domingo, 30 de abril de 2006

No sistema neoliberal somos levados, cada vez mais, a viver e morrer em função do consumo

Agência Carta Maior: 21/04/2006

Velhos e novos consensos morais

Luís Carlos Lopes
Durante muito tempo a Igreja Católica foi a guardiã da moral pública brasileira. Não é mais (...) Nas últimas cinco décadas, o capitalismo se instalou profundamente na vida brasileira, chegando a sua atual fase, que alguns críticos chamam de neoliberal. Tivemos um longo percurso de passagem de uma economia rural, para uma economia urbana. A maior parte dos brasileiros (80%) passou a viver nas cidades grandes, médias e pequenas. A antiga hegemonia católica esfacelou-se, bem como o consenso social sobre questões afetivas e sexuais. O país se dessacralizou e a moral e os moralistas se defrontaram com novas crenças e novos comportamentos que, mesmo fragmentariamente, trouxeram novos modos de encarar antigos problemas. As novas igrejas e mesmo os novos movimentos católicos já não são capazes de conseguir os mesmos consensos de antes (...) Todos querem o mesmo: viver e morrer para e pelo consumo. Infelizmente, é fácil de ver em muita gente boa, que eles crêem em sua superioridade sobre os demais. Os mesmos vêem como desnecessário se ter preocupações éticas e acreditam no lucro acima do amor entre os homens e mulheres de boa vontade...

Acredito que outros fatores devam ser igualmente considerados, quando se tenta pensar a ética da complexa sociedade atual. Mas estes que são aqui apresentados já nos fazem pensar...

Luís Carlos Lopes é professor do Instituto de Artes e Comunicação Social da Universidade Federal Fluminense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário