quarta-feira, 11 de janeiro de 2006

Ouvir, Ler e Escrever: o curso de Língua Hebraica Bíblica

O curso de Língua Hebraica Bíblica compreende apenas 30 horas no segundo semestre do primeiro ano de Teologia. É um tempo insuficiente mesmo para a aprendizagem elementar do hebraico bíblico. Por isso - utilizando recursos de audição do hebraico, projeção com datashow, imagens gif que mostram a construção do alfabeto, somados à distribuição de CDs com o aplicativo e vários outros recursos para uso em casa - o curso se propõe apenas familiarizar o estudante de Teologia com o universo da língua hebraica e o modo semítico de pensar. No transcorrer das aulas os três itens principais - ouvir, ler e escrever - são trabalhados simultaneamente e não sequencialmente. Este curso está disponível para download na Ayrton's Biblical Page > Hebraico.

I. Ementa
Introdução elementar à língua hebraica bíblica, que parte de um texto específico, Gn 1,1-8, e trabalha com os elementos de ortoépia (pronúncia normal e correta dos sons), ortografia (escrita correta das palavras) e etimologia (formação das palavras e suas flexões) encontrados neste pequeno trecho. O método escolhido foi o de ouvir, ler e escrever a língua hebraica. Informações complementares sobre a história da língua e análise do vocabulário de Gn 1,1-8 também são oferecidas.

II. Objetivos
Trabalha conceitos semíticos importantes para a compreensão do texto bíblico vétero-testamentário.

III. Conteúdo Programático
História
O hebraico é uma língua semítica. As línguas semíticas constituem um ramo da grande família das línguas afro-asiáticas, anteriormente chamada camito-semítica. A família afro-asiática compreende seis ramos: semítico, egípcio, berbere, cuxita, homótico e chádico. Nesta seção o hebraico é situado no grande quadro das línguas semíticas e tenta-se, em seguida, esboçar uma rápida história da língua hebraica, salientando suas características específicas.
  • Línguas Semíticas
  • Hebraico
1. Ouvir
Ouvir repetidamente o hebraico. Até o ouvido se acostumar com os sons estranhos. Não há aqui a preocupação em entender. O objetivo é fixar a atenção nos sons e acompanhar o texto de cada versículo, palavra por palavra. Até começar a distinguir onde está o leitor, no caso o cantor.
  • Ouvir Gn 1,1-8
2. Ler
Nesta seção o objetivo é tentar ler o hebraico. Está disponível, para cada versículo de Gn 1,1-8, a pronúncia e a transliteração. A pronúncia está bem simplificada, somente chamando a atenção para as tônicas, sem dizer se o som da vogal é aberto ou fechado. Já a transliteração, representação dos caracteres hebraicos em caracteres latinos, é uma coisa complicada e tem que ser detalhada. Há transliteração de cada palavra, e também de cada consoante, vogal e semivogal (shevá, em hebraico). É algo trabalhoso e parece desnecessário, mas o estudante de hebraico tem que se acostumar com a idéia de que o som da língua nada, ou quase nada, tem a ver com o português! O hebraico tem suas próprias características. E a transliteração o ajuda a perceber isso.
  • Ler Gn 1,1-8
  • O Alfabeto
3. Escrever
Escrever o hebraico... parece ruim, mas é necessário! Nesta seção o estudante vai aprender algumas regras básicas da gramática hebraica. Regras que permitirão uma escrita mínima de palavras e expressões. Mas a gramática é muito mais do que isto que aí está. Para isso existe uma bibliografia com gramáticas, vocabulários, dicionários... E há revisões. Uma para cada versículo. As revisões ajudarão o estudante de hebraico verificar o seu nível de absorção do ouvir, do ler e do escrever. Poderão servir igualmente para as avaliações da disciplina.
  • As Sílabas
  • O Shevá
  • O Dâghesh
  • Revisão I
  • Vav Conjuntivo
  • O Artigo
  • As Preposições
  • Revisão II
  • O Substantivo
  • Revisão III
  • O Adjetivo
  • Os Numerais
  • Revisão IV
  • O Verbo I
  • Revisão V
  • O Verbo II
  • Vav Consecutivo
  • Revisão VI
  • O Verbo III
  • Revisão VII
Vocabulário
Nesta seção o que se pretende é analisar o vocabulário de Gn 1,1-8 no seu contexto. Serve, entre outras coisas, como preparação para o estudo de uma parcela (mínima, mas importante) do Pentateuco, que é estudado no mesmo semestre.

IV. Bibliografia
Básica
BUSHELL, M. BibleWorks 9. Norfolk, Virginia: BibleWorks, LLC, 2011. Confira também: Como usar o BibleWorks 8

DA SILVA, A. J. Noções de hebraico bíblico. Aplicativo em linguagem html. Brodowski, 2001. Revisto em 10.04.2014.

DA SILVA, A. J. Programas gratuitos ou não para estudos bíblicos - Observatório Bíblico: 24.05.2010


Complementar
DA SILVA, A. J. Barra de ferramentas para estudos bíblicos - Observatório Bíblico: 16.03.2008

DA SILVA, A. J. Bíblias em hebraico e grego, em Unicode, para download e leitura online - Observatório Bíblico: 17.01.2006

ELLIGER, K.; RUDOLPH, W. Biblia Hebraica Stuttgartensia. 5. ed. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, [1967/1977], 1997, lviii + 1574 p. - ISBN 9783438052193. A BHS pode ser encontrada e adquirida no site SBB pontocom > Edições Acadêmicas > Línguas Originais. Disponível também online gratuitamente.

FARFÁN NAVARRO, E. Gramática do hebraico bíblico. São Paulo: Loyola, 2010, 192 p. - ISBN 9788515037445

GESENIUS, W.; KAUTZSCH, E. (ed.) Gesenius' Hebrew Grammar. 2. ed. Translated from German by A. E. Cowley, Oxford, Oxford University Press, 1995, 598 p. Também: New York: Dover Publications, 2006, 624 p. - ISBN 9780486443447, disponível na Amazon.com. Para uma versão online, confira Gesenius' Hebrew Grammar is online (o link está nos comentários).

JOÜON, P.; MURAOKA, T. A Grammar of Biblical Hebrew. Rome: Biblical Institute Press, 2006, xlvi + 772 p. Em espanhol: Gramática del hebreo bíblico. Estella, Navarra: Verbo Divino, 2007, 928 p. - ISBN 9788481697223.

KELLEY, P. H. Hebraico Bíblico. Uma Gramática Introdutória. 8. ed. ampliada. São Leopoldo: Sinodal, 2011 (?), 488 p.

KIRST, N. et alii Dicionário Hebraico-Português e Aramaico-Português. 28. ed. São Leopoldo/Petrópolis: Sinodal/Vozes, 2013, 305 p. - ISBN 8523301305.

LAMBDIN, T. O. Gramática do Hebraico Bíblico. São Paulo: Paulus, 2003 [3. reimpressão: 2013], 398 p. - ISBN 8534920931.

MENDES, P. Noções de Hebraico Bíblico. Texto Programado. 2. ed. São Paulo: Vida Nova, 2011, 192 p. - ISBN 9788527504584.

MITCHEL, L. A.; OSVALDO C. PINTO, C.; METZGER, B. M. Pequeno dicionário de línguas bíblicas: hebraico e grego. São Paulo: Vida Nova, 2003, 312 p. - ISBN 8527502879.

ORTIZ, P. Dicionário do hebraico e aramaico bíblicos. São Paulo: Loyola, 2010, 176 p. - ISBN 9788515018970.

SAYÃO, L. (ed.) Antigo Testamento Poliglota. São Paulo: Vida Nova, 2003, 1952 p. - ISBN 8527503018.

SCHÖKEL, L. A. Dicionário Bíblico Hebraico-Português. 8. ed. São Paulo: Paulus, 1997 [5. reimpressão: 2012], 798 p. - ISBN 8534910464.


WALTKE, B.; O'CONNOR, M. Introdução à Sintaxe do Hebraico Bíblico. São Paulo: Cultura Cristã, 2006, 784 p.

Atualização: 10.04.2014
A bibliografia acima foi atualizada até 10 de abril de 2014. No curso de hebraico, disponível para download gratuito, a bibliografia está também atualizada até 10 de abril de 2014.

7 comentários:

Flavio Santos disse...

Tangendo o tópico, a língua hebraica, é fora de dúvida para mim que uma verdadeira compreensão da Bíblia, ou uma tentativa, exige o domínio desse idioma, seguido pelo grego, inexoravelmente, ambas línguas-matrizes. Toda e qualquer outra tradução não reflete o sentido querido pelos autógrafos.

Para mim, em iniciação pessoal pelo estudo do hebraico e do grego, mesmo a versão grega da Septuaginta não consegue ser fiel na transmissão da Bíblia hebraica. Um exemplo encontro no Levítico, 24.17, onde a interpretação usual entende a pena taliânica.

A Bíblia de Jerusalém registra: "Se um homem golpear um ser humano, quem quer que seja, deverá morrer."

Quem verificar o texto massorético, anotará para a ocorrência do "homem" que golpeia o termo "îsh", e o ser humano golpeado "adam". A Septuaginta registra a mesma raiz para ambos, e todas as traduções seguem o mesmo paradigma, o que dá a idéia de entes de mesma hierarquia: ser humano para ser humano.

Entendo hierarquias diferentes para os termos "ish" e "adam", e o versículo levítico encerra assim um outro significado. Ocorre-me a exortação paulina de 1Coríntios, cap. 5, onde o apóstolo distingüe os "homens internos" dos de fora. Internos não no sentido de meio social, porém na alma do próprio ser humano, o "homen de fora" paulino, digamos assim.

Esse assunto é tremendamente apaixonante!

Mauro Meister disse...

Prezado Airton,

Gostaria de fazer referência a uma nova tradução para o português. Trata-se da obra de WALTKE, B. e O'CONNOR, M., Introdução à Sintaxe do Hebraico Bíblico. São Paulo: Cultura Cristã, 2006, 766p. (www.cep.org.br). Tenho certeza que conhece a obra, que agora está em português.
abs

Mauro Meister

airtonjo disse...

Mauro,

Agradeço pela indicação. As resenhas a respeito do original inglês na página da Eisenbrauns são altamente elogiosas.
Só lamento que o preço da edição brasileira seja mais do que o dobro da edição norte-americana, o que "esfria" o entusiasmo de nossos estudantes.

Mauro Meister disse...

Airton,

A Eisenbrouns já pode se dar ao luxo de vender a preços bem mais baixo, já tendo impresso o trabalho uma dezena de vezes. Mas creio que é possível ter um bom desconto na compra ligando no 0800 (http://www.cep.org.br) da editora. Peço licença para postar o prefácio da obra em português, que tive o privilégio de fazer:

"Prefaciar a obra de Waltke e O’Connor na sua tradução para a língua portuguesa é uma honra imensa. Quando a indiquei para tradução e os trabalhos foram iniciados, não tinha idéia de quanto tempo e esforço seriam necessários até que pudéssemos tê-la entregue ao estudioso da língua hebraica no Brasil. Não se trata da tradução de um livro simples, mas de uma obra, que além de volumosa, apresenta complexidade nas relações internas com vários índices fundamentais ao seu bom uso.

A necessidade desta obra específica em língua portuguesa é incontestável. Os estudos da língua hebraica no Brasil andam por lentos e tortuosos caminhos. Há poucas décadas havia, se não, as mais básicas gramáticas de hebraico disponíveis para nossos estudantes. Houve, naturalmente, um desenvolvimento na área, e nos últimos anos encontramos várias novas gramáticas publicadas em língua portuguesa, pelo que damos graças a Deus. Há menos de 10 anos que o primeiro dicionário Hebraico-Português de porte razoável tomou seu lugar nas bibliotecas de nossos estudantes. Estas obras, básicas para o ensino da língua hebraica, encontram, agora, o suporte de uma obra de grande peso, que tornou-se um manual de referência ao redor de todo o mundo, ainda que os próprios autores reconheçam o limite da mesma quanto às discussões de exceções e daí a necessidade de outras obras clássicas com Gesenius, Kautzsch e Cowley ou Jüon-Muraoka, que esperamos sejam um dia traduzidas para o português. Até então, nenhuma obra do porte de Waltke e O’Connor foi publicada em nosso vernáculo para o estudo do hebraico.

A introdução à sintaxe do hebraico bíblico é normalmente descrita como uma gramática intermediária. Para o estudante dedicado da língua, seu uso torna-se possível a partir do segundo ano de estudos e acrescenta informações fundamentais na construção da compreensão da língua. As qualidades didáticas da obra são inúmeras. Entre elas, destacamos o próprio uso da linguagem. Os autores se esmeram em explicar a terminologia usada, tanto no texto quanto nas notas de rodapé, permitindo ao estudante noviço uma leitura mais fácil. Encontram-se na obra mais de 3500 exemplos do uso específico relativo aos temas dos capítulos e seções. Além dos exemplos e suas traduções estarem no texto, as notas de rodapé apontam vários outros exemplos no texto na Bíblia Hebraica Stuttgartensia (BHS) e também as discussões acadêmicas em artigos, livros e comentários são apontadas, abrindo o caminho para o estudo avançado de cada uma das questões apresentadas. As referências cruzadas são inúmeras, tanto nas notas quanto nos índices finais de Tópicos, Autores, Palavras Hebraicas e Citações das Escrituras. A inserção de uma bibliografia separada por tópicos aponta os caminhos para a pesquisa avançada.

Ainda que após a publicação do livro (1990) as pesquisas na língua hebraica tenham avançado, abrangendo o estudo de novas categorias lingüísticas e metodologias, a obra de Waltke e O’Connor continua a ser reimpressa, por seu porte e valor inestimáveis. Essa é, sem sombra de dúvidas, uma obra que o estudioso do Hebraico Bíblico deve ter em sua biblioteca."

Mauro

airtonjo disse...

Mauro,

Obrigado pelo prefácio. Deixará o leitor mais bem informado. Escrevi uma nota no blog sobre isso hoje.

Anônimo disse...

Olá,meu nome é Eliane, agradeço pelo curso, acabei de baixar e descompctei, já estou ouvindo.Achei ótimo começar pelo Princípio, Gênesis.

airtonjo disse...

Bibliografia de hebraico foi atualizada: a bibliografia do curso de hebraico bíblico indicada neste post foi atualizada em 08/09/2010. O curso é gratuito e está disponível para download na Ayrton's Biblical Page.

Postar um comentário