terça-feira, 27 de setembro de 2016

Cahiers Évangile: lista cronológica

Todo mundo que lida com estudos bíblicos conhece a coleção Cadernos Bíblicos, que foi parcialmente publicada pela Paulus. Pois é. Cadernos Bíblicos é a tradução dos Cahiers Évangile, em francês. Os Cahiers Évangile são publicados por Éditions du Cerf, Paris. São 4 números por ano. A versão espanhola sai pelo Editorial Verbo Divino - Estella (Navarra). Em português [de Portugal]: Difusora Bíblica - Fátima, Portugal. Leia o post anterior para ver a história da coleção.



Cahiers Évangile 176 - 2016


Aqui, transcrevo a lista cronológica, quase completa [faltam uns 10], dos Cahiers Évangile. São 177 números até setembro de 2016. A publicação pela Paulus foi descontinuada.

1972
1/2 Saint Marc, par J. Delorme

1973
3 Christ est ressuscité, par E. Charpentier
5 Saint Luc, par A. Georges

1974
8 Miracles de l'Évangile, Collectif
9 Saint Matthieu, Collectif

1975
11 Une lecture de l'Apocalypse, Collectif
12 L'accomplissement des Écritures, par P.-M. Beaude
13 Pour prier les Psaumes, par M. Mannati
14 Intertestament, par A. Paul

1976
17 Saint Jean, par A. Jaubert
18 Récits de l'Enfance (Mt 1-2 ; Lc 1-2), par Ch. Perrot

1977
19 Le message de l'épître aux Hébreux, par A. Vanhoye
20 Le deuxième Isaïe, par C. Wiéner
21 Les Actes des Apôtres, Collectif
22 Les Épîtres aux Corinthiens, par M. Quesnel

1978
23 Isaïe (1-39), par J.-M. Asurmendi
24 Les Béatitudes, par J. Dupont
25 Les Psaumes et Jésus, par M. Gourgues
26 Saint Paul en son temps, par E. Cothenet

1979

27 La Palestine au temps de Jésus, par Bernard Rolland, Christiane Saulnier
28 Aux racines de la Sagesse, Collectif
29 Mort et vie dans la Bible, par A. Marchadour
30 Jésus devant sa Passion et sa mort, par M. Gourgues

1980
31 Jésus-Christ dans l'évangile de Jean, par J. Guillet
32 La Sagesse et Jésus-Christ, par J.-N. Aletti
33 Épîtres aux Philippiens et à Philémon, par S. Légasse
34 L'épître aux Galates, par E. Cothenet

1981
36 Jonas, par V. Mora
37 L'eucharistie dans la Bible, Collectif
38 Ézéchiel, par J.-M. Asurmendi

1982
39 La première lettre aux Thessaloniciens, par M. Trimaille
40 Le livre de Jérémie, par J. Briend
41 L'Au-delà dans le Nouveau Testament, par M. Gourgues
42 La crise maccabéenne, par C. Saulnier

1983
43 Prophètes de l'Ancien Testament, par L. Monloubou
44 Les livres de Samuel et des Rois, par P. Gibert
45 Les Évangiles, origine, date, historicité, par P. Grelot
46 Cœur, Langue, Mains dans la Bible, P. Mourlon-Beernaert

1984
47 Les épîtres de Pierre, par E. Cothenet
48 Un chrétien lit le Coran, par J. Jomier
49 L'inspiration et le canon des Écritures, par A. Paul
50 Jésus, 13 textes du Nouveau Testament, Collectif

1985
51 La Deuxième épître aux Corinthiens, par M. Carrez
52 L'Esprit Saint dans la Bible, Collectif
53 Job, par J. Lévêque
54 L'Exode, par C. Wièner

1986
55 Le judaïsme de l'Exil au temps de Jésus, par C. Tassin
57 De Jésus aux sacrements, par J. Guillet
58 Matthieu le théologien, par J. Zumstein

1987
59 Sémiotique, par J.-C. Giroud et L. Panier
60 Mission et Communauté (Ac 1-12),par M. Gourgues
61 La lettre de Jacques, Collectif
62 Les épîtres de Jean, par M. Morgen

1988
63 Le Deutéronome, par F. Garcia Lopez
64 Amos et Osée, par J.-M. Asurmendi
65 L'épître aux Romains, par Ch. Perrot
66 La première épître aux Corinthiens, par M. Carrez

1989
67 L'Évangile aux païens (Ac 13-28), par M. Gourgues
68 Dieu notre Père, par J. Pouilly
70 Le sacerdoce dans la Bible, par J. Auneau

1990
71 Petit dictionnaire des Psaumes, par J.-P. Prévost
72 Les épîtres Pastorales, par E. Cothenet
73 Évangile et Tradition d'Israël, par M. Collin et P. Lenhardt
74 Parole de Dieu et exégèse, Collectif

1991
75 Parabole, par D. Marguerat
76 La violence dans la Bible, par P. Beauchamp et D. Vasse
77 Marie des évangiles, par J.-P. Michaud
78 Le livre des Nombres, par P. Buis

1992
79 Le livre de Daniel, par P. Grelot
80 Prier les Hymnes du Nouveau Testament, par M. Gourgues
81 Le Décalogue, par F. Garcia-Lopez
82 Les épîtres aux Colossiens et Éphésiens, par E. Cothenet

1993
83 Bible et royauté dans l'Ancien Testament, Collectif
84 Évangile et règne de Dieu, Collectif
85 Le Cantique des Cantiques, par A.-M. Pelletier
86 Le livre des Rois, par P. Buis

1994
87 Le livre des Chroniques, par Ph. Abadie
88 Le vocabulaire des Épîtres de St Paul, Collectif
89 Samuel, par A. Wénin
90 Les derniers Prophètes, par S. Amsler

1995
91 Qohéleth. Le Siracide, par D. Doré
92 Les Psaumes, par M. Collin
93 Des récits d'Évangile, par P. Moitel
94 Le Sermon sur la Montagne, par M. Dumais

1996
95 Esdras et Néhémie, par Ph. Abadie
96 Qu'est-ce que l'Évangile ? par P.-M. Beaude
97 Les traditions du Pentateuque, par N. Lohfink
98 De longs récits d'Évangile, par P. Moitel

1997
99 Les origines d'Israël, par D. Noël
100 Les premières lectures du Dimanche, Collectif
101 Le livre de Tobit, par D. Doré
102 Les manuscrits de la Bible, par R. Dupont-Roc et P. Mercier

1998
103 Lire les Évangiles Synoptiques, par J.-F. Baudoz
104 Le livre de Ruth, par A. Wénin
105 La justice dans l'Ancien Testament, par G. Verkindère

1999
107 L'analyse narrative, par A. Wénin, J.-L. Ska, J.-P. Sonnet
108 Le Nouveau Testament est-il anti-juif ? Collectif
109 Au temps des rois, par D. Noël
110 Les Apocalypses du Nouveau Testament, par E. Cuvillier
 
Cahiers Évangile 174 - 2015

 2000
111 Les sacrifices de l'Ancien Testament, par A. Marx
112 Les récits de la Passion, par S. Légasse
113 Le livre de la Sagesse, par D. Doré
114 L'œuvre de Luc, par O. Flichy

2001
115 La justice dans le Nouveau Testament, par P. Debergé
116 Le Lévitique - La loi de Sainteté, par P. Buis
117 Saint Marc, nouvelles lectures, par G. Bonneau
118 Le sacrifice du Christ et des chrétiens, Collectif

2002
119 Jésus de Nazareth, prophète et sage, par J.-P. Lémonon
120 Paroles de Vie, Collectif
121 Au temps des Empires (587-175), par Damien Noël
122 La géographie de la Bible, par Olivier Artus

2003
123 Cinquante mots de la Bible, par 5 animateurs bibliques
124 Mille livres sur la Bible, Collectif
125 Le livre des Juges, par Philippe Abadie
126 Paul, le pasteur, par Pierre Debergé

2004
127 Autour des récits bibliques, par Bernadette Escaffre, Daniel Marguerat, André Wénin
128 Relectures des Actes des Apôtres, par Odile Flichy, Michel Berder, Yves-Marie Blanchard, Philippe Léonard, Claude Tassin
129 Evangile de Jésus Christ selon saint Matthieu, par Claude Tassin
130 L'histoire de Joseph (Gn 37-50), par André Wénin

2005
131 Archéologie, Bible, Histoire, par Jacques Briend, Olivier Artus, Damien Noël
132 Le livre de Judith, la guerre et la foi, par Daniel Doré
133 Evangile de Jésus Christ selon saint Marc, par Philippe Léonard
134 Le livre de Josué, critique historique, par Philippe Abadie

2006
135 Les judéo-chrétiens : des témoins oubliés, par Jean-Pierre Lémonon
136 Des Maccabées à Hérode le Grand, par C. Tassin
137 Évangile de Jésus Christ selon saint Luc, par Y. Saoût (11 €)
138 Les écrits johanniques, par Y.-M. Blanchard

2007
139 Lectures figuratives de la Bible, par Cécile Turiot
140 "Ecoute, Israël", commentaires du Deutéronome, par Norbert Lohfink
141 Lire la Bible aujourd'hui. Quels enjeux pour les Eglises ? (11 €)
142 Le livre d'Isaïe, par Dominique Janthial

2008
143 L'Alliance au coeur de la Torah, par Bernard Renaud
144 Des fils d'Hérode à la 2e Guere juive, par Claude Tassin
145 Evangile de J.-C. selon saint Jean, 1, par Bernadette Escaffre
146 Evangile de J.-C. selon saint Jean, 2, par Bernadette Escaffre

2009
147 Saint Paul, une théologie de l'Eglise ?, par Roselyne Dupont-Roc
148 Les écrits apocryphes chrétiens, par Jean-Marc Prieur
149 Un Dieu jaloux, entre colère et amour, par Bernard Renaud
150 Images bibliques : le Christ dans l'A.T., par Philippe Gruson

2010
151 "Tenez bon ! ” Relire la lettre aux Hébreux, par Jean-Marie Carrière
152 De l'Ancien Testament au Nouveau 1. Autour du Pentateuque, par André Paul
153 De l'Ancien Testament au Nouveau 2. Autour des Prophètes et autres Écrits, par André Paul
154 Le Dieu unique et les autres. Esquisse de l'évolution religieuse de l'ancien Israël, par Dany Nocquet

2011
155 "Nos Pères nous ont raconté". Introduction à l'analyse narrative des récits de l'Ancien Testament, par Jean-Louis Ska
156 Le Pentateuque. Histoire et théologie, par Olivier Artus
157 Traduire la Bible en français, par Jacques Nieuviarts et Gérard Billon
158 Le couple dans l'Ancien Testament, par Bertrand Pinçon

2012
159 Diakonia. Le service dans la Bible (collectif)
160 Les anonymes de l'Évangile. Rencontres de Jésus dans les évangiles synoptiques, par Vianney Bouyer
161 Genèse 1-11. Les pas de l'humanité sur la terre, par Jean L'Hour
162 La terre dans la Bible, par Alain Marchadour

2013
163 La Parole du Seigneur. Sur l'exhortation Verbum Domini (collectif)
164 La Lectio divina, par Christophe de Dreuille
165 Pierre, le premier des apôtres (Collectif)
166 Le mystère de la Croix (Collectif)

2014
167 "Au miroir de la Parole". Lecture de l'épître de Jacques, par Jacqueline Assaël et Elian Cuvillier
168 Samson, récit et histoire – Lectures de Juges 13-16, par Didier Luciani et Damien Noël
169 Mots de passe pour les Évangiles, par Marc Sevin
170 Le livre de l'Apocalypse, par Yves-Marie Blanchard

2015
171 Jacob, l'autre ancêtre, par Corinne Lanoir
172 L'Alliance chez les prophètes par Elena Di Pede
173 Pour lire l'évangile selon saint Luc, par Pierre Debergé
174 La Judée au temps de Jésus, par Christiane Saulnier, Bernard Rolland et Gérard Billon

2016
175 Interpréter les Écritures. Actes du colloque pastoral "Dei Verbum", par Mgr Pierre-Marie Carré, P. Christophe de Dreuille, Mme Valérie Duval-Poujol, Mme Élisabeth Parmentier, Fr. Jean-Michel Poffet, Mgr Michel Santier, P. Christoph Theobald
176 Femmes bibliques vues d'Afrique, par Patrick Fabien, Anne-Béatrice Faye, Albert Ngengi Mundele, Roger Wawa, Raymond Ahoua
177 La Loi dans l'évangile de Matthieu, par d' Odile Flichy

Cahiers Évangile: breve história

Todo mundo que lida com estudos bíblicos conhece a coleção Cadernos Bíblicos, que foi parcialmente publicada no Brasil pela Paulus. Pois é. Cadernos Bíblicos é a tradução dos Cahiers Évangile, em francês. Os Cahiers Évangile são publicados por Éditions du Cerf, Paris. São 4 números por ano.

A versão espanhola sai pelo Editorial Verbo Divino - Estella (Navarra). Em português [de Portugal]: Difusora Bíblica - Fátima, Portugal. A publicação pela Paulus foi descontinuada.


Cahiers Évangile 174 - 2015


Uma breve história da coleção. Em francês.

Un rapide historique...

Le Service biblique catholique Évangile et Vie (SBEV) est issu du mouvement biblique du 20e siècle. Il est né dans le dynamisme du concile Vatican II.

Depuis 1891 existait une association privée, la « Ligue Catholique de l’Évangile ». Son but ? Favoriser les cercles d’études bibliques et la diffusion de brochures sur l’Évangile et le Nouveau Testament. Depuis 1951, elle publiait des cahiers trimestriels appelés sobrement Évangile (et, familièrement, « cahiers rouges » à cause de leur couleur) dirigés par le P. Gourbillon puis le P. du Buit.

En 1970, à la demande de l’épiscopat et des biblistes de l’Association Catholique Française pour l’Étude de la Bible (ACFEB, créée en 1966), la Ligue Catholique de l’Évangile se transforme et devient le Service biblique catholique Évangile et Vie, chargé d’être l’antenne française de la Fédération Biblique Catholique Mondiale, voulue par le cardinal Bea à la suite du concile Vatican II.

En 1972, le premier directeur, Étienne Charpentier, modifie les cahiers rouges Évangile en Cahiers Évangile, désormais publiés par les éditions du Cerf, spécialisées tant dans les études bibliques que dans la vulgarisation. Les Cahiers Évangile deviennent alors un instrument de la pastorale biblique en France.

Projet : « … un service qui, modestement et sans monopole, en liaison avec d’autres organismes comme par exemple les ‘Équipes de Recherche Biblique’ (protestantes), voudrait être… au service de tous ceux qui, sans être spécialistes, désirent aider ou être aidés à lire les Écritures : chrétiens isolés, communautés, cercles bibliques, maisons d’édition… » (Étienne Charpentier, 1972)

Aujourd’hui, le SBEV est animée par une équipe dont le directeur, nommé par le conseil d’administration, est soumis à l’approbation des évêques de France.

Directeurs: Étienne Charpentier (1971-1979), Marc Sevin (1979-1984), François Tricard (1985-1988), Philippe Gruson (1989-1996), Joseph Stricher (1997-2002). Depuis 2003: Gérard Billon.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Sinopse das narrativas apócrifas da infância de Jesus

ELLIOTT, J. K. A Synopsis of the Apocryphal Nativity and Infancy Narratives. Second Edition, Revised and Expanded. Leiden: Brill, 2016, VIII + 234 p. - ISBN 9789004311190.


ELLIOTT, J. K. A Synopsis of the Apocryphal Nativity and Infancy Narratives. Second Edition, Revised and Expanded. Leiden: Brill, 2016

Early Christians built on the stories of Jesus' and Mary’s birth and childhood. Their later accounts, many of them found nowadays among collections of non-canonical ('apocryphal') texts, are important and interesting. They give insights into the growth of Christian theology, especially concerning the role and status of Mary, and also the way in which the earliest stories were elaborated and interpreted in popular folk religion. A range of the earliest accounts is presented here in fresh translations. This second edition contains some texts originally in a variety of different languages such as Armenian, Ethiopic, Coptic and Irish, not available at the time of the first edition. The texts are arranged in small units and synoptically, in order to permit readers to compare texts and to see the differences and similarities between them. J.K. Elliott has selected and arranged the texts, and he provides introductory and concluding chapters. He also includes a full and helpful bibliography to benefit readers who
may wish to pursue this comparative study more deeply.

Bibliografia dos Manuscritos Gregos do Novo Testamento

ELLIOTT, J. K. A Bibliography of Greek New Testament Manuscripts. Third Edition. Leiden: Brill, 2015, 408 p. - ISBN 9789004289239

This bibliography is a comprehensive listing of books, facsimiles, collations and articles relating to some 3,500 Greek New Testament manuscripts, including references to photographic plates and albums. These are divided into the conventional categories of papyri, majuscules, minuscules and lectionaries, as classified in the current Gregory-Aland register. This third revised edition supersedes the two previous editions. Entries from those earlier editions and from three supplements, published as articles in Novum Testamentum, as well as newly published material, are to be found here.

ELLIOTT, J. K. A Bibliography of Greek New Testament Manuscripts. Third Edition. Leiden: Brill, 2015


For over a quarter of a century, Elliott’s Bibliography has rendered sterling service to the text-critical community in providing details of secondary literature arranged  by  New  Testament  manuscript. The  fifteen  years  since  the  publication of its second edition have witnessed a resurgence of interest in this discipline, stimulated in part by new scholarly approaches, the use of computers for textual  editing,  and  the  proliferation  of  digital  images  of  manuscripts  on  the  internet.  With  almost  half  as  many  pages  again,  this  expanded  third  edition  bears witness to the recent increase in activity. In addition, further witnesses continue to be identified: the new Bibliography treats 157 more entries in the Gregory-Aland Liste than its previous edition (H.A.G. Houghton, Novum Testamentum 58 (2016) 422.

O mesmo resenhista informa como o leitor pode chegar - se tiver persistência - a esta informação online no site BiBIL - Bibliographie biblique informatisée de Lausanne:

Readers are informed in the Acknowledgements that the book “is linked to the online bibliographical resources of the Faculty of Theology at the University of Lausanne to be found under its logo BiBIL” (page vii), although there is no further explanation of the significance of this or how the electronic version should be used. The website itself (now https://bibil.unil.ch/ and not the address on page 407 of the printed book) is similarly uninformative: some persistence is required for users to discover that, if they select the Recherche thésaurus tab, followed by the ‘+’ symbol next to Thésaurus BiBIL, then Nouveau Testament (Problèmes d’Introduction), then Critique textuelle du Nouveau Testament, then Textes grecs, then Manuscrits, they will be confronted with four further categories corresponding to the divisions of the printed Bibliography. Two further clicks take the user to an entry for each manuscript: selecting this, followed by the Rechercher button at the foot of each page, will bring up a list of publications corresponding to those in the present book, and even boasts links to online versions of certain items.


Quem é o autor?

J. K. Elliott is Professor of New Testament Textual Criticism at the University of Leeds. He is a member of the Editorial Board of the journal Novum Testamentum.

sábado, 24 de setembro de 2016

O Decálogo nos escritos judaicos e cristãos até 200 d.C.

DE VOS, J. C. Rezeption und Wirkung des Dekalogs in jüdischen und christlichen Schriften bis 200 n.Chr. Leiden: Brill, 2016, 510 p. - ISBN 9789004324381.


Rezeption und Wirkung des Dekalogs in jüdischen und christlichen Schriften bis 200 n.Chr.



O livro, em alemão, examina o impacto e a recepção do Decálogo  - os Dez Mandamentos - nos escritos judaicos e cristãos até o ano 200 d.C.

Por exemplo: o Decálogo na LXX, no Pentateuco Samaritano, nos Manuscritos de Qumran, na Peshitta, na Vetus Latina, em Fílon de Alexandria, em Flávio Josefo, nas cartas paulinas, nos Evangelhos Sinóticos, no Evangelho de João, nos apócrifos judaicos e cristãos, nos escritos gnósticos etc.

Diz a editora - que tem um preço proibitivo - em inglês e alemão:

J. Cornelis de Vos examines the impact and reception of the Decalogue up to 200 CE, scrutinizing the versions of the Decalogue, and the history of the Decalogue in ancient Jewish writings, the New Testament, and early Christian writings. Almost all texts show an interconnection of identity and normativity: the Decalogue functions as an expression of fundamental moral concepts of socio-religious groups. At the same time, these groups enhance the Decalogue with normativity—sometimes even expanding on it—to make it a text that generates their own identity. This is the first study that presents an in-depth and continuous analysis of the early history of the Decalogue.

Der Wirkung und Rezeption des Dekalogs bis 200 n.Chr. widmet sich J. Cornelis de Vos in dieser Studie. Dafür erforscht er zunächst die alten Textzeugen der beiden Dekalogfassungen, um anschließend zu fragen, wie die Zehn Gebote bei antik-jüdischen Autoren, im Neuen Testament sowie in frühchristlichen Schriften aufgenommen wurden. Es zeigt sich eine Verbindung von Normativität und Identität: Der Dekalog gilt zumeist als Ausdruck der moralischen Grundauffassungen sozioreligiöser Gruppen; er wird gleichzeitig von diesen Gruppen mit Normativität aufgeladen – manchmal sogar erweitert – gerade um als Identität stiftend für die eigene Gruppe zu gelten. Dies ist die erste Studie, die eine detaillierte und durchgehende Geschichte des Dekalogs in der Antike beschreibt.


Quem é o autor?

J. Cornelis de Vos, Ph.D. (2002, University of Groningen) is Adjunct Professor of Hellenistic Judaism and New Testament at the University of Münster, Cluster of Excellence “Religion and Politics”. He has published monographs and many articles on the Hebrew Bible, the New Testament, and ancient Jewish writings.

J. Cornelis de Vos, Dr. (2002, Universität Groningen) ist Privatdozent für Hellenistisches Judentum und Neues Testament an der Universität Münster, Exzellenzcluster “Religion und Politik”. Er hat Monografien und viele Artikel zur Hebräischen Bibel, dem Neuen Testament und antik-jüdischen Schriften veröffentlicht.

Livros sobre o golpe de 1964 e a ditadura no Brasil

Neste endereço há, hoje, 68 livros sobre o golpe de 1964 e a ditadura no Brasil.

Disponíveis para download, em pdf.



Brasil: Nunca Mais


Leia Mais:
1964: leituras

Livros sobre o golpe de 2016



Livros sobre o golpe de 2016



10 livros sobre o golpe de 2016. Bibliografia comentada.

Alguns são gratuitos e estão disponíveis nos formatos pdf, epub e mobi.


Leia Mais:
Golpe Nunca Mais

Carlos Mesters: na brisa leve um suave perfume

Um belo texto sobre o nosso mestre Carlos Mesters. Encontrei por acaso e achei interessante transcrever aqui.

Carlos Mesters - O suave perfume da flor sem defesa expandiu-se em brisa leve

Por Mercedes Lopes - 07/06/2016

Nascido no sul da Holanda, em 20 de outubro de 1931, Jacobus Gerardus Hubertus Mesters chega ao Brasil em janeiro de 1949 e em 1951 recebe o hábito carmelita com o nome de frei Carlos. Um nome de origem germânica que literalmente significa homem. Mas, alguns estudiosos acrescentam a este nome alguns adjetivos, como "homem livre" ou "homem do povo", qualidades que, entre tantas outras, marcam a personalidade de Carlos Mesters.

Depois de concluir o ginásio e de cursar humanidades e filosofia, em São Paulo, Carlos Mesters faz teologia em Roma, na Pontifícia Universidade Santo Tomás de Aquino. Estuda Ciências Bíblicas no Instituto Bíblico de Roma [PIB] e faz uma especialização na École Biblique de Jerusalém. Em 1962, volta a Roma para defender a tese junto à Pontifícia Comissão Bíblica sobre o Apocalipse de São João. Em 1963, de volta ao Brasil, é nomeado professor do Curso Teológico dos Carmelitas, em São Paulo. Revela-se um excelente professor de exegese bíblica, usando com criatividade o método histórico crítico. O grande interesse de seus alunos pelo estudo chama a atenção de seus superiores. Desse modo, em 1967 é nomeado professor do Colégio Internacional Santo Alberto, em Roma.

Em 1968, dá por encerrada sua colaboração em Roma e volta ao Brasil, pois seu coração já é brasileiro e sente saudades. Passa a viver em Belo Horizonte (MG), onde o Convento do Carmo mantém uma rede de militância ligada à situação social, religiosa e política da época. Com a ditadura militar iniciada em 1º de abril de 1964, em novembro de 68 o Gal. Arthur da Costa e Silva estabelece o Ato Institucional nº 5, aumentando o número de prisões, torturas, assassinatos e desaparecimento de lideranças.

Frei Carlos começa a escrever, tendo dois destinatários bem definidos: 1º) As Comunidades Eclesiais de Base 2º) Pessoas que estudam a Bíblia e são professores. Com seus escritos, oferece um olhar novo, que ajuda a perceber a ligação entre a Bíblia e a Vida. Sua obra está inserida na Teologia da Libertação, com o objetivo de animar e iluminar a caminhada libertadora dos pobres, através da leitura bíblica, gerando uma espiritualidade comunitária de pé no chão.

Desde então, frei Carlos torna-se um peregrino da Palavra de Deus e decide passar um período de sua vida em Crateús, sertão do Ceará, sentindo na pele a vida sofrida dos pobres e aprendendo da grande sabedoria do povo do sertão nordestino. Identificou-se de tal maneira com as comunidades de Crateús que, em um encontro de religiosas, uma jovem Irmã afirma cheia de alegria que conhece a mãe do Carlos Mesters. “Então você esteve na Holanda?”, lhe perguntaram. Ela respondeu: “Por que na Holanda? A mãe dele mora mesmo é em Tauá, lá perto de Crateús! Eu fui lá participar de um curso bíblico e conheci a mãe dele”.

Carlos Mesters


Com essa proximidade simples e muita sensibilidade, frei Carlos começa um jeito novo de ler e de interpretar a Bíblia: a Leitura Popular da Bíblia. Ao criar e partilhar a metodologia da Leitura Popular da Bíblia, ele foi descobrindo e animando novos sujeitos da interpretação bíblica. Assim, ao oficializar a fundação do CEBI (Centro Ecumênico de estudos Bíblicos), em 1978, no convento do Carmo em Angra dos Reis – RJ, no dia 20 de julho, festa do profeta Elias, frei Carlos já havia despertado muitas lideranças que se apaixonaram por esta proposta e entraram para o CEBI, formando Regionais e Sub-regionais do CEBI por todo o Brasil.

A leitura da Bíblia feita em comunidade e ligada à realidade, com o compromisso de lutar em conjunto para modificar as situações injustas, gera relações de amizade e companheirismo. São essas relações de proximidade e cumplicidade que ajudam as comunidades cristãs a fazer uma experiência de Deus que escuta o grito dos pobres e caminha com seu povo oprimido. Esta nova experiência de Deus confirma a caminhada e vai exigindo maior conversão e entrega coletiva ao seu serviço do Reino. A grande aceitação e ampliação do CEBI está marcada por esta mística.

Em 1982, houve um encontro latino americano e caribenho de Teologia da Libertação, realizado no TUCA, auditório da PUC de São Paulo. Ali estava frei Carlos, não somente falando sobre a possibilidade de ler e de entender a Palavra de Deus dentro da realidade sofrida dos pobres, mas cantando a música “Mandacaru”, que celebra a resistência criativa do povo diante da miséria e da fome:

"A terra de seca não tinha suor, nem lágrimas cai nos óio que sente dor.

Tamanho verão o sol prometeu: não há quem resista tão grade calor.

No meio daquele deserto agrião um verde bonito, suspenso no ar,

de braços abertos pedindo ao céu tem dó deste povo, aprendeu a rezar.

SÓ MANDACARU, SÓ MANDACARU,

SÓ MANDACARU RESISTIU TANTA DOR!"


Através de intensa produção literária e dos cursos bíblicos realizados por toda parte, o perfume suave da flor foi se expandindo com total liberdade, fazendo com que “a casa se encha de perfume!” (Jo 12,4). Como frei Carlos não se preocupa muito com questões de direitos autorais, sua palavra, falada ou escrita espalhou-se com a liberdade de uma "brisa leve", criando um clima de esperança e coragem. Foi através desse movimento que o CEBI começou antes de começar.

Carlos Mesters é autor de vários livros sobre a Bíblia, sozinho ou com autoria compartilhada. Mas, ele mesmo já deve ter perdido a conta dos cursos que assessorou, dos textos que escreveu, das reuniões de que participou, das entrevistas e reportagens que deu. E, assim, o suave perfume da flor sem defesa expandiu-se, levando as pessoas a sentirem a presença carinhosa de Deus em suas vidas e a caminhar na esperança.

Bibliografia Bíblica Latino-Americana em novo site

Metodista lança novo site da Bibliografia Bíblica Latino-Americana Milton Schwantes

O novo site da Bibliografia Bíblica Latino-Americana Milton Schwantes está no ar [desde junho de 2016, mas algumas seções ainda estão em construção]. O projeto está ligado ao Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Metodista de São Paulo, e tem como objetivo incentivar e democratizar a pesquisa bíblica, reunindo informações e facilitando o acesso ao conteúdo produzido sobre estudos bíblicos na América Latina e no Caribe.

A Bibliografia Bíblica foi iniciada em 1988 pelo falecido biblista e professor da Metodista Milton Schwantes, que viu a importância dos estudos bíblicos naquela época, quando a Bíblia estava sendo descoberta pelas comunidades cristãs da América Latina e do Caribe como fonte para uma maneira de formular a religião. O projeto foi relançado e renomeado para homenagear Schwantes pela importância e extensão de seu trabalho.

“Quando o projeto foi desativado em 2012, por falta de verbas, houve um ‘protesto’ muito grande por parte dos biblistas em todo Brasil. A Bibliografia Bíblica é muito estimada e conhecida pelos que estudam Bíblia na América Latina”, conta o professor José Ademar Kaefer, do programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião, responsável pela retomada do projeto.

Kaefer destaca que não existe nenhum outro site na América Latina com um arquivo tão grande sobre o tema como a Bibliografia Bíblica. O novo site possui um índice com nomes e contatos de biblistas, editoras, autores latino-americanos e publicações acessíveis ao público. O projeto já publicou oito volumes que reúnem as publicações bíblicas referentes aos anos de 1988 a 1995, e disponibiliza dados de 1996 até os dias atuais integralmente no site.

(...)

Visite o site da Bibliografia Bíblica Latino-Americana Milton Schwantes clicando aqui.

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Thomas Römer: os diversos papéis de Moisés no Pentateuco

Transcrevo aqui texto publicado no dia 02/09/2016 no portal da Universidade Metodista de São Paulo sobre a Conferência de Thomas Römer no VII Congresso da ABIB.


Exegeta Thomas Römer discute os diversos papéis de Moisés no Pentateuco

Conversa integrou o VII Congresso Brasileiro de Pesquisa Bíblica

O exegeta suíço Thomas Römer foi o convidado da conferência desta quarta-feira (31) do VII Congresso Brasileiro de Pesquisa Bíblica. Promovido pelo Programa de Pós-Graduação da Universidade Metodista de São Paulo e pela Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB), o evento inclui diversas conferências e mesas de debate sobre o Pentateuco.

Thomas Römer, do Collège de France/Université de Lausanne, falou a respeito dos papéis de Moisés no Pentateuco. Nos livros, ele aparece como legislador, rei, chefe e juiz de Israel, mas de acordo com Römer, o papel mais importante de Moisés é o de legislador. 

Thomas Römer


Moisés: legislador, rei e juiz

“No Antigo Oriente, o rei é o mediador tradicional entre os deuses e o povo. Na Mesopotâmia, o governante político é frequentemente também o primeiro de todos os sacerdotes, devido à sua relação especial com uma divindade particular”, diz. O rei era também considerado o pastor de seu povo, legislador e juiz, como responsável pela ordem do país.

No entanto, de acordo com as fontes, os reis de Israel e Judá não eram legisladores, pois seguiam e eram julgados diante da Lei de Moisés. “O fato de que, na Bíblia Hebraica, é Moisés quem aparece como o legislador, e não Davi ou Salomão, pode ser explicado com a situação do judaísmo emergente no período persa. A realeza judaíta não existia mais, e os intelectuais judaítas que editaram o Pentateuco e os Profetas Anteriores aceitaram o governo persa e eram contra a restauração da monarquia judaíta”, explica.

“Em Êxodo, Moisés é apresentado desde o início como um rei. A história de seu nascimento e seu enjeitamento mostra uma dependência literária da lenda sobre o nascimento de Sargão, o fundador de Akkad”, esclarece. “É possível que o autor tenha recorrido à lenda sobre Sargão, tanto mais se considerarmos a possibilidade de que a figura da irmã de Moisés é um acréscimo posterior. Tanto Sargão como Moisés são enjeitados por suas mães, e ambas têm certa relação com o sacerdócio”.

Römer sustenta esse argumento dizendo que aparecem traços reais em relação a Moisés no episódio em que Javé o estabelece como aquele que deve tirar os israelitas do Egito: ele é apresentado como um pastor, um título dos reis. Nos trechos de construção do templo, Moisés pode ser comparado ainda a Salomão, o construtor do templo de Jerusalém.

Segundo Römer, antes da transmissão do primeiro código, o chamado “Código da Aliança”, Moisés foi retratado exercendo a prerrogativa de julgar o povo. “Todos os códigos de leis no Pentateuco são comunicados por Javé a Moisés, que é depois responsável pela sua comunicação a Israel. A afirmação de que “toda causa importante, eles a levavam a Moisés, e toda causa menor, eles mesmos a julgavam” reflete o princípio de que toda questão ligada a uma prescrição diretamente abordada na Torá pode ser adjudicada pelas autoridades competentes; casos que parecem não ter o respaldo de prescrições da Torá precisam ser investigados diretamente por Moisés”.

Conclusão e interação

O estudioso acredita, no entanto, que “o papel de Moisés como legislador seja o mais importante de suas atuações, pois devido à transferência de uma função real a Moisés, que antes da conquista da terra e da fundação da monarquia tinha transmitido todas as leis a Israel, o judaísmo tinha condições de existir como uma religião sem-terra e sem Estado”.

Confira algumas das respostas do palestrante às questões do público (continua)


Minhas sugestões de leitura sobre o tema

:: Um livro:

BORGEAUD, Ph.; RÖMER, T.; VOLOKHINE, Y. (eds.) Interprétations de Moïse: Égypte, Judée, Grèce et Rome. Leiden: Brill, 2010, XIV + 306 p. - ISBN 9789004179530


:: Dois artigos [procure por Moisés em]:

Quem são os judeus? Falam autores gregos antigos
Quem somos nós? Falam autores judeus antigos

Livro de Thomas Römer: A origem de Javé

RÖMER, T. A origem de Javé: o Deus de Israel e seu nome. São Paulo: Paulus, 2016, 256 p. - ISBN 9788534944571.


Thomas Römer, A origem de Javé: o Deus de Israel e seu nome

Diz José Ademar Kaefer na apresentação da versão brasileira do livro de Thomas Römer:

Sob o título original francês “L’invention de Dieu”, traduzido para o inglês “The Invention of God”, a versão brasileira optou por “A origem de Javé”, que na realidade é do que trata o livro. É também esse o sentido que o autor quer dar quando emprega o conceito “invenção”. Ou seja, como a imagem de Javé-Deus foi sendo entendida e construída gradativamente na história dos povos da Bíblia, desde a Era do Bronze até o período helenista. A origem de Javé é um tema complexo, perseguido pelos pesquisadores desde que as ciências começaram a fazer parte da exegese bíblica. Portanto, o livro não parte do zero nem esgota a investigação. Ele apresenta, de forma muito didática e de fácil leitura, o panorama histórico da investigação acerca das possíveis origens de Javé e acrescenta novos elementos em todos os tópicos abordados. O novo é oriundo da pesquisa literária moderna, das recentes e abundantes descobertas arqueológicas e, evidentemente, da pesquisa pessoal do autor, que é vasta e qualificada.

O original francês é:

RÖMER, T. L’invention de Dieu. Paris: Seuil, 2014, 331 p. – ISBN 9782021088151.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Nova edição da Introdução ao Profetismo do Sicre

A Vozes acaba de publicar em português a nova edição da Introdução ao Profetismo de José Luis Sicre Díaz.

O livro saiu em espanhol em 2012, como se pode ver em Sicre: nova edição da introdução ao profetismo. Esta edição substitui o conhecido Profetismo em Israel: O Profeta, os Profetas, a Mensagem. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

E traz as novas tendências da pesquisa na área. Nota-se a diminuição do interesse pelas figuras proféticas e o aumento da atenção dispensada aos livros proféticos.

SICRE DÍAZ, J. L. Introdução ao Profetismo Bíblico. Petrópolis: Vozes, 2016, 536 p. - ISBN 9788532652416.


Sicre, Introdução ao Profetismo Bíblico

Escreveu Sicre em 2012: 
El mayor cambio en el estudio del profetismo durante las últimas décadas ha sido el paso del interés por los profetas (Isaías, Jeremías, etc.) al interés por los libros. La reconstrucción de las vidas de los profetas, tan típica del siglo pasado, es juzgada ahora como una labor muy subjetiva, sin base histórica cierta; además, no permite explicar el libro o el escrito atribuido a un profeta, ya que la mayor parte del mismo procede de autores posteriores.

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Ska: tendências do estudo do Pentateuco na última década

Transcrevo aqui texto publicado no dia 31/08/2016 no portal da Universidade Metodista de São Paulo sobre a Conferência de Jean-Louis Ska no VII Congresso da ABIB.


Jean-Louis Ska aborda as tendências do estudo do Pentateuco na última década

Conferência foi realizada no VII Congresso Brasileiro de Pesquisa Bíblica


Ontem (30) foi realizada a segunda conferência do VII Congresso Brasileiro de Pesquisa Bíblica, na Universidade Metodista de São Paulo. O evento é promovido pelo Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da Metodista e a Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB).

O teólogo belga Jean-Louis Ska participou com a discussão “Pentateuco: História, Tradução e Exegese”, a mesa ainda contou com a participação de Vicente Artuso, da PUC do Paraná, que coordenou a mesa e Telmo Figueiredo, membro da ABIB, que realizou a tradução do italiano para o português.

A conferência falou sobre as tendências do estudo do Pentateuco nos últimos dez anos. Ska é uma autoridade no assunto, além de ser professor de Exegese do Antigo Testamento no Pontifício Instituto Bíblico de Roma, já escreveu diversos livros, incluindo “Introdução à Leitura do Pentateuco”, publicado no Brasil.

 
Jean-Louis Ska


Perguntas fundamentais dos últimos 10 anos

Para iniciar a conversa, Ska ressaltou que com o livro Deuteronômio, reencontramos a lei e o mundo jurídico da Torá, tema pelo qual Eckart Otto trabalhou para devolver importância, pois acredita que a solução dos problemas do Pentateuco não vem das narrativas, mas sim das leis. Por outro lado, John Van Seters sustenta que o Código da Aliança seja mais recente do que o Código Deuteronômico e que a Lei de Santidade.

Ska explica que duas tendências importantes da pesquisa são a reforma de Josias e a natureza de Deuteronômio. No passado, a reforma de Josias foi considerada historicamente importante, porque teria acontecido a purificação de elementos estranhos e centralização do culto em Jerusalém, por meio da destruição dos cultos rivais.

No entanto, surgem perguntas a respeito do valor histórico da narrativa, pois a arqueologia não confirma nenhuma destruição maciça de altares ou de santuários no período que precede imediatamente a conquista de Jerusalém em 585 a.C e existem indícios de que o santuário de Betel tenha continuado em atividade mesmo durante o período do exílio, enquanto o templo de Jerusalém estava em ruínas.

“Por outro lado, a narrativa é mais bem interpretada como uma tentativa de dar ao Deuteronômio e à centralização do culto as suas cartas de recomendação. Isso foi ampliado e enfeitado para justificar a ordem das coisas instauradas na época da reconstrução do segundo templo. Foi reconstruído um só santuário, e por isso havia um só altar, um só sacerdócio e um só centro administrativo na província persa de Yehud”, diz Ska.

O estudioso continua: “era necessário demonstrar que a reforma não era uma inovação introduzida pelos exilados que voltaram da Babilônia. Ela tinha raízes antigas num evento precedente ao exílio e podia ser colocada sob a autoridade de uma grande figura, o rei Josias, que, por sua vez, não tinha feito nada mais que tornar efetiva uma lei esquecida, a de Moisés. O “livro achado” é um argumento conhecido no mundo antigo que serve geralmente para justificar reformas e inovações”.

A segunda tendência recente citada por Ska, é a descoberta de uma nova cópia do chamado tratado de vassalagem de Esarhaddon, filho de Senaquerib. Descoberto em 1955 em Nimrud, tem como primeira finalidade assegurar a sucessão de Esarhaddon a favor de seu filho Assurbanipal, sobretudo porque ele não era o primogênito. O professor compara Deuteronômio e o tratado de sucessão de Esarhaddon na questão da sucessão. Deuteronômio se apresenta como o testamento de Moisés, proclamado diante de todo o povo durante as últimas horas da sua vida.

“Uma das perguntas essenciais do livro é sobre o pós-Moisés: o que vai acontecer depois da sua morte, quando o povo tiver entrado na terra prometida? Como enfrentar as incertezas do futuro? Assim como o tratado de sucessão de Esarhaddon procura com todos os meios assegurar a continuidade da dinastia e a estabilidade do Império”, comenta.

“O Deuteronômio revelou-se determinante nos estudos sobre o Pentateuco, desde o tempo de W. L. M. de Wette. Isso se mantém ainda hoje, por dois motivos principais: Primeiro, porque é um dos escritos que podem ser identificados e datados mais facilmente, sobretudo graças aos paralelos neoassírios. Segundo, porque fornece uma das chaves mais importantes para interpretar a função da Torá na existência de Israel. O Deuteronômio faz depender a existência do povo, e de todas as suas gerações, não da sua força militar, não da sua economia, não da sua política, não dos seus recursos materiais ou humanos, mas sim unicamente da fidelidade à Torá de Moisés”, finaliza.

A respeito das discussões sobre autores e redatores, Ska acredita que “temos bons motivos para pensar que na composição do Pentateuco existam traços de trabalhos de escribas que se assemelham àqueles dos documentos encontrados em Qumran e atestados nas comparações entre o Texto Massorético, o Pentateuco Samaritano e a Septuaginta. E tudo isso apesar das amargas críticas daqueles que negam a existências de ‘editores’ ou ‘redatores’”.

Para finalizar a conferência, Ska declarou: “Os problemas da exegese – seja diacrônica, seja sincrônica – são problemas reais, não inventados. Portanto, resta somente uma coisa a fazer: retomar o caminho que conduz aos textos para relê-los com mais atenção e mais gosto”.

Ska respondeu a algumas questões do público que acompanhava a conferência (continua).

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Biblical Studies Carnival 126

Seleção de postagens dos biblioblogs em agosto de 2016.

August Biblical Studies Carnival

Trabalho feito por Kevin Turner, em seu blog Monday Morning Theologian.

E há também The August Carnival: A Month of Emil Brunner. By Jim West.