sábado, 5 de agosto de 2006

O que aconteceu com o Javista na atual pesquisa do Pentateuco? Ele desapareceu e levou consigo a Hipótese Documentária, explica Rolf Rendtorff

No Congresso Internacional da Society of Biblical Literature (SBL), que aconteceu em Edimburgo, Escócia, entre os dias 2 e 6 de julho de 2006, o professor Rolf Rendtorff, da Universidade de Heidelberg, Alemanha, apresentou a palestra What Happened to the "Yahwist"?: Reflections after Thirty Years [O que aconteceu com o "Javista"? Retomando o tema trinta anos depois], que agora sai publicada no Forum de agosto da SBL.

Os trinta anos do título têm a ver com o fato de Rolf Rendtorff ter apresentado, exatamente em Edimburgo, em 1974, uma exposição sobre o Javista, com o título "Der Jahwist als Theologe? Zum Dilemma der Pentateuchkritik" [O 'Javista' como teólogo? O dilema da crítica do Pentateuco].

No atual artigo, Rendtorff lembra as pesquisas feitas deste então, assunto que trato em um texto sobre a situação atual da pesquisa da História de Israel (e do Pentateuco) , e que convido o leitor a verificar (só o item 2: Van Seters reinventa o Javista) antes de prosseguir esta leitura. Ele diz que desde 1974 defendia o abandono da hipótese documentária do Pentateuco, mas foram refinamentos da hipótese e não o seu abandono o que veio acontecendo nos anos seguintes, de modo especial um intenso debate acerca do pilar de sustentação da hipótese, que é exatamente o Javista (But what happened instead in the following years was a discussion not about an alternative to this hypothesis but about its refinement. In particular, there began a widespread discussion about the central pillar of the hypothesis, the so-called Yahwist).

Após citar Von Rad e sua posição sobre o Javista - visto por ele como autor e teólogo - Rendtorff diz que vai apenas chamar a atenção para algumas características da pesquisa acadêmica mais recente - e não fazer um levantamento completo do que ocorreu nos últimos trinta anos (It is not my intention to unfold the whole history of research in the last thirty years. But I want to mark some characteristic positions that show the great diversity in the present scholarly debate).

Em primeiro lugar, há aqueles que ainda defendem a tradicional hipótese das fontes do Pentateuco, como Richard Elliott Friedman, em estudo publicado em 2005. Mas o que fazer com o texto após despedaçá-lo em J, E, P, D etc. E o texto em seu conjunto, como fica, pergunta R. Rendtorff?

Há também um grupo que sustenta uma 'hipótese documentária reduzida', eliminando o Eloísta (E) e concentrando a pesquisa no Javista (J), além de deslocá-lo para a época mais recente do Deuteronomista, a época do exílio babilônico, como John Van Seters e Hans Heinrich Schmid o fazem em suas clássicas obras da década de 70. Na mesma direção vai Christoph Levin em uma obra de 1993.

Mas há também um grupo que mais recentemente tem encontrado dificuldade em identificar o Javista. Enquanto o Sacerdotal (P) e a teologia Deuteronomista são claramente identificáveis no Pentateuco, quase tudo sobre o Javista começa a ser questionado: sua época e dimensão, sua coerência interna, características teológicas, enfim, sua existência como tal.

Por isso, em 1999, Christoph Levin convidou, em Munique, um grupo de pesquisadores para uma discussão sobre "O Javista e seus críticos", da qual resultou o livro publicado em 2002 com o título de Abschied vom Jahwisten. Die Komposition des Hexateuch in der jüngsten Diskussion [Um adeus para o Javista. A composição do Hexateuco na discussão recente]. Sobre este livro leia o quadro E a Crise do Pentateuco Continua, em meu artigo já citado. É, como digo ali, "adeus" Javista (Jean Louis Ska expresses this by the title of his introductory essay: "The Yahwist, a Hero with a Thousand Faces." Indeed, this collection of essays shows many different faces of "J." And for many of the authors, the Yahwist has no face at all because he does not exist any longer).

Neste ponto de seu artigo, Rolf Rendtorff, após expor a posição de vários dos autores desta obra que descarta o Javista, chega à conclusão de que o fim do Javista significa também o fim da Hipótese Documentária. Em suas palavras:

"In my view, this book shows very clearly that the end of the Yahwist means at the same time the end of the Documentary Hypothesis. A documentary hypothesis with just one single document cannot work like an hypothesis that was originally established and developed with four or at least three documents or sources, whose interrelations are a basic element of the method of working in the framework of this theory. As I mentioned before, only a few of the essays in this volume deal with this question, and they touch it just briefly and rather hesitantly. Instead, the question is raised of the interrelations between certain blocks, such as patriarchal stories and Exodus traditions or Genesis and the following books. These are questions beyond the Documentary Hypothesis".

E termina seu artigo com a pergunta: "Novamente: O que aconteceu com o Javista? A resposta: desapareceu e levou com ele o edifício no qual ele habitava, porque não há ali outros moradores" (Again: What happened to the Yahwist? The answer: He faded away, and he took with him the building he had lived in because there are no inhabitants any longer).

No mesmo Forum da SBL há outro artigo: de David J. A. Clines, da Universidade de Sheffield, Reino Unido. É uma resposta ao texto de R. Rendtorff , com o título de Response to Rolf Rendtorff's "What Happened to the Yahwist? Reflections after Thirty Years".

Um dia qualquer talvez eu o comente.

3 comentários:

informadordeopiniao disse...

Rolf Rendtorff é pouquíssimo comentado no Brasil. Parabéns ao blog e ao prof. Airton por apresentar essa polêmica. Ele, juntamente com K.A. Kichen e John H. Walton são minhas maiores referências em formação do Antigo Testamento. Todos os três passam batido dos biblistas brasileiros.

informadordeopiniao disse...

ops,

em tempo, preciso corrigir minha afirmação qto a Kitchen. Não é minha referência em FORMAÇÂO do A.T.(onde ele é mto prepotente), mas na interface arqueológica.
Rolf Rendtorff e John H. Walton o são.

Leonardo T. Oliveira disse...

Muito bom! Tenho apenas uma dúvida: o artigo "A História de Israel: Um Debate Atual" começa abordando a crescente descrença em uma factibilidade histórica do Antigo Testamento e as origens de Israel. Em seguida colhe um exemplo da arqueologia e outro da filologia. Eu queria ter uma ideia mais clara sobre como esses dois exemplos influenciam especificamente o status histórico do conteúdo bíblico.

No primeiro caso da arqueologia, não encontrar determinados vestígios que corroborem a narrativa bíblica não seria um argumento "ex silentio"? Porque se você não encontra vestígios arqueológicos pra um dado antigo e a partir disso conclui que ele é falso, como você explica esse dado? Ele teria imprecisões técnicas, que precisariam ser ajustadas? Ou ele teria sido simplesmente inventado? Negar o dado antigo por falta de vestígio arqueológico me parece, assim, também uma decisão, e é preciso lembrar que essa decisão precisaria lidar com uma nova explicação. Será provável que um dado antigo foi simplesmente inventado? Será essa teoria, em lugar do valor histórico desse dado antigo, mais sustentável? (E aqui entraríamos em outro tipo de análise, a do gênero textual, que interprete a lógica da invenção no plano de um texto).

Sobre o caso filológico, mapear os redatores do Antigo Testamento influenciam a origem do conhecimento desses redatores? Quer dizer, se o Javista é contemporâneo do D/OHDtr, isso compromete os dados que ele registra e a tradição que ele reconstrói?

Obrigado! (Estou entusiasmado com a descoberta do blog).

Postar um comentário