Oriente Médio. Não é fácil. A maior dificuldade para escrever com consciência histórica sobre o Oriente Médio é que a história não terminou. A guerra continua. Os dois “lados” – de fato há muitos, muitos lados – produzem narrativas conflitivas. E não aceito a ideia de que se possa oferecer uma lista equilibrada de livros. Há a versão de Israel. Há a versão dos árabes. Há a versão alucinada dos norte-americanos etc. O Oriente Médio é questão de injustiça. Quem contará melhor a história?

O artigo é de Robert Fisk e foi publicado em The Independent, Londres, em 13 de março de 2010: Robert Fisk’s World: Try this reading list if you want to understand the Middle East

Fonte: Carta Maior: 23/03/2010

Dom Oscar Romero

O arcebispo de San Salvador, Dom Oscar Arnulfo Romero, foi assassinado em 24 de março de 1980.

Leia:
:: Oscar Romero, um sinal de Deus para nosso tempo. Um depoimento de Luiz Carlos Susin - Notícias: IHU On-Line: 24/03/2010

:: Dom Oscar Romero. Mártir da Igreja e ícone da luta por justiça - Por Mônica Bussinger - Adital: 23/03/2010

:: Há 30 anos, quem matou Romero? - Notícias: IHU On-Line: 08/03/2010

:: Trinta anos da morte de Dom Oscar Romero - Notícias: IHU On-LIne: 24/03/2010

:: ''Assim matamos Dom Romero'' - Notícias: IHU On-Line: 24/03/2010

:: Missa lembra o 30º ano da morte de dom Oscar Romero - CNBB: 23/03/2010

sábado, 20 de março de 2010

Resenhas na RBL: 19.03.2010

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Elizabeth Boase
The Fulfilment of Doom? The Dialogic Interaction between the Book of Lamentations and the Pre-exilic/Early Exilic Prophetic Literature
Reviewed by Charles Miller

Jo Carruthers
Esther through the Centuries
Reviewed by Linda Day
Reviewed by Timothy Laniak

Mark K. George
Israel's Tabernacle as Social Space
Reviewed by Gert Prinsloo

Joel B. Green
Body, Soul, and Human Life: The Nature of Humanity in the Bible
Reviewed by Robin Gallaher Branch

Peter J. Leithart
Deep Exegesis: The Mystery of Reading Scripture
Reviewed by Matthew Gordley

Bruce J. Malina
Timothy: Paul's Closest Associate
Reviewed by Mark Batluck

Scot McKnight and Joseph B. Modica, eds.
Who Do My Opponents Say That I Am? An Investigation of the Accusations against Jesus
Reviewed by M. Robert Mulholland

John Oswalt
The Bible among the Myths: Unique Revelation or Just Ancient Literature?
Reviewed by Claude Mariottini

Tessa Rajak
Translation and Survival: The Greek Bible and the Ancient Jewish Diaspora
Reviewed by Christopher Beetham

Lesleigh Cushing Stahlberg
Sustaining Fictions: Intertextuality, Midrash, Translation, and the Literary Afterlife of the Bible
Reviewed by Lena-Sofia Tiemeyer

Tom Thatcher
Greater than Caesar: Christology and Empire in the Fourth Gospel
Reviewed by Adam Winn

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Resenhas na RBL: 11.03.2010

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

Peter Brown
The Body and Society: Men, Women, and Sexual Renunciation in Early Christianity; Twentieth Anniversary Edition with a New Introduction
Reviewed by Richard Valantasis

Kate Cooper and Julia Hillner, eds.
Religion, Dynasty, and Patronage in Early Christian Rome, 300-900
Reviewed by Ilaria Ramelli

April D. DeConick
The Original Gospel of Thomas in Translation: With a Commentary and New English Translation of the Complete Gospel
Reviewed by Stephen Patterson

David A. deSilva
Seeing Things John's Way: The Rhetoric of the Book of Revelation
Reviewed by Elisabeth Schüssler Fiorenza

Terence L. Donaldson
Judaism and the Gentiles: Jewish Patterns of Universalism (to 135 CE)
Reviewed by Joshua Schwartz

Yonatan Kolatch
Masters of the Word: Traditional Jewish Bible Commentary from the Eleventh through the Thirteenth Centuries (vol. 2)
Reviewed by Günter Stemberger

Michael Philip Penn
Kissing Christians: Ritual and Community in the Late Ancient Church
Reviewed by Candida Moss

Stanley E. Porter, ed.
Paul: Jew, Greek, and Roman
Reviewed by Christoph Stenschke

Micah Ross, ed.
From the Banks of the Euphrates: Studies in Honor of Alice Louise Slotsky
Reviewed by Ralph K. Hawkins

Turid Karlsen Seim and Jorunn Økland, eds.
Metamorphoses: Resurrection, Body and Transformative Practices in Early Christianity
Reviewed by V. Henry Nguyen

Rivka Ulmer, ed.
Pesiqta Rabbati: A Synoptic Edition of Pesiqta Rabbati Based upon All Extant Manuscripts and the Editio Princeps
Reviewed by Peter Tomson

Jan de Waard, eds.
Biblia Hebraica Quinta: Proverbs
Reviewed by Francis Dalrymple-Hamilton

Magnus Zetterholm
Approaches to Paul: A Student's Guide to Recent Scholarship
Reviewed by Nijay Gupta

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

quinta-feira, 18 de março de 2010

Qual é o futuro da teologia? Para onde ela vai?

Em Notícias: IHU On-Line de 18/03/2010, leio:

O fascinante futuro da teologia
Publicamos aqui alguns trechos do artigo do teólogo espanhol José María Vigil, presente no último livro da série "Pelos muitos caminhos de Deus", editados pela Associação de Teólogos e Teólogas do Terceiro Mundo. Esse último volume, em seu número 5, é intitulado "Rumo a uma teologia planetária", abordando o diálogo e o entrecruzamento entre a teologia da libertação mundial e a teologia do pluralismo religioso. O artigo foi publicado na revista italiana Adista em 15/03/2010.

Vale a pena ler este texto que coloca questões importantes. E que termina perguntando:
Qual é o futuro da teologia? Para onde ela vai? Fecundado por tantos paradigmas novos e por tantas experiências em curso, o futuro da teologia é promissor e sedutor para quem se deixa fascinar por essa inquietação radical do ser humano, do ser humano religioso que sempre busca entender a sua própria religião. Sem dúvida, estamos em um tempo de mudança radical, de formas novas de teologia que não foram nem sonhadas. O futuro é de quem se arrisca apontando para essa tarefa de refundação teológica.

Mas que começa constatando:
Para alguns, a pergunta [Qual é o futuro da teologia? Para onde ela vai?] é inútil, porque a teologia seria sempre a mesma, uma teologia perene. E deveria ser assim também no futuro. Pelos séculos dos séculos. Ela deveria buscar, simplesmente, ser fiel à sua missão de sempre e de "custodiar fielmente o depósito da fé". Mas essa visão estática não resiste à verificação histórica. Porque, na realidade, a teologia não fez nada mais do que mudar, evoluir, constantemente, desde o seu início. (...) Segundo a definição anselmiana, a teologia é "fides quaerens intellectum", fé que quer compreender. "Fides", aqui, não é a fé como uma entidade abstrata, sem sujeito... Quem quer compreender são os sujeitos crentes, que querem entender aquilo em que creem. Pois bem, com a mudança dos sujeitos crentes, geração após geração, em contextos históricos que em cada tempo são diversos, a sua busca de compreensão – "quaerens intellectum" – inevitavelmente evoluiu (...). Na última parte do século passado, as comunicações, as migrações, o turismo, a própria mundialização diversificaram enormemente as sociedades. A maior parte do globo se tornou pluricultural e plurirreligiosa. Desapareceram quase totalmente as sociedades homogêneas, monoculturais e monorreligiosas em que se podia fazer teologia no interior de uma única religião, sem compreender as perguntas que surgem das reivindicações de verdade de outras religiões (...). Antes ou depois, com maior ou menor consciência, os crentes querem finalmente compreender a relação da sua própria fé com os outros credos e reinterpretar as antigas respostas herdadas à luz desse pluralismo. É a teologia das religiões (nunca na história a teologia havia se colocado a questão das outras religiões), que depois se chamou teologia do pluralismo (que se pergunta: esse pluralismo é de fato ou de direito?) e que desemboca, enfim, na teologia pluralista: uma perspectiva nova, antes inimaginável na maior parte das religiões. Se na sociedade convivem, agora, inevitavelmente, muitas religiões (…), o crente não quer saber só da sua própria religião, mas quer saber também o que as outras dizem. A teologia responde não com a resposta única de uma só religião, mas com o leque de respostas que as diversas religiões fornecem, para que a pessoa possa se enriquecer com tudo isso. Nunca aconteceu algo semelhante na história da teologia: trata-se da teologia comparativa. Nesse contexto inter-religioso, são muitos os crentes – mesmo que ainda representem uma exceção – que têm uma experiência religiosa plural, que vivem a sua própria experiência religiosa em mais de uma religião. Têm um duplo pertencimento ou às vezes um pertencimento múltiplo. Obviamente, são muitos mais aqueles que acreditam que isso não seja possível ou que seja errado... e fazem bem ao não buscar experimentar. Mas o fato surpreendente daqueles que vivem um pertencimento múltiplo interpela a teologia com uma outra pergunta inédita: por que não deveria ser possível uma teologia inter-religiosa, multifé? A possível teologia inter-religiosa, apoiada por alguns, desprezada por outros, está aí, mesmo que em fase de experimentação.

E qual seria o perfil da teologia do futuro? José María Vigil arrisca o seguinte quadro:

"A maior parte das formas de teologia dos últimos tempos pode continuar, cada uma no nicho em que foi sistematizada. Mas a meu ver isso não impede que, na evolução da teologia, possa se descobrir uma direção, um sentido que indique um certo perfil previsível da teologia do futuro.

Na nossa modesta opinião, essa teologia teria as seguintes características:

:: Não será mais uma teologia que coloque muito o acento sobre o 'teo', porque aumentará sempre mais o conhecimento, em todas as latitudes, de que o teísmo é um modelo de compreensão/expressão da nossa concepção da divindade, não uma descrição certa e menos ainda imprescindível da 'Realidade última';

:: Não será, nem com muito entusiasmo, 'logia', porque nesse ponto já descobrimos em nível mundial as deficiências da unilateralidade do discurso racional que exalta o 'logos' a despeito de outras dimensões mais sutis do conhecimento humano;

:: Será confessional quando for útil – para o serviço teológico no interior de ministérios ou âmbitos de uma determinada religião, obviamente – mas também saberá ser, quando necessário, não confessional, ecumênica e supraconfessional, em função do público ao qual se dirige e do âmbito em que se inscreve;

:: Será, em todo o caso, pluralista, isto é, superará o complexo de superioridade religiosa do qual quase todas as religiões do mundo sofreram, um complexo que as levou a se considerarem diretamente divinas, a única religião válida do mundo. Ora, diante da evidência de que todas as religiões são lâmpadas da riqueza infinita da Realidade última, perceberão que o pluralismo religioso é o que foi 'querido por Deus', em vez de ser um mal a ser combatido;

:: Mesmo quando for confessional, certamente deverá ser, sempre mais, uma teologia comparativa: na sociedade plural, deverá se encarregar da palavra das outras religiões (...) mais do que permanecer dentro de restritos limites autorreferenciais;

:: Mas mais do que simplesmente comparativa, será muitas vezes inter-religiosa, interfé, intercrente, multirreligiosa, multifé... (é ainda prematuro um vocabulário definitivo). Mesmo que hoje ela pareça ser impossível para muitos, para outros ela é uma possibilidade já em curso. Não é absolutamente excepcional a experiência de dupla ou múltipla pertença religiosa, mesmo que para muitos isso seja inimaginável. Aqueles que a experimentam estão em condições de elaborar esse tipo de teologia, e já estão em curso experiências provisórias, mas promissoras;

:: Se poderá ser não confessional, é óbvio que ela poderá ser 'laica', não oficial, nem clerical, nem pertencente a alguma instituição religiosa: uma teologia fora da instituição, laica, civil, espiritual, humana. Quem souber abrir os olhos provavelmente descobrirá que essa teologia já está em curso e que abre caminho, muitas vezes sem esse nome. Não é uma teologia convencional, que trabalha de maneira confessional, mas sim uma teologia que pretende simplesmente 'humanizar a humanidade';

:: Desde os tempos da teologia da libertação, acredito que essa qualificação não é facultativa, mas essencial: não existe teologia se não for libertadora. Mas a velha forma de teologia da libertação deve ser fecundada – e já o está fazendo – com os novos paradigmas que a seguiram. Não pode continuar sendo exclusivista, como foi originariamente, não por vontade explícita, mas de maneira inconsciente. Não poderá nem ser tão antropocêntrica como foi, também involuntariamente: agora, deverá ser cosmo-biocêntrica, para humanizar a humanidade e o planeta, a partir de uma perspectiva de eco-justiça".

Leia Mais:

Por uma teologia pós-religião: sem dogmas nem doutrinas - Notícias: IHU On-Line - 18/03/2010

terça-feira, 16 de março de 2010

Notícias sobre a Igreja? Religião e mundo atual?

 Última atualização: 23.11.2016 - 15h00

De vez em quando, pessoas interessadas em notícias sobre a Igreja Católica, sobre outras igrejas, sobre religião e mundo contemporâneo me perguntam onde podem encontrá-las na Internet.

Pois aí vai uma pequena lista de sites, em ordem alfabética, que costumo consultar.

Lembrando também que há ainda as várias páginas das dioceses, de vários organismos das igrejas cristãs, e, certamente, muitos outros sites que desconheço...

Estas fontes estão, em geral, em português, espanhol, italiano, francês, inglês e alemão.


:: Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC)

:: CONIC - Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil

:: Conselho Mundial de Igrejas - World Council of Churches


::  Crux

:: FaithWorld

:: National Catholic Reporter - Vatican
 
:: Notícias - CNBB

 
:: Notícias IHU - Adital


:: Redes Cristianas

:: Religión Digital


:: Vatican Insider

:: Vu de Rome

Lula no Oriente Médio II

Lula recebe pedidos de encontro com Irã e fim de relações com Israel
O rabino Israel Lau, presidente do Memorial do Holocausto Yad Vashen e sobrevivente dos campos de concentração, pediu publicamente nesta terça-feira que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva promova um encontro do israelense com o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad (...) O rabino Lau foi liberado do campo de concentração em 1945, quando tinha oito anos. Ele foi grão-rabino de Israel entre 1993 e 2003, preside o memorial de Yad Vashem desde 2008, e mantém suas funções de grão-rabino de Tel Aviv (...) Já a ONG palestina "Stop the Wall" (Pare o Muro) pediu a Lula que corte as relações comerciais e militares com Israel, alegando que isso legitima o apoio brasileiro à ocupação israelense. A organização não-governamental critica ainda o TLC (Tratado de Livre Comércio) assinado entre o Mercosul e Israel.

Leia a notícia completa.

Fonte: Folha Online: 16/03/2010 - 14h23

Lula no Oriente Médio

Você quer entender o que está acontecendo?

Leia, de Luís Nassif: Manual de como analisar a diplomacia

Fonte: Luis Nassif Online - 16/03/2010 - 08:19

sábado, 13 de março de 2010

Atualização do Modelo Clássico para Layout

Fiz hoje a atualização do Observatório Bíblico do Modelo Clássico para o Modelo Layout do Blogger.

É instantâneo. Escolhi o mesmo modelo que usava no clássico para não perder muitos elementos. Pois a mensagem que a gente recebe é: Selecione um novo modelo para seu blog. Se alterar o modelo, quaisquer mudanças feitas em Fontes e Cores serão descartadas. Seus Elementos da página serão mantidos.

O que dá trabalho é reinserir os elementos de personalização que não foram transferidos automaticamente.

Mas acho que já está quase tudo funcionando. Agora preciso consultar soluções também no Forum de Ajuda do Blogger.

A mudança - que eu não queria - foi necessária por causa da "bendita" Auto Pagination que, na prática, inviabiliza o uso do Modelo Clássico.

sexta-feira, 12 de março de 2010

Glauco ficou encantado

As pessoas não morrem. Ficam encantadas, escreveu Guimarães Rosa em Grande Sertão: Veredas.

Leia Mais:
Glauco - Site do cartunista
Um tributo ao Glauco - Blog Universo HQ: 12/03/2010
Veja a repercussão da morte do cartunista Glauco - Folha Online: 12/03/2010 - 12h20

quinta-feira, 11 de março de 2010

Resenhas na RBL: 06.03.2010

As seguintes resenhas foram recentemente publicadas pela Review of Biblical Literature:

François Bovon
L'Evangile selon saint Luc 19,28-24,53
Reviewed by Richard I. Pervo

Robin Gallaher Branch
Jeroboam's Wife: The Enduring Contributions of the Old Testament's Lesser-Known Women
Reviewed by Wil Gafney

Jean-Marie van Cangh
Les sources Judaïques du nouveau testament: Recueil d'essais
Reviewed by Peter Tomson

Shawna Dolansky, ed.
Sacred History, Sacred Literature: Essays on Ancient Israel, the Bible, and Religion in Honor of R. E. Friedman on His Sixtieth Birthday
Reviewed by Bob Becking

Pamela Eisenbaum
Paul Was Not a Christian: The Original Message of a Misunderstood Apostle
Reviewed by Yung Suk Kim

Dirk Hartwig, Walter Homolka, Michael J. Marx, and Angelika Neuwirth, eds.
"Im vollen Licht der Geschichte": Die Wissenschaft des Judentums und die Anfänge der kritischen Koranforschung
Reviewed by Ernst Axel Knauf

Bernard M. Levinson
Legal Revision and Religious Renewal in Ancient Israel
Reviewed by Bruce Wells

Lee Martin McDonald
Forgotten Scriptures: The Selection and Rejection of Early Religious Writings
Reviewed by Francis Dalrymple-Hamilton

Paul Middleton, Angus Paddison, and Karen Wenell, eds.
Paul, Grace and Freedom: Essays in Honour of John K. Riches
Reviewed by Michael J. Lakey

Mogens Müller
The Expression 'Son of Man' and the Development of Christology: A History of Interpretation
Reviewed by Rollin Kearns

Eckart Otto
Die Tora: Studien zum Pentateuch: Gesammelte Schriften
Reviewed by Trent C. Butler

C. Kavin Rowe
World Upside Down: Reading Acts in the Graeco-Roman Age
Reviewed by V. Henry Nguyen

Karel van der Toorn
Scribal Culture and the Making of the Hebrew Bible
Reviewed by Richard Weis

Alexander Tsutserov
Glory, Grace, and Truth: Ratification of the Sinaitic Covenant according to the Gospel of John
Reviewed by Christopher W. Skinner

>> Visite: Review of Biblical Literature Blog

Site de Emanuel Tov

Visite o site de Emanuel Tov, Editor-chefe do Projeto de Publicação dos Manuscritos do Mar Morto e Professor do Departamento de Bíblia da Universidade Hebraica de Jerusalém.

No site há vários textos do ilustre professor, em formato PDF, disponíveis para leitura online ou para download.

terça-feira, 9 de março de 2010

O processo de migração do blog passo a passo

Algumas pessoas estão me perguntando como fiz a migração de meu blog do Blogger, este Observatório Bíblico, antes publicado via FTP para meu site, para um Domínio Personalizado [Custom Domain] em meu próprio provedor. Vou responder através deste post, pois isto servirá para todos.

O anúncio do Blogger e as razões técnicas para a migração estão no Blogger Buzz aqui: Important Note to FTP Users. O prazo final para a migração, que era 26 de março de 2010 [March 26, 2010], foi estendido para 1 de maio de 2010 [May 1, 2010], como se vê aqui: Migration deadline extended to May 1.

Observo: em cada post citado é importante ler os comentários [comments] para perceber as reações das pessoas envolvidas. Há de tudo: protestos, lamentos, pedidos de socorro, desespero, travamentos durante o processo, perda do blog, relatos dos casos bem sucedidos e as respostas do pessoal do Blogger, especialmente as de Rick Klau, no blog Blogger FTP Info, que será citado abaixo com link.

Quem deve migrar? Quem possui um blog publicado via FTP verá o anúncio em seu Painel de publicação do blog. No Painel do Observatório Bíblico li:
A publicação via FTP não estará mais disponível após 1 de Maio de 2010 - No momento, você possui blogs que são publicados via FTP. Você deve migrar os seus blogs para um novo URL de domínio personalizado ou para um URL de blogspot. Para saber mais, consulte a documentação de ajuda e o blog dedicado. E um link dizia: Iniciar migração agora. Quem não receber o aviso é porque não está nesta condição.

Para onde migrar? Posso migrar para um domínio personalizado em meu provedor, ou para o WordPress, também disponível em meu provedor, o Yahoo! ou para o blogspot do Blogger.

Como minha opção nunca fora pelo blogspot, ou ia para o WordPress ou para um Domínio Personalizado configurado em minha conta no Yahoo! Small Business, onde mantenho minha página e onde publicava o Observatório Bíblico em um subdiretório.

Os passos dados:

1. Primeiro li tudo que pude sobre o assunto em dois dias, no fim da semana passada:
. A opção de migração para o WordPress é tentadora: plataforma mais robusta do que o Blogger e muitos recursos. Mas, também, personalização mais complexa, e um aprendizado a partir do começo, pois nunca usei esta plataforma, embora lide razoavelmente bem com a linguagem php.
. Quem pensar em ir para o WordPress, algumas indicações boas podem ser lidas, na ajuda [help] do WordPress, no site do software, ou em seu provedor [se o tiver, como o Yahoo! tem], e em muitos outros lugares como em Migrate your Blog from Blogger to WordPress with all the Google Juice ou em Migrating from Blogger to WordPress ou ainda fazendo uma busca no Google com inúmeros resultados [bons, mais ou menos ou ruins] tanto em inglês quanto em português ou qualquer outra língua.
. Por enquanto, pelo menos, decidi ir para um Domínio Personalizado [Custom Domain], já que o Blogger disponibilizou uma Ferramenta de Migração de FTP [FTP Migration Tool] que funciona a partir daquele link que está no Painel do meu Blog: Iniciar Migração [Start Migration]. E decidi também manter, por enquanto, meu Modelo Clássico [Classic Template] que está bastante personalizado. É possível mudar depois para os novos Modelos.
. Quais leituras foram mais proveitosas?
- O Blogger FTP Info [The purpose of the blog is to provide information about the upcoming shut-down of FTP support on Blogger], especialmente o post Deprecating FTP [é importantíssimo ler as dezenas de comentários ao post, para saber o que dá certo e o que não dá] que começa assim: Update, 3/6/10: The Migration Tool is now live for all users; a walk-through of the tool is here
- A FAQ sobre a migração que está no mesmo blog citado acima [We will update this FAQ file for questions pertaining to the upcoming shut-down of FTP on Blogger]
- O Vídeo que deve ser visto umas duas vezes, pois explica passo a passo o processo de funcionamento da FTP Migration Tool - vi e anotei os passos a serem feitos.

2. Ontem fiz a migração. O processo foi o seguinte:
a. Escrevi um último post no Observatório Bíblico para saber se tudo estava funcionando. E aproveitei para deixar o novo endereço, com explicações em português e inglês: Novo endereço do Blog - This blog has moved - pois o post gerado automaticamente pelo sistema será só em inglês.
b. Cliquei em Iniciar Migração [Start Migration] no Painel do Blogger - todas as instruções, no meu caso, que é o de um blog publicado em português, estão na minha língua... O vídeo também está presente. Usei o IE 8, mas ele deu problema - resolvido com jeitinho -, travando uma das etapas lá pelo meio do processo, por isso acho que é melhor usar, se tiver, o Firefox 3.6 ou outro navegador [browser]
c. Entrei na página Migração do Observatório Bíblico [FTP Migration Dashboard]
d. Cliquei em Iniciar [Start] e cheguei ao Backup do Blog - Download Blog Backup. Fiz o backup do blog em formato xml para o meu computador. Se algo der errado, esta cópia poderá salvar o seu blog
e. Ao clicar em Continue, apareceu: Preparando o blog para migração
f. Em seguida, Publish to a new blog URL, onde escrevi http://blog.airtonjo.com e cliquei Continue [aqui há também a opção de ir para o blogspot]
g. Agora vou para a configuração do CNAME do Yahoo! Cada provedor tem um sistema [Each hosting service has slightly different ways to create a CNAME records], veja How do I create a CNAME record for my custom domain? e escolha o seu. Esta parte é a mais delicada se você publica seu blog via FTP em um subdiretório de seu site
h. No painel do Yahoo! vou para o Manage Advanced DNS Settings - Add Record e escrevo em Source : blog (.airtonjo.com já está lá) e em Destination: ghs.google.com. (não se esqueça do ponto final [period]. Se o seu sistema não permitir colocá-lo ele mesmo o fará. Se não conseguir fazer esta etapa, entre em contato com o suporte de seu provedor)
i. Voltei para o Blogger e aguardei cerca de 40 minutos para que aparecesse o Hospedado por Blogger [Hosted by Blogger] - aqui o IE 8 travou e a frase não aparecia... abri uma nova guia e a coisa funcionou! Se for preciso sair do navegador porque o processo parou, não há problema. Ao fazer o login e clicar novamente em Iniciar Migração, aparece um Retomando [Resume]. Quando apareceu no quadro o Hospedado pelo Blogger, cliquei em Continue
j. Apareceu: Parabéns! Agora, o seu blog está ativo no novo URL: http://blog.airtonjo.com/ - Marquei meu e-mail para que fosse avisado do final do processo, se necessário
k. Aí a ferramenta vai fazer o upload de todo o blog e aparece: Atualizando páginas do FTP [Start Update]. Esta foi a parte mais demorada: levou cerca de uma hora para atualizar 1977 posts do Observatório Bíblico. Acrescentou, nesta fase, o redirecionamento e um post que irá aparecer no antigo e no novo endereço: This blog has moved - This blog is now located at http://blog.airtonjo.com/. You will be automatically redirected in 30 seconds, or you may click here. For feed subscribers, please update your feed subscriptions to http://blog.airtonjo.com/feeds/posts/default.
l. Terminou a atualização com a mensagem Atualização Concluída! - Continue
m. Certify FTP redirect - o sistema faz a verificação de tudo e, se deu certo, dá a mensagem: Verification successful, blog migration is complete! E dá a opção: Concluir [Finish]. Isto durou segundos.
n. Apareceu novo quadro: Completed - You're all done! etc e cliquei a volta ao painel inicial - Back to FTP migration dashboard e apareceu: Migration Status: Complete.
o. Ao clicar em Concluir, deu: Concluído - Processo concluído. Continue postando no Blogger como você fazia antes, sem precisar aguardar a conclusão de uma republicação. Suas postagens serão exibidas imediatamente em http://blog.airtonjo.com/ e todos os arquivos e páginas de marcadores serão reconstruídas automaticamente.

Tendo terminado, faça um teste publicando algo, com texto, imagens, comentários e veja se tudo está funcionando mesmo.

Tudo foi redirecionado para o novo endereço menos os feeds. Nada foi perdido, aparentemente. Leia a Primeira postagem após a migração [First post since blog migration], onde também relato os "novos" pequenos problemas criados pela migração.

Se algo der errado e não souber como resolver, vá para a página da FAQ e coloque o problema para o Rick Klau ou leia no post FTP Migration Tool Released, no último comentário: Please direct general questions to the FAQ page, and specific problems with the migration tool to the issue tracker. More details about support for the FTP migration are here. Aqui estão os links que o levam para formulários onde questões específicas poderão ser colocadas.

O que NÃO se deve fazer: apagar o subdiretório antigo e em Manage Advanced DNS Settings mexer no que já está lá - apenas acrescente o que for necessário. Se alguma fase do processo demorar, aguarde e não passe para a atualização manual, porque depois a ferramenta de atualização não funcionará mais e toda a migração deverá ser feita manualmente, já que o seu sistema de publicação via FTP não estará mais acessível.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Primeira postagem após a migração

First post since blog migration.

Está tudo funcionando corretamente?

Acho que ainda não. Especialmente itens que envolvem os Marcadores (Labels).

Outro problema: o Firefox 3.6 e o Google Chrome 5.0 dão conta do redirecionamento, entretanto o IE 8 não está dando conta, embora fique tentando...

Mas o processo de migração é relativamente simples, quase indolor, se as regras forem seguidas. Todas as instruções dos passos a serem feitos estão em português.

Aparentemente não perdi nenhuma imagem, postagem ou comentário.

O processo todo demorou cerca de duas horas e meia. Depois fiz ajustes manuais etc. Foi uma tarde inteira para migrar um blog com 1977 posts.

Agora ficou muito mais fácil publicar.

This blog has moved

This blog is now located at http://blog.airtonjo.com/

You will be automatically redirected in 30 seconds, or you may click here.

For feed subscribers, please update your feed subscriptions to http://blog.airtonjo.com/feeds/posts/default

>> Post gerado automaticamente durante o processo de migração.

Novo endereço do Blog - This blog has moved

Este blog está agora em novo endereço: http://blog.airtonjo.com/

Você será automaticamente redirecionado para o novo endereço em 30 segundos. Ou clique aqui.

Os usuários de feeds, por favor, atualizem suas assinaturas para http://blog.airtonjo.com/feeds/posts/default (Atom)
ou para
http://blog.airtonjo.com/feeds/posts/default?alt=rss (RSS)

This blog is now located at http://blog.airtonjo.com/

You will be automatically redirected in 30 seconds, or you may click here.

For feed subscribers, please update your feed subscriptions to
http://blog.airtonjo.com/feeds/posts/default (Atom)

or to
http://blog.airtonjo.com/feeds/posts/default?alt=rss (RSS)

Blogger encerra publicação de blogs via FTP

No dia 1 de maio de 2010 a publicação de blogs do Blogger via FTP terminará... Isto foi anunciado no dia 22 de janeiro de 2010 no Blogger Buzz aqui. Só descobri no dia 6 de março, sábado!

No Painel do meu blog leio:
A publicação via FTP não estará mais disponível após 1 de Maio de 2010 - No momento, você possui blogs que são publicados via FTP. Você deve migrar os seus blogs para um novo URL de domínio personalizado ou para um URL de blogspot. Para saber mais, consulte a documentação de ajuda e o blog dedicado. Iniciar migração agora.

Agora é ler tudo sobre o assunto. depois decidir! Posso migrar para um domínio personalizado em meu provedor ou para o WordPress, também disponível em meu provedor, o Yahoo! Publicar no Blogspot não é meu desejo.

O Blogger dá informação e assistência:
:: Um blog que explica como migrar: Blogger FTP Info e aí se descreve uma ferramenta nova FTP Migration Tool. Deste blog se diz: This is an official blog, maintained by the Blogger team. The purpose of the blog is to provide information about the upcoming shut-down of FTP support on Blogger. O vídeo é muito bom e claro.
:: E uma FAQ sobre a migração, também muito útil. Tudo está ainda só em inglês, embora tenham prometido traduções para outras línguas.

Achei muito interessante ler os comentários que trazem as dúvidas, problemas e soluções encontradas durante a migração e o uso da FTP Migration Tool. O responsável pelo Blogger FTP Info chama-se Rick Klau e está respondendo a tudo. Se a coisa não funcionar, há um formulário para se colocar o seu problema específico, que é o FTP Migration reporting e o Blogger promete recuperar seu blog. E cuidado com a criação do CNAME no seu provedor, algo que não pode ser feito de maneira leviana.

No meu caso, assim como outros milhares, há um problema paralelo: no dia 4 passado voltou o clássico problema de erro na contagem de comentários. Muitos que migraram durante este erro, que ainda não foi resolvido pelo Blogger, perderam seus comentários... Devo esperar a solução disso primeiro, suponho. Que prometem para breve, em Know Issues.

Em minhas leituras descobri dicas de como exportar/importar dados entre blogs do Blogger e entre o Blogger e outras plataformas (WordPress etc) Ou: The Data Liberation Front is an engineering team at Google whose singular goal is to make it easier for users to move their data in and out of Google products. Veja:
. The Data Liberation Front
. The Data Liberation Blog
. Blogger’s Data Liberation Front
. Tools for Moving Data

quarta-feira, 3 de março de 2010

Imprensa de direita apronta, depois treme

Grande mídia organiza campanha contra candidatura de Dilma
Em seminário promovido pelo Instituto Millenium em SP, representantes dos principais veículos de comunicação do país afirmaram que o PT é um partido contrário à liberdade de expressão e à democracia. Eles acreditam que se Dilma for eleita o stalinismo será implantado no Brasil. “Então tem que haver um trabalho a priori contra isso, uma atitude de precaução dos meios de comunicação. Temos que ser ofensivos e agressivos, não adianta reclamar depois”, sentenciou Arnaldo Jabor.

Fonte: Texto de Bia Barbosa, em Carta Maior - 02/03/2010

Leia Mais:
"Não adianta empurrar, empurrado eu não vou", diz Aécio sobre vice de Serra
- Folha Online: 03/03/2010 - 16h19
Minas a reboque, não!

Minas, são muitas

Wolfgang Stegemann: Jesus e seu tempo

Recebi hoje, enviado por Cássio Murilo, o volume 10 da Biblische Enzyklopädie [Enciclopédia Bíblica], uma História de Israel coordenada por Walter Dietrich e Wolfgang Stegemann e publicada na Alemanha pela editora Kohlhammer, de Stuttgart, desde 1996. Alguns volumes já estão sendo traduzidos para o inglês. Leia mais sobre a coleção aqui.

O volume 10 é de Wolfgang Stegemann e trata de Jesus e seu tempo em 448 páginas. Veja:

STEGEMANN, W. Jesus und seine Zeit. Stuttgart: Kohlhammer, 2010, 448 p. - ISBN 9783170123397.



O sumário e o prefácio podem ser lidos na página da editora [Atualização em 18.01.2013: o livro foi traduzido para o português em 2013. Confira aqui].

Quem é o autor? Prof. Dr. Wolfgang Stegemann é professor emérito de Novo Testamento na Escola Superior Augustana de Neuendettelsau, Alemanha. E é um dos pesquisadores do Context Group.

Tenho dele - com Ekkehard W. Stegemann - História social do protocristianismo: Os primórdios no judaísmo e as comunidades de Cristo no mundo mediterrâneo. São Leopoldo/São Paulo: Sinodal/Paulus, 2004, 600 p. - ISBN 8523307664. O original alemão, da editora Kohlhammer, é de 1995 e esta é uma tradução da segunda edição, de 1997
.

terça-feira, 2 de março de 2010

Solidariedade e Partilha: Blog do Chico

O meu colega Francisco de Assis Correia, mais conhecido como Chico, Chicão, Pe. Chico, Professor de Teologia Sistemática no CEARP, começou, em fevereiro, um blog de Teologia.

Visite Solidariedade e Partilha e deixe seu comentário.

Parabéns, Chico.

Bem-vindo à blogosfera.

segunda-feira, 1 de março de 2010

BiblioblogNED Top 30

Para os biblioblogs em neerlandês, veja a lista BiblioblogNED Top 30.

O que é o BiblioblogNED?


Leia: BiblioblogNED: uma rede de biblioblogs em holandês.

Biblical Studies Carnival 51

Seleção de algumas postagens consideradas as melhores de fevereiro de 2010.

Trabalho feito por G. Brooke Lester, em seu biblioblog Anumma.