quarta-feira, 9 de maio de 2007

Prioridade: sobreviver

"...A partir de fevereiro, viemos saber com 90% de certeza que o aquecimento global é conseqüência do modo de produção e de consumo humanos e representa um dado irreversível. Até esse momento a estratégia mundial era de preservar e cuidar da Terra com compreensão, compaixão e amor. E não deveríamos ultrapassar o limite intransponível que transporto modificaria todo o estado da Terra. Esse limite foi transposto: estamos já dentro do aquecimento global que pode variar entre 1,4 até 6 graus Celsius, estabilizando-se possivelmente em 3 graus. As conseqüências desta ruptura deverão ser desastrosas: haverá grande degelo e o mar subirá significativamente inundando cidades marítimas onde vive 60% da humanidade; os climas serão dramaticamente afetados, ocorrendo grandes secas em certas regiões e incomensuráveis inundações em outras, dizimando em ambos os casos colheitas necessárias para a alimentação humana e animal; a biodiversidade será catastroficamente atingida, ocasionando o desaparecimento de milhares de espécies, rompendo o sempre frágil equilíbrio dos ecossistemas; milhões de pessoas correrão o risco de desaparecer e regiões inteiras da face da Terra se tornarão inóspitas para a habitação humana (grande parte do Brasil).

Estes dados não são fantasiosos mas empíricos, recolhidos pelos milhares de cientistas espalhados em 130 paises que compõem o organismo da ONU chamado Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC em inglês). Duas estratégias são apresentadas como urgentes: adaptar-se à nova situação e minorar os efeitos maléficos.

Este fato muda as prioridades: a questão agora não é tanto o desenvolvimento sustentável, mas a continuidade da Terra e da Humanidade. A nova centralidade não poderá ser mais: como será a evangelização da Igreja na América Latina e como sustar a evasão de católicos para outras igrejas de cunho pentecostal e popular, mas: em que medida as igrejas todas, com o capital espiritual que possuem, ajudam a Terra a ser benevolente para com toda a vida e em que medida garantem um futuro comum para toda a Humanidade..."

Este texto acima faz parte de artigo de Leonardo Boff, Nova Agenda para Aparecida, publicado pela Adital em 09.05.2007.

Leia em espanhol: Nueva agenda para Aparecida.

Leia mais sobre meio ambiente/environment.

Nenhum comentário:

Postar um comentário