domingo, 13 de abril de 2008

Fazendo Teologia no umbral de Planck?

No post anterior recomendo dois artigos muito bons que realmente fazem pensar. Mas, quanto a este, li e fiquei sem saber o que pensar... Há um problema epistemológico neste tipo de raciocínio? Ou não?

Em meu artigo Inventando o Universo: Pensar Deus a partir da Nova Física, escrevi ainda no começo do milênio:
"Einstein disse certa vez que estava interessado mesmo era em saber como Deus criara este mundo. Ora, já se passou quase um século desde que a teoria da relatividade e a mecânica quântica começaram a ajudar os homens a compreenderem melhor como é feito este mundo em que vivemos. Porém, muitos teólogos ainda encontram sensíveis dificuldades em pensar Deus e o homem a partir da cosmologia que surgiu com as descobertas da física do século XX. Em pleno terceiro milênio, teólogos há que, por razões diversas, ainda continuam a ler os textos bíblicos e a elaborar suas reflexões como se as cosmologias antiga e medieval fossem mais do que suficientes para explicar o universo e o lugar do homem nele. Tempo, espaço, matéria, Deus, causalidade, alma, criação, salvação, redenção, determinismo, livre-arbítrio e tantos outros conceitos precisam ser revisitados sob o olhar vigilante da nova física".

De qualquer maneira aí está:

Um Deus do qual surge o espaço-tempo: Notícias do Dia - IHU Online - 13/4/2008


Para ajudar - ou para complicar - leia ainda:
Cosmólogo recebe prêmio defendendo existência de Deus - BBC Brasil: 14 de março de 2008
Prémio Templeton 2008 - De Rerum Natura: 24 de março de 2008
The ethics of mixing science and religion - New Scientist Short Sharp Science Blog: March 12, 2008
Newest Templeton Prize winner rejects "intelligent design" - National Center for Science Education: March 20, 2008
Statement by Professor Michael (Michal) Heller - At The Templeton Prize News Conference, March 12, 2008
Templeton Prize
Sir John Templeton

Nenhum comentário:

Postar um comentário