domingo, 23 de abril de 2006

Academia da Latinidade insiste na busca pela diferença e na sua aceitação como caminho e garantia para uma convivência pacífica

Folha Online: 23/04/2006 - 09h29

Intelectuais defendem diálogo islã-Ocidente


Uirá Machado - Enviado especial da Folha de S.Paulo a Baku

Intelectuais reunidos no Azerbaijão por ocasião da 13ª Conferência da Academia da Latinidade concluíram que, para existir um avanço no diálogo entre o Ocidente e o "mundo islâmico", é preciso haver uma nova abordagem que rejeite generalizações e a idéia de que ambos os mundos são homogêneos. "Chega-se à conclusão de que não podemos falar em duas civilizações - o encontro que existe é entre pessoas inseridas nesta ou naquela realidade. A generalização impede a existência de um verdadeiro diálogo", afirma o cientista político Sergio Paulo Rouanet. A observação de Rouanet é compartilhada pela maioria dos intelectuais que estiveram em Baku, capital do Azerbaijão, entre os dias 19 e 21 de abril. Participaram do encontro 23 intelectuais - alguns de expressão internacional, como o sociólogo Alain Touraine e o filósofo Jean Baudrillard, ambos franceses, e outros locais, como a analista política Leila Alieva, do Azerbaijão. O tema da conferência foi "Cultura da Diferença na Eurásia". Segundo o sociólogo brasileiro Candido Mendes, secretário-geral da academia, a proposta da conferência (cont.)

A Academia da Latinidade, criada no Rio de Janeiro em março de 2000, tem por objetivo constituir "uma autoridade moral independente, reforçar a solidariedade dos países e dos povos de cultura latina e garantir a presença justa das contribuições passadas, atuais e futuras da latinidade em todas as áreas da civilização. Ela enseja, desenvolve e participa de ações culturais e científicas, favorecendo a troca com todas as culturas do mundo".


Leia Mais:
Latinidade e Mundialização

Nenhum comentário:

Postar um comentário