domingo, 22 de fevereiro de 2009

A ciência e as religiões

Em artigo publicado na Folha de S. Paulo de 22/02/2009 e reproduzido por Notícias - IHU On-Line no mesmo dia, Marcelo Gleiser, professor de física teórica no Dartmouth College, em Hanover, NH, USA, reflete sobre a relação entre a ciência e as religiões por ocasião das comemorações que lembram os feitos de Darwin e Kepler. E Galileu.

No início do artigo, ele diz:
Como escrevi em colunas recentes, neste ano celebramos dois grandes aniversários. O primeiro, o bicentenário do nascimento de Charles Darwin e o sesquicentenário da publicação de seu revolucionário "A Origem das Espécies". O segundo, os quatrocentos anos da publicação do livro "Astronomia Nova", em que Johannes Kepler mostrou que a órbita de Marte é elíptica, inferindo que todas as outras seriam também. No mesmo ano, 1609, Galileu Galilei apontou o seu telescópio para os céus mudando a astronomia para sempre. Em ambos os casos, as descobertas científicas criaram sérios atritos com as autoridades religiosas. Atritos que, infelizmente, sobrevivem de alguma forma até hoje, principalmente com as religiões monoteístas que dominam o mundo ocidental e o Oriente Médio: judaísmo, cristianismo e islamismo. O momento é oportuno para iniciarmos uma reavaliação das suas causas e apontar, talvez, resoluções.

E termina assim:
Fechar os olhos para os avanços da ciência é escolher um retorno ao obscurantismo medieval, quando homens viviam suas vidas assombrados por espíritos e demônios, subjugados pelo medo a aceitar a proteção de Deus. A escolha por uma devoção religiosa - se é essa a sua escolha - não deveria ser produto do medo. No fim de semana passado, a catedral de São Paulo em Melbourne, Austrália, ofereceu um simpósio sobre Darwin. Nos EUA, outro simpósio reuniu cerca de 800 pastores e rabinos para discutir modos de reconciliação entre ciência e religião. Parece que finalmente um novo diálogo está começando. Já era tempo.

Leia o texto completo.

Fonte: Notícias - IHU On-Line: 22/02/2009

Leia Mais:
A ciência antes e depois de Darwin
Charles Darwin Bicentenário
MEC diz que criacionismo não é tema para aula de ciências

Nenhum comentário:

Postar um comentário