terça-feira, 20 de março de 2007

O Sepulcro Esquecido de Jesus: o filme

O documentário, de duas horas de duração, seguido por um debate de uma hora, está programado para os seguintes horários, segundo o Discovery Channel:
  • domingo, dia 18: 20h00
  • segunda, dia 19: 00h00, 6h00 e 13h00
  • quarta, dia 21: 00h00 e 22h00
  • quinta, dia 22: 01h00 e 6h00
  • sábado, dia 24: 20h00
  • domingo, dia 25: 10h00
  • segunda, dia 26: 04h00
São, portanto, 11 apresentações. Assisti a do dia 18 e, novamente, a primeira e a terceira do dia 19.


O documentário foi realizado por Simcha Jacobovici em parceria com James Cameron. Suas biografias estão na página do filme no Discovery Channel.

São 10 segmentos, de cerca de 7 minutos cada um, com intervalos de 3 ou 4 minutos, totalizando algo como 1 hora e meia de programa e meia hora de intervalo. Exceções são o primeiro segmento que tem 22 minutos, três vezes mais do que a média, e o quinto, com seus 12 minutos de duração.

O documentário é dublado em sua maior parte. Em português, um narrador guia o telespectador, e também em português estão as falas dos personagens, como os documentaristas, pesquisadores e especialistas consultados. Em hebraico, acompanhadas por legendas em português, as falas de algumas pessoas da região de Talpiot, em Jerusalém, onde a tumba se encontra.

A música de fundo utilizada é bastante suave. Ao ser apresentado em letras grandes, no início de cada segmento, o título do documentário, um sopro de vento retira a poeira existente sobre a escrita, limpando a imagem, como se fosse soprada a poeira real dos objetos arqueológicos examinados. Algumas vezes, após a "solução" do documentário para determinada hipótese, cenas fictícias, representando a vida dos personagens que são objeto do filme, são inseridas, ilustrando, deste modo, graficamente, o que acabou de ser investigado.

Verificar uma lista de pessoas envolvidas no documentário pode ajudar na compreensão do que é feito:
  • Amos Kloner, Professor na Universidade Bar-Ilan, em Ramat Gan, Israel. Arqueólogo a serviço do IAA em 1980, ele elaborou e publicou um relatório oficial sobre a tumba de Talpiot na época de sua descoberta.
  • Andrey Feuerverger, Professor de Matemática e Estatística da Universidade de Toronto, Canadá.
  • Carney Matheson, Professor de Antropologia na Universidade de LakeHead, Thunder Bay, Ontário, Canadá.
  • Charles Pellegrino, arqueólogo, é co-autor do livro The Jesus Family Tomb, junto com Simcha Jacobovici.
  • David Mevorah, Curador do Museu de Israel, em Jerusalém.
  • François Bovon, Professor da Harvard Divinity School, USA.
  • Frank Moore Cross, Professor Emérito da Harvard Divinity School, USA.
  • James D. Tabor, Professor do Departamento de Estudos Religiosos da Universidade da Carolina do Norte em Charlotte, USA. Doutor em Estudos Bíblicos pela Universidade de Chicago, com ênfase nas áreas de Origens Cristãs e Judaísmo Antigo. Entre outras coisas, Tabor é o autor de um polêmico livro sobre o Jesus Histórico, The Jesus Dynasty: The Hidden History of Jesus, His Royal Family, and the Birth of Christianity. New York: Simon & Schuster, 2006, 384 p. O livro foi traduzido para o português: A dinastia de Jesus: a história secreta das origens do cristianismo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006, 368 p. ISBN 8-5000-2030-X Confira seu blog, onde há vários posts sobre a tumba de Talpiot. Ele é, no documentário, o principal assessor bíblico de Simcha Jacobovici. Está sempre ao seu lado, explicando ao telespectador várias questões arqueológicas e bíblicas.
  • John Dominic Crossan, Professor Emérito de Estudos Religiosos na Universidade DePaul, de Chicago, USA, é irlandês. Especialista de renome sobre o Jesus Histórico, Crossan escreveu grande número de obras sobre o assunto.
  • Simcha Jacobovici, diretor, roteirista e produtor do documentário. Nascido em Israel e naturalizado canadense, Jacobovici formou-se em Artes e Filosofia pela Universidade de McGill e cursou pós-graduação em Artes e Relações Internacionais pela Universidade de Toronto, ambas no Canadá. Tem, em seu currículo, vários prêmios como cineasta.
  • Shimon Gibson, arqueólogo britânico que trabalha em Israel e em territórios da Autoridade Palestina. Professor do Instituto W. F. Albright de Pesquisa Arqueológica, em Jerusalém. Doutorado em Londres, com especialização em cenários antigos do Levante, Gibson foi um dos primeiros arqueólogos a atuar na escavação e mapeamento do interior da tumba de Talpiot quando descoberta em 1980.
  • Stephen Cox, cientista forense.
  • Tal Ilan, Professora de Estudos Judaicos da Freie Universität Berlin - Universidade Livre de Berlim, Alemanha -, é israelense. Fez seus estudos na Universidade Hebraica de Jerusalém onde doutorou-se com uma tese sobre as mulheres judias na Palestina greco-romana.
1. A tumba de família de Jesus em Talpiot
O documentário começa com uma advertência sobre a inexistência de consenso entre os especialistas sobre o que será apresentado, deixando ao telespectador a tarefa de elaborar seu próprio julgamento. E, como primeira cena, opta pela ficção, representando o crucificado e enfatizando que a morte mais famosa da História é, sem dúvida, a de Jesus de Nazaré. Mas não isenta de controvérsias, pois, a partir do texto de Mt 28,11-15, se conclui que realmente seus discípulos o sepultaram em segredo e um ano depois, juntamente com seus familiares, recolheram seus ossos e os depositaram em um ossuário na tumba da família em Jerusalém.

Recua-se no tempo. Agora estamos vendo as máquinas descobrindo acidentalmente a tumba em 1980, quando operários preparavam o terreno para a construção de um conjunto de edifícios em Talpiot, subúrbio de Jerusalém. Os arqueólogos descobrem ali dentro 10 ossuários que são retirados e examinados pela Autoridade Israelense de Antiguidades, o IAA. Seis deles tinham inscrições. Catalogados, são transferidos para o Museu Rockefeller, em Jerusalém, trancados e ignorados pelo IAA, enquanto que os ossos neles existentes, como de costume, são retirados e enterrados em outro túmulo. A tumba de Talpiot é novamente fechada. Tudo é mostrado com cenas fictícias, somado a fotos da época e entrevistas com moradores locais que testemunharam a descoberta.

Ficamos sabendo também que os ossuários só foram utilizados pelos judeus durante os 100 anos que precederam a destruição de Jerusalém pelos romanos em 70 d.C. Embora cerca de mil ossuários tenham sido encontrados na região, apenas 20% deles contêm inscrições. Daí ser impressionante o encontro de 6 ossuários com inscrições em uma mesma tumba.

Três especialistas são entrevistados: Shimon Gibson, que estava lá em 1980 e registrou a descoberta, Tal Ilan e James Tabor. Este último defende como viável e normal o sepultamento de Jesus em uma tumba provisória e sua transferência para o sepulcro permanente na tumba da família em Talpiot. Frank Moore Cross explica como se lê a inscrição de um ossuário: "Jesus, filho de José", enquanto Jacobovici fica impressionado com a descoberta, dizendo: "incrível"! John Dominic Crossan, em rápida aparição, ao ser questionado sobre as conseqüências da descoberta dos ossos de Jesus, garante que, caso isto se confirme, não afetará sua fé. Com a contribuição de Tabor, são feitas algumas reflexões sobre o significado da ressurreição de Jesus e sua ascensão aos céus, e o especialista não vê contradição entre as narrativas evangélicas e o encontro do túmulo de Jesus - com Jesus dentro!

Após ser feito um quadro genealógico da família de Jesus, com belos recursos visuais, é apresentado como caso raro o osssuário que traz o nome "Maria", versão latinizada do hebraico Miriam. Mas se explica que, após a morte de Jesus, Maria, sua mãe, continuou seus ensinamentos, reunindo muitos discípulos, vários deles romanos convertidos, daí a latinização de seu nome.

Assim, cada nome encontrado nos ossuários da tumba de Talpiot vai sendo referendado pelos evangelhos. Inclusive Mateus, que não é o apóstolo, mas uma forma do nome Matatias, nome sacerdotal, da família dos Macabeus, que está na genealogia de Lc 3,23-38 pelo parentesco de Maria com esta família. Aliás, é dito que na genealogia de Lucas, que é a da família de Maria, há vários personagens com o nome Mateus. E, finalmente, o grande trunfo: o nome Yose ou Joset está também em um ossuário e este é o nome de um dos irmãos de Jesus, citado em Mc 6,3;15,40.47, mas é a primeira vez que este nome aparece, nesta forma - um apelido - em um ossuário.

Ao final deste primeiro segmento, com 4 ossuários e respectivas inscrições examinadas, já temos a afirmação de que esta é a tumba da família de Jesus. Observa-se que falta José, o pai de Jesus, que não foi enterrado em Talpiot pois ao morrer antes dos outros, na Galiléia, por lá ficou.

2. Probabilidades estatísticas
Após um resumo do primeiro segmento, pergunta-se por que, estando todos juntos na mesma tumba, ninguém prestou atenção a estes nomes? Ora, estes nomes eram muito comuns na Palestina do século I, confirmam Shimon Gibson, Amos Kloner e Frank Moore Cross. Então recorre-se ao matemático Andrey Feuerverger, que explica: se em uma rua de Jerusalém gritássemos, naquela época, o nome "Jesus", cerca de 4% dos homens responderiam; se fosse "Maria", 25% das mulheres responderiam. Mas a reunião de Jesus + José + Maria + Joset dá uma baixa possibilidade de se ter alguma resposta, por isso a descoberta dos nomes na tumba precisa ser levada a sério, pois pode tratar-se de uma família do Novo Testamento.

Neste ponto, Jacobovici, sempre alerta, diz que é preciso descobrir mais evidências. Então é preciso localizar a tumba em Talpiot, que ficou debaixo dos blocos de apartamentos. Devem ser cruzados os dados do IAA com a análise das plantas dos apartamentos de Talpiot, sabendo, inclusive, que, em 1980, duas tumbas foram encontradas e uma não foi explorada. Como chegar a uma tumba que está debaixo dos edifícios? Através de uma câmera robótica que vai ser descida pelos canos ali existentes. Que canos? Ora, os rabinos ortodoxos pedem, ao ser localizada uma tumba que será bloqueada por construções, que seja colocado um cano que vá até ela, mantendo uma passagem livre para os espíritos das pessoas ali enterradas.

3. Busca da tumba e o ossuário de Caifás
O segmento apresenta a tentativa de introdução de uma câmera operada por controle remoto através do cano que leva à tumba. O operador é Bill Tarant, perito em câmera robótica. Mas a tentativa falha, pois o cano está obstruído por entulho. Sugere-se, então, chamar um encanador para a desobstrução da passagem. Enquanto isso, Tabor argumenta: se acharam a tumba de Caifás por acaso, em 1990, por que não a de Jesus? O ossuário de Caifás é, em seguida, apresentado. Ele serve de alavanca para Jacobovici desafiar David Mevorah, Curador do Museu de Israel, que, cético, se recusa a acreditar na descoberta da tumba de Jesus. Ele argumenta que o nome "Caifás" em ossuário ornamentado e também a inscrição "José, filho de Caifás" não são descobertas comuns como os nomes da tumba de Talpiot. Mas Jacobovici também argumenta que o nome Joset, de Talpiot, só foi encontrado ali. De qualquer maneira, o documentário conclui que parece haver duplo critério por parte do Curador: Caifás, sim; Talpiot, não. Qual é a razão? Por que aceitam descobertas como autênticas, desde que não se mexa com Jesus?

4. Maria Madalena
O quarto segmento trata do quinto ossuário, onde se lê "Mara" e "Mariamne". Ora, estamos falando de Maria Madalena ou Maria de Magdala, que tem um irmão chamado Filipe. Por que o nome está em grego, o único nome em grego na tumba de Talpiot? Porque em Magdala se falava, além do aramaico, o grego. O documentário explica que Maria Madalena não deve ser confundida nem com a mulher adúltera de Jo 8,1-11 e nem com a pecadora de Lc 7,36-50, como muitas pessoas costumam fazer. Especialistas falam e se dizem surpresos e/ou curiosos com um possível encontro de Madalena em ossuário da tumba de Talpiot. Então fala o matemático Andrey Feuerverger sobre as chances de ser esta a tumba da família de Jesus, se Mariamne for mesmo Maria Madalena.

Também se explica o papel de Madalena no século I: ela foi importante, missionária, ordenada, sendo, porém, suprimida por uma Igreja dominada por homens, assim como foram rejeitados dois textos importantes: O Evangelho de Maria Madalena e Os Atos de Filipe.

5. Mariamne, Madalena e os Atos de Filipe
Relata-se aqui que em um antigo mosteiro do monte Athos, na Grécia, foi descoberto o livro Os Atos de Filipe. E aparece no documentário François Bovon, explicando que Mariamne é o nome de Maria Madalena nos Atos de Filipe. Assim o documentário continua a explicar quem foi Madalena: missionária, apóstolo, pregadora, forte, fiel, íntima de Jesus. Isto legitima o seu título como "Mara", que em aramaico significa "Mestra".

Mas, não há uma tradição de que Maria Madalena foi para a França após a morte de Jesus? Não nos Atos de Filipe, escrito do século IV. Ela teria morrido em Jerusalém e sepultada ali. Deste modo, estariam Madalena e Jesus na mesma tumba? O que isso significa?

Por fim, o encanador desobstruiu o cano e a câmera chegou à tumba, com uma enorme surpresa: ossuários são vistos, esta é a tumba errada, é a segunda tumba, a tumba que não foi explorada. Portanto, a tumba dos ossuários da família de Jesus fica 20 metros dali, ao sul.

Mas esta tumba está em um contexto e Jacobovici vai visitar a rede de tumbas dos primeiros discípulos de Jesus descoberta pelos franciscanos em Dominus Flevit na década de 50. Ora, foi ali que se encontrou um ossuário com o nome de Simão bar Jonah, que seria o ossuário de Simão Pedro. Mas ele não morreu e foi sepultado em Roma, segundo a tradição? Sim, mas em Roma nada foi encontrado, enquanto que em Jerusalém há este ossuário... Jacobovici descobre emocionado, bem ali, no cemitério dos discípulos de Jesus, o símbolo que está na fachada da tumba de Talpiot, um ^ (um v invertido, como uma divisa militar) com um círculo em relevo dentro dele.

6. DNA
Mas nos ossuários de Jesus e Mariamne não haveria amostras de DNA? Entram em cena Stephen Pfann e Steven Cox, que recolhem amostras destes dois ossuários, junto com amostras aleatórias, levando tudo para o Canadá, para análise. Carney Matheson, ao analisar as amostras não consegue material suficiente para uma análise de DNA nuclear, mas sim para o DNA mitocondrial que apenas revela se duas ou mais pessoas são filhos da mesma mãe. E acontece o grande achado científico: o DNA mitocondrial revela que as duas pessoas não eram irmãos. Há polimorfismos nas duas seqüências: eles não têm a mesma mãe. Logo, se estão na mesma tumba, podem ser marido e mulher. Se Jesus e Madalena eram marido e mulher, especula o documentário, por que esta união foi mantida em segredo? Certamente para ocultar uma dinastia, conclui, pois sendo Jesus alguém que lutava contra a ordem constituída, descendentes seus certamente seriam mortos. E aqui o filme apresenta cenas - com atores - do cotidiano de casados de Jesus e Madalena.

7. Descoberta a verdadeira tumba
Antigo construtor é consultado, descobre-se uma laje suspeita, e no momento exato em que se especula se seria ali, chega uma moradora dos apartamentos de Talpiot, uma mulher cega, que confirma ser ali mesmo a entrada da tumba. É feita a retirada da laje: a tumba verdadeira aparece. Jacobovici desce: emoção.

8. O décimo ossuário está desaparecido: pode ser o Ossuário de Tiago?
Reabertura da tumba 26 anos após a sua descoberta. Grande achado. Mas não é que um dos ossuários de Talpiot desapareceu? Isto está registrado pelo IAA, que encontrou 10 ossuários na tumba, mas só possui 9 em seu acervo. Roubado? Por quem? Porém, em outubro de 2002 veio a público o Ossuário de Tiago, propriedade do israelense Oded Golan. Que é entrevistado e explica, mais uma vez, porque demorou tanto para perceber a importância deste ossuário.

Tiago, Filho de José, Irmão de Jesus: esta é a inscrição no ossuário. Então o documentário fala sobre Tiago, irmão de Jesus: líder do movimento de Jesus em Jerusalém após a sua crucifixão, Tiago foi tão importante que mereceu do historiador judeu Flávio Josefo mais atenção do que o próprio Jesus e acabou apedrejado por ordem de Anás. Explica Tabor que a inscrição "irmão de Jesus" pode ter sido acrescentada por fraudadores, como defendem muitos especialistas, mas que isto não muda nada. O ossuário é autêntico, assim como a primeira parte da inscrição, e o exame da pátina - depósito de materiais que se forma na superfície de objetos antigos - dirá se ele veio da tumba da Talpiot.

Entra em cena o arqueólogo Charles Pellegrino, que recolhe a pátina para exame. E Feuerverger reforça: se o Ossuário de Tiago for o desaparecido de Talpiot, isto tem um forte valor comprobatório. Fato extraordinário, ainda diz Feuerverger.

9. A pátina combina: o ossuário desaparecido é o Ossuário de Tiago
No Laboratório Criminal de Suffolk, dirigido por Robert E. Genna, nos USA, especialistas forenses analisam amostras de pátina dos ossuários com sofisticados aparelhos eletrônicos. E descobrem que a pátina dos ossuários de Mariamne e de Tiago combinam, mas as amostras aleatórias enviadas para o laboratório não. Logo, o Ossuário de Tiago é o décimo ossuário de Talpiot, o ossuário desaparecido, aumentando assim a probabilidade de ser esta a tumba da família de Nazaré. O narrador explica que "essa é uma evidência fundamental de que o Ossuário de Tiago vem de Talpiot".

Enquanto isto, o documentário mostra Jacobovici e equipe na tumba. Descobrem que o chão está cheio de páginas das Escrituras em decomposição, ou seja, a tumba teria sido transformada em genizá - depósito de velhos manuscritos - por ocasião de sua abertura em 1980. Jacobovici toma um manuscrito do livro de Jonas e explica que este livro é o código para se entender Jesus. O documentário informa que os evangelhos registram que Jesus falava sempre usando parábolas e códigos, coisa natural para quem luta contra o governo. E que, quando questionado sobre o que iria fazer, disse: leiam o livro de Jonas e vocês saberão.

10. Judá, filho de Jesus e Madalena
Finalmente é examinado um ossuário de uma criança e que contém a inscrição Yehuda bar Yeshua, Judá, filho de Jesus. O filho de Jesus e Madalena? Embora o Novo Testamento nada diga sobre um filho de Jesus, isto pode ter sido mantido em segredo para ocultar, dos romanos, a sua linhagem, pois era forte a perseguição na época. E o discípulo amado de Jo 19,25-27 que estava com sua mãe ao pé da cruz e a quem Jesus se dirige pouco antes de morrer? Não seria a mulher Maria Madalena e o discípulo que Jesus amava, seu filho? Isto é representado com atores no documentário.

Mas ter uma criança na tumba de Talpiot talvez estrague tudo, talvez não seja a tumba da família de Jesus de Nazaré... Mas se não for a tumba de Jesus, temos de admitir uma enorme coincidência com tantos nomes da família todos reunidos...

Vozes são ouvidas: é o IAA que comparece, expulsa Jacobovici e equipe da tumba e exige que a lacrem. Que fechem a tumba "da família de Jesus". O que é feito, pois o IAA não autorizara a entrada de ninguém lá. E o documentário termina perguntando: "Quem sabe que segredos ainda existem lá dentro e quanto tempo permanecerão ocultos sob os apartamentos de Talpiot?"

9 comentários:

paulo disse...

parabens pelo excelente resumo! faltou sua opiniao

Anônimo disse...

Qual seria o problema de ser verdadeira esta descoberta. A história que envolve a vida de " um judeu " chamado Jesus e contada por romanos é muito ilusória. Está mais do que na hora da verdade aparecer e por um fim nesta mentira absurda e nesta igreja hipócrita. Comecem a ser perguntar quando foi que o cristianismo despontou ( Imperador Constantino - eo império romano começara cair - quanta coincidência não?!)

Anônimo disse...

Se os apóstolos ou seguidores de um suposto Jesus que não ressuscitou quisessem passar Seus ensinamentos para a posteridade, teriam eles deixado tais "provas" ou "evidências" todas juntinhas num mesmo lugar, para que no futuro alguém as encontrasse e as tornasse de conhecimento público, derrubando por terra todo o esforço?
Se isto não for coincidência (coisa que a Estatística admite) é "prova" plantada.

Anônimo disse...

Assisti o documentário através do YOUTUBE (em dez partes) creio que se não estiver completa, pelo menos pude obter todos os elementos que preciso para afirmar que: sendo o produtor do documentário um famoso diretor de cinema, e alguns de seus protagonistas, mais atores do que estudiuosos, a premissa levantada, de que foi encontrado o túmulo e os ossos da família de Jesus de Nazaré -inclusive os dele- é absolutamente falsa. Analisando o material editado pela equipe, está clara a tentativa de forçar uma "verdade mentirosa". Todas as provas apresentadas são forças a ganhar credibilidade pelos espectadores. É impressionante a força que a equipe de atores faz para tudo parecer encadeado e real. Quando as provas ou as evidências faltam ou se mostram superficiais; logo mudam o assunto e o foco da narrativa.
Irmãos em Cristo (não vou esquecer daqueles católicos que creêm em Jesus Cristo e renegam a Fábula da "Virgem Maria")não acreditem neste documentário fraudulento produzido pela Discovery, não é o primeiro trabalho em que tentam destruir a Ressurreição de Cristo, a existência de Deus, a elibada conduta dos apóstolos e outros documentários fantasiosos que foram mostrados ao mundo, que nós sabemos, é dominado por Satanás.
Pois é este diabólico ser que, tanto a Discovery quanto o cineasta obedecem, será brevemente jogado no lago do fogo, a saber; o inferno.
Creiam em Jesus e na Ressurreição o resto é mentira.

Anônimo disse...

Acho extremamente incrivel como algumas pessoas, com a finalidade de sustentar sua fé, são capazes de fechar os olhos e ouvidos. A fé independe de Jesus ter sido apenas um homem ou um ser divino. É fato que a igreja católica manipulou os livros da Bíblia, sem falas nas traduções. Não há motivos para crer que tudo tenha sido exatamento como a Bíblia de hoje nos conta.
Não vi dedo do Diabo nem apontamento de Deus. E digo que é muito fácil recriar um Cristo hoje em dia, cumprindo professias e fazendo milagres. Porém, isso levaria muitos fanáticos ao suicidio. esses são pessoas sem fé.

Jorge Luíz Aragão disse...

Sinto muito que nossa fe é posta a prova todos os dias. Infelizmente o que vejo é que o cristianismo não é melhor que nem uma religião e não é o único caminho da verdade se é que existe uma verdade.
Tento acreditar, me esforço para isto, mais o descaso que é dado a nossa fé é tanto que temos que ficar explicando o inexplicavel. Acho que DEUS não precisa mostrar a verdade, mais deixar que nos encham de dúvidas ... Decepcionante!

Jorge Luíz Aragão disse...

Gostaria de baixar este vídeo, como fazer?

Anônimo disse...

Armação, quando começa o video, aparece a tumba com o simbolo, o mesmo simbolo quando acham a da escavação.

E no comentário ficam supreso pelo simbolo, e ficam supreso quando veem o mesmo simbulo em uma urna funerária.

É só assistir o começo do video que aparece os atores levando o corpo para ao sepulcro da familia, lá está o simbolo.

Armação para desacreditar a fé.

Mayra Cecilia disse...

Na verdade o que importa mesmo não é tão somente crer em Jesus, mas seguir a Jesus, o que depende mais esforço, abnegação e conhecimento de seus ensinamentos. Jesus veio ao mundo para trazer a moral cristã, e conseguiu. A prova é que milhares de anos depois ainda o temos como ideal de conduta espiritual e moral religiosa. Vi o filme, e acredito que Deus não trai suas leis, por isso se encontraram os restos mortais de Jesus isso não o faz menos do que sempre significou para mim, é só matéria! No evangélho que a igreja católica baniu (apócrifo) de Filipe encontramos o seguinte: "Os que dizem que o Senhor morreu primeiro e (então) se levantou estão enganados, pois ele
primeiro se levantou e (então) morreu. Se alguém não alcança primeiro a ressurreição ele
não morrerá. Assim como Deus vive, ele iria" O que prova que os que viveram com Jesus acreditavam na ressureição da alma e não da carne. E o fato de Jesus ter tido um filho, qual o problema? Quem vê algo de errado nisso não pode entender as leis de Deus que fez o homem para a mulher e os filhos para seus pais. Jesus, foi o mais fiel cumpridor de todas as leis de Deus e é o maior ideal de conduta Moral, amor e disciplina que já foi apresentado para a salvação do mundo, mas depende de nós olharmos para Ele com Fé e humildade. As questões religiosas se desfazem diante dos propósitos do mais alto!
Paz na terra aos homens de boa vontade!

Postar um comentário